A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
A IMPORTÂNCIA DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

Pré-visualização | Página 1 de 3

12
Licenciatura em PedAgogia
Ana Vitória Cyrillo Pereira
Karen Cristiane Ferreira Teixeira 
Lidiane dos Santos
Thaís Pedro da Silva 
Thaís Ribeiro dos Santos de Mendonça 
A IMPORTÂNICA DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA
Duque de Caxias
2020
Ana Vitória Cyrillo Pereira
Karen Cristiane Ferreira Teixeira 
Lidiane dos Santos
Thaís Pedro da Silva 
Thaís Ribeiro dos Santos de Mendonça 
A IMPORTÂNCIA DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA
Trabalho de (Pedagogia) apresentado como requisito parcial para a obtenção de média semestral nas disciplinas Políticas Públicas da Educação Básica, Ética, Política e Cidadania, Psicologia da Educação e da Aprendizagem, Práticas Pedagógicas: Gestão da Aprendizagem, Educação e Diversidade.
Professores:
Natália Gomes dos Santos
José Adir Lins Machado
Juliana Chueire Lyra
Tatiane Mota dos Santos Jardim
Patrícia Graziela Gonçalves
Tutor Eletrônico:
Guilherme Devequi Quintilhano
Tutor de Sala:
Manoel Washington de Santana
Duque de Caxias
2020
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO	3
2 DESENVOLVIMENTO	4
2.1 HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA	4
2.2 A TRAJETÓRIA EDUCACIONAL DOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NO BRASIL	5
2.2.1 FÍGURAS AFRO-BRASILEIRA	5
2.2.1.1 FÍGURA 1	5
2.2.1.2 FÍGURA 2	6
2.2.2 FÍGURAS INDÍGENAS	6
2.2.2.1 FÍGURA 1	6
2.2.2.2 FÍGURA 2	7
2.3 A INSERÇÃO DA CULTURA INDÍGENA E AFRO-BRASILEIRA EM CURRÍCULOS ESCOLARES E SUAS REPERCUSSÕES	7
2.4 POSTAGEM EM REDE SOCIAL	9
2.4.1 OBRA	9
2.4.2 OBRA 	10
3 CONCLUSÃO	12
REFERÊNCIAS	13
INTRODUÇÃO
Neste artigo iremos discutir sobre a importância da cultura afro-brasileira e indígena e a democratização das mesma nos currículos da Educação básica e superior brasileira, como um momento histórico ímpar, de crucial importância e com fortes repercussões pedagógicas na formação de professores, portanto, será abordado o tema “O papel da cultura afro-brasileira e indígena para a democratização social” com o objetivo de explorar os conteúdos interdisciplinares estudados neste semestre. Traremos também leis que regulam a luta pela democratização da história e cultura afro-brasileira e indígena nas salas de aula. 
Nosso país foi formado através de uma miscigenação muito grande, e com isso há uma diversidade de culturas que concebe o povo brasileiro, cada um com suas maneiras, tradições e assim por diante. Convivemos com ideologias, desigualdades e estereótipos desrespeitosos. Para explicar isso utilizaremos os dados da Produção Textual em Grupo (PTG) onde é colocada a necessidade de análise do currículo escolar pela pedagoga Ana e o diretor Fernando segundo a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), sendo abordado no desenvolvimento deste trabalho, onde é exposta a importância da abordagem da Cultura afro-brasileira e indígena.
Será feito ainda uma postagem formativa no qual apresentaremos obras de artes embasadas no texto proposto já que a maioria dos alunos estão conectados nas redes sociais e essa é uma forma muito eficaz no momento em que vivemos de atrair a atenção do público alvo.
DESENVOLVIMENTO	
HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILeira e indígena
Antes de tudo devemos refletir um ponto importante, quando falamos em Brasil nos referimos a um país heterogêneo, isso significa que diferente de outras nações, possuímos uma abundância de culturas e costumes espalhadas pelas terras brasileiras.
Nosso país passou por modificações econômicas e sociais no início do século XXI, ligadas a uma atividade de generalização da educação, numa realidade de estabilização da democracia, que se iniciou nas décadas finais do século XX. Desde o descobrimento, nosso país é povoado por diversas pessoas, incluindo os nativos que aqui já habitavam.
Quando trazemos à tona, o assunto sobre democracia ,chegamos à firme conclusão de que, para existir o respeito instaurado em âmbitos educacionais, é necessário que os estudantes tenham conhecimento sobre a cultura afro-brasileira e sobre a cultura indígena, tendo como objetivo principal, adicionar bases de conhecimentos históricas de cada cultura, sabendo-se que ambas contribuíram para a que a história de construção social fosse iniciada. Na data de 20 de dezembro, do ano de 1996, houve o estabelecimento da lei de número Nº 9.394, juntamente com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Alguns anos depois, exatamente no ano de 2003, houve a aprovação da lei de número 10. 639/03, que trouxe modificação à Lei das diretrizes e da Base educacional, e surgiu assim, a obrigatoriedade de usar temática que estuda a história e a cultura afro-brasileira e a cultura indígena, integrado nos polos das redes escolares. Logo após, houve também, o surgimento da lei 11.645/08, que não defende somente a implementação que a lei 10.639 defende, como também, defende a inclusão de toda a história e o estudo da cultura indígena nos currículos escolares de forma obrigatória.
Os avanços educacionais citados aconteceram após mais de um século de lutas, dessa forma observamos como a educação sempre foi um produto social, onde a cor da pele se tornou um fator determinante e limitante no que diz respeito ao acesso social e educacional. As escolas precisam de profissionais comprometidos em conceber uma política pública educacional imparcial, preparando nossos jovens e crianças    para a construção de uma sociedade sem preconceitos, em que os negros e indígenas possam estar ao lado de todos, onde desfrutem da liberdade dentro das escolas e na sociedade. 
a trajetória educacional dos afro-brasileiros e indÍgenas no brasil
A trajetória da educação e escolarização dos negros e indígenas no Brasil foi afamada por uma jornada de desigualdades que podemos observar até nos dias atuais. Desde a chegada dos portugueses nas terras brasileiras, a educação se estabeleceu como uma importante ferramenta para formação de um tipo de sociedade. A educação oferecida no Brasil Colônia, tinha como objetivo moldar os povos nativos para se igualarem ao estilo dos europeus e colocá-los em uma lógica de trabalho escravizado. De antemão, a educação destinada aos colonos conduzia para a proteção dos valores morais e religiosos. Enquanto se excluía os escravizados. Por diversos anos a população negra foi excluída nas representatividades dentro da educação, e os indígenas tratados como intrusos dentro do seu próprio país. Sendo olhados de forma pejorativa, logo existe falta de respeito ao ser humano por sua cultura, história e costumes.
 2.2.1 FIGURAS AFRO-BRASILEIRA
 Segue abaixo alguns exemplos afro-brasileiros:
2.2.1.1 FiGURA 1
 Música
https://www.geledes.org.br/em-macae-comecam-nesta-terca-feira-06-inscricoes-para-curso-de-cultura-afro-brasileira/
2.2.1.2 FiGURA 2
Dança
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_afro-brasileira#/media/Ficheiro:Encontro_estadual_de_maracatus.jpg
 2.2.2 FÍGURAS INDÍGENAS 
 Segue abaixo alguns exemplos indígenas:
2.2.2.1 FiGURA 1
 Artesanato
http://conhecimentorevelado.blogspot.com/2018/03/a-cultura-indigena-historia-estrutura.html
 2.2.2.2 FiGURA 2
Dança
https://blog.estantevirtual.com.br/2016/08/09/cinco-livros-sobre-a-cultura-indigena/
 2.3 A INSERÇÃO DA CULTURA INDÍGENA E AFRO-BRASILEIRA EM CURRÍCULOS ESCOLARES E SUAS REPERCUSSÕES 
 Infelizmente, ainda é comum nos deparamos com casos de preconceitos raciais por toda a parte do mundo. E no Brasil não é diferente, mesmo com todas as leis que respaldam as conquistam dessas culturas ainda temos muito que progredir na sociedade.
No ano de 2010 foi criado o Estatuto de Igualdade Racial no Brasil “Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. No Art.1º Esta Lei institui o Estatuto da Igualdade Racial, destinado a garantir à população negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e todas