FLAVONÓIDES-2010-A
5 pág.

FLAVONÓIDES-2010-A


DisciplinaFarmacognosia I481 materiais3.230 seguidores
Pré-visualização1 página
DROGAS RICAS EM FLAVONÓIDES
Definição: São constituintes bastante comuns nas espécies vegetais, apresentando-se
frequente, como pigmentos amarelos. Duas nomenclaturas são utilizadas, sendo uma mais usual que a
outra: O nome químico pode ser encontrado como derivados da benzo-\u3b3-pironas (cromona), ou seja,
derivados 2-fenil-cromona. Mas o usual é derivados flavana, chalcona, etc. 
Do ponto de vista biossintético, os flavonoides são derivados dos ácidos cinâmicos (chiquimato), com a
fusão de uma unidade benzilica proveniente da rota de acetato. Dando origem aos diferentes flavonoides
existentes, como indicado abaixo:
O
O
A
B
C
1
3
45
7
2´
4´
Classificação: De acordo com a rota biossintética, podem ser encontrados os seguintes
derivados flavônicos:
Distribuição: Os flavonóides são amplamente distribuídos nas plantas superiores particulamente
em certas famílias: Polygonaceae, Rutaceae, Leguminosea e Compositae. Presentes nos órgãos aéreos
e os maiores teores encontram-se nos órgãos de cor amarela (flores e botões florais), ou dependendo,
não apresentam cor. Já os derivados antocianidicos apresentam cor vermelha a violeta intensa.
 Podem ser encontradas na forma de genina, ou derivados C-heterosídeos e O-heterosídeos,
sendo os açucares ligados, mais comumente, na posição 3 ou 7 (O-heterosidica). As formas C-
heterosidicas em C-6, C-8, mais comumente encontradas.
Propriedades físico-químicas dos flavonóides: Os flavonóides são sólidos cristalino, de cor
branca a arnarelo-clara. Os heterosídeos são solúveis em mistura de água e álcoois, álcoois e outros
solventes orgânico polares, insolúveis em solventes de baixa polaridade, também possuem solubilidade
em soluções alcalinas. As geninas são solúveis em solventes MeOH e soluções aquosa básica. 
Apresentam coloração amarela intensa em meio aquoso básico e absorvem no UV. A
espectrometria no UV é utilizada como diferenciador dos diferentes grupos de flavonoides.agliconas são
cristais amarelos, solúveis em solventes orgânicos e em meio básico, já os heterosídeos são solúveis em
álcool, água. Os flavonoides possuem a capacidade de complexar com metais (alumínio por exemplo),
formando complexos que deslocam a banda de absorbância no visível e ultravioleta. É comum utilizar
soluções de metais para visualização de flavonoides em CCD, com ou sem presença de luz UV. 
Extração de flavonóides: Geralmente se utiliza solvente com álcoois (metanol e etanol), mas
misturas de solventes alcoólicos com água é uma boa opção para extração de flavonoides glicosilados. É
bastante comum o uso de acetato de etila para obtençao de extratos enriquecidos de flavonóides, mas
este solvente é indicado para aglicona ou heterosideos monoglicosilados, heterosídeos flaonônicos
poliglicosilado exigem uma maior polaridade do solvente. 
Caracterização: Os métodos mais comumente utilizados são por espectrofotometria, utilizando a
absorbância no UV-visível, principalmente no UV, essa propriedade é utilizada também na quantificação
de flavonóides, por CLAE tendo detector de UV. Reações coloridas em CCD também são utilizadas para
detectar qualitativamente os flavonoides.
Ação fisiológica: Os flavonóides são essencialmente fitofármacos para insuficiência venosa:
atuam em pequenos vasos ou capilares aumentando a resistência capilar (ação conhecida da vitamina
P). Os flavonóides são tônicos venosos, protetores capilares. O possível mecanismo de ação sugerido é
seu efeito protetor sobre a adrenalina (atividade antioxidante), tendo um sinergismo com a vitamina C. 
Flavonóides como agentes antinflamatório: Os flavonóides afetam a resposta inflamatória
inibindo diferentes estágios da inflamação. Essa classe de constituintes pode ter vantagens sobre os
demaís antinflamatórios por não possuir os efeitos colaterais clássicos, como o efeito ulcerogênico.
Gossipina, (+)-catequina, naringenina e 8-glicosil-hipaletina, por exemplo, tem efeito protetor sobre a
mucosa gástrica de cobaias, sendo sugerido a sua associação com as demais drogas antiinflamatórios
não esteroidais (DANE), possivelmente, essa associação evitaria os efeitos colaterais clássicos. 
Outras atividades descritas: 
Antimícrobiana e antiviral: Já foi observado que os substituintes 3',4',5'-tridroxi no anel B, bem
como 3-OH nos derivados de flavonóides são necessários para a atividade antibacteriana. Quercetina,
kaempferol, os glicosídeos da rutina e isoquercetina exibem forte atividade antifúngica.
Quercetina, diiroquercetina e procianidina foram virostático contra Herpes sijnplex tipo 1, Polio e
Mengo. Vários flavonóides de ocorrência natural e encontrados nas dietas atuam sobre a infecção e
replicação de Herpes simplex, Polio, Painfluzenza, etc.
Já foi demonstrado que a 3-metoxil-5-hidroxi no esqueleto da flavona é necessária para a
atividade antiviral, como no caso do Rhinovírus. 
Atividade antioxidante: Quercetina, rutina, genisteína e raninetina exibem forte atividade
antioxidante, mas os ácido clorogênico, ácido caféico e kaempferol' apresentam essa atividade mais
acentuadamente. 
A fotólise da água oxigenada (H202) pelo ultravioleta na presença de diversos flavonóides, estes
utilizados como anti-oxidantes, foi avaliada no intuito de relacionar estrutura-atividade. Pode-se obter a
seguinte ordem de potencial antioxidante: Miricetina-> quercetina > moriina> diosme > narigenina > ...>
apigenina> catequina > .... > kaempferol'> flavona. 
A atividade aumenta com o número de OH no anel B e com a presença de OH em C-3, mas não
aumenta com a glicosilação do flavonóide.
Prática
Parte 01: Preparo do Extrato da Droga para CCD
Pesar 0,5 g da droga pulverizada, adicionar 10 ml de MeOH.
Aquecer em Banho-Maria por 5 minutos e filtrar
Parte 02: CCD do Extrato obtido 
FF: Silica-gel
FM: Acetato de etila : Àc. acêtico glacial : Ác. Fórmico : Água (100 : 11 : 11 : 26)
Padrão: Rutina e Quercetina
Revelador: NP/PEG
Aplicar de 3 a 4 gotas do extrato obtido na fase fixa (placa de Si), eluir na solução da fase móvel
e caracterizar com o revelador.
Parte 03: CCD do extrato com \u3b2\u3b2\u3b2\u3b2-caroteno
A placa anterior será feita novamente, mas ao inves de revelá-la com NP/PEG, borrifaremo-na
uma soluçao de b-caroteno 0,1% em cloroformio.
A placa será entao submetida a luz UV até descoloraçao total, observe as manchas referente as
substancias aplicadas, descreva.
(Esta prática exigirá relatorio):
1) O que ocorre com a placa quando borrifada com b-caroteno e exposta a luz UV,
mediante as formula e reação abaixo demonstrada, faça uma proposta do que ocorreu com o beta
caroteno, após exposiçao. Proponha um mecanismo.
2) Como atuaria os flavonóides, proponha um mecanismo.