Constituiçao comentada - STF
1879 pág.

Constituiçao comentada - STF


DisciplinaDireito Constitucional I66.452 materiais1.534.384 seguidores
Pré-visualização50 páginas
do modelo constitucional brasileiro, mesmo cuidando-se de tratados de integração, ainda subsistem os
clássicos mecanismos institucionais de recepção das convenções internacionais em geral, não bastando, para afastá-los, a
existência da norma inscrita no art. 4º, parágrafo único, da CR, que possui conteúdo meramente programático e cujo sentido
não torna dispensável a atuação dos instrumentos constitucionais de transposição, para a ordem jurídica doméstica, dos
acordos, protocolos e convenções celebrados pelo Brasil no âmbito do Mercosul." (CR 8.279-AgR, Rel. Min. Presidente
Celso de Mello, julgamento em 17-6-1998, Plenário, DJ de 10-8-2000.)
 
 TÍTULO II - Dos Direitos e Garantias Fundamentais
 
 CAPÍTULO I - DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
 
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
 
Constituição e o Supremo - Versão Completa :: STF - Supremo Tribunal Federal
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/constituicao.asp[19/12/2012 16:05:36]
\u201cNão viola a Constituição o estabelecimento de remuneração inferior ao salário mínimo para as praças prestadoras de
serviço militar inicial.\u201d (Súmula Vinculante 6.)
 
"É constitucional o § 2º do art. 6º da Lei 8.024/1990, resultante da conversão da Medida Provisória 168/1990, que fixou o
BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I." (Súmula 725.)
 
"O limite de idade para a inscrição em concurso público só se legitima em face do art. 7º, XXX, da Constituição, quando
possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido." (Súmula 683.)
 
Nota: O Plenário do STF, no julgamento da ADI 3.510, declarou a constitucionalidade do art. 5º da Lei de Biossegurança
(Lei 11.105/2005), por entender que as pesquisas com células-tronco embrionárias não violam o direito à vida ou o
princípio da dignidade da pessoa humana.
 
"O Magno Texto Federal não dispõe sobre o início da vida humana ou o preciso instante em que ela começa. Não faz de
todo e qualquer estádio da vida humana um autonomizado bem jurídico, mas da vida que já é própria de uma concreta
pessoa, porque nativiva (teoria \u2018natalista\u2019, em contraposição às teorias \u2018concepcionista\u2019 ou da \u2018personalidade condicional\u2019). E,
quando se reporta a \u2018direitos da pessoa humana\u2019 e até a \u2018direitos e garantias individuais\u2019 como cláusula pétrea, está falando
de direitos e garantias do indivíduo-pessoa, que se faz destinatário dos direitos fundamentais \u2018à vida, à liberdade, à
igualdade, à segurança e à propriedade\u2019, entre outros direitos e garantias igualmente distinguidos com o timbre da
fundamentalidade (como direito à saúde e ao planejamento familiar). Mutismo constitucional hermeneuticamente significante
de transpasse de poder normativo para a legislação ordinária. A potencialidade de algo para se tornar pessoa humana já é
meritória o bastante para acobertá-la, infraconstitucionalmente, contra tentativas levianas ou frívolas de obstar sua natural
continuidade fisiológica. Mas as três realidades não se confundem: o embrião é o embrião, o feto é o feto e a pessoa
humana é a pessoa humana. Donde não existir pessoa humana embrionária, mas embrião de pessoa humana. O embrião
referido na Lei de Biossegurança (in vitro apenas) não é uma vida a caminho de outra vida virginalmente nova, porquanto
lhe faltam possibilidades de ganhar as primeiras terminações nervosas, sem as quais o ser humano não tem factibilidade
como projeto de vida autônoma e irrepetível. O Direito infraconstitucional protege por modo variado cada etapa do
desenvolvimento biológico do ser humano. Os momentos da vida humana anteriores ao nascimento devem ser objeto de
proteção pelo direito comum. O embrião pré-implanto é um bem a ser protegido, mas não uma pessoa no sentido
biográfico a que se refere a Constituição." (ADI 3.510, Rel. Min. Ayres Britto, julgamento em 29-5-2008, Plenário, DJE
de 28-5-2010.)
 
\u201cÉ inconstitucional a atribuição supervalorizada de pontos, na prova de títulos em concurso público para o cargo de notário,
pelo exercício anterior de atividade cartorária em detrimento de outras atividades jurídicas. Todavia, o princípio
constitucional da isonomia é atendido pela atribuição proporcional de pontos aos candidatos exercentes de atividade notarial
e de outras atividades jurídicas, revelando-se inconstitucional a decisão que determina a extirpação total de pontos
referentes aos títulos obtidos pelo exercício daquela atividade.\u201d (AI 830.011-AgR, rel. min. Luiz Fux, julgamento em 26-
6-2012, Primeira Turma, DJE de 14-8-2012.)
 
"Concurso público. Prova de esforço físico. Caso a caso, há de perquirir-se a sintonia da exigência, no que implica fator de
tratamento diferenciado com a função a ser exercida. Não se tem como constitucional a exigência de prova física
desproporcional à habilitação ao cargo de auxiliar médico-legista, porquanto a atuação deste, embora física, não se faz no
campo da força bruta, mas a partir de técnica específica." (AI 851.587-AgR, rel. min. Marco Aurélio, julgamento em
19-6-2012, Primeira Turma, DJE de 1º-8-2012.) Vide: RE 150.455, rel. min. Marco Aurélio, julgamento em 15-12-
1998, Segunda Turma, DJ de 7-5-1999.
 
Constituição e o Supremo - Versão Completa :: STF - Supremo Tribunal Federal
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/constituicao.asp[19/12/2012 16:05:36]
\u201cEm conclusão, o Plenário, por maioria, julgou improcedente pedido formulado em ação direta ajuizada pela Confederação
Nacional dos Estabelecimentos de Ensino, pelo Partido Democratas e pela Federação Nacional dos Auditores-Fiscais da
Previdência Social contra a MP 213/2004, convertida na Lei 11.096/2005, que instituiu o Programa Universidade para Todos
(PROUNI), regulou a atuação de entidades de assistência social no ensino superior, e deu outras providências \u2013 v.
Informativo 500. O programa instituído pela norma adversada concedera bolsas de estudos em universidades privadas a
alunos que cursaram o ensino médio completo em escolas públicas ou em particulares, como bolsistas integrais, cuja renda
familiar fosse de pequena monta, com quotas para negros, pardos, indígenas e àqueles com necessidades especiais. (...)
No mérito, asseverou-se que a norma adversada erigira a educação à condição de direito social, dever do Estado e uma de
suas políticas públicas prioritárias. (...) Rechaçaram-se, de igual modo, as alegações de afronta aos princípios da igualdade,
da isonomia, da não discriminação e do devido processo legal ao argumento de que não se afiguraria legítimo, no
ordenamento, que vagas no ensino superior fossem reservadas com base na condição socioeconômica do aluno ou em
critério racial ou de suas condições especiais. Salientou-se que a igualdade seria valor que teria, no combate aos fatores
de desigualdade, o seu modo próprio de realização. Além disso, a distinção em favor dos estudantes que tivessem cursado
o ensino médio em escolas públicas e os egressos de escolas privadas contemplados com bolsa integral constituiria
discrímen a compensar anterior e factual inferioridade.\u201d (ADI 3.330, Rel. Min. Ayres Britto, julgamento em 3-5-2012,
Plenário, Informativo 664.)
 
\u201cO Plenário julgou improcedente pedido formulado em arguição de descumprimento de preceito fundamental ajuizada pelo
Partido Democratas (DEM) contra atos da Universidade de Brasília (UnB), do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da
Universidade de Brasília (CEPE) e do Centro de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (CESPE), os quais
instituíram sistema de reserva de 20% de vagas no processo de seleção para ingresso de estudantes, com base em critério
étnico-racial. (...) No mérito, explicitou-se a abrangência da matéria. Nesse