Constituiçao comentada - STF
1879 pág.

Constituiçao comentada - STF


DisciplinaDireito Constitucional I66.134 materiais1.526.634 seguidores
Pré-visualização50 páginas
se encontre no regime aberto, em residência particular. Em que pese a situação do paciente não se
enquadrar nas hipóteses legais, a excepcionalidade do caso enseja o afastamento da Súmula 691/STF e impõe seja a
prisão domiciliar deferida, pena de violação do princípio da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, da CF)." (HC 98.675,
Rel. Min. Eros Grau, julgamento em 9-6-2009, Segunda Turma, DJE de 21-8-2009.) No mesmo sentido: RHC
94.358, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 29-4-2008, Segunda Turma, Informativo 504.
 
\u201cLei do crime organizado (art. 7º). Vedação legal apriorística de liberdade provisória. Convenção de Parlermo (art. 11).
Inadmissibilidade de sua invocação. (...) Cláusulas inscritas nos textos de tratados internacionais que imponham a
compulsória adoção, por autoridades judiciárias nacionais, de medidas de privação cautelar da liberdade individual, ou que
vedem, em caráter imperativo, a concessão de liberdade provisória, não podem prevalecer em nosso sistema de direito
positivo, sob pena de ofensa à presunção de inocência, dentre outros princípios constitucionais que informam e compõem o
estatuto jurídico daqueles que sofrem persecução penal instaurada pelo Estado. A vedação apriorística de concessão de
liberdade provisória é repelida pela jurisprudência do STF, que a considera incompatível com a presunção de inocência e
com a garantia do due process, dentre outros princípios consagrados na Constituição da República, independentemente da
gravidade objetiva do delito. Precedente: ADI 3.112/DF. A interdição legal in abstracto, vedatória da concessão de liberdade
provisória, incide na mesma censura que o Plenário do STF estendeu ao art. 21 do Estatuto do Desarmamento (ADI
3.112/DF), considerados os postulados da presunção de inocência, do due process of law, da dignidade da pessoa humana
e da proporcionalidade, analisado este na perspectiva da proibição do excesso. O legislador não pode substituir-se ao juiz
na aferição da existência de situação de real necessidade capaz de viabilizar a utilização, em cada situação ocorrente, do
instrumento de tutela cautelar penal. Cabe, unicamente, ao Poder Judiciário, aferir a existência, ou não, em cada caso, da
Constituição e o Supremo - Versão Completa :: STF - Supremo Tribunal Federal
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/constituicao.asp[19/12/2012 16:05:36]
necessidade concreta de se decretar a prisão cautelar.\u201d (HC 94.404, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 18-11-
2008, Segunda Turma, DJE de 18-6-2010.) Em sentido contrário: HC 89.143, Rel. Min. Ellen Gracie, julgamento
em 10-6-2008, Segunda Turma, DJE de 27-6-2008.
 
\u201cControvérsia a propósito da possibilidade, ou não, de concessão de liberdade provisória ao preso em flagrante por tráfico
de entorpecentes. Irrelevância para o caso concreto, face a sua peculiaridade. Paciente primária, de bons antecedentes,
com emprego e residência fixos, flagrada com pequena quantidade de maconha quando visitava o marido na penitenciária.
Liberdade provisória deferida pelo juiz da causa, posteriormente cassada pelo Tribunal de Justiça local. Mandado de prisão
expedido há cinco anos, não cumprido devido a irregularidade no cadastramento do endereço da paciente. Superveniência
de doença contagiosa [aids], acarretando outros males. Intenção, da paciente, de entregar-se à autoridade policial. Entrega
não concretizada ante o medo de morrer no presídio, deixando desamparada a filha menor. Dizer 'peculiaridade do caso
concreto\u2019 é dizer exceção. Exceção que se impõe seja capturada pelo ordenamento jurídico, mesmo porque a afirmação da
dignidade da pessoa humana acode à paciente. A transgressão à lei é punida de modo que a lei [= o direito] seja
restabelecida. Nesse sentido, a condenação restabelece o direito, restabelece a ordem, além de pretender reparar o dano
sofrido pela vítima. A prisão preventiva antecipa o restabelecimento a longo termo do direito; promove imediatamente a
ordem. Mas apenas imediatamente, já que haverá sempre o risco, em qualquer processo, de ao final verificar-se que o
imediato restabelecimento da ordem transgrediu a própria ordem, porque não era devido. A justiça produzida pelo Estado
moderno condena para restabelecer o direito que ele mesmo põe, para restabelecer a ordem, pretendendo reparar os
danos sofridos pela vítima. Mas a vítima no caso dos autos não é identificada. É a própria sociedade, beneficiária de
vingança que como que a pacifica em face, talvez, da frustração que resulta de sua incapacidade de punir os grandes
impostores. De vingança se trata, pois é certo que manter presa em condições intoleráveis uma pessoa doente não
restabelece a ordem, além de nada reparar. A paciente apresenta estado de saúde debilitado e dela depende, inclusive
economicamente, uma filha. Submetê-la ao cárcere, isso é incompatível com o direito, ainda que se possa ter como
adequado à regra. Daí que a captura da exceção se impõe. Ordem deferida, a fim de que a paciente permaneça em
liberdade até o trânsito em julgado de eventual sentença penal condenatória.\u201d (HC 94.916, Rel. Min. Eros Grau,
julgamento em 30-9-2008, Segunda Turma, DJE de 12-12-2008.)
 
\u201cA natureza jurídica da regressão de regime lastreada nas hipóteses do art. 118, I, da Lei de Execuções Penais é
sancionatória, enquanto aquela baseada no inciso II tem por escopo a correta individualização da pena. A regressão
aplicada sob o fundamento do art. 118, I, segunda parte, não ofende ao princípio da presunção de inocência ou ao vetor
estrutural da dignidade da pessoa humana. Incidência do teor da Súmula vinculante 9 do STF quando à perda dos dias
remidos.\u201d (HC 93.782, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 16-9-2008, Primeira Turma, DJE de 17-10-
2008.) No mesmo sentido: HC 100.953, Rel. Min. Ellen Gracie, julgamento em 16-3-2010, Segunda Turma, DJE de
9-4-2010; HC 95.984, Rel. Min. Cezar Peluso, julgamento em 10-2-2009, Segunda Turma, DJE de 8-5-2009.
 
\u201cO julgamento perante o Tribunal do Júri não requer a custódia preventiva do acusado, até então simples acusado \u2013 inciso
LVII do art. 5º da Lei Maior. Hoje não é necessária sequer a presença do acusado (...). Diante disso, indaga-se: surge
harmônico com a Constituição mantê-lo, no recinto, com algemas? A resposta mostra-se iniludivelmente negativa. Em
primeiro lugar, levem em conta o princípio da não culpabilidade. É certo que foi submetida ao veredicto dos jurados pessoa
acusada da prática de crime doloso contra a vida, mas que merecia o tratamento devido aos humanos, aos que vivem em
um Estado Democrático de Direito. Segundo o art. 1º da Carta Federal, a própria República tem como fundamento a
dignidade da pessoa humana. Da leitura do rol das garantias constitucionais \u2013 art. 5º \u2013, depreende-se a preocupação em
resguardar a figura do preso. (...) Ora, estes preceitos \u2013 a configurarem garantias dos brasileiros e dos estrangeiros
residentes no País \u2013 repousam no inafastável tratamento humanitário do cidadão, na necessidade de lhe ser preservada a
dignidade. Manter o acusado em audiência, com algema, sem que demonstrada, ante práticas anteriores, a periculosidade,
significa colocar a defesa, antecipadamente, em patamar inferior, não bastasse a situação de todo degradante. (...) Quanto
ao fato de apenas dois policiais civis fazerem a segurança no momento, a deficiência da estrutura do Estado não autorizava
o desrespeito à dignidade do envolvido. Incumbia sim, inexistente o necessário aparato de segurança, o adiamento da
sessão, preservando-se o valor maior, porque inerente ao cidadão.\u201d (HC 91.952, voto do Rel. Min. Marco Aurélio,
julgamento em 7-8-2008, Plenário, DJE de 19-12-2008.) Vide: Rcl 9.468-AgR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski,
julgamento em 24-3-2011, Plenário, DJE de 11-4-2011.
Constituição e o Supremo - Versão Completa :: STF - Supremo Tribunal Federal
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/constituicao.asp[19/12/2012