Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Preparos cavitários classe i e ii para amálgama

Pré-visualização | Página 1 de 1

Sara Vitória 
 
Preparos cavitários 
Cl. I e II para amálgama – aula 3 
 
 
Importante 
o amálgama é um material, que não 
tem adesão na parede do dente. É 
utilizado como um tratamento 
biomecânico da cárie e outras lesões 
dos tecidos duros do dente. Sua 
fixação, só se dá por meio de uma 
retenção friccional (comprimir o 
amálgama dentro da cavidade) com as 
paredes cavitarias; diferentemente 
da resina composta, que possui uma 
adesividade, se torna “uma só coisa” 
com o dente, por meio de uma reação 
química. 
 
 
 
Cavidades classe I - simples e 
composta 
 
Classe I: cavidades de cicatrículas 
e fissuras dos dentes posteriores e 
pré-molares, envolvendo as faces 
oclusais e oclusolinguais. 
 
 
 
Sara Vitória 
 
Instrumentais utilizados 
 
 
 
Para o preparo deve-se: 
 
- Ter total remoção do tecido 
cariado 
 
- As paredes da cavidade devem ser 
suportadas por dentina sadia 
 
- Conservar a maior quantidade de 
tecido sadio 
 
- Deixar as paredes planas e lisas 
e os ângulos internos arredondados 
 
 
 
- Deixar o preparo cavitário limpo 
e seco 
 
 Simples – oclusal (tipo I) 
 
 
 
 
Técnica: 
 
- Primeiro demarca-se a forma do 
contorno, 
com um 
lápis nas bordas das vertentes das 
cúspides, respeitando as vertentes 
e a crista. 
 
Preparo classe I simples, na oclusal de um molar 
inferior 
Área da superfície do dente 
que vai ser incluída no preparo 
cavitário. 
Sara Vitória 
 
- Pega-se uma broca esférica (½ ou 
a 1), coloca-se no meio do sulco 
principal e começa-se os movimentos 
no sentido mesial e distal, 
acessando o esmalte. A broca deve 
entrar paralela ao longo eixo do 
dente, até 2 mm. 
 
 
 
 
 
 
- Deve-se preservar a crista 
marginal, que ajudam para 
distribuir as forças da mastigação. 
O preparo deve ser feito na 
inclinação certa para que os primas 
de esmaltes continuem sendo 
sustentados por dentina, visto que 
o esmalte sozinho é frágil e se 
quebra. 
 
 
 
 
 
- A parede pulpar deve ficar plana, 
as paredes internas arredondadas, 
com esmalte com suporte de dentina, 
Formato da parede pulpar (plana com os ângulos 
internos arredondados e com as paredes 
circundantes paralelas ou convergentes) e os 
primas de esmalte sustentados por dentina 
Sara Vitória 
 
devem-se haver preservação da 
crista marginal com suporte das 
cúspides. 
 
 
 
- O preparo deve ter a parede pulpar 
plana/regular, com os ângulos 
arredondados, as paredes 
circundantes (vestibular, lingual, 
mesial, distal) devem estar lisas e 
ligeiramente convergentes para a 
oclusal e o ângulo cavo-superficial 
deve ficar nítido. 
 
 
 
 
 
- O istmo (largura do preparo) deve 
ser ¼ do valor de x (ponta da 
cúspide vestibular com a ponta da 
cúspide lingual), para que o preparo 
seja retentivo. 
 
 
 
 
 
Ângulo cavo-superficial 
istmo 
Sara Vitória 
 
- O preparo deve ser mais profundo 
do que largo. 
 
- Não se deve deixar esmalte 
socavado, isto é, sem sustentação 
de dentina 
 
- O bisel (ângulo cavo-superficial: 
contorno da restauração, onde fica 
o limite da restauração do dente) 
deve ser nítido, uniforme e 
contínuo. 
 
 
 
 Composta – oclusolingual 
 
 
 
Técnica: 
- Demarcação da forma de contorno 
- Deve-se manter a ponte de esmalte 
que une a cúspide mesiolingual e 
distolingual 
- Preserva-se as vertentes das 
cúspides e as cristas marginais 
- Entra-se com a broca (330 ou 331) 
e se inicia o controle da 
demarcação, começando a fazer o 
istmo pela oclusal, com a metade da 
ponta ativa. 
Preparo classe I composta, na oclusal e lingual de um 
molar inferior 
Sara Vitória 
 
 
 
- Mantem-se a crista marginal, as 
vertentes das cúspides, não se rompe 
a ponde de esmalte, as paredes 
pulpar devem ser planas, bisel 
nítido, arestas internas 
arredondas... 
 
- Preparo da caixa lingual: estende-
se a parede da caixa oclusal até a 
região do sulco, rompendo a parede 
lingual. 
Com a parte lateral da broca, 
encosta-se no sulco, deixando-a 
paralela a face. 
 
 
 
 
 
- Arredonda-se o ângulo axio-
pulpar, para acomodar o amalgama e 
virar fraturas futuras. 
 
 
 
- A profundidade deve ser maior que 
a largura; paredes 
reguladas/uniformes; acabamentos 
com enxadas e recortadores de 
margem... 
 
 
Sara Vitória 
 
 
 
 
 
 
 
Cavidades classe II 
 
Cavidade classe II: é aquela que 
envolve as faces medial e distal de 
dentes posteriores, isto é, as 
proximais de molares e pré-molares. 
 
 
 
 
Sara Vitória 
 
- Em pré molares entra-se com a 
broca um pouco inclinada. 
- Movimentos de pêndulo entre a 
vestibular e lingual. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Extensão gengival na forma de contorno 
Movimentos pendulares da broca 
Parede vestibular e parede lingual da caixa 
proximal devem formar um ângulo reto (90°) com 
a superfície externa do dente, para ficar em 
direção aos prismas de esmalte 
Arredondamento correto 
Ângulo reto (errado) 
Sara Vitória 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Recortadores de margem e colher de dentina 
Sara Vitória 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sara Vitória