A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
atividade final educacao especial

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
CEDUC-CENTRO DE EDUCAÇÃO
CURSO PEDAGOGIA
DISCIPLINA: Fundamentos da Educação Especial
Professora: Dra. Maria Edith Romano Siems
Acadêmica: Vanessa Sousa Barbosa
Faça a leitura do texto Imagens da deficiência no cinema.
Após esta leitura, selecione um filme que tenha entre seus personagens algum personagem com deficiência e elabore uma pequena sinopse sobre o filme indicando no texto:
1 Informações gerais sobre a narrativa do filme (síntese da história)
2 Área de deficiência de que o filme trata e quais seriam os limites de acessibilidade que a sociedade apresenta para o personagem (lembre-se de observar aspectos das barreiras na arquitetura, na comunicação e nas atitudes das pessoas);
3 Aspectos peculiares do filme que lhe despertaram emoções/sentimentos/reflexões
Descrição do filme: M EU P É ESQUERDO
Direção: Jim Sheridan
Produtor: Noel Pearson. Reino
Unido/ Irlanda: Granada Filme,1989
Tempo:103 minutos 
Título original: MyLeftFoot 
Deficiência: Paralisia cerebral
Síntese
O filme é baseado na história real de Christy Brown, filho de uma família 
irlandesa, representado pelo ator Daniel Day- Lewis (Oscar de melhor ator)
 o filme Meu Pé Esquerdo conta a história de Christy Brow n, nascido na 
Irlanda, portador de paralisia cerebral atetoide, de uma família carente e 
Com muitos irmãos, uma vida dura e difícil e com pouca ou nenhuma estrutura para 
acomodá-lo e tratar sua patologia. 
Meu pé esquerdo que tem como nome original "My left foot" é uma obra baseada em uma história real, muito interessante e complexa do diretor Jim Sheridan, que foi lançada em 1989. O assunto principal abordado nessa obra é a vida de um jovem chamado Christy Brown, que nasceu com paralisia cerebral, mas que desenvolveu durante sua vida uma extrema habilidade nas funções do pé esquerdo .Nas primeiras cenas passa Christy em sua infância sofrida e praticamente sem conseguir exercer nenhum movimento. As palavras que ele conseguia falar eram poucas e apenas sua mãe o entendia claramente. Um dia, o garoto conseguiu escrever o nome “Mother” no chão, segurando um giz com os dedos dos pés. A partir desse dia ele passou a ser tratado de uma forma diferente pela sua família (principalmente pelo seu pai que o rejeitava e o humilhava).Christy sofreu muito preconceito e a sociedade não enxergava seu potencial -escondido no estereótipo da deficiência - pelo contrário, o tratava como um louco. Porém, sua mãe Bridget sempre esteve ao seu lado. Foi ela quem o ensinou a ler e foi ela também que por muitos anos passou frio e fome para comprar uma cadeira de rodas para o filho. No decorredor filme é perceptível como o ambiente familiar é importante e pode contribuir para o desenvolvimento e o crescimento de uma criança, seja ela deficiente ou não. A família de Christy é muito importante para ele, porém a mãe foi o foco central das relações. Alguns anos se passaram e Bridget conheceu a Dr.ª Eileen Cole, uma especialista em paralisia cerebral que estava disposta a ajudar o Christy. Os tratamentos foram feitos em casa com o uso da técnica de logopedia. Essa técnica o fez falar de maneira mais clara e de uma forma que as pessoas pudessem compreender o que ele dizia. Toda a dedicação da doutora fez Christy se apaixonar pela jovem médica. Logo depois, essa paixão se transformou em uma grande decepção, pois seu amor não era correspondido. Mesmo com sua paralisia/deficiência, Christy procurava um meio de se expressar, descolocar para fora os seus sentimentos. Cada dia que passava ele apresentava sinais de melhorar superação.
 Ele era observador, muito inteligente e usava seu pé esquerdo para escrever e
Pintar com muita precisão. Christy se tornou conhecido e suas obras se tornaram respeitadas, principalmente a autobiografia que escreveu com a ajuda do irmão. Devido suas notáveis realizações na arte e na literatura, a Dr.ª Cole o convidou para participar de um chá beneficente e expor suas obras. Lá Christy conheceu a enfermeira que cuidaria dele. Eles se apaixonaram e logo depois de alguns anos se casaram. A obra de Jim Sheridan é ao mesmo tempo sensível e angustiante. Sensível porque provoca o telespectador a lutar pela vida e pelos sonhos e, angustiante porque o personagem tem dificuldades e só consegue mexer o pé esquerdo.
 A história de Christy Brown é muito interessante e se torna um convite à reflexão e conscientização sobre as dificuldades e as necessidades de quem tem algum tipo de deficiência. Mesmo sendo um filme que foi lançado em 1989 apresenta uma temática muito atual. Não só pelo simples fato de tratar de uma paralisia cerebral, mas por mostrar também a importância da família em momentos de dificuldade.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.