Direito das Sucessões - caderno ProfªAna
16 pág.

Direito das Sucessões - caderno ProfªAna


DisciplinaDireito Civil VI3.035 materiais28.060 seguidores
Pré-visualização16 páginas
Sucessões e procedimentos correlatos.

Direito das Sucessões e Procedimentos Correlatos
Professora Ana Luiza Maia Nevares
Art. 5º, XXX, CF \u2013 O direito de herança é uma das garantias fundamentais do cidadão brasileiro. Isso ocorre porque o nosso sistema garante a propriedade privada na medida em que esta cumpre sua função social. Isto significa que a sucessão hereditária será sempre privada, o Estado não vai confiscar os bens de herança, pois é particular. Com exceção de quando não há sucessor, neste caso, os bens são destinados ao Estado, mas somente porque não tem ninguém para receber aqueles bens.
O primeiro objeto do direito das sucessões é a propriedade.
Os que irão receber os bens daquele que faleceu é a família, o legislador vai bu ode ser alheia à vontade do testador, pois pode ser invocada pelos demais herdeiros que tenham interesse na exclusão. A deserdação é só dos herdeiros necessários, já a indignidade serve para qualquer herdeiro.
Princípio da intangibilidade da legítima \u2013 A preocupação do legislador ao criar o livro das sucessões é sempre a preocupação com a reserva dos herdeiros necessários. Este princípio permeia todo o livro do direito das sucessões.
Os herdeiros necessários são (Art. 1845, CC): Os descendentes (o grau mais próximo sempre exclui o grau mais remoto), os ascendentes, o cônjuge e o companheiro.
Os colaterais (irmãos, primos, sobrinhos, tios, tios-avós) não são herdeiros necessários. Os colaterais poderão ser chamados à sucessão até o 4º grau, depois disto salvo se estiver em testamento. Os colaterais são herdeiros facultativos (Art. 1850, CC). Ou seja, se tenho uma irmã e não tenho herdeiros necessários (filho, neto), eu posso deixar todo o meu patrimônio para outra pessoa, afastando minha irmã da sucessão.
Princípio da patrimonialidade \u2013 Mesmo após o falecimento de uma pessoa, os direitos da patrimonialidade continuam existindo.
Princípio da unidade da sucessão \u2013 Existem bens singulares e coletivos (que podem ser uma biblioteca, rebanho, pinacoteca), os bens coletivos foram criados para que um conjunto de coisas singulares possam ser tratados de uma forma única, de forma unitária. Estes bens coletivos podem ser tratados de forma coletiva ou singular pelo cliente. Há também as universalidades de direito que são os casos em que o legislador entendeu ser melhor tratar bens singulares de uma forma única. A herança é tratada como um todos unitário que é submetido à uma mesma disciplina que é o livro do direto das sucessões (Art. 1791, CC). A herança é tratada como uma universalidade de direito, pois em princípio não importa a natureza dos bens transmitidos ou a qualidade dos sucessores, pois todos são tratados de uma mesma maneira e submetidos à uma mesma disciplina.
A crítica que se faz a esse princípio é uma crítica de neutralidade, pois precisamos dar concretude á nossa análise. Por isso, aos poucos, este princípio foi sendo desconstruído. A sucessão especial teria em vista deixar de lado a neutralidade, respeitando a igualdade formal, mas realizando a igualdade material, o que é muito difícil.
Pressupostos da sucessão hereditária:
O primeiro evento que precisa acontecer para que seja aberta a sucessão e é a morte. A morte é provada pela certidão de óbito (Lei 6015/73 \u2013 Lei de Registros Públicos). A certidão de óbito é um documento indispensável para que se abra o processo de inventário que onde tem relacionado os bens das pessoas, ocorre a partilha e etc.
Art. 6º do CC \u2013 A existência da pessoa natural termina com a morte.
Em alguns casos há a morte sem cadáver, que é quando a pessoa morreu, mas não tem cadáver e tem a questão dos ausentes que é quando a pessoa desaparece.
Art. 88, Lei 6015/73 \u2013 Quando pelas circunstâncias ocorreu a morte certa daquela pessoa, mas não tem o cadáver. Nestes casos, os juízes podem admitir justificação que é um processo que tem como objetivo a prova de um fato; eu ajuízo uma medida judicial para que o juiz declare a morte e mande expedir a certidão de óbito. Ex: O caso do navio que afundou na Itália e ainda possui desaparecidos. Deve-se provar se a pessoa estava no navio, de repente testemunhas e todas as questões que envolvem o falecimento de uma pessoa.
Art. 7º, CC \u2013 Tem a mesma finalidade do art. 88 da Lei 6015/73. Para escapar do processo de ausência que é um processo penoso e demorado. Então, provado que a pessoa estava no momento da situação, pode escapar do processo de ausência.
Parag. único do art. 7º, CC \u2013 A declaração da morte presumida só pode ser dada após o término das buscas e com a prova de que a pessoa estava no local. Após estes requisitos, o juiz vai ter que avaliar quando a pessoa faleceu, a data provável da morte. E esta data é muito importante, pois é naquele momento (data da morte) é que abre a sucessão. Neste caso, vou verificar quem está vivo na hora em que foi aberta a sucessão do falecido. Ex: Pai morreu dia 20/03 às 14h e o filho morreu dia 20/03 às 16h, mesmo assim o filho ainda faz parte da sucessão. Por isso a importância da data da morte.
OBS. (Não faz parte da nossa matéria): O processo de ausência tem três fases:
1)Curadoria dos bens do ausente - Nesta fase o juiz está muito mais preocupado com o ausente do que com os sucessores. São identificados os bens, nomeado um curador para administrar os bens.
2)Após 1 ano do desaparecimento há a sucessão provisória \u2013 Transfiro a posse, os filhos e cônjuges já podem fazer uso dos frutos, mas ainda não pode vender nada. Esta sucessão provisória dura 10 anos.
3)Após 10 anos é aberta a sucessão definitiva e então, é neste momento que o juiz presume a morte do ausente.
Portanto, a sucessão é aberta com a morte. A sucessão não se confunde com o inventário (após 60 dias da data da morte a pessoa tem que dar entrada no inventário sob pena de pagamento de multa).
\uf0e0Quem serão as pessoas chamadas a suceder? Vocação hereditária (Aquele que vai suceder precisa estar dentro daqueles que tem possibilidade de serem chamados à sucessão, ou seja, vocação hereditária) \u2013 Art. 1798, CC: Legitimam-se a suceder as pessoas nascidas ou concebidas. Os concebidos são os nascituros.
Na inseminação artificial o espermatozóide é implantado na mulher para ele encontrar o útero, já a fertilização in vitro não ocorre no útero, é concebido no laboratório para depois ser implantado na mulher. Deixar congelado sêmen não é considerado concebido porque só há o sêmen. Mas existem embriões congelados. Há uma discussão pra saber quem seriam estes concebidos.
Aqueles que nascem por reprodução assistida pós morte, ex: A pessoa faleceu e deixou sêmen congelado e a mulher quer continuar e ter um bebe. Mas a pessoa que deixou o sêmen congelado não deixou nenhuma autorização para ter um filho após a morte. A legislação do conselho de medicina manda deixar um documento dizendo o que a pessoa quer que seja feito após a morte, no caso de congelamento de sêmen.
Art. 1597, CC \u2013 Presunção de paternidade no casamento. Se não é o pai vai ser discutido em uma negatória de paternidade, mas há essa presunção de paternidade na constância do casamento, observados os prazos dos incisos.
III \u2013 Fecundação artificial homóloga \u2013 Uso material genético do casal.
V \u2013 Fecundação artificial heteróloga \u2013 Aquela que uso material genético de outra pessoa, desde que haja autorização prévia do marido.
Aula 08/03
Art. 1798, CC \u2013 Legitimam-se a suceder as pessoas nascidas ou já concebidas no momento da sucessão. Por isso é necessário que o sucessor esteja vivo por ocasião da abertura da sucessão.
Comoriência \u2013 Morte simultânea (art. 8, CC). Duas pessoas podem falecer na mesma ocasião, sem ser possível verificar quem morreu em primeiro lugar.
Art. 1829, CC \u2013 Ordem de vocação hereditária.
Uma pessoa casou com outra, nenhum deles tinha mais seus ascendentes, um tinha um irmão e outro tinha uma irmã. O casal morreu em um acidente de carro. Se provar que o homem morreu em primeiro lugar, ele transfere a herança para o cônjuge. Se o cônjuge morreu logo depois. Se a esposa morreu logo depois, ela transfere a herança para sua irmã, já que
Sterferson
Sterferson fez um comentário
Excelente material!
0 aprovações
Saraayala
Saraayala fez um comentário
ótimo! !
0 aprovações
Carregar mais