A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Resumo da História da Gestão de Recursos Humanos no Brasil - Análise - Administração - Gestão de Pessoas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ao realizar a leitura do artigo, é possível inferir que a história da Gestão de Recursos Humanos no Brasil possui viés estrangeira, de modo que é possível analisar isso em dois períodos.
O primeiro período, de 1950 a 1980, foi marcado pelo fim da Segunda Guerra e seguidamente, um grande desenvolvimento econômico no mundo. No brasil, observou-se a criação de indústrias de base e realização de grandes obras de infraestrutura. Nesse período, o país obteve alto crescimento de seu PIB, com exceção, na década de 70, em decorrência da crise do Petróleo. No que tange a gestão dos recursos humanos teve relevantes mudanças, com a participação das empresas transnacionais e as escolas de Administração que ajudaram na introdução da divisão do trabalho, sistema de meritocracia e de práticas, como treinamento, recrutamento e seleção. O discurso predominante do período de 1950 a 1980, que foi nomeado como “colonização”, presumia a importação e implementação de práticas coerentes com o managerialism que se refere ao um conjunto de crenças e práticas, cujo pressuposto é de que sua aplicação efetiva, implica uma resolução de problemas socioeconômicos.
O segundo Período, de 1980 a 2010, período marcado por medidas neoliberalistas e por um contexto extremamente competitivo, onde as empresas buscavam por uma alta eficiência e profissionais qualificados. Nesse tempo, a Gestão de Recursos Humanos também foi marcada por transformações, com alinhamento aos objetivos empresariais e maior papel estratégico na tomada de decisões, adoção de estruturas descentralizadores, prioridades de acordo com a demanda dos negócios, além de que houve maior adoção de novos modelos e práticas gerenciais, principalmente, ampliação do discurso individualistas e a promoção dos princípios de adaptabilidade, inovação e competitividade. Esse período também ficou conhecido como “neocolonização”, pela renovação da ideologia management, onde as empresas e a sociedade compartilham os pressupostos de livre mercado, pessoas como empresários de si mesmos, gestão como um caminho a realização individual e coletiva; utilização de símbolos e palavras relacionados ao management e a certeza de que conhecimentos de gestão proporcionam a otimização da atividade organizacional.
Com base nisso, é perceptível a relação de influência e dominação entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, de modo que há a transferência de modelos e práticas de uma potência para um país periférico, como o Brasil, onde as condições econômicas e socioculturais são diferentes. Com isso, consequentemente, alguns modelos e práticas provenientes dessa importação podem resultar em experiências variadas e com difícil aceitação.
No primeiro período, de 1950 a 1980, marcado pelo fim da Segunda Guerra e seguidamente, um grande desenvolvimento econômico no mundo. No brasil, observou-se uma transição de uma economia agrícola para uma economia industrial, com a criação de indústrias de base e realização de grandes obras de infraestrutura. Nesse período, o país obteve alto crescimento de seu PIB, com exceção, na década de 70, em decorrência da crise do Petróleo, houve adoção de estruturas descentralizadores, prioridades de acordo com a demanda dos negócios, além de que houve maior adoção de novos modelos e práticas gerenciais, principalmente, ampliação do discurso individualistas e a promoção dos princípios de adaptabilidade, inovação e competitividade.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.