A maior rede de estudos do Brasil

Autismo

1-O que é o autismo?

2-Quais as características e sintomas mais comuns que identificam a síndrome do autismo?

3-Que aspectos especificamente são comprometidos em uma criança autista?

4-De que maneira a educação pode contribuir para o desenvolvimento cognitivo e social da criança autista?

5-De que maneira a educação pode contribuir para o desenvolvimento cognitivo e social da criança autista?

6- Como é obtido o diagnóstico de autismo?

7- Que tipo de tratamento é realizado com autistas? Ele dever ser exclusivamente médico e à base de medicamentos?

 


3 resposta(s)

User badge image

Bit

Há mais de um mês

Olá. São várias perguntas, por isso, além de ler minhas respostas sintetizadas abaixo, caso queira se aprofundar no assunto, deixei o link para o download de umas cartilhas muito completas e diretas que dizem um pouco sobre o autismo, como lidar com uma criança com autismo, mitos e verdades, direitos etc. Vale a pena dar uma passada de olhos. Os links estão ao final.

1 - O autismo é a mais comum das cinco condições neuropsiquiátricas conhecidas coletivamente como Transtornos globais de desenvolvimento (TGD) que afetam o desenvolvimento normal do sistema nervoso desde a mais tenra idade de modo a incapacitar a evolução natural de socialização e comunicação de uma pessoa.

 

2 - São várias os características do autismo. Dentre elas existem algumas que, quando aparecidas coletivamente, permitem a diferenciação do autismo de outras TGD como o isolamento, imutabilidade de condutas, problemas com a linguagem, dificuldades em interagir socialmente, existência de comportamentos repetitivos e restritos e a exigência de que todos os sintomas já se evidenciem na criança antes dos 3 anos. Uma lista completa e detalhada (separada por faixas etárias) pode ser encontrada nos links que coloquei no final.

 

3 - Basicamente os mesmos aspectos comprometidos num indivíduo adulto, só que com maior intensidade, uma vez que o sistema nervoso e sua interação com o mundo externo está em pleno desenvolvimento nas crianças, e com diferentes características, devido ao próprio ambiente frequentado pela criança ser diferente do de um adulto. Só para relembrar, o autismo afeta a evolução da linguagem (criança demora para falar,...), a socialização (não conversa com os pais,...) e faz com que comportamentos repetitivos e restritos apareçam (ficar insistentemente girando uma roda de carrinho,...)

 

 

4, 5 - É interessante notar que a educação é importante para o desenvolvimento cognitivo e social de uma criança, tendo ela algum distúrbio no desenvolvimento psíquico, como os autistas, ou não. Há muito debate ainda, entretanto, sobre como é o melhor modo de lidar com esse papel pedagógico, deveriam as crianças autistas serem tratadas como especiais que são e dadas uma força a mais para seu pleno desenvolvimento na escola ou então seria melhor não estigmatizá-la como "a" diferente e tentar uma abordagem mais integradora, fazendo-a participar entre outros colegas, respeitando sua situação, sim, mas sempre forçando seu crescimento cognitivo independente? Há um debate em torno disso. Seja qual for o melhor ponto de vista, é consenso, como já disse, que a educação para os autistas e não-autistas é fundamental.

 

6 - O diagnóstico do autismo é clínico. Idealmente uma equipe interdisciplinar liderada por um psiquiatra ou um neurologista entevistarão os pais e responsáveis perguntando sobre o histórico familiar de problemas semelhantes, sobre problemas no período do sono da criança, sobre a conduta, etc. Em seguida é realizada a observação do comportamento da criança, analisando fatores como desvios anormais de responsividade social, do modo como direciona a atenção para o examinador, seu comportamento com brinquedos, brincadeiras etc. O documento do link que enviei contém todos os pormenores da anamnese, caso queira saber um pouco mais.

 

7 - Eis uma pergunta polêmica. Existem correntes que dizem ser totalmente contra a administração de psicoativos, anticonvulsivos, antidepressivos, etc para uma criança cujo organismo ainda sequer está preparado para se desenvolver quanto mais aguentar a carga medicamentosa forte como essa, enquanto outras afirmam que o autismo, como doença, pode e deve ser tratada com auxílio farmacológico. Alguns ainda buscam um ponto de equilíbrio tentando amenizar as limitações da criança por meio de tratamentos psicológicos conjugados com poucas drogas, de uso apenas paliativo. Ainda há uma parte considerável e crescente que nega ser necessário qualquer tipo de acompanhamento especial, não considerando o autismo uma doença por tal diagnóstico envolver as personalidades das pessoas, que, por questões antidiscriminatórias mesmo, não podem ser rotuladas como "normal" ou "anormal". Esse último ponto de vista, além de interessante, não pode ser contradito por nenhum estudo de grande porte já que, realmente, uma maioria das crianças autistas superam os comportamentos incomuns da infância e passam a viver com uma personalidade tão ou mais rica e diversa quanto qualquer outra pessoa. Até mais. Espero ter ajudado.

#Definição, diagnóstico reab. http://www.passeidireto.com/arquivos/1788420/autismo---conceito-diagnostico-e-reabilitacao

#Direitos dos autistas http://www.passeidireto.com/arquivos/1788594/direito-das-pessoas-com-autismo

#Guia prático do autismo http://www.passeidireto.com/arquivos/1788739/autismo---guia-pratico

Olá. São várias perguntas, por isso, além de ler minhas respostas sintetizadas abaixo, caso queira se aprofundar no assunto, deixei o link para o download de umas cartilhas muito completas e diretas que dizem um pouco sobre o autismo, como lidar com uma criança com autismo, mitos e verdades, direitos etc. Vale a pena dar uma passada de olhos. Os links estão ao final.

1 - O autismo é a mais comum das cinco condições neuropsiquiátricas conhecidas coletivamente como Transtornos globais de desenvolvimento (TGD) que afetam o desenvolvimento normal do sistema nervoso desde a mais tenra idade de modo a incapacitar a evolução natural de socialização e comunicação de uma pessoa.

 

2 - São várias os características do autismo. Dentre elas existem algumas que, quando aparecidas coletivamente, permitem a diferenciação do autismo de outras TGD como o isolamento, imutabilidade de condutas, problemas com a linguagem, dificuldades em interagir socialmente, existência de comportamentos repetitivos e restritos e a exigência de que todos os sintomas já se evidenciem na criança antes dos 3 anos. Uma lista completa e detalhada (separada por faixas etárias) pode ser encontrada nos links que coloquei no final.

 

3 - Basicamente os mesmos aspectos comprometidos num indivíduo adulto, só que com maior intensidade, uma vez que o sistema nervoso e sua interação com o mundo externo está em pleno desenvolvimento nas crianças, e com diferentes características, devido ao próprio ambiente frequentado pela criança ser diferente do de um adulto. Só para relembrar, o autismo afeta a evolução da linguagem (criança demora para falar,...), a socialização (não conversa com os pais,...) e faz com que comportamentos repetitivos e restritos apareçam (ficar insistentemente girando uma roda de carrinho,...)

 

 

4, 5 - É interessante notar que a educação é importante para o desenvolvimento cognitivo e social de uma criança, tendo ela algum distúrbio no desenvolvimento psíquico, como os autistas, ou não. Há muito debate ainda, entretanto, sobre como é o melhor modo de lidar com esse papel pedagógico, deveriam as crianças autistas serem tratadas como especiais que são e dadas uma força a mais para seu pleno desenvolvimento na escola ou então seria melhor não estigmatizá-la como "a" diferente e tentar uma abordagem mais integradora, fazendo-a participar entre outros colegas, respeitando sua situação, sim, mas sempre forçando seu crescimento cognitivo independente? Há um debate em torno disso. Seja qual for o melhor ponto de vista, é consenso, como já disse, que a educação para os autistas e não-autistas é fundamental.

 

6 - O diagnóstico do autismo é clínico. Idealmente uma equipe interdisciplinar liderada por um psiquiatra ou um neurologista entevistarão os pais e responsáveis perguntando sobre o histórico familiar de problemas semelhantes, sobre problemas no período do sono da criança, sobre a conduta, etc. Em seguida é realizada a observação do comportamento da criança, analisando fatores como desvios anormais de responsividade social, do modo como direciona a atenção para o examinador, seu comportamento com brinquedos, brincadeiras etc. O documento do link que enviei contém todos os pormenores da anamnese, caso queira saber um pouco mais.

 

7 - Eis uma pergunta polêmica. Existem correntes que dizem ser totalmente contra a administração de psicoativos, anticonvulsivos, antidepressivos, etc para uma criança cujo organismo ainda sequer está preparado para se desenvolver quanto mais aguentar a carga medicamentosa forte como essa, enquanto outras afirmam que o autismo, como doença, pode e deve ser tratada com auxílio farmacológico. Alguns ainda buscam um ponto de equilíbrio tentando amenizar as limitações da criança por meio de tratamentos psicológicos conjugados com poucas drogas, de uso apenas paliativo. Ainda há uma parte considerável e crescente que nega ser necessário qualquer tipo de acompanhamento especial, não considerando o autismo uma doença por tal diagnóstico envolver as personalidades das pessoas, que, por questões antidiscriminatórias mesmo, não podem ser rotuladas como "normal" ou "anormal". Esse último ponto de vista, além de interessante, não pode ser contradito por nenhum estudo de grande porte já que, realmente, uma maioria das crianças autistas superam os comportamentos incomuns da infância e passam a viver com uma personalidade tão ou mais rica e diversa quanto qualquer outra pessoa. Até mais. Espero ter ajudado.

#Definição, diagnóstico reab. http://www.passeidireto.com/arquivos/1788420/autismo---conceito-diagnostico-e-reabilitacao

#Direitos dos autistas http://www.passeidireto.com/arquivos/1788594/direito-das-pessoas-com-autismo

#Guia prático do autismo http://www.passeidireto.com/arquivos/1788739/autismo---guia-pratico

User badge image

Igor

Há mais de um mês

Complementando a resposta anterior, muito bem colocada, sobre o autismo:

1 - O autismo é caracterizado por interação social recíproca anormal, habilidades de comunicação atrasadas e disfuncionais e um repertório limitado de atividades e interesses. Esse item responde em parte a segunda pergunta.

2 - Sugiro leitura da 4ª edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV-TR). Há uma tabela com os critérios diagnósticos para o transtorno autista

3 - Como todo TGD há um atraso ou desvio no desenvolvimento de atividades sociais, linguagem e comunicação e repertório comportamental. Muitas crianças desenvolvem extremo interesse numa estreita gama de atividades, resistindo sempre a mudanças e sem resposta adequada ao ambiente social.

4,5 - Acredito que a resposta anterior já engloba todos os fatores :)

6 - Diagnóstico é clínico, com definição no, já mencionado, DSM-IV-TR, sendo necessária uma história pregressa comportamental e uma atenção especial para diagnósticos diferenciais, como esquizofrenia de início precoce.

7 - Há muita discussão sobre o tópico, como já foi citado anteriormente. Os objetivos do tratamento de crianças autistas  são aumentar o comportamento social aceitável, diminuir sintomas comportamentais bizarros e melhorar a comunicação verbal e não-verbal. Para isso, muitas vezes, principalmente emcrianças com retardo mental associado, há a necessidadede intervenções comportamentais adequadas para reforçar comportamentos socialmente aceitáveis, pois, em diversos casos, o próprio indivíduo, ao se realizar diferente dos demais, tende a ter um comportamento psicossocial privativo, afastando-se dos demais. Além disso, os pais necessitam de apoio e aconselhamento. Atualmente, o treinamento em salas de aula estruturadas em combinação com métodos comportamentais é o tratamentomais efetivo para muitas crianças. No entanto, faz-se necessário ratificar, o tratamento é individual e varia de acordo com as respostas de cada paciente. Não há terapêutica medicamentosa específica para o autismo mas, há medicamentos que aliviam sintomas comportamentais associados, como agressividade, hiperatividade e automutilação.

User badge image

Lourdinete

Há mais de um mês

lourdinetesouza1@gmail.com

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes