A maior rede de estudos do Brasil

Sobre Atenas, capital da Grécia, e na época de Aristóteles; alguém sabe discorrer sobre a organização política da época e se havia direito positivo?

 

Bora pesquisar galera linda! Eu sei algumas coisinha da aula, porém o professor ensinou muito pouco sobre...


3 resposta(s)

User badge image

Rodrigo Silva

Há mais de um mês

A política era feita na Ágora. 

A Ágora era uma praça pública, onde os cidadãos (por cidadãos, tenha o conceito por exclusão. Não são cidadãos: mulheres, velhos, crianças e escravos. Esses representavam aproximadamente 10% da população ateniense) se reuniam (a presença não era obrigatória) para debater assuntos da polis.

Todas as reuniões reliazadas na Ágora eram organizadas por um Mediador (função semelhante a exercida pelo Presidente da Câmara/Senado, nos dias atuais).  Esse mediador era escolhido através de sorteio, pois, para eles a democracia é a entrega do poder na mão de qualquer cidadão, diferente da eleição ou da meritocracia, institutos utilizados atualmente para o ingresso em funções públicas.

Assim, todos os assuntos levados por cidadãos a Ágora, por pior que fossem, eram debatidos. No entanto, por mais importante que fosse o assunto, se não levado por um cidadão, tal assunto não seria debatido.

Logo, a fronteira entre o público (assuntos debatidos na Ágora) e o privado era caracterizado unicamente pela cidadania.

Essa é, sucintamente, a forma da política exercida em Atenas na época de Aristóteles, forma essa veementemente criticado por Aristóteles.

A política era feita na Ágora. 

A Ágora era uma praça pública, onde os cidadãos (por cidadãos, tenha o conceito por exclusão. Não são cidadãos: mulheres, velhos, crianças e escravos. Esses representavam aproximadamente 10% da população ateniense) se reuniam (a presença não era obrigatória) para debater assuntos da polis.

Todas as reuniões reliazadas na Ágora eram organizadas por um Mediador (função semelhante a exercida pelo Presidente da Câmara/Senado, nos dias atuais).  Esse mediador era escolhido através de sorteio, pois, para eles a democracia é a entrega do poder na mão de qualquer cidadão, diferente da eleição ou da meritocracia, institutos utilizados atualmente para o ingresso em funções públicas.

Assim, todos os assuntos levados por cidadãos a Ágora, por pior que fossem, eram debatidos. No entanto, por mais importante que fosse o assunto, se não levado por um cidadão, tal assunto não seria debatido.

Logo, a fronteira entre o público (assuntos debatidos na Ágora) e o privado era caracterizado unicamente pela cidadania.

Essa é, sucintamente, a forma da política exercida em Atenas na época de Aristóteles, forma essa veementemente criticado por Aristóteles.

User badge image

Talita Rodrigues

Há mais de um mês

A política em Atenas passou por diversos processos de mudanças – sociais culturais e econômicas  - antes de tornar-se a tão referenciada pólis democrática. Esse texto irá abordar o processo de transição dapólis aristocrática para a dita democracia ateniense e o significado e a importância do processo denominado stásis.

Inicialmente o paradigma político instituído em  Atenas era a monarquia em que os chefes tribais (os eupátridas) elegiam entre si, um rei militar ( o basileu) que detinha “toda a responsabilidade pelas decisões tomadas, acumulando as funções de chefe militar, político e religioso” (VAN ACKER, 1994). Os demais eupátridas compunham um conselho consultivo do rei. A população não tinha o direito de intervir nas decisões podendo apenas assistir os debates do conselho se informando das novas diretrizes.

O meio de organização político-social monárquico foi substituído por uma aristocracia formada por “magistrados eleitos pela nobreza de sangue entre seus próprios membros” (CARDOSO, 1993). Isso significa que o Conselho (areópago), que antes era consultivo do rei, assumiu as suas atribuições exercendo um governo, ao mesmo tempo, dos poucos (oligarquia) e dos melhores (aristocracia). A partir disso, dentro do areópago, são eleitos três arcontes, cada um com suas funções definidas sendo: um para política, um para religião e outro para o militarismo. Mais tarde foram agregados ao arcontado mais seis magistrados, os tesmótetas, com a função de decidir questões de importância para a pólis.

No fim do período arcaico Atenas passou por uma “crise social e política” (CARDOSO, 1993) chamadastásis. Essa crise é de extrema importância para compreender a democracia ateniense, pois nesse período se destacam vários eventos que levaram a sociedade a adquirir diversas características fundamentais para constituição deste sistema. Norberto Guarinello (2003) demonstra que a stásis foi constituída por processos diversos, cada um ocorrendo em seu próprio tempo e que as suas conseqüências levaram a “quebra do exclusivismo aristocrático e abertura do espaço político que consolidou a existência das cidades como comunidades coesas” (GUARINELLO, 2003). Os conflitos sociais em torno dessa crise, segundo Guarinello, eram a respeito de uma maior participação política em Atenas e a “distribuição ou redistribuição dos recursos comunitários”

(GUARINELLO, 2003).

 

Não, pois Direito Positivo é aquele posto pelo Estado. E como pode-se perceber não havia na Grécia Antiga um direito propriamente dito, mas sim "leis" promulgadas por aqueles que detinham o poder de acordo com sua vontade,ou com a religião, ou com o costume da época.

 

Espero ter ajudado.

User badge image

Yuri Rabelo

Há mais de um mês

As instituições políticas comuns àquela época: a Assembléia do Povo, o Conselho aristocrático e os Magistrados.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes