A maior rede de estudos do Brasil

sistema defensivos do basquete?

Treinamento de BasqueteUNIDERP - ANHANGUERA

1 resposta(s)

User badge image

henrique

Há mais de um mês

No Basquetebol, existem dois tipos básicos de defesa: um, que se baseia na marcação por zona ou por regiões da quadra, onde o jogador responsabiliza-se por uma determinada área do campo de jogo, e, outro que se fundamenta na marcação, específica, de um determinado jogador, denominada de marcação individual.  

A marcação por zona

    Historicamente a marcação por zona foi criada no ano de 1910, nos Estados Unidos, tendo como principais objetivos dificultar as infiltrações e os rebotes dos oponentes; facilitar os rebotes defensivos; viabilizar os contra-ataques e a volta à defesa; a diminuição do número de faltas e o aproveitamento de jogadores menos rápidos, tendo como principal eficiência o enfrentamento de equipes deficientes nos arremessos de curta e média distâncias, com maus passadores e eficientes nas infiltrações (REIS, 2005). Em contrapartida, exige melhor treinamento de conjunto e comunicação entre os defensores, 

A marcação individual

    Neste tipo de marcação, que originalmente surgiu com o próprio Basquetebol, é, geralmente, bastante eficiente, mas, leva a um número maior de faltas, em face ao maior contato físico dos marcadores com os atacantes; razão pela qual exige equipes com um bom banco de reservas (REIS, 2005).

    Sua principal característica e a marcação, específica, de cada oponente, sendo nesta de fundamental importância equivaler habilidades técnicas, funções táticas, competências físicas e etc., no momento de eleger marcadores e jogadores a serem marcados. E, apresenta algumas possibilidades de variações:

    Primeiro, as marcações que são realizadas nos jogadores - em posse da bola - onde a primeira possibilidade que se apresenta é a do tipo simples, e consiste no processo onde o marcador posiciona-se fechando a linha “entre a bola e a cesta”, seguindo o atacante na movimentação, sem perder a visão da bola e dos demais jogadores de ataque. Como vantagens, neutralizam-se os arremessos de longa e média distâncias e dificultam-se os passes. A desvantagem esta nas possibilidades de deixar a defesa vulnerável às infiltrações, oriunda dos “cortes” individuais que a marcação pode sofrer. Conforme ilustra a “linha vermelha” da figura a seguir.

    Outro tipo é a - defesa individual com troca - utilizada principalmente quando o atacante, em posse de bola, recebe um corta-luz, e a defesa realiza a troca dos marcadores. Como vantagens, evita, com maior ênfase, as infiltrações e também diminui o desgaste físico dos defensores. Como desvantagens, a defesa pode sofrer o denominado “Pick and roll”, onde o jogador que executa o bloqueio gira em direção a cesta e fica livre para receber um passe e finalizar.

    Outra desvantagem consiste no fato das trocas poderem acontecer, sem que haja uma equivalência física, técnica ou tática dos marcadores, em relação aos atacantes, colocando um defensor em alguma dificuldade.

    Na - defesa individual com antecipação - tem-se uma variante mais agressiva, que visa recuperar a bola, antecipando-se ao passe do adversário. O jogador deve usar de sua visão periférica para avançar no momento correto e interceptar o passeComo vantagens, é uma defesa que tende a recuperar um percentual maior de bolas, anulando o ataque adversário e facilitando os contra-ataques, mas, como desvantagens, pode sofrer os chamados “Back-doors”. Jogada que ocorre no momento em que o jogador defensor tenta antecipar o passe e o adversário corre em direção à cesta, passando pelas suas costas, recebendo e finalizando.

    Alguns tipos de marcação por zona podem ser ilustrados, a exemplo da 2x1x2; utilizada quando a equipe ofensora possui jogadores habilidosos no confronto individual, mas que apresenta deficiências nos arremessos de média e longa distâncias. Características, basilares, que devem ser consideradas sempre que se opta em marcar por zona.

    Portanto, com a configuração deste tipo de marcação, congestiona-se o garrafão, dificultando as infiltrações, obrigando a equipe adversária a recuar o seu ataque, afastando-se da área restritiva, e a tentar os arremessos de média e longa distâncias dos quais ela tem maiores dificuldades.

No Basquetebol, existem dois tipos básicos de defesa: um, que se baseia na marcação por zona ou por regiões da quadra, onde o jogador responsabiliza-se por uma determinada área do campo de jogo, e, outro que se fundamenta na marcação, específica, de um determinado jogador, denominada de marcação individual.  

A marcação por zona

    Historicamente a marcação por zona foi criada no ano de 1910, nos Estados Unidos, tendo como principais objetivos dificultar as infiltrações e os rebotes dos oponentes; facilitar os rebotes defensivos; viabilizar os contra-ataques e a volta à defesa; a diminuição do número de faltas e o aproveitamento de jogadores menos rápidos, tendo como principal eficiência o enfrentamento de equipes deficientes nos arremessos de curta e média distâncias, com maus passadores e eficientes nas infiltrações (REIS, 2005). Em contrapartida, exige melhor treinamento de conjunto e comunicação entre os defensores, 

A marcação individual

    Neste tipo de marcação, que originalmente surgiu com o próprio Basquetebol, é, geralmente, bastante eficiente, mas, leva a um número maior de faltas, em face ao maior contato físico dos marcadores com os atacantes; razão pela qual exige equipes com um bom banco de reservas (REIS, 2005).

    Sua principal característica e a marcação, específica, de cada oponente, sendo nesta de fundamental importância equivaler habilidades técnicas, funções táticas, competências físicas e etc., no momento de eleger marcadores e jogadores a serem marcados. E, apresenta algumas possibilidades de variações:

    Primeiro, as marcações que são realizadas nos jogadores - em posse da bola - onde a primeira possibilidade que se apresenta é a do tipo simples, e consiste no processo onde o marcador posiciona-se fechando a linha “entre a bola e a cesta”, seguindo o atacante na movimentação, sem perder a visão da bola e dos demais jogadores de ataque. Como vantagens, neutralizam-se os arremessos de longa e média distâncias e dificultam-se os passes. A desvantagem esta nas possibilidades de deixar a defesa vulnerável às infiltrações, oriunda dos “cortes” individuais que a marcação pode sofrer. Conforme ilustra a “linha vermelha” da figura a seguir.

    Outro tipo é a - defesa individual com troca - utilizada principalmente quando o atacante, em posse de bola, recebe um corta-luz, e a defesa realiza a troca dos marcadores. Como vantagens, evita, com maior ênfase, as infiltrações e também diminui o desgaste físico dos defensores. Como desvantagens, a defesa pode sofrer o denominado “Pick and roll”, onde o jogador que executa o bloqueio gira em direção a cesta e fica livre para receber um passe e finalizar.

    Outra desvantagem consiste no fato das trocas poderem acontecer, sem que haja uma equivalência física, técnica ou tática dos marcadores, em relação aos atacantes, colocando um defensor em alguma dificuldade.

    Na - defesa individual com antecipação - tem-se uma variante mais agressiva, que visa recuperar a bola, antecipando-se ao passe do adversário. O jogador deve usar de sua visão periférica para avançar no momento correto e interceptar o passeComo vantagens, é uma defesa que tende a recuperar um percentual maior de bolas, anulando o ataque adversário e facilitando os contra-ataques, mas, como desvantagens, pode sofrer os chamados “Back-doors”. Jogada que ocorre no momento em que o jogador defensor tenta antecipar o passe e o adversário corre em direção à cesta, passando pelas suas costas, recebendo e finalizando.

    Alguns tipos de marcação por zona podem ser ilustrados, a exemplo da 2x1x2; utilizada quando a equipe ofensora possui jogadores habilidosos no confronto individual, mas que apresenta deficiências nos arremessos de média e longa distâncias. Características, basilares, que devem ser consideradas sempre que se opta em marcar por zona.

    Portanto, com a configuração deste tipo de marcação, congestiona-se o garrafão, dificultando as infiltrações, obrigando a equipe adversária a recuar o seu ataque, afastando-se da área restritiva, e a tentar os arremessos de média e longa distâncias dos quais ela tem maiores dificuldades.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes