A maior rede de estudos do Brasil

Descreva a sintese, armazenamento, liberacao e ocupação dos receptores da acetilcolina.

Farmacologia I

UNINASSAU


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

O mecanismo de ação da acetilcolina é como um agonista colinérgico . A acetilcolina é a actilcolina é um éster do ácido acético e da colina, que atua como um neurotransmissor. Tem um papel como um agente vasodilatador, um agonista muscarínico, um hormônio, um metabólito humano, um metabólito de camundongo e um neurotransmissor.

O mecanismo de ação da acetilcolina é como um agonista colinérgico. A acetilcolina é a actilcolina é um éster do ácido acético e da colina , que atua como um neurotransmissor.

Tem um papel como um agente vasodilatador, um agonista muscarínico, um hormônio, um metabólito humano, um metabólito de camundongo e um neurotransmissor. É um éster de acetato e uma acilcolina.

O mecanismo de ação da acetilcolina é como um agonista colinérgico . A acetilcolina é a actilcolina é um éster do ácido acético e da colina, que atua como um neurotransmissor. Tem um papel como um agente vasodilatador, um agonista muscarínico, um hormônio, um metabólito humano, um metabólito de camundongo e um neurotransmissor.

O mecanismo de ação da acetilcolina é como um agonista colinérgico. A acetilcolina é a actilcolina é um éster do ácido acético e da colina , que atua como um neurotransmissor.

Tem um papel como um agente vasodilatador, um agonista muscarínico, um hormônio, um metabólito humano, um metabólito de camundongo e um neurotransmissor. É um éster de acetato e uma acilcolina.

User badge image

Luisa Paula Ferreira

Há mais de um mês

Este neurotransmissor é liberado por:

Todas as fibras pré-granglionares no sistema nervoso autônomo e aquelas da medula da adrenal;
Fibras pós-ganglionares parassimpáticas que se dirigem para o órgão efetor;
Algumas fibras simpáticas de vasos em músculos esqueléticos.
A biossíntese desse neurotransmissor por parte dos neurônios colinérgicos se dá pela acetilação da colina, catalisada pela enzima colina-acetiltransferase (CAT), com acetil coenzima A (acetil-CoA) funcionando como doador de grupos acetil.

A colina é ativamente transportada para o axoplasma do neurônio a partir de sítios extraneuronais por um processo de captação de colina de alta e baixa afinidade. O sistema de alta afinidade pode sofrer inibição pelo hemicolínio.

Após a síntese, a acetilcolina é transportada para as vesículas de armazenamento. Cada vesícula pode conter de 1.000 a mais de 50.000 moléculas de acetilcolina, além de ATP e uma proteína específica denominada vesiculina, Quando o turnover de acetilcolina é alto, o transporte de colina para as terminações nervosas pode se transformar na etapa que limita a velocidade da reação.

Acredita-se que a ACh seja liberada nas placas motoras terminais das junções neuromusculares, em quantidades constantes, ou vesículas. Quando o potencial de ação alcança a terminação nervosa motora, há liberação sincrônica de 100 ou mais vesículas de ACh.

A despolarização de uma terminação nervosa possibilita o influxo de cálcio através de canais voltagem-sensíveis. Este influxo de cálcio facilita a fusão da membrana vesicular com a membrana plasmática da terminação nervosa, resultando na extrusão do conteúdo das vesículas.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas