A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
RELAÇÃO JURÍDICA-11

Pré-visualização | Página 1 de 1

 Responsabilidade Subjetiva: nasce do dolo ou da culpa do agente
causador do dano.
 Dolo: é a intenção ou vontade consciente, que sustenta um ato capaz de causar
dano a outrem, ou que, ao ser praticado, o seu autor o tenha feito de forma
que assuma o risco de causar o dano a outrem.
 Culpa: é caracterizada pela execução de ato danoso por negligência,
imprudência ou imperícia.
 Negligente é aquele que causa dano a outrem por omissão (assim, por
exemplo, o motorista que não põe óleo no freio do automóvel e provoca,
por isso, um acidente ao pisar no breque que não funciona).
 Imprudente é o que causa o dano por ação (quando, por exemplo, o
motorista ultrapassa um sinal vermelho e causa um acidente).
 Imperito é o profissional que não age com o cuidado que dele se espera; é o
profissional que não trabalha usando o conhecimento necessário e exigido
por sua profissão (por exemplo, o cirurgião que deixa um pedaço de gaze
dentro do paciente operado).
 Responsabilidade Objetiva:
 Responsabilidade objetiva é a que gera a relação jurídica com a
correspondente obrigação de indenizar, independentemente da apuração do
dolo ou da culpa.
 A Administração Púbica adotou a responsabilidade objetiva.
 O CDC adotou a responsabilidade objetiva como um dos princípios
fundamentais de seu sistema normativo próprio e estabeleceu-o numa série de
suas normas.
 Assim, por exemplo, no que diz respeito à responsabilidade objetiva por danos
ocasionados ao consumidor por acidente de consumo, a matéria está regulada
nos arts. 12, 13 e 14 do CDC.
 Frise-se que o CDC não adotou a teoria da responsabilidade subjetiva, à
exceção do caso dos profissionais liberais (§ 4º do art. 14).
 responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.