A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
DJi - SURSIS - Suspensão Condicional da Pena - Suspensão de Execução de Penas

Pré-visualização | Página 1 de 7

- Índice Fundamental do Direito
Legislação - Jurisprudência - Modelos - Questionários - Grades
Suspensão de Execução de Penas - SURSIS - Suspensão Condicional da Pena - Art. 77 a Art. 82,
Suspensão Condicional da Pena - Penas - Código Penal - CP - DL-002.848-1940 - Art. 84 a Art. 88,
Suspensão Condicional da Pena - Penas - Código Penal Militar - CPM - DL-001.001-1969 - Art. 156 a
Art. 163, Suspensão Condicional - Execução das Penas em Espécie - Lei de Execução Penal - LEP - L-
007.210-1984 - Art. 606 a Art. 617, Suspensão Condicional da Pena - Incidentes da Execução - Execução
- Código de Processo Penal Militar - CPPM - DL-001.002-1969 - Art. 696 a Art. 709, Suspensão
Condicional da Pena - Incidentes da Execução - Código de Processo Penal - CPP - L-003.689-1941 -
Suspensão Condicional do Processo
 Sursis é uma medida judicial que determina a suspensão da pena
preenchido certos pressupostos legais e mediante determinadas
condições impostas pela lei e pelo juiz.
Penal
- cumprimento das condições: Art. 82, CP
- penas restritivas de direitos e de multa; não-extensão: Art. 80, CP
- prorrogação do período de prova: Art. 81, §§ 2º e 3º, CP
- requisitos: Arts. 77 a 80, CP
- revogação facultativa: Art. 81, § 1º, CP
- revogação obrigatória: Art. 81, caput, CP
Processo Penal
- Arts. 156 a 163, LEP
- concessão, denegação ou revogação; recurso: Art. 581, XI, CPP
- condições e regras a que fica sujeito o réu: Art. 158, LEP
- fiança; quando não será concedida: Art. 324, III, CPP
- fixação do prazo pelo juiz: Art. 158, LEP
- leitura da sentença ao réu, em audiência: Art. 160, LEP
- não-comparecimento do réu à audiência; execução da pena: Art. 161,
LEP
- pronunciamento motivado do juiz ou do tribunal: Art. 157, LEP
- revogação: Art. 162, LEP
Suspensão Condicional da Pena
 "A suspensão condicional da pena tem por finalidade a reeducação do
criminoso, impedindo, por outro lado, que os delinqüentes condenados a
penas de reduzida duração fiquem privados da liberdade, restrição
agravada pelo convívio com outros de maior periculosidade. Como
acentua Júlio Fabbrini Mirabete, toda vez que tal recuperação pode ser
obtida, mesmo fora das grades de um cárcere, recomendam a lógica e a
melhor política criminal a liberdade sob condições, obrigando-se o
condenado ao cumprimento de determinadas exigências (Manual de
Direito Penal, 2ª ed., São Paulo, Ed. Atlas, 1º v., 1986, p. 313).
 Há dois sistemas de suspensão condicional: o da suspensão de
Referências
e/ou
Doutrinas
Relacionadas:
Ação Penal
Admonição
Agravo Criminal
Analogia
Anistia e Indulto
Antijuridicidade
Antijurídico
Aplicação da Lei
Penal
Aplicação da Pena
Aplicação das
Sanções Disciplinares
Arrependimento
Posterior
Assistência
Assistência à Saúde
Assistência ao
Egresso
Assistência
Educacional
Assistência Jurídica
Assistência Material
Assistência Religiosa
Assistência Social
Autorizações de
Saída nas Penas
Privativas de
Liberdade
Cadeia Pública
pronunciamento da sentença (probation system), adotado na Inglaterra e
nos Estados Unidos da América do Norte, e o da suspensão condicional
da pena ou sursis, de origem belgo-francesa, adotado no Brasil. No
primeiro, o réu permanece em liberdade mediante condições impostas
pelo juiz, suspendendo-se o processo; no segundo, o réu é condenado,
mas a pena não é executada se ele cumprir, dentro de determinado
período, as condições impostas pelo juiz. Como adverte Júlio Fabbrini
Mirabete, embora o Art. 77 do CP estabeleça que a pena poderá ser
suspensa, aparentando, à primeira vista, tratar-se de uma faculdade do
juiz, o sursis é um direito do sentenciado que satisfaça os re quisitos
exigidos para sua concessão. Em face disso, deve o magistrado
manifestar-se a respeito do sursis por ocasião da sentença, sob pena de
nulidade desta (Art. 697 do CPP). O CP rege a matéria nos arts. 77 e
segs.. Observemos o Art. 44 citado no inciso III do Art. 77. Tendo em
vista o critério da temporariedade para efeito de determinação da
reincidência, o mesmo réu pode ser beneficiado por duas ou mais vezes
com a suspensão condicional da pena. Assim, decorridos mais de cinco
anos entre o cumprimento ou a extinção da pena, o autor de um novo
delito retorna ao escalão de não reincidente, podendo obter o benefício
do sursis (CP, Art. 64, I). Durante o período da suspensão, o condenado
fica sujeito à observação e ao cumprimento das condições estabelecidas
pelo juiz. No primeiro ano do prazo, deverá o condenado prestar
serviços à comunidade ou submeter-se à limitação de fim de semana
constante do Art. 48 do CP. Se o condenado houver reparado o dano,
salvo impossibilidade de fazê-lo, e se as circunstâncias do Art. 59 do CP
lhe forem inteiramente favoráveis, o juiz poderá substituir a exigência da
prestação de serviços à comunidade ou da limitação de fim de semana,
por uma ou mais das seguintes condições: a) proibição de freqüentar
determinados lugares; b) proibição de ausentar-se da comarca onde
reside, sem autorização judicial; c) comparecimento pessoal e obrigatório
a juízo, mensalmente, para informar e justificar suas atividades. A
sentença poderá especificar outras condições a que fica subordinada a
suspensão, desde que adequadas ao fato e à situação pessoal do
condenado. A suspensão não se estende às penas restritivas de direitos
nem à multa. A revogação da suspensão condicional da pena pode ser ob
rigatória (Art. 81, caput, do CP), ou facultativa (Art. 81, § 1º, do CP).
Finalidade
Condições objetivas: (independe da vontade)
Natureza da pena (privativa de liberdade = reclusão e detenção)
Quantidade de pena (máximo de 2 anos)
Primariedade - reincidência em crime doloso.
Diferença com outros institutos
Condições subjetivas:
Ausência de periculosidade
Estudo psicológico do agente.
Base da aplicação nas penas privativas de liberdade.
Reclusão - Detenção (cumulativas p. e pena de multa).
limite máximo de 2 anos
suspensão etária à de 70 anos à 4 anos de pena privativa de liberdade.
Casa do Albergado
Centro de
Observação na
Execução Penal
Cessação da
Periculosidade
Circunstâncias
Classificação dos
Crimes
Colônia Agrícola,
Industrial ou Similar
Cominação das
Penas
Comunicabilidade e
Incomunicabilidade
de Elementares e
Circunstâncias
Concepção do
Direito Penal
Concurso de
Circunstâncias
Agravantes e
Atenuantes
Concurso de Crimes
Concurso de Pessoas
Condenado e
Internado
Conduta
Conselho da
Comunidade
Conselho Nacional
de Política Criminal e
Penitenciária
Conselho
Penitenciário
Contagem do Prazo
Conversão da Multa
e Revogação
Conversões de Penas
Crime Consumado
Crime Continuado
Crime Hediondo
Crime Impossível
Crime Preterdoloso
Crime Privilegiado
Culpabilidade
Cumprimento das
Condições
Departamentos
Período de prova à de até 4 anos
Audiência admonitória (advertência - Admonição)
Polêmica (1º ano - trabalho em favor da coletividade)
 A suspensão condicional da pena tem por finalidade a reeducação do
criminoso, impedindo, por outro lado, que os delinqüentes condenados a
penas de reduzida duração fiquem privados da liberdade, restrição
agravada pelo convívio com outros de maior periculosidade. Como
acentua Júlio Fabbrini Mirabete, toda vez que tal recuperação pode ser
obtida, mesmo fora das grades de um cárcere, recomendam a lógica e a
melhor política criminal a liberdade sob condições, obrigando-se o
condenado ao cumprimento de determinadas exigências (Manual de
Direito Penal, 2ª ed., São Paulo, Ed. Atlas, 1º v., 1986, p. 313).
 Há dois sistemas de suspensão condicional: o da suspensão de
pronunciamento da sentença (probation system), adotado na Inglaterra e
nos Estados Unidos da América do Norte, e o da suspensão condicional
da pena ou sursis, de origem belgo-francesa, adotado no Brasil. No
primeiro, o réu permanece em liberdade mediante condições impostas
pelo juiz, suspendendo-se o processo; no segundo, o réu é condenado,
mas a pena não é executada se ele cumprir, dentro de determinado
período, as condições impostas