epizootiologia 30.11.11
6 pág.

epizootiologia 30.11.11


DisciplinaEpizootiologia das Parasitoses15 materiais44 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Artropodidoses
		 Ixodidose
	Infestação { Dermatites pruriginosas
Ácaros 
	Infecção { Sarnas profundas
		 Sarnas superficiais
		 Sarnas foliculares
Agente que provoca injuria ou na forma de infecção ou na forma de infecção, são artropodas invertebrados.
Infecções pelas pulgas, 
Utilizam a pele para poder provocar descamação, processos pruriginosos
Ácaros provocadores de sarna
 O carrapato se alimenta de sg, determina uma queda na produção sg, animais podem ficar anêmicos. Pode contribuir com perda de energia pelo hospedeiro.
Ação direta: infestação, volume, quantidade de ácaros, insetos que vamos ver sob o corpo do animal.
Se olhar um animal com piolho, ele sempre tem um conjunto de piolhos, nunca um só. 
Os piolhos podem ser hematófagos, e existem aqueles que se alimentam de pelos e de penas. Nesse processo alimentar é que vai provocar a injuria no corpo do animal.
Infestação de piolhos: perde sg, perde quantidade energética, ele fica fraco, debilitado, caquético, sem pelo (porque o pelo também sofre com a perda de energia).
Mesmo quando não afeta pela hematofagia, a destruicao do pelo e da pena vão acarretar para o animal esse tipo de estrutura: animal sem pelo perde proteção, não tem troca de calor adequada.
Em relação as penas: são utilizadas pelo mecanismo de impermeabilização. Sofre de forma indireta uma queda no processo produtivo. 
Piolho: não consegue ficar fora do corpo do animal, vive pela temperatura.
Pulgas: só usa o animal para buscar alimentação e permitir a copula. Depois ficam no ambiente.
Moscas:
As que mais infestam:
Stomoxys calcitrans (mosca dos estábulos)
Mosca dos chifres (haematobia irritans)
Essas moscas são as mais comuns no ambiente domestico, na produção zootécnica. Tem acarretado problema no controle, acarretam estresse ao animal. 
Ela precisa de um substrato rico em açúcar para garantir a eclobilidade dos ovos. 
A mosca dos estábulos também vem surgindo como um problema princ em regiões onde antigamente a mosca não era encontrada. O transito de animais de uma região para a outra, passou a ser um problema principalmente na bovinocultura leiteira, porque são hematófagas. Causam estresse e também retiram através do sangue uma fonte de energia do animal, e com isso diminui a produção leiteira.
Problema: Utilização de fármacos sem um medico veterinário, sem ser estabelecido por um. Com isso ele não sabe o efeito do produto. 
É eficiente na diminuição dos ácaros e coleópteros que são predadores naturais da mosca. 
Trypanosoma evansi (Stomoxys calcitrans)
Animal que está infestado:
Drogas com efeito de expulsão pelo corpo. Ex. pó de deltametrina impede a respiração do parasita. Agente utiliza e aos poucos o piolho vai saindo do corpo do animal.
Aves tem um maior numero de espécies de piolhos. São espécie especifica. 
Quando extrai o artrópode do corpo do animal, tem que identificar, o local da extração do piolho, e com a data da coleta, espécie do animal, nome do animal. Principalmente se vc for encaminhar esse material. 
Pulgas: 
Método de coleta: pente fino. Recipiente com álcool para auxilio da coleta (coleta a pulga e coloca no recipiente com álcool) ou álcool embebido no algodão.
Após capturadas: identificar o animal, local onde vive o animal para fazer identificação da pulga e a data da coleta. No caso das pulgas elas não são especificas, ou seja, há necessidade do veterinário diferenciar a pulga (se ela é do cão ou se está utilizando o cão de forma para se manter).
Se houver criador de roedor na proximidade da casa, a freqüência de pulgas que parasita o animal é comum.
Mosca
Puçá: com auxilio de um puçá vc captura as moscas no animal. 
Dermatobia: não te dá possibilidade dos possíveis foréticos.
Armadilhas: 
Extração dessas larvas:
Odor é muito forte. Mas nunca deixar para o proprietário fazer. Agente deve fazer esse tipo de extração, posso usar medicamentos que facilitem esse trabalho (nimtepiram, que é o capstar) que tem ação de expulsão de larva, ele faz com que as que estão mais profundas fiquem mais superficiais e vc consegue tirar. Extração realizada com pinça, mão enluvada, utilização de máscara (questão de higiene).
O tratamento: recolhida através da extração com pinça, manualmente as larvas dentro do tecido. Podendo utilizar medicamentos para facilitar, e deve ser feito a retirada diária.
Tratamento curativo: não entra na ferida para fazer postura, ela faz em volta, por isso não se utiliza produto dentro da ferida. 
(nunca usar creolina, éter, ou uso de qualquer substancia abrasiva). As larvas respiram pela extremidade posterior. Eu vou vedar a abertura respiratória e elas desesperadas saem da ferida para respirar. Vc vai tirar a larva da ferida, só que vc está prejudicando o processo cicatricial daquela ferida. Medico veterinário não pode ter aquele tipo de atitude, porque embora seja efetivo para a larva, não é efetivo para o animal.
O lepecid não é cicatrizante! Diz que é na embalagem, mas não é. ungüento, tudo isso não são cicatrizantes.
A única coisa que pode utilizar como limpeza é soro fisiológico. Normalmente aquece o soro para não agredir aquele tipo de ferida (25-26°C). faz a limpeza, larva, e ao redor da ferida vc usa o repelente (impedir que a mosca faça postura). Ai pode usar nitrato de prata, furacin, etc. tudo ao redor. Agente não veda o ambiente, porque passando o repelente e fazendo limpeza diária, a cicatrização é natural.
Cuidados: não deixar que a ferida se feche com a larva no interior, que podem ser rejeitadas como corpo estranho, apresentando fistulas (com abscesso)
Na miiase é necessário a extração como tratamento curativo.
Antiparasitários
Químicos: 
No caso dos piolhos, o principio de melhor efeito é a deltametrina e o fipronil. Em relação aos piolhos: a utilização desses produtos tem o principio de interferir no processo respiratório do piolho. A tendência dele é morrer por asfixia. O medicamento não impede que o piolho suba no corpo do animal, ele só controla a infestação.
Medida preventiva: utilização de produtos repelentes, convencionais comercializados (forma de coleira, spray, etc.) ou a utilização de drogas que são fitoterápicas (ex. soluções de alfazema, isso é geralmente voltado mais para os animais de companhia).
Pulgas:
Questão relacionada ao animal e ao ambiente.
Tratamento do animal doente (infestado): existem 2 possibilidades: utilizar a droga ectoparasitisida, ou seja, é uma droga que vai matar a pulga. e de utilizar uma droga repelente, que vai impedir que a pulga suba no corpo do animal. É importante falar como proprietário essas 2 possibilidades.
Explicar em relação ao repelente. É justificada principalmente para animais que tem processo alérgico a picada de pulga. é um animal que não vou esperar ter pulga para usar o produto. As coleiras que são indicadas para mosquito, piolho, também servem para utilização da pulga. para carrapato as coleiras não funcionam muito bem.
A escolha da droga que vou fazer: 
Formas de aplicação: spray, pó, banho, etc. tenho que adequar a forma de aplicação que vou escolher. 
Ex. amitraz: parasiticida. Relembrando que o amitraz, assim como todo o produto utilizado no controle de ectoparasitos são tóxicos, eles são veneno, em conseqüência disso ele só pode ser utilizado na presença do medico veterinário, não deve ser utilizado por estabelecimento que não tenha veterinário. 
Amitraz: há necessidade da prescrição do veterinário, assistência do medico veterinário para aplicação. Não pode ser passado para o proprietário fazer.
Produto tópico: spot on. Fipronil que tem esse efeito. É um efeito ectoparasiticida, não é repelente. Tenho que explicar para o proprietário que essa forma, qualquer uma das formas, tenho que fazer um tratamento em conjunto até que se controle.
Drogas que são aplicadas no animal, mas que tem efeito no ambiente: ocorre o metabolismo e através da descamação da pele do animal, as larvas ingerem essa descamação no ambiente e acabam morrendo. O controle populacional é mais efetivo: metropene, vc interfere na fase imatura.