Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Furto (Dos crime contra o patrimônio)

Pré-visualização | Página 1 de 3

➔ Furto (art. 155 do CP)
Objetividade jurídica: a lei penal tutela a posse legítima e a propriedade.
A detenção isoladamente, não é protegida pelo art. 155 do CP, pois não produz qualquer
efeito jurídico.
Sujeitos do delito
Ativo: qualquer pessoa pode praticar o crime, não exigindo a lei qualquer condição especial
do sujeito ativo.
Obs: se o agente já estava na posse ou na detenção da coisa, objeto do crime, responde pelo
delito de apropriação indébita (art. 168 do CP).
- A posse vigiada enseja subtração (Ex: o empregado da fábrica que furta as ferrametas;
o comerciário que furta as mercadorias).
- A posse desvigiada enseja a apropriação indébita.
Passivo: é o possuidor ou proprietário, ou ambos. Quem em regra sofre o dano patrimonial.
-Elementos objetivos do crime:
O objeto material do crime é uma coisa, toda substância corpórea material, suscetível de
apreensão e que tem um valor qualquer. Ainda refere-se o tipo à coisa alheia, isto é, que se
acha na posse de outrem, em geral do proprietário.
A coisa também tem de ser móvel: tudo que pe suscetível de remoção, ou por ser dotado de
movimento próprio, ou por ação do homem: os semoventes e o que pode ser removido por
ação humana.
- Claro se torna que por coisa material e corpórea devemos entender tudo aquilo que
pode ser objeto da ação física do delito, isto é, tudo aquilo que pode ser subtraído, ou
melhor, suscetível de remoção, deslocamento ou apreensão.
COISA ALHEIA + SER COISA + SER MÓVEL + COISA CORPÓREA
Fixados os conceitos de coisa alheia móvel, é necessário nos determos na conceituação do
seu valor: alguns autores afirmam que para ser objeto de furto a coisa tem de ter valor
econômico, ou seja, valor de troca, sendo de todo excluído o valor de afeição, como requisito
da coisa furtada. Outros sustentam opinião diversa: “O conceito de valor patrimonial não
corresponde necessariamente ao conceito de valor econômico, e o de dano patrimonial não se
identifica com o de dano econômico”. Considerando que o patrimônio é um complexo de
bens através dos quais o homem satisfaz suas necessidades, não há porque não incluir as
coisas que possuem um valor afetivo, pela sua utilização.
O valor é dado principalmente pelo espírito humano e não pela natureza do objeto. A
ausência ou pouquidade do valor econômico será circunstância condizente à graduação da
pena, como se verá no parágrafo segundo do artigo em estudo. O que poderá ocorrer é
utilizar-se do princípio da insignificância quando for ínfimo o valor do bem. Ex.: furtar um
alfinete; um palito de fósforo.
-Elementos subjetivos do crime
Não há que se falar em furto se existe o consentimento da vítima, pois o patrimônio é um
bem disponível.
Não haverá furto sem DOLO (vontade livre e consciente de subtrair coisa móvel), é
necessário ainda que a vontade abranja o elemento normativo alheia, pois poderá agir em erro
de tipo, excludente do dolo e portanto atípico.
Além desse dolo genérico, exige-se um elemento subjetivo específico que é a finalidade do
agente expressa no tipo para si ou para outrem que indica o fim de assenhoramento definitivo.
Não se confundir elemento subjetivo do injusto com o motivo determinante do crime (Ex:
vingança, lucro, capricho)
CONSUMAÇÃO E TENTATIVA
Contrectatio: dizia consumado o furto pelo fato do agente haver pousado a mão no objeto.
Amotio: a consumação é dada com a deslocação do objeto
Ablatio: para a consumação era necessário a apreensão e deslocação do objeto;
Ilactio: a consumação exigia que o agente levasse o objeto para o lugar que era destinado
O Plenário do Supremo Tribunal Federal, superando a controvérsia em torno do tema,
consolidou a adoção da teoria da apprehensio (ou amotio), segundo a qual se considera
consumado o delito de furto quando, cessada a clandestinidade, o agente detenha a posse de
fato sobre o bem, ainda que seja possível à vitima retomá-lo, por ato seu ou de terceiro, em
virtude de perseguição imediata. Desde então, o tema encontra-se pacificado na
jurisprudência dos Tribunais Superiores. 3. Delimitada a tese jurídica para os fins do art.
543-C do CPC, nos seguintes termos: Consuma-se o crime de furto com a posse de fato da res
furtiva, ainda que por breve espaço de tempo e seguida de perseguição ao agente, sendo
prescindível a posse mansa e pacífica ou desvigiada.
- STJ: “A orientação jurisprudencial é no sentido de que se considera consumado o
crime de furto, assim como o de roubo, no momento em que, cessada a
clandestinidade ou a violência, o agente se torna possuidor da res furtiva, ainda que
por curto espaço de tempo, sendo desnecessário que o bem saia da esfera de vigilância
da vítima, incluindo-se, portanto, as hipóteses em que é possível a retomada do bem
por meio de perseguição imediata”
Entretanto, alguns autores defendem a teoria da inversão da posse. Além de inverter a posse
se exigiria um certo lapso temporal, isto é, um período de tempo em que o agente tem a coisa
para si sem ser molestado por ninguém (posse mansa e pacífica).
→ É admissível a forma tentada, pois o furto é um crime material no qual a lei exige ação
subtrair e um resultado lesão patrimonial para que se diga consumado. A tentativa ocorrerá
sempre que o agente não conseguir consumar o crime por circunstâncias alheias à sua
vontade.
-Furto privilegiado (art. 155 § 2° do CP)
Minorante
Exige a lei dois requisitos
a) Primariedade do agente: é mister que o réu seja primário, isto é, não reincidente (art.
63 do CP)
b) Coisa de pequeno valor: tem entendido a jurisprudência que reconhece-se o furto
privilegiado quando a coisa não alcançar o valor correspondente a um salário mínimo
vigente à época do fato.
SÚMULA 511 do STJ: É possível o reconhecimento do privilégio previsto no § 2º do art. 155
do CP nos casos de crime de furto qualificado, se estiverem presentes a primariedade do
agente, o pequeno valor da coisa e a qualificadora for de ordem objetiva.
-Furto de energia (Art. 155 §3° do CP)
Também será furto se a energia for solar, térmica, sonora, atômica, mecânica, toda que tiver
valor econômico. Se equipara a um bem móvel.
-Furto qualificado (art. 155 §4° do CP)
a) Destruição ou rompimento de obstáculo (art. 155 §4°, I)
Destruição: destruir, demolir, desfazer, desmanchar.
Rompimento: romper, partir, despedaçar, separar, rasgar, abrir e etc.
Para qualificar é necessário que a conduta atinja o objeto que impede a apreensão ou a
remoção da res furtiva. É necessário que a violência ocorra antes, durante ou depois do
objeto, mas sempre antes de consumado o crime.
O obstáculo pode existir naturalmente ou ser posto com a finalidade de impedir o furto (Ex:
abrir trincos, portas, janelas, fechadura, fios de alarme e etc).
Não é arrombar para furtar o carro e sim as coisas se deu interior.
A simples remoção de obstáculos não qualifica o crime (Ex: tirar parafusos).
→ O obstáculo pode ser:
De natureza ativa: armadilhas, alarmes e etc.
De natureza passiva: muro, paredes, cofres e etc.
É indispensável exame pericial para o reconhecimento da qualificadoras, efetuado por peritos
da polícia, é circunstância objetiva e comunicável em, caso de concurso de agentes, desde
que passe pela sua esfera de conhecimento.
b) Com abuso de confiança, ou mediante fraude, escalada ou destreza (Art. 155 §4°,
II)
Requisitos:
Que o sujeito abuse da confiança depositada
Que a coisa esteja com o sujeito ativo em face desta confiança.
-Trata-se de um indivíduo mais perigoso pois além de furtar, viola a confiança nele
depositada, uma vez que aproveitando-se desta confiança, comete o crime. A confiança pode
existir ao tempo do fato ou ter sido captada de propósito para o furto.
Obs: Algumas atividades já pressupõem uma relação de confiança, portanto inúmeras
jurisprudências consideram qualificado o furto do guarda, vigia, ronda, pois incita na
atividade a confiança. Estão no mesmo caso os domésticos
- A diferença entre a apropriação indébita e o furto qualificado pelo abuso de confiança
é que naquela o agente toma por sua a coisa da qual detém a posse; neste, o agente
subtrai
Página123