Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
65 pág.
Atuação da fisioterapia no trabalho de parto

Pré-visualização | Página 1 de 1

ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO
TRABALHO DE PARTO
MECANISMO DE PARTO
MECANISMO DE PARTO
 Conjunto de movimentos que o feto realiza quando é
impulsionado através do canal de parto
 Contrações da musculatura uterina e dos músculos
da parede abdominal materna
 Objetivo:
 Adaptação do feto ao canal do parto
COMPONENTES DO MECANISMO DE
PARTO
 Contrações uterinas 
 Contrações ocorrem de forma intermitente,
com progressiva redução dos intervalos de
repouso da musculatura uterina
MOTOR 
COMPONENTES DO MECANISMO DE PARTO
 As forças da parede abdominal materna torna-se importante no 
período expulsivo(PUXOS) 
Tríplice gradiente 
descendente 
Contrações terem 
início no fundo 
uterino 
Apresentarem 
progressivo aumento 
da intensidade nesta 
região 
Dirigirem- se para a 
porção inferior do 
útero
 Eficácia da contração uterina:
COMPONENTES DO MECANISMO DE PARTO
Atitude fetal de flexão do polo cefálico e dos membros sobre
o tronco caracteriza o ovoide fetal
MÓVEL 
Ovóide córmicoOvóide cefálico 
COMPONENTES DO MECANISMO DE
PARTO
 Trajeto 
 Limites estendem-se do fundo uterino à rima vulvar
 Estreito superior, médio e inferior 
Útero 
Vagina 
Vulva 
Sustentados pela 
bacia óssea
COMPONENTES DO MECANISMO DE
PARTO
 O eixo da via de parto se dirige de forma retilínea durante todo o
trajeto uterino.
 Angula-se anteriormente na região subpúbica, quando o polo
fetal percorre a vagina.
 Inclina-se superiormente no momento do desprendimento do
ovóide cefálico
 O eixo do parto tem a forma J
TRAJETO 
Canal de parto = 10 cm
COMPONENTES DO MECANISMO DE
PARTO
DIÂMETROS PÉLVICOS E A RELAÇÃO
COM O PARTO
COMPONENTES DO MECANISMO DE
PARTO
CLASSIFICAÇÃO DE DE LEE
TEMPOS DO MECANISMO DE PARTO
Tempos principais
Insinuação, acomodação ou encaixamento
Descida
Desprendimento
TEMPOS DO MECANISMO DE PARTO
Atitude neutra entre flexão e extensão
O ovoide cefálico se dispõem em posição
transversa ou oblíqua
Ocupa a região acima do estreito superior da
bacia
Insinuação
TEMPOS DO MECANISMO DE PARTO
 Insinuação
 Coordenação das contrações uterinas
 Caracterizada pela passagem da maior
circunferência da apresentação fetal
 Postura de flexão>> fontanela occiptal é percebida
mais centralizada que a fontanela frontal
 Flexão cefálica anteoposterior
 Cavalgamento dos ossos do crânio
MECANISMO DE PARTO: INSINUAÇÃO
TEMPOS DO MECANISMO DE PARTO
Descida
 O ponto mais baixo da cabeça fetal migra até o 
estreito inferior
Estreito superior 
Estreito médio 
Estreito inferior 
TEMPOS DO MECANISMO DE PARTO
TEMPOS DO MECANISMO DE PARTO
Desprendimento
 Expulsão do ovóide cefálico e das demais
partes fetais
 No início desse tempo o feto permanece em
atitude flexora.
 Apoia o occipício sobre o bordo inferior da
sínfise púbica
 Occipto em contato com o púbis
 Ocorre hipomóclio: deflexão da cabeça fetal para 
que haja a expulsão
MECANISMO DE PARTO: DESPRENDIMENTO
CEFÁLICO
MECANISMO DE PARTO: ROTAÇÃO
INTERNA
 O grau de rotação varia de acordo com a 
variedade de posição:
 Variedades direitas: rodam no sentido horário
 Variedades esquerdas: rodam no sentido anti-horário
Roda para 
colocar o 
occipito no 
púbis e fazer 
hipomóclio
MECANISMO DE PARTO: DESPRENDIMENTO
DA CINTURA ESCAPULAR
 Apoio do ombro anterior no subpúbis
 Flexão lateral do tronco
 Desprendimento do ombro anterior
 Movimento de flexão despeende o ombro posterior
 O restante do feto sai sem resistência 
MECANISMO DE PARTO: ROTAÇÃO
EXTERNA
 Retorno do occipito fetal para o lado materno em que se 
encontrava antes da rotação interna 
 Rotação interna das escápulas: a cintura escapula ocupa o 
diâmetro AP da bacia pélvica
SITUAÇÃO FETAL
 É a relação entre o maior eixo fetal e o maior eixo 
materno, podendo ser: 
Longitudinal: quando 
os dois eixos se 
coincidem
SITUAÇÃO FETAL
 Transverso: quando o maior eixo do feto é perpendicular ao
maior eixo materno
 Oblíquo: é uma situação transitória que evoluirá para
longitudinal ou transverso.
SITUAÇÃO FETAL
APRESENTAÇÃO
ESTÁTICA FETAL
 Apresentação fetal
Relação feto-mãe
RELAÇÕES MATERNO-FETAL
 Posição fetal: relação do dorso fetal com o lado D ou E 
materno
 Variedade de posição: relação entre pontos de referências 
fetais e maternos
VARIEDADES DA POSIÇÃO FETAL
 A: Lâmbda e sutura sagital
 B: Bregma
 C: glabela
 D: mento e linha facial
 E: Crista sacrococígea e linha
interglútea
 F: Gradil costal e acrômio
PARTO NORMAL
 Processo fisiológico através do qual um útero
gravídico, por meio de atividade contrátil expulsa
o feto
FASES DO TRABALHO DE PARTO
 Contração uterina com a dilatação progressiva do
colo
 Expulsão do bebê
 Expulsão da placenta e da bolsa de líquido amniótico
vazia
EPISIOTOMIA
PARTO CESÁREA
 Incisão cirúrgica, geralmente feita no abdômen
inferior materno, por onde o bebê nasce (o que
ocorre alguns minutos depois que a operação
começa).
 O abdômen e o útero maternos são reparados após o
nascimento.
CONDUTAS NA ADMISSÃO
 Anamnese
Queixas da paciente 
Antecedentes mórbidos e obstétricos 
Uso de medicamentos 
Patologias associadas 
Evolução da gestação atual 
Data da ultima menstruação 
EXAME FÍSICO
 Ausculta cardíaca e pulmonar 
 Aferição de PA 
 FC 
 Temperatura 
 Peso 
 Palidez 
 Edema 
TRABALHO DE PARTO
 Durante o trabalho de parto a parturiente vai 
precisar: 
 Mobilidade pélvica e uso intensivo da musculatura 
abdominal 
 Os músculos do assoalho pélvico são exigidos 
FISIOTERAPIA NO PARTO
 Relaxamento 
 Massagem 
 Percepção respiratória 
 Posicionamento 
 Imaginação
 Banho quente 
 TENS 
FISIOTERAPIA DURANTE O TRABALHO DE
PARTO
DILATAÇÃO CERVICAL
RELAXAMENTO NA BOLA
FISIOTERAPIA
 Respiração e deambulação 
 Adoção de posturas verticais 
MASSAGEM
 Massagem leve e suave 
MASSAGEM
 Paciente sentada na bola
POSICIONAMENTO
 Bipedestação
 Cócoras 
 Quatro apoios 
 Ajoelhada 
 Decúbito dorsal 
POSICIONAMENTO
 Cócoras
DISSOCIAÇÃO DE CINTURA PÉLVICA E
NUTAÇÃO
POSICIONAMENTO
 Decúbito lateral esquerdo(DLE) 
INTERVALO DAS CONTRAÇÕES
ELETROTERAPIA – ATENÇÃO!!! 
 Aplicação. 
Primeiro canal- T10 a L1 
Segundo canal- S2 
Por 30 a 40 min 
BANHOS QUENTES
 Aumenta a velocidade de dilatação do colo uterino 
 Alívio da dor- vasodilatação dos vasos que irrigam o 
útero 
 Relaxamento 
POR HOJE É SÓ PESSOAL!