A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
PATOLOGIAS BENIGNAS DE MAMA

Pré-visualização | Página 1 de 2

Nicolas Martins 2025.1 - Anatomia Patológica II
PATOLOGIAS BENIGNAS DE MAMA
ANATOMIA E FUNÇÃO
A mama é um anexo do aparelho reprodutor feminino que se localiza na parede torácica anterior sobre o
músculo peitoral. É um órgão constituído por um componente glandular ( lóbulos mamarios ) que se unem
formando lobos mamários que se distribuem na periferia do tecido mamário
Os lóbulos são sustentados e repousam sobre o estroma composto por tecido conjuntivo rico em gordura e
tecido fibroso que forma traves conjuntivas. A mama é sustentada por uma fáscia superficial anterior e pelos
ligamentos de cooper.
⇒ As glândulas mamárias apresentam 2 sistemas importantes em seu parênquima: ductal e lobular. À nível
de parênquima, esses sistemas se localizam ao longo de toda extensão mamária. Os lóbulos se localizam,
principalmente, na região periférica da mama, e recebem pequenos ductos que se transformam em ductos
menores e ramificados que drenam para o mamilo.
⇒ Drenagem linfática principal é para a cadeia axilar e em menor porcentagem para a cadeia mamária
interna. É importante destacar a importância da drenagem linfática chamando atenção, principalmente, dos
tumores malignos e também em relação ao linfonodo sentinela.
⇒ Os linfonodos sentinela são aqueles primeiros linfonodos da
cadeia ganglionar linfática a receberem metástase tumoral.
Portanto, quando avaliamos esse linfonodo através de corantes, ou
radiotraçadores durante a cirurgia de uma paciente portadora de
um tumor maligno, a importância principal dessa avaliação, vai ser
a adoção de uma conduta terapêutica adequada.
Sendo assim, aquelas pacientes que não têm os linfonodos iniciais
da cadeia linfática (linfonodo sentinela) comprometidos por uma
neoplasia, serão submetidas a uma abordagem menos radical,
mais econômica, sem a realização do esvaziamento axilar. Já as
pacientes que apresentam comprometimento do linfonodo
sentinela, serão submetidas ao esvaziamento axilar como forma de
complementar as cirurgias radicais delas.
⇒ É importante também falar da divisão didática em que as mamas são submetidas, principalmente, em
quadrantes. A região central, denominamos de região retroareolar. (as lesões malignas se encontram
principalmente localizadas no quadrante superior externo).
PATOLOGIAS
DISFUNÇÕES DO
DESENVOLVIMENTO
São alterações mamárias congênitas que são, de modo geral, pouco frequentes.
● Atenia = Ausência congênita do complexo aréolo-mamilar.
● Mamilos e mamas supranumerárias = mama e tecido mamário ao longo
da linha mamária desde a axila ao períneo - tecido mamário axilar acessório
● Inversão mamilar congênita = Tecido mamilar invertido. Pode ocorrer em
algumas alterações inflamatórias, mas principalmente, em patologias
mamárias malignas ( alguns carcinomas podem cursar sendo em alguns
casos um sinal clínico de neoplasias )
● Macromastia = Hipertrofia juvenil levando ao aumento das mamas
INFLAMAÇÕES Alterações do tecido mamário podendo possuir forma aguda ou crônica
● Mastite aguda = Desenvolve-se quando bactérias, geralmente
Staphylococcus aureus, ganham acesso ao tecido mamário através dos
ductos. Relacionado as primeiras semanas de lactação ( puerpério ) onde as
bactérias invadem a mama pela fragilidade do tecido mamário - fissuras e
erosões…
Em resumo, é uma patologia que possui ligação com a amamentação onde
pela formação de fissuras e lesões e ulcerações do mamilo deixa a mama
mais suscetível ao acometimento bacteriano de forma local ou difusa
PRINCIPALMENTE O S.AUREUS
Correlacionam-se com o Carcinoma inflamatório que é uma condição
onde as células neoplásicas infiltram os vasos linfáticos e causam o
bloqueio desses vasos causando Linfangite carcinomatosa deixando a
pele hiperemiada e rugosa. Pacientes com lesão inflamatório e não
lactantes → Investigar lesões tumorais
● Mastite periductal = Abscesso subareolar recorrente, metaplasia
escamosa dos ductos lactíferos (doença de Zuska). Cursa com processo
inflamatório importante. Encontrada em mulheres tabagistas sendo o fumo
principal etiologia
- Relaciona-se com Tabagismo
- Principal fator desencadeante: Metaplasia escamosa do ducto
mamário
- A queratinização do epitélio se prolonga dos mamilos para o interior
dos ductos. Esses ductos podem romper gerando trajeto fistuloso
Epitélio cuboidal → metaplasia escamosa → espessamento e acúmulo de
material queratinizado → obstrução → reação inflamatória importante e
abscesso
Pode ocorrer processo inflamatório sobrejacente com a ruptura do ducto
CLINICAMENTE = Nódulo na região aréolo-papilar, massa com fistulização
subareolar
TRATAMENTO = Remoção do ducto acometida e da região fistulizada buscando
evitar recidiva
● Ectasia Ductal = Área de ectasia ductal - dilatação ductal formado pelo
espessamento de secreções mamárias que pode levar a obstrução →
Processos inflamatórios adjacente → Áreas endurecidas que fazem DDX
com carcinoma mamário
- Inflamação crônica granulomatosa
- Dilatação do ducto preenchido por material amorfo rico em
Histiócitos vacuolados
- Presença de linfócitos, histiócitos, plasmócitos e células
multinucleadas
- Massa periareolar
- Cursa com reação inflamatórios → Fibrose → Áreas endurecidas
CLINICA: Massa periareolar com derrame papilar amarelo esverdeado
● Esteatonecrose = Necrose gordurosa do tecido gorduroso da mama
secundário a algum processo
- Relacionam-se a traumas ou cirurgias prévias
- Com o trauma há a lesão da membrana e liberação de material
gorduroso onde é encontrado ácidos graxos livres que formam
microcalcificações ( Ác. graxos + Cálcio ) que formam os
sabões de cálcio e microscopicamente a necrose em pingo de
vela
- Com os ácidos graxos livres alguns vasos podem ser lesados
causando tecido gorduroso necrótico e inflamação subsequente
⇒ Inicialmente = Infiltrado inflamatório
agudo
⇒Posteriormente = Histiócitos
vacuolados, linfócitos, plasmócitos, células
gigantes multinucleadas com fagocitose de
gordura
● Mastopatia linfocítica = Lobulite linfocítica esclerosante ou mastopatia
diabética - Relacionada com pacientes com DM1 - se destaca por
apresentar um estroma conjuntivo, colagenoso, denso e endurecido
que é importante para DDX com carcinoma mamário, pois o mesmo
costuma apresentar lesões firmes devido desmoplasia do tecido tumoral
- Paciente com desordem autoimune: DI, Tireoidite de Hashimoto…
- Microscopia: Infiltrado inflamatório perilobular com densa esclerose
- Consistências endurecida → DDX com neoplasias malignas ( Sofre
desmoplasia )
● Mastites granulomatosas = Primários ou secundárias. Um exemplo é a
reação a implantes de silicone, levando a uma reação devido a esse “corpo
estranho”. Patologias sistêmicas como sarcoidose, e granulomatose de
Wegener, podem seguir o curso causando o envolvimento da mama.
- Infiltrado inflamatório crônico rico em histiócitos e células gigantes de
corpo estranho em meio ao tecido conjuntivo fibroso
LESÕES EPITELIAIS
BENIGNAS
1. Alterações mamárias não-proliferativas ( Alterações fibrocísticas e
funcionais benignas da mama )
2. Doenças mamárias proliferativas SEM atipia
3. Doenças mamárias proliferativas COM atipia
DOENÇAS MAMÁRIAS NÃO PROLIFERATIVAS
Cistos, metaplasia apócrina, Fibrose, Adenoso ( aumento do número de
ácinos lobulares ), Adenoma lactacional
1. Cistos
São tumores relacionados a doenças mamárias não proliferativas que se
destacam como uma Alteração Funcional Benigna da Mama (AFBM).
- Tríade das AFBM: dor mamária cíclica, espessamentos mamários e
cistos
Podem se romper liberando o conteúdo e gerar um processo inflamatório crônico
que pode acabar culminando na fibrose. Microscopia: Áreas de dilatação cística,
Metaplasia apócrina células com citoplasma amplo, eosinofílico, cistos com
conteúdo amorfo, basofílico, fibrose acentuada no estroma e adenoso,
Microcalcificações concêntricas intraluminais ( Leite de cálcio )
Fibrose do estroma intralobular que passa a ser mais denso e hialinizado ⇒
Mazoplasia.
Adenose = aumento do número de ácinos por lóbulo mamário
2. Adenoma Lactacional
Áreas de Hiperplasia focal

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.