A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Vacinaçao

Pré-visualização | Página 1 de 4

Devemos conhecer o calendário vacinal do MS e da SBP. 
Temos que saber identificar a diferença entre as vacinas 
do particular, para caso seja necessário, ajustar o 
calendário da criança que faz rotina vacinal nele. 
Importante saber indicações e contraindicações das 
vacinas, assim como seus efeitos adversos. 
 Temos que saber como agir em situações 
especiais, como vacinação em pré-termos, baixo peso, 
imunodeficientes, pacientes hospitalizados e com 
doenças agudas. 
Atenuada 
Devemos estar alertas pois podemos ter atb como 
conservantes na sua composição. Importante para 
reações alérgicas. 
 É composta por vírus ou bact viva, ou um 
fragmento deles. Imunidade é secundaria a uma forma 
leve da doença. Será inoculada parte muito pequena, não 
tendo capacidade de causar a doença, porém 
apresentam efeitos colaterais. Temos nesse grupo: 
• BCG 
• Tríplice viral (Sarampo, caxumba, rubéola) 
• Pólio oral: essa usa o vírus modificado, onde a criança 
vai proliferar o vírus no TD, eliminando nas fezes. 
Esse vírus ao ser eliminado vai competir com vírus 
do ambiente, protegendo assim o ambiente do vírus 
da pólio. Não é apenas proteção ao indivíduo, e sim 
ao ambiente em que vive. 
• Varicela: essa pode causar a cataporazinha e 
varicelazinha, forma branda da doença. 
• Rota vírus 
• Febre amarela. 
Inativada 
pedaços/fragmentos do vírus ou microbactérias mortos. 
Não causam a doença. 
 O organismo gera a imunidade contra o pedaço 
que recebeu por não o considerar próprio. O problema 
é que se esse vírus sofre uma mutação, talvez a 
imunidade gerada não sirva para as novas variantes. 
Geralmente são IM. Temos nesse grupo: 
• Tétano 
• Digeria 
• Coqueluche 
• Pólio injetável 
• Influenza 
• Meningococo 
• Pneumococo 
• HPV 
• Hepatites A e B 
• Febre Tifoide 
• Antirrábica 
O problema é que essas vacinas inativas não geram 
respostas imunológicas elevadas como as atenuadas. 
Sendo assim, é necessário que adotemos medidas para 
aumentar a imunogenicidade. Devemos aumentar 
número de doses, ou Utilizar substâncias adjuvantes 
como o Alumínio, lipídios, AS04, monofosforil, porém, 
esses estão mais relacionados a reações locais. 
 
A maior parte das vacinas não pode ser congela, então 
devem ser mantidas nas geladeiras em temperatura 
entre 2 e 8 graus. São geladeiras comuns, porém com 
um termômetro para que possamos regular a 
temperatura. Essas geladeiras devem ser exclusivas e 
não podem ser compartilhadas com alimentos, a fim de 
evitar contaminações. 
Também não utilizamos a última prateleira. Essa 
geralmente armazenamos água, a fim de manter a 
temperatura. 
Tipos de apresentação das vacinas 
Podem vir em caixas individuais (sist. priv.), ou em frascos 
com várias doses a serem fracionadas. vacinas multidoses 
(rendem mais de 1 dose) servem para mais de uma 
 Ana Carolina De Alvarez 
Med 103 
2 
 
pessoa e o frasco depois de aberto tem um certo tempo 
de validade. Acabou o prazo tem que descartar. Ex.: H1N1. 
O Zé gotinha foi criado com objetivo de estimular a 
adesão da população ao calendário vacinal. Com a 
pandemia da covid 19, tivemos uma diminuição na procura 
por vacinas do calendário, fazendo com que algumas 
doenças erradicadas no brasil, voltassem a aparecer 
depois de muitos anos. 
Objetivos 
Cobertura de 100% da população com meta de erradicar 
sarampo e tétano, principalmente nos RN, já que 
antigamente essa era uma grande causa de morte 
neonatal. No brasil tmb foram erradicadas a varíola em 71 
e pólio em 89. 
Também tinha objetivo de ter cobertura 
completa contra: Difteria, Coqueluche e tétano acidental; 
hepatite B; Meningites; Febre Amarela; Formas graves 
da Tuberculose; Rubéola e Caxumba; 
 Manter a Poliomielite e a Varíola erradicadas, e 
aplicar a erradicação para o Sarampo (quase 
conseguimos erradicar, chegamos a ficar 15 anos sem 
casos no Brasil, mas por conta dos movimentos 
antivacinas do Eua e Europa, Tivemos alguns surtos). 
 Distribuição e normatização do uso dos 
imunobiológicos especiais, que ficam restritos nos 
Centros de Referência paraImunobiológicos Especiais 
(CRIE). Nele temos vacinas acelulares, o soro de hepatite 
B, o polivisumabe (anticorpo), e algumas vacinas para 
pneumonia 
 Coordenação da implantação do Sistema de 
Informação e a consolidação dos dados de cobertura 
vacinal em todo o país. 
Objetivos anuais 
Campanha nacional contra influenza em crianças 
entre 6 meses e 5 anos e 11 meses incompletos. 
Campanha de Multivacinação para a Atualização 
da Caderneta de Vacinação. Devemos sempre olhar a 
caderneta e avaliar se falta alguma vacina a ser feita. 
Temos também a campanha de seguimento 
contra o sarampo. 
 A pandemia da covid fez com que regulamentar 
e distribuir e fiscalizar fosse essencial. Agora temos meios 
virtuais de verificar a vacinação para covid, o que em 
breve sera ampliado para todas as vacinas. 
O PNI (Ministério da saúde) é responsável por 
regulamentar a vacinação tanto das crianças, quanto dos 
adolescentes, adultos, idosos, gestantes e povos 
indígenas; o médico, porém tem a obrigação de verificar 
em toda consulta a caderneta vigente pois é sempre 
necessário mante-la atualizada. 
• Oral: Polio e Rotavírus Se a criança cospe logo 
depois de receber a vacina, podemos repetir a 
vacinação. Porém ela se ela cuspir novamente, não 
repetimos, e consideramos como feito. A mesma 
coisa serve para se a criança vomitar logo após. 
• Intradérmica: BCG. 15 graus de inclinação, 
praticamente paralela a pele. É possível visualizar a 
inoculação da substância, que fica na derme do 
paciente. 
• Subcutânea: 90 graus ou 45 graus 
• Intramuscular: A maioria das vacinas inativadas. 
Agulha em torno de 72 graus em relação ao 
músculo, sendo um pouco mais profunda que as 
outras vacinas. Nas crianças abaixo de 2 anos: 
músculo vasto lateral da coxa. Se Tiver que receber 
mais de uma espetada na mesma coxa, tem que ser 
feita a uma distância de 2,5cm uma da outra. Se a 
criança Tiver 2 vacinas para fazer naquele mês, faz 
uma em cada coxa. Crianças acima de 2 anos: 
músculo deltoide, igual é feito nos adultos. Isso se a 
criança for eutrófica, não for desnutrida. 
O calendário de vacinação da SBP (folha da aula), mostra 
mês a mês as vacinas que a criança deve tomar. Gravar 
o que deve ser tomado a cada mês. 
É considerado atraso vacinal quando a criança ainda não 
tomou as vacinas do mês anterior. 
Criança de 9 meses com vacina de 8 meses incompleta 
tem atraso. Nesses casos é responsabilidade do médico 
solicitar por escrito a vacinação até como forma de 
respaldo jurídico. 
Agora a vacina ACWY, que protege contra 
outras cepas da meningite, esta send0o contemplada no 
PNI. Antes tínhamos apenas a Cepa C. não eram muito 
comuns no brasil, porém quando não temos proteção 
contra elas, a população acaba sendo mais suscetível a 
infecções, sendo assim o MS incluiu no calendário. 
A SBP preconiza que seja feita desde os 3m a 
vacina ACWY. Porém o MS, como uma forma de 
economizar custos, resolveu só vacinar os adolescentes 
com a vacina ACWY, na seguinte forma: 
‣ 3m: Meningo C (primeira dose); 5m: Meningo C 
(segunda dose); 2m ou 15m: Meningo C (reforço); 11-12 
anos: Meningo ACWY (reforço). 
 Agora a Vacina HPV passou a ser feita de rotina 
também para os meninos. Meninas: 9 -14 anos e Meninos: 
11 -14 anos. 
3 
 
A vacina da meningo B tem 3 doses todas feitas antes 
de 1 ano de idade, porém se um adolescente não tem 
nenhuma dose, faz-se 2 doses da vacina. 
 A Vacina da dengue, que só pode ser feita em 
crianças acima de 9 anos, desde que essas crianças 
tenham Tido infecção comprovada. Assim a criança 
ficaria protegida contra as formas graves da dengue, 
como a dengue hemorrágica e outros subtipos. 
OBS: Pode tomar vacina do HPV em qualquer fase da 
vida, assim como a ACWY, porém o ideal é que se tome 
antes do início da vida sexual, já que a a imunogenicidade 
dela é maior quando completa o calendário básico de 
vacinação dela. 
 Devemos lembrar que as vezes

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.