A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Eskape

Pré-visualização | Página 1 de 3

MICRO - ESKAPE
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Julia Ladeira de Moraes - 11/04/2022
ESKAPE: 
~ Grupo de bactérias com resistência antimicrobiana, logo são muito resistentes
~ Os fatores de virulência (capacidade que um agente infeccioso tem de desencadear uma resposta doentia no hospedeiro dentro de um período de tempo) de um patógeno estão relacionados à estrutura, ao metabolismo e à patogenicidade 
Enterococcus faecium: 
~ Gênero Enterococcus spp.
- Enterococcus (cocos entéricos) são inicialmente classificados como Estreptococos do grupo D
- Em 1984, os Enterococos foram classificados em um novo gênero, chamado Enterococcus, que é composto, atualmente, por 40 espécies
- As espécies clinicamente mais importantes por serem as mais virulentas e por colonizarem o trato intestinal humano são a Enterococcus faecalis e a Enterococcus faecium, mas existem a Enterococcus gallinarum e a Enterococcus casseliflavus que são avirulentas, colonizam o trato intestinal humano e são intrinsecamente resistentes ao antimicrobiano vancomicina (glicopeptídeo que atua sobre parede celular)
~ Fisiologia e estrutura:
- São cocos Gram positivos, tipicamente arranjados em pares e em cadeias curtas
- São catalase negativos
- Crescem em uma ampla faixa de temperatura (10° a 45°C) e pH (4,6 a 9,9), e em presença de alta concentração de cloreto de sódio (NaCl) e de sais biliares 
- Realizam a fermentação da glicose, produzindo ácido (logo são bactérias láticas)
- Após 24 horas de incubação, as colônias em ágar-sangue são grandes, podendo apresentar ou não padrão hemolítico (produzindo hemolisinas)
~ Patogênese e imunidade 
- Causam doenças graves, logo as cepas resistentes se tornaram um problema em pacientes hospitalizados
- A virulência é mediada por duas propriedades gerais, sendo uma pela capacidade de aderir a tecidos e formar biofilme, e a outra pela resistência ao antimicrobiano
- São mediadores da aderência e formação de biofilme (tais como proteínas de superfície, glicolipídios de membrana, gelatinase e pili sexual)
- Possuem resistência intrínseca/natural a muitos antimicrobianos comumente usados (ex: oxacilina e cefalosporina) ou adquirem genes de resistência a eles (ex: aminoglicosídeo e vancomicina)
~ Resistência intrínseca/natural:
~ Epidemiologia:
- Os Enterococos são bactérias entéricas, comumente isoladas de fezes humanas e de vários animais
. Os Enterococos faecalis são encontrados em altas concentrações no intestino grosso (105 a 107 bactérias/grama de fezes) e no trato geniturinário
- Os fatores de risco para infecções enterocócicas são o uso de cateter urinário ou intravascular; a hospitalização prolongada; e o uso de antimicrobianos de amplo espectro, especialmente aqueles que são inerentemente inativos contra os Enterococos (ex: oxacilina e cefalosporina) 
- Os Enterococos gallinarum e Enterococos casseliflavus são espécies relativamente avirulentas, as quais são importantes pois, embora raramente associadas a doenças no ser humano, são resistentes à vancomicina e podem ser confundidas com as espécies mais importantes (Enterococos faecalis e Enterococos faecium)
~ Doenças clínicas:
- A infecção do trato urinário é a mais comum das infecções enterocócicas, frequentemente associadas à cateterização
- As infecções do peritônio são tipicamente polimicrobianas (ou seja, associadas a outras bactérias aeróbias ou anaeróbias) e relacionadas ao extravasamento de bactérias intestinais devido a um trauma ou a doenças que comprometem a integridade intestinal
- A bacteremia (presença de bactérias na corrente sanguínea) pode ocorrer por disseminação de infecção localizada no trato urinário, peritônio ou tecido, ou pode representar infecção primária do endocárdio (endocardite)
. A endocardite é uma infecção especialmente séria, pois muitos Enterococos são resistentes aos antimicrobianos mais frequentemente usados para tratá-la
~ Quadro geral das doenças clínicas:
- Infecção do trato urinário (ITU): 
. Disúria (micção dolorosa ou desconfortável) e piúria (micção excessiva): São mais frequentes em pacientes hospitalizados com cateter urinário e usando o antimicrobiano cefalosporina de amplo espectro 
. Peritonite: Ocorre distensão e dor abdominal após trauma ou cirurgia; os pacientes tipicamente apresentam quadro agudo, febre e hemoculturas positivas; e é característica de infecções polimicrobianas
. Bacteremia: É associada tanto a infecções localizadas como à endocardite 
. Endocardite: É a infecção do endotélio ou das válvulas cardíacas; é associada à bacteremia persistente; e pode ser aguda ou crônica
~ Diagnóstico:
- É feito por amostras clínicas de urina, de tecidos, ou de sangue 
~ Isolamento primário:
- É feito por amostras clínicas de ágar sangue de carneiro 5%, de meios sólidos seletivos, ou de microaerofilia de 35°C a 37°C por 24 a 48 horas
~ Isolamento seletivo:
- É feito por amostras clínicas de ágar sangue com azida sódica (NaN3), ou de microaerofilia com 5% a 10% de CO2 (ausência de catalase)
~ Classificação hemolítica:
- A identificação preliminar é feita pelas morfologias das colônias (perfil de hemólise), pela coloração de Gram (características morfotintoriais), pela prova da catalase (diferenciação) e pelas provas bioquímicas (crescimento em NaCl 6,5% e bile esculina; fermentação de arabinose e sorbitol) 
~ Tratamento, prevenção e controle:
- O tratamento tradicional de infecções graves é baseado na combinação de um aminoglicosídeo e um antimicrobiano ativo (ex: ampicilina e vancomicina) contra a parede celular
. Entretanto, alguns antimicrobianos não apresentam atividade sobre a parede de Enterococos (ex: oxacilina e cefalosporina); a ampicilina e a penicilina geralmente são ineficazes contra os Enterococos faecium; as espécies clinicamente mais importantes do gênero Enterococos são resistentes à vancomicina (especialmente o Enterococos faecium); mais de 25% dos Enterococos são resistentes aos aminoglicosídeos; e a resistência aos aminoglicosídeos e à vancomicina é um problema por ser mediada por plasmídeos, podendo ser transferida para outras bactérias
- Novos antimicrobianos têm sido desenvolvidos para tratar Enterococos resistentes à ampicilina, à vancomicina e aos aminoglicosídeos, como o linezolida, o daptomicina, o tigeciclina e o quinupristin/dalfopristin
. Infelizmente, a resistência dos Enterococos ao antimicrobiano linezolida tem aumentado e o antimicrobiano quinupristin/dalfopristin não é ativo contra os Enterococos faecalis
. Portanto, conclui-se, que é difícil prevenir e controlar as infecções enterocócicas
- A restrição de uso de antimicrobiano e a aplicação de práticas apropriadas ao controle de infecção (ex: isolamento do paciente infectado; ex: uso de luvas e jaleco por qualquer pessoa que tenha contato com ele) podem reduzir o risco de colonização bacteriana (a eliminação completa de infecções é incomum)
Staphylococcus aureus:
~ Gênero Staphylococcus spp. 
- São capazes de crescer em várias condições (ex: aeróbia e anaeróbia, na presença de concentração elevada de sal e em temperaturas que podem variar entre 18°C e 40°C)
- Estão presentes na pele e nas membranas mucosas dos seres humanos
- Algumas espécies são comumente encontradas em nichos muito específicos. Ex: Staphylococcus aureus coloniza as narinas; Staphylococcus capitis é encontrado onde as glândulas sebáceas aparecem em maior número (ex: na testa); Staphylococcus haemolyticus e Staphylococcus hominis são encontrados em áreas onde as glândulas apócrinas estão presentes (ex: na axila)
- São responsáveis por um amplo espectro de doenças sistêmicas (ex: infecções da pele, de tecidos moles, de ossos e de trato urinário) e por infecções oportunistas 
- As espécies mais comumente associadas a doenças humanas são Staphylococcus aureus (que é o mais virulento e conhecido do gênero), Staphylococcus epidermidis, Staphylococcus haemolyticus, Staphylococcus lugdunensis e Staphylococcus saprophyticus
- Os membros de Staphylococcus aureus resistentes

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.