Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Menopausa e climatério - Ginecologia e Obstetrícia (Resumo)

Pré-visualização | Página 1 de 3

1 GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA II RAUL BICALHO – MEDUFES 103 
Menopausa e Climatério 
INTRODUÇÃO 
• Fisiologia: 
o Ovários na menacme (período de idade fértil da mulher) 
▪ 1. Os folículos ovarianos crescem, estimulados pelo FSH, e produzem o estradiol na 1ª fase do ciclo 
▪ 2. Ocorre a ovulação, o folículo se reorganiza, continua produzindo estradiol e também progesterona 
▪ 3. Não ocorrendo a gravidez → Ocorre uma atrofia do corpo lúteo, caem os níveis de estrogênio e de 
progesterona e a mulher menstrua 
▪ 4. Quando caem o estrogênio e a progesterona, o FSH sobe e mais cerca de 1000 folículos entram em 
processo de amadurecimento 
▪ OBS.: Estradiol é o estrogênio predominante no menacme 
o Ovário pós-menopáusico → Ocorre uma escassez de folículos (a menopausa é a falência ovariana folicular) 
▪ Nesta fase, sobram apenas um tecido chamado estroma ovariano e alguns poucos folículos perdidos e 
envelhecidos (que não respondem mais ao estímulo do FSH) 
▪ O estroma também tem produção hormonal, que é a androstenediona (andrógeno), que será convertida 
em estrona pelas enzimas aromatases 
❖ Metade da androstenediona é produzida pelo estroma ovariano na mulher (a outra metade é produzida 
na suprarrenal) 
❖ Mulheres obesas têm mais aromatase, então têm mais estrona e mais risco de câncer de mama 
▪ OBS.: Estrona é o estrogênio predominante na pós-menopausa 
• Definições: 
o Menopausa → É o termo técnico da última menstruação (da mesma forma que menarca é a 1ª menstruação), 
só podemos definir que foi a menopausa depois de 1 ano sem menstruar 
▪ Se a paciente tem sintomas de climatério, o tratamento pode começar já na transição menopausal, antes 
de definir efetivamente que houve menopausa (antes de esperar aquele 1 ano) 
▪ A faixa etária mais comum é dos 47 a 52 anos 
▪ Considera-se normal uma menopausa entre os 40 e os 55 anos 
❖ Antes dos 40 anos → Menopausa precoce 
❖ Depois dos 55 anos → Menopausa tardia 
o Climatério → É a fase da vida que ocorre a transição do período reprodutivo para o período não reprodutivo 
▪ A mulher perde a capacidade de engravidar quando começa a alterar seus níveis hormonais 
▪ Ocorre uma queda transitória da produção de estrogênio (estradiol) à medida que os folículos envelhecem 
(é uma redução gradativa da produção de estradiol) 
▪ Chega um momento dessa alteração hormonal, que a mulher para de menstruar 
PROF. JUSTINO FILHO 
 
2 GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA II RAUL BICALHO – MEDUFES 103 
▪ Pode ser dividido em 3 fases 
❖ Climatério pré-menopausal → Período de anos antes da menopausa em que começam as primeiras 
irregularidades do ciclo menstrual (principalmente ciclos mais curtos, mas também atrasos) 
❖ Transição menopausal (perimenopausa) → Fase que pode durar de 1 a 2 anos constituída de atrasos 
menstruais, em que não se sabe se é menopausa ou não (nesta fase, o ciclo sempre vai atrasar) 
❖ Climatério pós-menopausal → Após 1 ano sem menstruar 
o Síndrome climatérica → É o conjunto de sinais e sintomas que a maioria das mulheres apresentam no 
climatério (60 a 70% apresentam a síndrome) 
▪ Cerca de 30-40% das mulheres no climatério têm muito pouco sintoma 
▪ Sintomas vasomotores (principais) → Fogachos, sudorese e insônia (a paciente sente muito calor, seguido 
de sudorese, e passa a acordar várias vezes à noite) 
▪ Sintomas neurovegetativos (relacionados ao emocional da paciente) → Palpitações, ansiedade, alterações 
do humor, depressão, perda de confiança, concentração e memória, pânico, indecisão, choro fácil etc. 
❖ Muitas vezes essas pacientes procuram outras especialidades antes de chegar na GO e entender que os 
sintomas são devidos à menopausa e alteração hormonal 
❖ Esses sintomas nem sempre ocorrem, mas pode ocorrer uma depressão por falta de hormônio 
(principalmente pacientes deprimidas prévias) 
▪ Sintomas atróficos (depois de alguns anos da menopausa) → Atrofia urogenital, ressecamento vaginal, 
dispareunia, sangramento na relação, nictúria, disúria, urgência urinária, incontinência urinária etc. 
❖ Os tecidos genitais e urinários são hormônio-dependente, então quando diminui a função hormonal, 
esses tecidos ficam muito finos/atróficos, perdem a elasticidade e a capacidade de produzir secreção 
❖ Os sintomas associados a relações sexuais podem gerar um afastamento dos casais, então a boa 
assistência climatérica é importante até nesses aspectos sociais da família 
❖ A paciente com atrofia urogenital tem o que chamamos de síndrome geniturinária do climatério e, 
independente de relação, deve ser tratada com estrogênio tópico 
▪ Outros sintomas → Cansaço exagerado, perda de libido, pele e cabelo secos, dor osteomuscular e cefaleia 
▪ Cansaço exagerado (astenia), perda da libido e alterações do humor (humor depressivo) são os sintomas 
clássicos da insuficiência androgênica feminina → Tratamento clínico com reposição de testosterona 
• Evidências de estudos: 
o Um estudo de 2002 mostrou que, ainda na perimenopausa (ano 1), 42% das mulheres já têm disfunção sexual, 
enquanto 8 anos depois da menopausa, 88% das mulheres apresentarão essa disfunção (sintomas atróficos) 
▪ Testosterona começa a cair 5 anos antes da menopausa, já pode haver ressecamento etc. 
o Expectativa de vida → Quanto mais precoce a menopausa, menor a expectativa de vida (maior risco de doença 
cardiovascular se não fizer reposição hormonal) 
▪ A terapia de reposição hormonal (TRH) aumenta a expectativa de vida 
o Qualidade de vida e sexualidade do climatério (tese de doutorado do professor) 
▪ Qualidade de vida inclui satisfação, autoestima, sensação de bem-estar, felicidade e saúde, entre outros 
▪ Existe uma íntima relação de estilo de vida e saúde (boa qualidade de vida = boa saúde) 
▪ O estudo avaliou a qualidade de vida das mulheres com questionários antes e depois da TRH 
 
3 GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA II RAUL BICALHO – MEDUFES 103 
▪ Foi um estudo duplo-cego randomizado 
▪ Um grupo foi tratado só com estrogênio, outro com estrogênio e androgênio e outro com placebo 
▪ Nos resultados, ocorreu diferença significativa antes e após o tratamento entre o grupo placebo e o grupo 
com estrogênio e testosterona (melhorou 22 de 35 itens do questionário de qualidade de vida) 
❖ Entre o grupo placebo e o grupo só com estrogênio, houve a melhora de 15 itens 
❖ Entre o grupo só com estrogênio e o grupo com estrogênio e testosterona, houve a melhora de 3 itens 
(justamente aqueles do cansaço, humor depressivo e vida sexual) 
❖ Não ocorreu diferença significativa antes e após o tratamento em 13 itens 
❖ No grupo com estrogênio e androgênio, houve uma melhora de 57,26% no humor depressivo, 48,10% 
no cansaço e 63,23% na insatisfação com a vida sexual 
OSTEOPOROSE 
• Características gerais: 
o Osteoporose é um quadro muito comum de ocorrer no climatério 
o O osso normal é bem compacto e o osso da osteoporose é poroso e tem fraturas com facilidade 
o A evolução natural da mulher que entra em climatério é ter osteoporose, fazendo com que os corpos vertebrais 
da coluna vão achatando, a mulher vá perdendo altura e gere uma curvatura do pescoço para a frente (cifose) 
o O pico da massa óssea ocorre dos 25 aos 35 anos, com uma perda gradativa depois disso e que se acentua após 
a menopausa (a maior parte da perda óssea é nos primeiros 5 anos após a menopausa) 
▪ Por isso, as mulheres têm muita mais osteoporose primária do que os homens 
o 1 a cada 3-4 mulheres na menopausa (sem TRH) desenvolverá osteoporose 
o É uma das principais indiciações da TRH (prevenção e tratamento de osteoporose) → Até quando a paciente já 
tem uma perda óssea, a reposição hormonal pode recuperar essa massa óssea 
• Fatores de risco: 
o Risco genético 
o Raça e biotipo → Geralmente raça branca e magros 
o Dieta pobre em cálcio → Leite e derivados são a principal fonte alimentícia de cálcio
Página123