Buscar

Ação ordinaria

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

SER EDUCACIONAL S/A 
 
 
Ação Ordinária Trabalhista: Instrumento de Justiça Social nas 
Relações de Trabalho, Procedimentos e Decisões 
 
Bacharelado em Direito – 9º Período 
Nicoly Santos Quaresma 
01435364 
 
Inicialmente, é importante destacar que o direito processual do trabalho tem como 
objetivo e finalidade social garantir o cumprimento da legislação trabalhista, visando a 
proteção dos direitos dos trabalhadores. Nesse contexto, uma ação ordinária 
trabalhista surge quando há uma disputa ou litígio entre um empregado e um 
empregador no cenário das relações de trabalho. Essa ação deve ser protocolada 
perante a Justiça do Trabalho e tem como propósito resolver os conflitos e garantir a 
reparação dos direitos trabalhistas violados. 
O termo "ordinário" é utilizado como adjetivo para descrever algo que é comum, 
habitual ou regular. No contexto jurídico, esse adjetivo é encontrado na legislação e 
em diversas áreas do direito, sendo utilizado para descrever um procedimento 
normativo primário. Neste trabalho, iremos abordar o rito ordinário e as ações 
ordinárias previstas na legislação trabalhista. 
Em uma ação ordinária trabalhista, o processo tem início quando o empregado, ora 
reclamante, apresenta suas reivindicações perante o juiz do trabalho. Essas 
reivindicações podem incluir diversos aspectos, como pagamento de salários 
atrasados, horas extras não remuneradas, férias não concedidas, entre outros direitos 
previstos na legislação trabalhista. A reclamação deve ser elaborada de forma 
detalhada, descrevendo os fatos, fundamentos jurídicos e os valores pretendidos 
como reparação. Após o recebimento da reclamação, o empregador, agora 
denominado reclamado, é notificado e terá a oportunidade, em conformidade com o 
devido processo lega, gozar dos princípios da ampla defesa e contraditório, 
contestando os argumentos do reclamante e apresentando sua versão dos fatos. 
É importante ressaltar que as ações ordinárias trabalhistas possuem prazos para 
serem ajuizadas, os quais variam de acordo com o tipo de direito violado e as 
circunstâncias do caso. Nesse contexto, é fundamental compreender os fundamentos 
teóricos que embasam a ação ordinária trabalhista, tais como os princípios do Direito 
do Trabalho e as normas trabalhistas aplicáveis. Esses fundamentos fornecem a base 
legal para a proteção dos direitos dos trabalhadores, orientando a interpretação das 
leis e as decisões judiciais. Ao compreendermos a importância da ação ordinária 
trabalhista, podemos perceber seu papel essencial na proteção dos direitos dos 
trabalhadores e na busca pela justiça nas relações de trabalho. 
Destaca-se que, na relação de trabalho, podem ocorrer entendimentos equivocados 
e, por vezes, excessos por parte do empregador. Através desse instrumento jurídico, 
busca-se equilibrar o poder entre empregado e empregador, garantindo o 
cumprimento das normas trabalhistas e a efetivação dos direitos dos trabalhadores. 
No contexto do procedimento ordinário trabalhista, é de suma importância 
compreender os princípios e normas que fundamentam o Direito do Trabalho. Esses 
alicerces teóricos servem como base para a proteção dos direitos dos trabalhadores 
e estabelecem diretrizes para a proposição e julgamento das ações trabalhistas, são 
essenciais para assegurar a efetividade do Direito do Trabalho, protegendo os direitos 
dos trabalhadores e promovendo a justiça nas relações laborais. 
Entre os fundamentos teóricos, destacam-se os princípios da proteção, primazia da 
realidade e irrenunciabilidade de direitos. O princípio da proteção é um dos pilares do 
Direito do Trabalho e tem como objetivo equilibrar a relação desigual entre 
empregados e empregadores, visando assegurar a proteção da parte mais vulnerável, 
ou seja, o trabalhador, orientando a interpretação das normas trabalhistas, buscando 
favorecer a aplicação mais favorável ao empregado em caso de dúvidas ou lacunas. 
O princípio da primazia da realidade estabelece que a verdade dos fatos deve 
prevalecer sobre a forma ou os documentos jurídicos. Nesse sentido, valoriza-se mais 
a realidade dos acontecimentos e a essência das relações de trabalho do que meras 
formalidades ou contratos escritos. 
No que diz respeito ao princípio da irrenunciabilidade de direitos, seu propósito é 
proteger o trabalhador de renunciar a seus direitos fundamentais, estabelecendo que 
acordos ou contratos que impliquem em renúncia de direitos previstos em lei são nulos 
ou inválidos. Dessa forma, garante que o trabalhador não seja ludibriado ou coagido 
a abrir mão de direitos essenciais. 
Quanto as normas trabalhistas, pode-se citar a Consolidação das Leis do Trabalho 
(CLT), Constituição Federal e sumulas dos tribunais superiores. A CLT é a principal 
norma trabalhista do Brasil, consolidando diversos direitos e deveres tanto do 
empregado quanto do empregador. Ela abrange temas como jornada de trabalho, 
férias, salário, verbas rescisórias, entre muitos outros. Já a Constituição Federal é a 
lei máxima do país e dispões de uma seção específica sobre os direitos sociais, que 
incluem os direitos trabalhistas. É garantido, por exemplo, o direito à remuneração 
justa, à jornada de trabalho limitada e saúde no ambiente de trabalho. 
É por meio desses princípios e normas que se estabelece a proteção dos direitos 
trabalhistas e a busca pela justiça nas relações de trabalho. As ações ordinárias 
trabalhista utilizam esses fundamentos teóricos como base para a análise dos 
conflitos e a aplicação das decisões judiciais visando restabelecer o equilíbrio entre 
empregado e empregador e garantir o cumprimento dos direitos trabalhistas. 
Conforme mencionado anteriormente, a ação ordinária trabalhista segue uma 
sequência de procedimentos que são estabelecidos pela legislação trabalhista e 
regulamentados pela Justiça do Trabalho. Os principais passos envolvidos nesse 
processo têm início com o ajuizamento da ação e posteriormente a notificação da 
parte ré para apresentação da defesa. Um dos passos mais importantes é a audiência 
a qual dependendo do rito (sumario, sumaríssimo ou ordinário) pode ser dispensada, 
realizada uma única vez ou dividida em uma audiência inicial e outra de instrução e 
julgamento. Por fim, a sentença, na qual são analisados todos os elementos do caso 
e são tomadas as decisões apropriadas 
Alguns exemplos de ações ordinárias trabalhistas são: reclamação trabalhista, ação 
de equiparação salarial, rescisão indireta, ação de danos morais e horas extras; as 
quais possuem previsões legais, jurisprudências e sumulas dos tribunais superiores. 
Pois bem. Conforme um levantamento realizado no escritório de advocacia LG&P, 
especializado em Direito Empresarial, apontou um aumento em 34% do volume de 
processos trabalhistas durante a pandemia da Covid-19. O levantamento foi publicado 
no JOTA e criado um ranking dos 10 principais fatores geradores de processos na 
Justiça Trabalhista brasileira, sendo a primeira e mais comum as ações referentes a 
horas extras. 
As horas extras referem-se ao trabalho realizado além da jornada regular estabelecida 
por lei ou contrato. No Direito do Trabalho, as horas extras são um direito do 
trabalhador e implicam em um pagamento adicional, com uma remuneração superior 
à hora normal e está prevista na CLT, além de outras normas e convenções coletivas 
de trabalho. A CLT, entre os artigos 58 a 64 e ao longo da legislação, estabelece os 
limites e condições para a realização das horas extras, bem como os direitos e 
obrigações das partes envolvidas. 
Observa-se a seguir entendimentos de alguns Tribunais Regionais do Trabalho e 
Superior tribunal: 
HORAS EXTRAS HABITUAIS. REFLEXOS NAS DEMAIS 
PARCELAS TRABALHISTAS. As horas extras quando habituais 
integram o salário do trabalhador para todos os efeitos, 
refletindo-se no cálculo de outras verbas trabalhistas (Súmulas 
172 e 376 , II, do C. TST). 
 
“HORAS EXTRAORDINÁRIAS. TEMPO À DISPOSIÇÃO. TEMPO DE 
ESPERA. TRANSPORTE FORNECIDO PELO EMPREGADOR.I – O 
tempo de espera para o labor, antes do início da jornada e após o 
desembarque em transporte fornecido pelo empregador, 
constitui tempo à disposição do empregador e deve ser 
remunerado como horas extras, na forma do entendimento 
contido na Súmula nº 366 do TST e observado o disposto no art. 
58 da CLT. II – O tempo de espera, após a jornada de trabalho, para 
o embarque em transporte fornecido pelo empregador, não é 
considerado como tempo à disposição do empregador, salvo a 
hipótese do empregado não poder se utilizar de transporte público 
regular e em horário compatível com o término da jornada, para 
deslocar-se do trabalho para casa, quando então referido tempo 
deverá ser remunerado como horas extras, observado o disposto no 
art. 58, § 1º, da CLT”. 
 
RECURSO ORDINÁRIO DO CLAMANTE. INTEGRAÇÃO DOS 
QUINQUÊNIOS À BASE DE CÁLCULO DAS HORAS EXTRAS. Os 
quinquénios, habitualmente pagos ao trabalhador, possuem 
nítida natureza salarial, devendo integrar a base de cálculo das 
horas extras. Inteligência das Súmulas 203, do C. TST, e 31 deste 
E. Regional. Recurso Ordinário a que se dá provimento. Processo: 
ROT-XXXXX-71.2020.5.06.0012. Redator: Solange Moura de 
Andrade, Data de julgamento: 15/09/2021, Segunda Turma, Data da 
assinatura: 16/09/2021) 
 
É importante destacar que a realização das horas extras deve obedecer aos limites 
legais e ser justificada por necessidade da empresa ou por interesse do empregado, 
devendo sempre ser remunerada de forma adequada. Caso haja descumprimento das 
normas ou prejuízo aos direitos do trabalhador nesse contexto, ele tem o direito de 
buscar proteção e reparação perante a Justiça do Trabalho. 
Diante do exposto, conclui-se que ação ordinária trabalhista se baseia em princípios 
e normas que fundamentam o Direito do Trabalho, como o princípio da proteção, que 
busca equilibrar a relação desigual entre as partes, valoriza a verdade dos fatos e 
protege o trabalhador de abrir mão de direitos fundamentais. Além disso, é essencial 
conhecer as normas trabalhistas, que estabelecem direitos e deveres tanto do 
empregado quanto do empregador. Essas normas orientam a interpretação das leis e 
embasam as decisões judiciais, visando assegurar a proteção dos direitos trabalhistas 
e a efetividade do Direito do Trabalho. 
Nesse sentido, a ação ordinária trabalhista se apresenta como um mecanismo 
relevante para restabelecer o equilíbrio entre as partes, promover a aplicação 
justa das leis trabalhistas e garantir a reparação adequada dos direitos violados. 
Assim, a ação ordinária trabalhista desempenha um papel crucial na proteção dos 
direitos dos trabalhadores, contribuindo para a construção de relações de trabalho 
mais justas e equilibradas, em conformidade com a legislação trabalhista e os 
princípios fundamentais do Direito do Trabalho. 
Referências: 
Justiça do Trabalho, TRT da 4º Região (RS). Como tramita um processo. Disponível 
em: https://www.trt4.jus.br/portais/trt4/como-tramita. Acessado em 10 de junho de 
2023. 
Medeiros, Rafael. Direito Processual do Trabalho: conceito, princípios e 
características. Disponível em: https://blog.grancursosonline.com.br/direito-
processual-do-trabalho/. Acessado em 10 de junho de 2023. 
Pereira, Leone. Princípios do direito processual do trabalho. Disponível em: 
https://enciclopediajuridica.pucsp.br/verbete/383/edicao-1/principios-do-direito-
processual-do-trabalho. Acessado em 10 de junho de 2023. 
Crenonini, Fernanda. Quais são os ritos trabalhistas e suas principais diferenças. 
Disponível em: https://www.aurum.com.br/blog/ritos-trabalhistas/. Acessado em 10 
de junho de 2023. 
Ritos trabalhistas: saiba o que é e quais as diferenças entre eles. Disponível em: 
https://www.3mind.com.br/blog/ritos-trabalhistas-
diferencas/#:~:text=O%20rito%20ordin%C3%A1rio%20tem%20sua,e%20fundaciona
l%20figure%20como%20parte. Acessado em 10 de junho de 2023. 
Bottone, Alfredo. Fontes do direito do trabalho. Disponível em: 
https://alfredobottone.com.br/artigos/fontes-direito/3/. Acessado em 10 de junho de 
2023. 
Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: 
https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm. Acessado em 10 de 
junho de 2023. 
Castro, Juliana. Os 10 principais motivos de processos na Justiça Trabalhista. 
Disponível em: https://www.jota.info/tributos-e-empresas/trabalho/justica-trabalhista-
ranking-processos-
29102021#:~:text=Os%20fatos%20mais%20comuns%20para,de%20sal%C3%A1rio
s%20e%20verbas%20rescis%C3%B3rias. Acessado em 10 de junho de 2023.

Continue navegando