Buscar

Aula 08 Cirurgia - Oftalmo

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 78 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 78 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 78 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Patologia Cirúrgica de 
Equídeos
Aula 6 
Afecções cirúrgicas de olho e anexos
Professor(a): MV, MSc. Marcos Rosa
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Objetivos de Aprendizagem do dia
• Revisar anatomia ocular
• Relembrar diagnóstico de problemas 
oftálmicos
• Tratamento cirúrgico das principais afecções
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Revisão anatômica
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Revisão anatômica
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Revisão anatômica 
Epitélio → Camada mais externa, células cubóides na parte basal e células grandes 
poligonais planas com microvilosidades
Substância Própria → Estroma: Correponde a 90% da espessura da córnea composto 
de feixes de fibras de colágeno, fibroblastos e substância adesiva.
Forma e Espessura
Equinos: oval com 0,65mm
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames oculares – objetivos 
Verificar acuidade visual – Estado funcional
Verificar a presença de problemas – Congênitos ou adquiridos
Sinais Clínicos e Diagnóstico
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Bloqueios regionais
Praticamente impossível realizar uma avaliação sem bloqueios
Mínimo de contenção
Região pode estar dolorida e manipulação pode complicar ainda mais
Pode estar associada também a sedação
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Área dessensibilizada
correspondente aos
bloqueios
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Bloqueios regionais
Sedativos Anestésicos
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Bloqueios regionais
Bloqueio em de diamante. 
Pontos de fixação da agulha para o 
bloqueio:
A: nervo supra-orbital; 
B: nervo lacrimal;
C: nervo infratroclear; 
D: nervo zigomático-facial;
E: nervo aurículo-palpebral
EA
B
C
D
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Bloqueios regionais
Nervo aurículo-palpebral
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames micro e macroscópicos
Macro – olho nú, sem utilização de 
magnificação
Simetria
Sanidade ocular do globo ocular e 
anexos
Micro – maior magnificação; exame 
detalhado dos anexos oculares
Fundoscopia
Tonometria
Raspagem
Ultrassonografia
ERG
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames macroscópicos
Ambiente escuro 
para exame é 
desejável!!!
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames macroscópicos
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames macroscópicos
Reflexo pupilar
Pálpebras - dor
Avalia: 
Retina
NC 2 - ótico, 
quiasma, trato 
ótico, mesencéfalo
NC 3 – oculomotor 
e músculo 
esfíncter da íris
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames macroscópicos
Teste Lacrimal de Schirmer (19-29 mm/min)
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames macroscópicos
Fluoresceína – defeito no epitélio corneano
ou úlcera; patência do ducto nasolacrimal
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames macroscópicos
Rosa bengala – integridade do filme pré-corneano
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames microscópicos
Fundoscopia
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames microscópicos
Tonometria
PIO – Pressão Intra Ocular no 
equino, medida com tonômetro
23.3+/-6.9 mmHg = (16,4 a 30,2) 
mmHg 
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames microscópicos
Raspagem corneana
Celula
epitelial
neutrófilos
bactérias
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames microscópicos
Ultrassonografia
Deslocamento de Retina
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Exames microscópicos
Eletrorretinografia (ERG)
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
Comuns no equino
Lesões tem características traumáticas ou tumorais
Trauma total ou parcial
Patencia ou não do ducto nasolacrimal
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
Sutura em dois planos
Conjuntiva palpebral (fio absorvível 4-0 a 6-0)
Evitar nós em direção ao olho
Padrões simples ou contínuo
Pele com fio inabsorvível 
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
Complicações relacionadas ao erro de técnica
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
Complicações relacionadas ao erro de técnica
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
Tarsorrafia
Fechamento cirúrgico das pálpebras
Indicações: 
Traumas no nervo facial (temporário ou permanente) 
Ceratite neuroparalítica
Exoftalmia 
Lagoftalmia (associadas a trauma, pálpebra superior) 
Ceratoconjuntivite sicca
Intervenção cirúrgica
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
Tarsorrafia
Temporária (15 dias)
“Permanente”
Não deve ter contato com a córnea
Fios inabsorvíveis
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Pálpebras
Tarsorrafia
Temporária Permanente
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Terceira pálpebra
Membrana nictitante
Bem desenvolvida em equinos
Produção de lágrima
Proteção e defesa imunológica
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Terceira pálpebra
Manejo pode ser feito em estação
Bloqueio do nervo infratroclear
Flaps
Suporte e proteção à córnea, não é tão eficaz, mas ajuda
Neoplasias
Excisão cirúrgica
Carcinoma de céls. Escamosas
Habronemose
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Terceira pálpebra
Flap
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Terceira pálpebra
Excisão
Retirada total ou parcial
Depende da lesão
Neoplasias
Pode (e deve!) ser associada a outros métodos (crioterapia; injeções; calor)
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Terceira pálpebra
Excisão
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Terceira pálpebra
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Remoção cirúrgica da conjuntiva, margem palpebral, terceira pálpebra e 
globo ocular
Último caso
Olhos com dor, infecção intraocular, neoplasias e traumas
2 técnicas
Transpalpebral
Subconjuntival (transconjuntival)
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Transpalpebral
Utilizada quando há presença de infecção ou neoplasia
Sutura das pálpebras
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Transpalpebral
Podem ser utilizados implantes
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Implantes
Intraorbital Intraescleral
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Implantes
Intraorbital Intraescleral
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Implantes
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Sub(trans)conjuntival
Mais rápida; remove menos tecido
Recomendável para doenças oculares restritas ao globo
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
Sub(trans)conjuntival
Incisão adjacente ao limbo, rotação de 360 graus
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Enucleação
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea
Úlceras penetrantes
Lacerações
Comuns em equinos
Emergência
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Camadas da córnea
Geralmente a córnea é formada por 5 camadas:
Camada epitelial anterior – Epitélio
Membrana de Basal ( Bowman / primatas )
Substância Própria – Estroma
Membrana Limitante Caudal – Descemet
Epitélio Posterior – Endotélio 
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Fisiologia da lesão corneana
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea
Tratamento cirúrgico é adjuvante
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – sinais clínicos/diagnóstico
Histórico e exames macro/microscópicos
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !Córnea – diagnóstico
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
Técnicas variadas para um mesmo objetivo
Fornecer uma camada de proteção para córnea ou fechá-la
Suturas diretamente na córnea ou não
Nem todas as camadas são abordadas
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
Agulhas semi-circulares
Absorvíveis ou não-absorvíveis
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
Enxertos conjuntivais
Úlceras
Descemetocele
Melting
Ceratectomia
Úlceras indolentes
Fornece suprimento sanguíneo e proteção
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
Enxertos conjuntivais
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
“Transplante” de córnea
Córnea congelada serve para enxerto e não substituta do tecido
Congelada
Com o tempo, pode ficar transparente
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
Prolapso de íris
Lesões perfurantes ou lacerações
Resultado visual depende do tamanho 
do dano
Emergência
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
Prolapso de íris
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Córnea – tratamento
Prolapso de íris
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata
Secundária a processos inflamatórios na lente
Pode ser congênita
Uma desorganização neste intricado sistema leva a 
um desarranjo estrutural da estrutura, acarretando 
na opacificação
A. Epitélio central anterior da lente
B. Zona intermediária
C. Zona equatorial
D. Cápsula da lente
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – sinais clínicos
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – diagnóstico
Clínico
Exames diagnósticos usados como critério de seleção para cirurgia
Nem todos os animais são candidatos
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – critérios de seleção
Potros saudáveis ( livres de Rhodococcus, Leptospira, Babesiose, etc…) e 
animais adultos 
Sem uveítes 
Não visuais
Animais dóceis que aceitem o tratamento
US (Desc Retina)
ERG (todos)
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – exames de seleção
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – exames de seleção
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – tratamento
Facoemulsificação
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – tratamento
Facoemulsificação
Etapas
1. Antissepsia
2. Incisão auxiliar
3. Infusão de corante (Azul tripan)
4. Incisão principal
5. Capsulotomia principal
6. Hidrodissecção
7.Facoemulsificação
8. Irrigação/aspiração
9. Implante de lente (quando 
possível)
10. Irrigação/aspiração
11. Corneorrafia
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Catarata – prognóstico
Taxa de sucesso 83-98%
Depende da idade
Animais não operados vivem “bem” sem a visão
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
Obrigado!
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
FEEDBACK DA AULA
• Revisar anatomia ocular
• Relembrar diagnóstico de problemas 
oftálmicos
• Tratamento cirúrgico das principais afecções
a E d u c a ç ã o q u e t r a n s f o r m a !
O que veremos no 
próximo encontro? • P1
Educação que transforma!