Buscar

ASPECTOS

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 32 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 32 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 32 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

SUMÁRIO
NOÇÕES BÁSICAS DE DIREITO 3
DIREITO CONSTITUCIONAL PARA ENGENHEIROS 4
DIREITO ADMINISTRATIVO PARA ENGENHEIROS 5
DIREITO CIVIL. 8
DIREITO EMPRESARIAL 10
DIREITO DO CONSUMIDOR 13
PROPRIEDADE INDUSTRIAL 15
DIREITO DO TRABALHO 17
DIREITO PREVIDENCIÁRIO 20
EXERCÍCIO PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO 22
RESPONSABILIDADES TÉCNICAS 24
PERÍCIAS TÉCNICAS 26
NOÇÕES DE LICENCIATURA AMBIENTAL 28
REFERÊNCIAS 33
1. NOÇÕES BÁSICAS DE DIREITO
➔ Na aplicação da lei, o que o juiz deverá atentar?
De acordo com o artigo 5o da lei de introdução às normas do direito brasileiro: “Na aplicação da lei,
o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum”.
Assim, como descrito no parágrafo acima, o juiz deve se atentar, além do texto e da questão
objetiva da lei, mas também às questões sociais e ao contexto que se deu a possível
transgressão.
➔ Conceitue ato jurídico perfeito, direito adquirido e coisa julgada
De acordo com o artigo 6o da lei de introdução às normas do direito brasileiro:
§ 1º Reputa-se ato jurídico perfeito o já consumado segundo a lei vigente ao tempo em que
se efetuou.
§ 2º Consideram-se adquiridos assim os direitos que o seu titular, ou alguém por ele, possa
exercer, como aqueles cujo começo do exercício tenha termo pré-fixo, ou condição
pré-estabelecida inalterável, a arbítrio de outrem.
§ 3º Chama-se coisa julgada ou caso julgado a decisão judicial de que já não caiba
recurso.
➔ O engenheiro pode alegar ignorância em relação à lei?
Não, nenhum indivíduo pode alegar ignorância em relação à lei.
De acordo com o artigo 3o da lei de introdução às normas do direito brasileiro: “Ninguém se escusa
de cumprir a lei, alegando que não a conhece.”
2. DIREITO CONSTITUCIONAL PARA ENGENHEIROS
➔ Como você, futuro engenheiro, poderia contribuir para o exercício da
cidadania, bem como, o respeito da dignidade humana?
Empregando funcionários em situação de vulnerabilidade, capacitando-os e promovendo
ações que proporcionem uma melhora na qualidade de vida deles e de suas famílias.
Me envolvendo em projetos e instituições que tenham como objetivo, principal ou secundário, o
estímulo à educação, distribuição de renda, ofereçam amparo a famílias em situação de
vulnerabilidade ou denunciem casos de abuso e de corrupção de instituições.
➔ Como uma empresa de engenharia poderia estabelecer um código de conduta
para eliminação de desigualdades, bem como, a eliminação dos preconceitos
com relação à raça, cor e gênero?
Acredito que isso deva começar na elaboração da estratégia da empresa, fazendo parte da
missão, visão, valores e cultura da empresa.
Mais objetivamente, a empresa poderia reservar verbas para fomentar projetos sociais que
fomentem a educação e tenham como objetivo a eliminação de desigualdades e implementar
processos de contratação mais inclusivos, que deem oportunidades a indivíduos
marginalizados ou em situação de vulnerabilidade social
3. DIREITO ADMINISTRATIVO PARA ENGENHEIROS
➔ Quais os objetivos do regime diferenciado de contratações públicas em
hospitais, escolas públicas e presídios?
Pode-se destacar como os dois principais objetivos da utilização do Regime Diferenciado de
Contratações (RDC) nessas contratações garantir mais agilidade e eficiência ao processo
licitatório.
Sendo mais específico, as principais vantagens do RDC, listadas categoricamente, são:
· Sigilo do orçamento estimado
· Possibilidade de indicação de marca ou modelo
· Regime de contratação integrada
· Remuneração variável
· Possibilidade de contrato de eficiência
· Inversão das fases e recurso único
➔ Considerando que você é engenheiro de um órgão público, o que exigiria no
projeto básico ou termo de referência de uma obra ou serviço?
Um projeto básico, segundo a lei brasileira 8.666 de 21 de junho de 1993, é o conjunto de
elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou
serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas indicações
dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento
do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a
definição dos métodos e do prazo de execução.
Deve conter os seguintes elementos:
· Desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão global da obra e identificar
todos os seus elementos construtivos com clareza;
· Soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a
necessidade de reformulação ou de variantes durante as fases de elaboração do projeto
executivo e de realização das obras e montagem;
· Identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à
obra, bem como suas especificações que assegurem os melhores resultados para o
empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo para a execução;
· Informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações
provisórias e condições organizacionais para a obra, sem frustrar o caráter competitivo para a
sua execução;
· Subsídios para a montagem do plano de licitação e gestão da obra, compreendendo a sua
programação, a estratégia de suprimentos, as normas de fiscalização e outros dados
necessários em cada caso;
· O orçamento detalhado do custo global da obra, fundamentado em quantitativos de serviços e
fornecimentos propriamente avaliados.
➔ Em regra, o critério para a avaliação da melhor proposta é o menor preço.
Caso ocorra empate, como se fará o desempate?
De acordo com os §2º e §3º do artigo 3º da Lei 8666/93:
§2º Em igualdade de condições, como critério de desempate, será assegurada preferência,
sucessivamente, aos bens e serviços:
I. Produzidos no País;
II. Produzidos ou prestados por empresas brasileiras;
III. Produzidos ou prestados por empresas que invistam em pesquisa e no desenvolvimento de
tecnologia no País;
IV. Produzidos ou prestados por empresas que comprovem cumprimento de reserva de cargos
prevista em lei para pessoa com deficiência ou para reabilitado da Previdência Social e que
atendam às regras de acessibilidade previstas na legislação.
§ 3o No caso da licitação do tipo "menor preço", entre os licitantes considerados qualificados a
classificação se dará pela ordem crescente dos preços propostos, prevalecendo, no caso de
empate, exclusivamente o critério previsto no parágrafo anterior.
Por fim, no §2º Art. 45. da mesma lei tem-se:
§ 2o No caso de empate entre duas ou mais propostas, e após obedecido o disposto no § 2o do
art. 3o desta Lei, a classificação se fará, obrigatoriamente, por sorteio, em ato público, para o qual
todos os licitantes serão convocados, vedado qualquer outro processo.
4. DIREITO CIVIL.
➔ Considerando que uma empresa de Engenharia desvia de sua finalidade ou
que os sócios fazem retiradas não previstas pela legislação
comprovadamente, o que pode o Juiz determinar?
OBS: Pesquisar o art., 50 do Código Civil; Lei no 9605/1998, art 4o; Lei
no 12529/2011 art 34.
O artigo 50 do Código Civil dispõe que:
Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela
confusão patrimonial, pode o juiz, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe
couber intervir no processo, desconsiderá-la para que os efeitos de certas e determinadas
relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares de administradores ou de sócios
da pessoa jurídica beneficiados direta ou indiretamente pelo abuso.
Em outras palavras, o juiz pode determinar que as obrigações financeiras a sejam quitadas com
os bens particulares dos sócios ou administradores da empresa.
➔ Quando os sócios utilizam a sua própria empresa para ocultar bens e direitos
(desconsideração inversa) o que o Juiz pode determinar?
OBS: Pesquisar o art. 50 parágrafo 3o do Código Civil.
A desconsideração inversa consiste na liberação de bens da pessoa jurídica para saldar dívidas
de cunho particulardos associados da empresa. Isso pode ser determinado nos casos em que o
Juiz entenda que algum dos sócios agiu de má fé, usando a pessoa jurídica para proteger seus
bens pessoais, por meio de transferência de bens ou dá própria aquisição em nome da pessoa
jurídica, com o objetivo de, em caso de cobrança de alguma dívida, não fossem encontrados bens
suficientes em seu acervo para que seja feita a quitação, já que estes estariam protegidos pela
autonomia patrimonial da pessoa jurídica.
Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade ou
pela confusão patrimonial, pode o juiz, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando
lhe couber intervir no processo, desconsiderá-la para que os efeitos de certas e determinadas
relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares de administradores ou de sócios
da pessoa jurídica beneficiados direta ou indiretamente pelo abuso
§ 1º Para os fins do disposto neste artigo, desvio de finalidade é a utilização da pessoa jurídica
com o propósito de lesar credores e para a prática de atos ilícitos de qualquer natureza. (Incluído
pela Lei nº 13.874, de 2019)
§ 2º Entende-se por confusão patrimonial a ausência de separação de fato entre os patrimônios,
caracterizada por:
I - Cumprimento repetitivo pela sociedade de obrigações do sócio ou do administrador ou
vice-versa;
II - Transferência de ativos ou de passivos sem efetivas contraprestações, exceto os de
valor proporcionalmente insignificante; e (Incluído pela Lei nº 13.874, de 2019)
III - outros atos de descumprimento da autonomia patrimonial. (Incluído pela Lei nº 13.874,
de 2019)
§ 3º O disposto no caput e nos §§ 1º e 2º deste artigo também se aplica à extensão das
obrigações de sócios ou de administradores à pessoa jurídica.
➔ Quando uma empresa de engenharia causa prejuízos a alguém pelo
descumprimento de um contrato, cabe indenização devida. Posto isto, defina
danos emergentes e lucros cessantes.
O Código Civil, no tópico em que aborda as perdas e danos, explica o conceito do dano
emergente e dos lucros cessantes. O artigo 402 do mencionado diploma legal descreve que as
perdas e danos abrangem: o prejuízo efetivamente sofrido, chamado de dano emergente; e o que
o prejudicado deixou de lucrar em razão, ou seja, os lucros cessantes.
Por exemplo, um taxista sofre uma colisão, na qual o outro motorista é o culpado pelo acidente. O
dano emergente é o prejuízo direto, ou seja, o valor do conserto do carro e eventuais despesas de
hospital. Já os lucros cessantes representam os valores que o taxista deixou de receber enquanto
seu carro, que é seu instrumento de trabalho, estava sendo reparado.
5. DIREITO EMPRESARIAL
➔ Considerando que uma empresa de engenharia deve a seguridade social,
bem como, outros tributos, quais seriam as condições para se obter o
parcelamento tributário?
Pesquisar o art. 135, III do Código Tributário Nacional e Art.184 do Cód Trib Nacional
e Lei Complementar nº 118/2005
O Art. 135 diz que:
São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias
resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social
ou estatutos:
I - as pessoas referidas no artigo anterior;
II - os mandatários, prepostos e empregados;
III - os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado.
O parcelamento é a divisão do montante do tributo devido e seus acréscimos (multas,
juros, etc.) em parcelas periódicas, configurando nova oportunidade para satisfação do
crédito tributário não pago à época e forma própria, sendo ele um parcelamento de
débitos tributários é um benefício disponibilizado pelos órgãos de arrecadação e
fiscalização tributária com o objetivo de reduzir os índices de inadimplência. Além disso,
essa solução visa garantir a regularização de empresas que se encontram em atraso com
as suas obrigações fiscais e tributárias.Lei específica disporá sobre as condições de
parcelamento dos créditos tributários do devedor em recuperação judicial.
De acordo com o artigo 155-A, o parcelamento será concedido na forma e condição
estabelecida em lei específica, que somente por ser editada por cada ente competente,
referente aos seus respectivos tributos. O poder de parcelar é inerente ao poder de
tributar, assim, a concessão de parcelamento do crédito tributário, em qualquer uma de
suas modalidades, somente pode ser feito por lei específica do ente tributante, ou seja, lei
federal para tributos federais, lei estadual para tributos estaduais, lei distrital para os
tributos distritais e lei municipal para tributos municipais.
O parcelamento do crédito tributário, salvo disposição em sentido contrário, não exclui a
incidência de juros e multas (§ 1º). Esta regra é específica do parcelamento ordinário, que
não prevê nenhum desconto ou abatimento nos encargos legais. Por outro lado, no
parcelamento extraordinário, nos termos da lei (salvo disposição em sentido contrário),
são excluídos, total ou parcialmente, os juros e as multas.
Entendemos ainda, que mencionada norma geral desconstitui o argumento de que o
pedido de parcelamento se caracteriza como uma denúncia espontânea e,
consequentemente, exclui a cobrança da multa moratória nos tributos sujeitos ao
lançamento por homologação. Com a expressa disposição legal, o argumento perde
totalmente o seu objeto, ficando, portanto, estabelecido de forma categórica que os juros
de mora e as multas compõem o crédito tributário para efeito de parcelamento, salvo
disposição legal em sentido contrário, que, na realidade, se houver, tratará de hipótese de
concessão de anistia.
➔ Considerando que uma empresa de Engenharia Limitada possui apenas dois
sócios (mínimo legal) e um dos sócios resolve se retirar da sociedade, qual prazo
legal para recomposição do quadro societário? Caso tal fato não ocorra (falta de
pluralidade) o que ocorrerá com a sociedade?
O prazo legal é de até 180 dias para que ocorra a recomposição do quadro
societário. No caso de não ocorrer essa recomposição, a sociedade será
considerada legalmente desfeita.
➔ Quais as exigências legais para uma empresa usar a denominação social de
engenharia?
Segundo a RESOLUÇÃO Nº 1.121, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2019 em seus artigos 5 e
7:
Art. 6° O registro de pessoa jurídica com as qualificações de engenheiro ou de
engenheiro agrônomo em sua denominação somente será aceito caso a pessoa jurídica
seja composta exclusivamente de profissionais que possuam tais títulos.
Art. 7° A pessoa jurídica de cuja denominação conste as palavras engenharia ou
agronomia somente poderá se registrar no Crea caso a maioria do número de diretores
ou administradores seja de profissionais registrados nos Creas.
Parágrafo único. Será possibilitado o registro da pessoa jurídica com denominação
engenharia ou agronomia quando possuir 2 (dois) diretores ou administradores e um
deles for profissional registrado no Sistema Confea/Crea.
6. DIREITO DO CONSUMIDOR
➔ Como uma empresa de Engenharia deverá evitar o descumprimento de
normas técnicas em relação aos seus serviços e ou produto?
Conforme o Art.39 do Código de Defesa do Consumidor, é imprescindível que a
empresa de Engenharia não: condicione o fornecimento de determinado projeto ou
serviço ao fornecimento de outro projeto ou serviço; envie ou entregue ao cliente,
sem solicitação prévia, qualquer produto, ou serviço; execute serviços e/ou projetos
sem a prévia elaboração de orçamento e autorização expressa do cliente; coloque,
no mercado, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas
pelos órgãos oficiais competentes; eleve sem justa causa o preço de produtos ou
serviços; deixe de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar a
fixação de seu termo inicial a seu exclusivo critério; aplique fórmula ou índice de
reajuste diverso do legal ou contratualmente estabelecido.
➔ Considerando que uma empresa de Engenharia necessitade fornecimento de
crédito ou financiamento, o que os bancos e os agentes financeiros são obrigados a
informar?
Obs.: Pesquisar o art. 52 do Cód. de Defesa do Consumidor.
Segundo o art. 52 do Código de Defesa ao Consumidor é determinado que no
fornecimento de produtos que envolvam outorga de crédito ou concessão de
financiamento ao consumidor, o fornecedor deve informar previamente sobre:
● Preço do produto ou serviço em moeda corrente nacional;
● Montante dos juros de mora e da taxa efetiva anual de juros;
● Acréscimos legalmente previstos;
● Número e periodicidade das prestações;
● Soma total a pagar, com e sem financiamento.
➔ Considerando que uma empresa de engenharia omite informação relevante
sobre qualidade, quantidade, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de
produtos ou serviços, está sujeita a que tipo de penalidade?
Segundo o código de defesa do consumidor em seus artigos 66 e 67 uma empresa que
“Fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza,
característica, qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou
garantia de produtos ou serviços”(art 66) está sujeita há:
Pena — Detenção de três meses a um ano e multa.
Parágrafo 1º — Incorrerá nas mesmas penas quem patrocinar a oferta.
Parágrafo 2º — Se o crime é culposo:
Pena – Detenção de um a seis meses ou multa.
e Fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser enganosa ou abusiva (art
67) está sujeito há:
Pena — Detenção de três meses a um ano e multa
7. PROPRIEDADE INDUSTRIAL
➔ Considerando que sua empresa de Engenharia recebeu uma encomenda
tecnológica (Art. 27 do decreto de inovação no 9283 de 2018) como deveria
proceder no caso?
Encomenda Tecnológica (ETEC) é um modelo de compra pública, em que órgão ou
entidades da administração pública, no interesse público, poderão contratar um
serviço de pesquisa, desenvolvimento e inovação para solução de problema
técnico específico ou obtenção de produto, serviço ou processo inovador. ETC
pode ser adotada em situações de falha de mercado e alto nível de incerteza, ou
seja, quando o Estado se depara com um problema ou uma necessidade cuja
solução não é conhecida ou não está disponível e envolve risco tecnológico,
caracterizado pela possibilidade de insucesso no desenvolvimento de solução,
decorrente de processo em que o resultado é incerto em função do conhecimento
técnico-científico insuficiente à época em que se decide pela realização da ação.
Nesse tipo de situação, a Administração Pública pode apresentar o problema para
o mercado e identificar potenciais interessados em investir no desenvolvimento da
solução. São identificados os potenciais interessados que apresentam maior
probabilidade de sucesso, com possibilidade de contratação de mais de um. As
escolhas de tecnologias e de métodos, assim como os limites de desempenho do
sistema, devem ser informadas no Projeto de Desenvolvimento Tecnológico e
Inovação (PDTI) apresentado pelos interessados. Pelo Art. 27 do decreto de
inovação nº 9283 de 2018.
§ 8º A administração pública negociará a celebração do contrato de encomenda
tecnológica, com um ou mais potenciais interessados, com vistas à obtenção das
condições mais vantajosas de contratação, observadas as seguintes diretrizes:
I - a negociação será transparente, com documentação pertinente anexada aos
autos do processo de contratação, ressalvadas eventuais informações de natureza
industrial, tecnológica ou comercial que devam ser mantidas sob sigilo;
II - a escolha do contratado será orientada para a maior probabilidade de alcance
do resultado pretendido pelo contratante, e não necessariamente para o menor
preço ou custo, e a administração pública poderá utilizar, como fatores de escolha,
a competência técnica, a capacidade de gestão, as experiências anteriores, a
qualidade do projeto apresentado e outros critérios significativos de avaliação do
contratado;
e III - o projeto específico de que trata o § 9º poderá ser objeto de negociação com
o contratante, permitindo ao contratado, durante a elaboração do projeto, consultar
os gestores públicos responsáveis pela contratação e, se houver, o comitê técnico
de especialistas.
Sendo a escolha “do contratado orientada para a maior probabilidade de alcance
do resultado pretendido pelo contratante, e não necessariamente para o menor
preço ou custo, e a administração pública poderá utilizar, como fatores de escolha,
a competência técnica, a capacidade de gestão, as experiências anteriores, a
qualidade do projeto apresentado e outros critérios significativos de avaliação do
contratado;” Caso a empresa tenha necessidade pode estabelecer um consórcio,
dado que o desenvolvimento tecnológico completo pretendido não está disponível
no mercado e, em tese, alguns fornecedores dominam partes diferentes dele,
assim uma associação de empresas pode facilitar o sucesso da solução
pretendida. Portanto, uma empresa que recebe uma encomenda tecnológica deve
estar ciente dos riscos envolvidos no projeto, da necessidade, dependendo da
complexidade do problema, de estabelecer parcerias para desenvolver uma
solução completa e dentro dos prazos especificados. Com relação a remuneração,
a legislação estabelece que a remuneração deve ser efetuada mediante trabalho
executado.
8. DIREITO DO TRABALHO
➔ Qual a importância dos programas: Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais PPRA, NR 09, e o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional
PCMSO, NR 07?
Segundo a NR 9, a PPRA visa à preservação da saúde e da integridade dos
trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente
controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no
ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos
recursos naturais.
O PCMSO tem como finalidade promover, com base nos riscos identificados no
PPRA, a monitoração e preservação da Saúde Ocupacional através de realização
dos exames admissionais, periódicos, demissionais, mudança de função, retorno ao
trabalho; Emissão do ASO (Atestado de Saúde Ocupacional).
Sendo assim, esses programas são fundamentais para o exercício do trabalhador,
tendo em vista a preservação do ambiente de trabalho e a proteção do meio
ambiente.
➔ Qual o papel da comissão interna de prevenção de acidentes, NR 05 – CIPA
nas empresas?
A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA tem o objetivo de prevenir
acidentes e doenças decorrentes do trabalho, com o intuito de tornar compatível
permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do
trabalhador. Os membros da CIPA ou designados, que atuam nas empresas
instaladas em centro comercial ou industrial, estabelecem por meio de mecanismos
de integração, com objetivo de promover o desenvolvimento de ações de prevenção
de acidentes e doenças decorrentes do ambiente e instalações de uso coletivo,
podendo contar com a participação da administração do mesmo. A CIPA terá por
atribuição:
● Identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos,
com a participação do maior número de trabalhadores, com assessoria do
SESMT, onde houver;
● Elaborar plano de trabalho que possibilite a ação preventiva na solução de
problemas de segurança e saúde no trabalho;
● Participar da implementação e do controle da qualidade das medidas de
prevenção necessárias, bem como da avaliação das prioridades de ação nos
locais de trabalho;
● Realizar, periodicamente, verificações nos ambientes e condições de trabalho
visando a identificação de situações que venham a trazer riscos para a
segurança e saúde dos trabalhadores;
● Realizar, a cada reunião, avaliação do cumprimento das metas fixadas em
seu plano de trabalho e discutir as situações de risco que foram identificadas;
● Divulgar aos trabalhadores informações relativas à segurança e saúde no
trabalho;
● Participar, com o SESMT, onde houver, das discussões promovidas pelo
empregador,para avaliar os impactos de alterações no ambiente e processo
de trabalho relacionados à segurança e saúde dos trabalhadores;
● Requerer ao SESMT, quando houver, ou ao empregador, a paralisação de
máquina ou setor onde considere haver risco grave e iminente à segurança e
saúde dos trabalhadores;
● Colaborar no desenvolvimento e implementação do PCMSO e PPRA e de
outros programas relacionados à segurança e saúde no trabalho;
● Divulgar e promover o cumprimento das Normas Regulamentadoras, bem
como cláusulas de acordos e convenções coletivas de trabalho, relativas à
segurança e saúde no trabalho;
● Participar, em conjunto com o SESMT, onde houver, ou com o empregador,
da análise das causas das doenças e acidentes de trabalho e propor
medidas de solução dos problemas identificados;
● Requisitar ao empregador e analisar as informações sobre questões que
tenham interferido na segurança e saúde dos trabalhadores;
● Requisitar à empresa as cópias das CAT emitidas.
➔ Qual a importância dos equipamentos de proteção individual – EPIs, NR 06,
bem como dos equipamentos de proteção coletiva-EPCs?
Enquanto os EPIs são utilizados apenas por uma pessoa de cada vez e protegem
somente quem está utilizando no momento, os EPCs são utilizados para garantir a
segurança e proteger um grupo de pessoas que realizam determinada atividade.
Os EPIs são fundamentais para garantir a saúde e a proteção do trabalhador,
evitando consequências negativas caso ocorra algum acidente. O EPI também é
utilizado para garantir que o trabalhador não seja exposto a doenças ocupacionais,
que podem comprometer a capacidade de trabalho do mesmo.
Os EPCs são instalados em ambientes e não em pessoas, então ele vai agir
eliminando ou neutralizando os riscos no ambiente de trabalho.
Esses acessórios são indispensáveis em fábricas e processos industriais em geral.
9. DIREITO PREVIDENCIÁRIO
➔ Quais os cuidados que uma empresa de Engenharia contratante de serviços
executados mediante cessão de mão de obra ou empreitada passou a ter na
retenção do valor para o INSS?
◆ Qual o percentual?
◆ O que deve constar na nota fiscal?
◆ Qual o dia do recolhimento?
● OBS: pesquisar o Art. 31 da Lei 8212/1991
Na área da construção civil, atividades que envolvam construção, demolição, reforma ou
acréscimo de edificações ou de qualquer benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo ou
obras complementares que se integrem a esse conjunto, merecem atenção. De uma
maneira mais formal as atividades afetadas, serão de empreitadas que realizarem a
execução, contratualmente estabelecida, de tarefa, de obra ou de serviço, por preço
ajustado, com ou sem fornecimento de material ou uso de equipamentos, que podem ou
não ser utilizados, realizada nas dependências da empresa contratante, nas de terceiros
ou nas da empresa contratada, tendo como objeto um resultado pretendido.
Diante disso, cabe citar ainda, o art. 31 da Lei 8202/91:
§ 3º A responsabilidade solidária de que trata o artigo somente será elidida se for
comprovado pelo executor o recolhimento prévio das contribuições incidentes sobre
a remuneração dos segurados incluída em nota fiscal ou fatura correspondente aos
serviços executados, quando da quitação da referida nota fiscal ou fatura.
§ 4º Para efeito do parágrafo anterior, o cedente da mão-de-obra deverá elaborar
folhas de pagamento e guia de recolhimento distintas para cada 15 empresa
tomadora de serviço, devendo esta exigir do executor, quando da quitação da nota
fiscal ou fatura, cópia autenticada da guia de recolhimento quitada e respectiva
folha de pagamento.
Ou seja, conforme o artigo, a empresa contratante de serviços executados mediante
cessão de mão de obra, inclusive em regime de trabalho temporário, deverá reter 11% do
valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços e recolher, em nome da
empresa cedente da mão de obra, a importância retida até o dia 20 do mês subsequente
ao da emissão da respectiva nota fiscal ou fatura, ou até o dia útil imediatamente anterior
se não houver expediente bancário naquele dia, observado o disposto no § 5ª do art. 33
desta Lei.
➔ O que uma empresa de Engenharia prestadora de serviço deve destacar na
nota fiscal?
Obs.: Pesquisar o art. 31 da Lei nº 8212/1991.
O valor retido do valor bruto da nota fiscal, ou seja, essa retenção, deve estar destacada
na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços. Deve-se recolher à
Previdência Social a importância retida, em documento de arrecadação identificado com a
denominação social e o CNPJ da empresa contratada. O recolhimento deverá ser feito até
o dia 20 do mês subsequente ao da emissão da respectiva Nota Fiscal.
10.EXERCÍCIO PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO
➔ Qual o papel da comissão de ética profissional para atendimento ao disposto
no inciso II e III do art. 4º do regulamento para condição do processo ético
disciplinar?
Obs.: Pesquisar a resolução nº 1004 de 27/06/2003.
Segundo o art. 4º, é atribuição da Comissão de Ética Profissional:
● II - instruir processo de infração ao Código de Ética Profissional, ouvindo
testemunhas e partes, e realizando ou determinando a realização de
diligências necessárias para apurar os fatos; e
● III - emitir relatório fundamentado a ser encaminhado à câmara especializada
competente para apreciação, o qual deve fazer parte do respectivo processo.
➔ Uma das penalidades previstas no art. 52, parágrafo 2º aos profissionais da
engenharia é a censura pública. Aponte como será feita?
Conforme Art. 52, parágrafo 2º e 3º da Resolução CONFEA:
§ 2º A censura pública, anotada nos assentamentos do profissional, será
efetivada por meio de edital afixado no quadro de avisos nas inspetorias, na
sede do Crea onde estiver inscrito o profissional, divulgação em publicação
do Crea ou em jornal de circulação na jurisdição, ou no diário oficial do
estado ou outro meio, economicamente aceitável, que amplie as
possibilidades de conhecimento da sociedade.
§ 3º O tempo de permanência do edital divulgando a pena de censura pública
no quadro de avisos das inspetorias e da sede do Crea, será fixado na
decisão proferida pela instância julgadora.
➔ O profissional da engenharia tem a liberdade de escolha de métodos e
procedimentos técnicos e científicos para o desenvolvimento do seu trabalho.
Quais os cuidados que deverá ter?
O profissional deve garantir a conformidade com as Normas da ABNT durante todo
o processo de desenvolvimento do seu trabalho, além de se organizar seguindo os
preceitos do ciclo PDCA em que se planejam as melhorias no campo necessário, se
realizam testes e analisam-se os resultados do mesmo, para então implementar
novos ajustes e mudanças necessárias. É necessário ter em mente e praticar esse
ciclo, uma vez que permite a correção de erros pontuais e possibilita melhorias ao
longo de todo o processo, tendo como consequência, por exemplo, melhoria da
produtividade. Além disso, deve-se também colocar em prática o diagrama de
Ishikawa, para que o raciocínio seja organizado em discussões de um problema
prioritário, buscando compreendê-lo como um todo em suas diversas fases e,
assim, identificando todas as causas que podem levar a esse determinado
comportamento.
11. RESPONSABILIDADES TÉCNICAS
➔ Como você, futuro engenheiro, estabeleceria uma política de qualidade de
acordo com a ISO 9001:2015 para sua empresa?
De acordo com o requisito 5.2.1 da ISO 9001:2015, como futuro engenheiro, é necessário
estabelecer, implementar e manter uma política da qualidade que seja apropriada ao propósito e
ao contexto da organização e apoie seu direcionamento estratégico, proveja uma estrutura para o
estabelecimento dos objetivos da qualidade, inclua um comprometimento em satisfazer requisitos
aplicáveis e inclua um comprometimento com a melhoria contínua do sistema de gestão da
qualidade.
➔ Considerando a importância do uso racional de energia (eficiência energética)
como você futuro engenheiro atenderia aos preceitos da lei no 10295 e odecreto no 9864/2019?
Para ficar de acordo com o decreto nº 4059/2001, que foi revogado pelo decreto nº 9864/2019,
adotaria a utilização apenas de máquinas e aparelhos comprovados pelo INMETRO que
atendessem aos níveis máximos de consumo específico da energia, ou mínimos da eficiência
energética.
➔ Como você, futuro engenheiro, elevaria o nível do seu gerenciamento de
obras/serviços?
OBS: Pesquisar https:www.mobusscontrucao.com.br
Para elevar o nível do gerenciamento de obras e alcançar um melhor desempenho, alguns pontos
devem ser levados em consideração:
O projeto precisa ser entendido:
● elaborando documentos que especifiquem as expectativas, atribuições de cada envolvido,
custos e prazos para a concretização de cada etapa.
● Planejando o trabalho: determinar a forma na qual quer que o trabalho seja feito;
● Gestão do plano de trabalho: definir e planejar o trabalho são as partes fundamentais, pois
imprevistos acontecem no meio do caminho;
● Resolvendo problemas: pensar em um processo que consiga identificar, determinar o
impacto e examinar alternativas já na etapa de planejamento, e/ou aplicar técnicas de
resolução específicas para cada caso;
● Definindo o escopo: O escopo define os limites do projeto, o que ele vai entregar, quais são
os dados necessários para a sua realização e qual vai ser o seu impacto;
● Lidando com os riscos: são tratadas como riscos todas as condições e circunstâncias que
estão fora do controle da equipe envolvida no projeto e que podem o impactar de alguma
forma;
● Comunicando-se: a comunicação é fundamental no gerenciamento de obras, pois cada
supervisor ou líder de equipe deve entender e conhecer tudo que ocorre para conseguir
tomar as melhores decisões.
http://www.mobusscontrucao.com.br
● Realizando controle de qualidade: a qualidade é definida pela proximidade entre o
resultado do projeto e a expectativa do cliente. Seu principal propósito é encontrar erros o
mais rápido possível e lidar com eles da melhor forma
12.PERÍCIAS TÉCNICAS
➔ Como o Engenheiro – Perito comprovará sua especialidade na matéria sobre
a qual deverá opinar?
A comprovação pode ser feita através de um acervo técnico, que representa uma
configuração de bens intangíveis; o acervo comprova toda a experiência adquirida por
um perito ao longo do exercício da sua atividade. Ele visa, entre vários fatores,
demonstrar a realidade da experiência e da formação científica do profissional. Vale
ressaltar que o acervo técnico refere-se sempre às atividades já realizadas e que
estejam discriminadas com as respectivas características científicas e técnicas. O juiz
será assistido por perito quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou
científico. O acervo técnico pode conter também os programas de educação continuada
e o domínio de tecnologias de ponta.
➔ Caso o Engenheiro – Perito preste informações inverídicas, como o juiz
deverá proceder com relação ao CREA?
Segundo o art. 158, o perito que, por dolo ou culpa, prestar informações inverídicas,
será responsabilizado pelos prejuízos que causar à parte, ficando ainda inabilitado
para atuar em outras perícias por um prazo de dois a cinco anos, sem prejuízo de
outras sanções. Caberá ao juiz comunicar tal fato ao respectivo órgão de classe,
para que sejam adotadas as medidas cabíveis.
Os atos das partes, consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de
vontade, produzem imediatamente a constituição, a modificação ou a extinção de
direitos processuais.
Independentemente das demais sanções previstas em lei, devendo o juiz comunicar
o fato ao respectivo órgão de classe para adoção das medidas que entender
cabíveis.
➔ A perícia pode consistir em: exame, vistoria ou avaliação. De exemplos nos
três tipos referidos em obras ou serviços de engenharia.
Encontra-se disciplinada no art. 464 do novo CPC que a prova pericial consiste em
exame, vistoria ou avaliação, cujas definições jurídicas são:
Exame é a inspeção judicial feita por perito sobre pessoas, animais, coisas móveis,
livros e papéis, a fim de verificar algum fato ou circunstância ao mesmo relativa;
Vistoria é a inspeção judicial feita por perito sobre um imóvel, para verificar fatos ou
circunstâncias ao mesmo relativas;
Avaliação é o exame pericial destinado a verificar o valor em dinheiro de alguma
coisa ou obrigação.
Logo, um exemplo é a vistoria cautelar em prédio vizinho, quando o construtor ou
proprietário inicia uma obra próximo a um prédio, pode ocorrer de após o início da
obra, apresentar danos realmente ocorridos em seus imóveis. O exame identifica se
o prédio foi avariado pela obra adjacente e a avaliação verificará o valor que o
proprietário da nova construção terá que ressarcir ao vizinho prejudicado.
13.NOÇÕES DE LICENCIATURA AMBIENTAL
➔ Qual a diferença entre o EIA( estudo de impacto ambiental) e o RIMA (relatório
de impacto ambiental)?
OBS: Pesquisar Lei 6938/81, resolução 00186 do CONAMA.
O Estudo de Impacto Ambiental – EIA apresenta detalhes minuciosos de levantamentos
técnicos retirados de estudos realizados por especialistas em áreas correspondentes ao
projeto e ao meio ambiente.
Através de cada estudo denotam-se dados importantes que serão esmiuçados em sua
amplitude e detalhados em uma espécie de laudo ou relatório.
O acesso a esse estudo é restrito em razão do sigilo industrial que deve ser respeitado.
O Relatório de Impacto Ambiental – RIMA é, basicamente, o relatório desse estudo, e é
visto como a apresentação da conclusão do estudo referido em uma linguagem mais
acessível.
Isso se fez necessário para que haja maior facilidade de análise por parte do público
interessado.
Lembrando que essa exigência tem como base a Lei Federal n° 6.938 de 1981 que
reconheceu e instituiu a Política Nacional do Meio Ambiente para o bem de toda a
sociedade, afinal era um começo. Em 1990 essa lei foi regulamentada pelo Decreto
Federal n° 99.274/90 e se tornou exigência nos órgãos ambientais brasileiros a partir da
Resolução n° 001 de 23/01/1986 do CONAMA.
Portanto, a característica do RIMA é a reflexão das conclusões do estudo do EIA, sendo o
mais objetivo e compreensível possível para toda a população.
As informações contidas no RIMA, podem ser traduzidas de maneira simples com uma
linguagem mais coloquial e ilustradas com mapas, gráficos, slides, cartas e demais
indicativos que simplifiquem a linguagem técnica.
O EIA é responsável pela coleta de material, análise do mesmo, bibliografia que respalda
o estudo e pelo estudo que prevê as possíveis e prováveis consequências ambientais que
podem ser causadas com a obra no local em questão.
Com este estudo é possível avaliar e analisar os impactos causados pela obra, bem como
sua intensidade.
Também através desse estudo de impacto ambiental obtém-se a proposta de condições
para sua implantação e os melhores procedimentos para dar continuidade à construção.
O RIMA é um relatório simplificado, que tem como objetivo esclarecer os termos técnicos.
https://geonomaflorestal.com.br/licenciamento-ambiental/
Neste relatório, constam levantamentos e conclusões que o órgão público licenciador tem
a responsabilidade de analisar considerando as condições da obra.
Posteriormente, o RIMA deve ser publicado em edital em imprensa local, quando se abre
o prazo de 45 dias para solicitação de audiência pública que pode ser requerida nesse
período por 50 ou mais cidadãos, ou até mesmo pelo Ministério Público.
Sendo assim, após a realização das audiências que forem necessárias, é finalizado o
parecer e poderá ser autorizado um licenciamento prévio para a realização da obra ou até
mesmo o indeferimento do projeto.
➔ Qual a importância do princípio do poluidor pagador?
OBS: Pesquisar o art 225 parág. 3o da Const. da República e arts 4o, VII e 14
parág. 1o da Lei 6938/81.
De acordo com o art. 225 da constituição federal de 1988:
Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do
povo e essencial à sadia qualidade de vida,impondo-se ao Poder Público e à coletividade
o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.
§ 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os
infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas,
independentemente da obrigação de reparar os danos causados
Além disso, segundo a Lei 6938/81:
Art 4º - A Política Nacional do Meio Ambiente visará:
VII - à imposição, ao poluidor e ao predador, da obrigação de recuperar e/ou
indenizar os danos causados e, ao usuário, da contribuição pela utilização de
recursos ambientais com fins econômicos
Art 14 - Sem prejuízo das penalidades definidas pela legislação federal, estadual e
municipal, o não cumprimento das medidas necessárias à preservação ou correção dos
inconvenientes e danos causados pela degradação da qualidade ambiental sujeitará os
transgressores:
I- à multa simples ou diária, nos valores correspondentes, no mínimo, a 10
(dez) e, no máximo, a 1.000 (mil) Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional -
ORTNs, agravada em casos de reincidência específica, conforme dispuser o
regulamento, vedada a sua cobrança pela União se já tiver sido aplicada pelo
Estado, Distrito Federal, Territórios ou pelos Municípios.
II - à perda ou restrição de incentivos e benefícios fiscais concedidos pelo Poder
Público;
III - à perda ou suspensão de participação em linhas de financiamento em
estabelecimentos oficiais de crédito;
IV - à suspensão de sua atividade.
§ 1º - Sem obstar a aplicação das penalidades previstas neste artigo, é o poluidor
obrigado, independentemente da existência de culpa, a indenizar ou reparar os
danos causados ao meio ambiente e a terceiros, afetados por sua atividade. O
Ministério Público da União e dos Estados terá legitimidade para propor ação de
responsabilidade civil e criminal, por danos causados ao meio ambiente.
Essa lei é de extrema importância para garantir que possa o responsável pela poluição ou,
mais abrangentemente, qualquer forma de degradação ambiental, seja legalmente
responsabilizado por seus atos obrigado a indenizar todos os lesados por essa atividade.
➔ Qual a importância do princípio da prevenção (ou precaução)?
OBS: Pesquisar art 225, IV e art 9o, I, V da lei 6938/81.
De acordo com o art. 225 da constituição federal de 1988:
IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente
causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto
ambiental, a que se dará publicidade; (Regulamento)
Art 9º - São instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente:
I - o estabelecimento de padrões de qualidade ambiental;
II - o zoneamento ambiental;
III - a avaliação de impactos ambientais;
IV - o licenciamento e a revisão de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras;
V - os incentivos à produção e instalação de equipamentos e a criação ou absorção
de tecnologia, voltados para a melhoria da qualidade ambiental;
De um ponto de vista sociológico, o princípio da prevenção e o princípio da precaução
indicam formas jurídicas que medeiam a relação entre, de um lado, a tomada de decisões
(políticas, econômicas, jurídicas, científicas, etc.) e, de outro lado, a possibilidade de se
associar essas decisões a certos eventos futuros e danosos, atribuindo-lhes a qualidade
de consequências. Apesar disso, essas formas não atuam, tipicamente, no campo da
responsabilidade por danos já causados, mas no momento anterior, da tomada da decisão
à qual poderá ser atribuída, no futuro, a qualidade de causa. Com estratégias diversas,
ambos princípios postulam uma vinculação temporal, na qual um futuro possível e incerto
(momento de eventual dano, que pode ou não ocorrer) é trazido para o presente certo
(momento da decisão, que ocorrerá), qualificando juridicamente a decisão presente,
independentemente de as consequências futuras ocorrerem.
Em comparação com as formas típicas do direito antigo, medieval ou do início da
modernidade, prevenção e precaução trazem um problema inteiramente novo para o
sistema jurídico: utilizar o código lícito/ilícito sobre condutas já marcadas como lícitas, e
que podem ou não produzir um resultado ilícito (dano), mas sem saber se esse resultado
será produzido, ou melhor, justamente por não saber se esse resultado será produzido. O
desafio, portanto, é o de desenvolver instrumentos jurídicos que permitam fazer o direito
atuar não no mais no campo conduta/resultado, mas no campo das probabilidades ou,
para dizê-lo com Elena Esposito, no campo das realidades duplicadas (fictícias), sem
perder de vista os problemas de legitimação.
Na literatura jurídica, o princípio da prevenção indica estratégias para lidar com as
consequências danosas de certas atividades para o meio ambiente, consideradas
conhecidas, isto é, antecipáveis. Por serem consideradas antecipáveis, essas
consequências são tidas passíveis de serem evitadas ou terem seus efeitos mitigados por
meio de decisões. O princípio da precaução, por sua vez, indica estratégias para lidar com
a incerteza decorrente da impossibilidade de se antecipar as consequências de uma
atividade humana. Pode-se afirmar, assim, que a distinção prevenção/precaução
baseia-se na distinção certeza/incerteza em relação às consequências de uma dada
atividade para o meio ambiente, a partir da qual são oferecidas estratégias jurídicas, no
sistema jurídico e na sociedade, para o tratamento do risco.
14. A IMPORTÂNCIA DO SINMETRO
➔ Qual a importância da NBR 5677:1977 que estabelece os estudos de
pré-viabilidade de serviços e obras de engenharia e arquitetura (NBR
178/1977)? ( OBS: norma cancelada)
A NBR 5677 tem como objetivo fixar condições a que devem obedecer os estudos de pré
viabilidade. Sendo que no estudo de pré viabilidade deve abordar os seguintes aspectos:
– Engenharia e arquitetura
– Social, político e econômico;
– Administrativo e empresarial;
– Jurídico e legal;
– Ambiental e cultural.
Além de :
– Descrição do empreendimento;
– Informações técnicas preliminares;
– Objetivos e resultados esperados;
– Definição das técnicas a serem usadas;
– Definição dos insumos a serem usados;
– Estimativa do custo e fonte de recursos.
➔ Qual a importância da NBR 5678:1977 que estabelece os estudos e
viabilidade de serviços e obras de engenharia e arquitetura (NBR-179/1977)?
( OBS: norma cancelada)
A NBR 5678:1977 tem como objetivo fixa condições a que devem obedecer os Estudos,
de Viabilidade de Serviços e de Obras de Engenharia e Arquitetura em geral, analisados
isoladamente ou no conjunto de um empreendimento buscando criar um padrão
metodológico de estudo de viabilidade buscando chegar-se a um resultado sobre a
viabilidade do empreendimento mais próxima de realidade possível.
Sendo que é levado em consideração alguns parâmetros ao qual o estudo deve obedecer,
como: Técnico normativo, Econômico e Financeiro, Social, Jurídico e legal, Ambiental,
Empresarial e dentre outros.
➔ Qual a importância da norma sobre métodos de ensaio (MB)? Obs: pesquisar
o boletim ABNT de novembro de 1995, lendo inclusive o artigo “as dimensões
da normalização” do Eng. Luiz de França Lima.
As normas relacionadas a métodos de ensaios determinam a maneira de se verificar a
qualidade das matérias-primas e dos produtos manufaturados.
As normas relacionadas a métodos de ensaios determinam a maneira de se verificar a
qualidade das matérias-primas e dos produtos manufaturados.
Sendo assim, elas são responsáveis pela padronização dos processos de verificação dos
produtos fabricados ao qual são submetidos a ensaios para verificar se as suas
propriedades estão de acordo com as especificações desejadas.
As máquinas que realizam os ensaios também são testadas para se obter dados corretos
durante os testes.
As normas orientam a fabricação dos produtos e os ensaios a que são submetidos para
garantir as condições de obtenção de qualidade e eficiência.
15.REFERÊNCIAS
➔ Jusbrasil. 2021. Disponível em<https:www.jusbrasil.com.br/> Acesso
em 10/10/2021.
➔ Planalto. 2021. Disponível em <https:www.planalto.gov.br> Acesso em 10/10/2021.
➔ Mobuss Construção. 2021. Disponível em <https:www.mobusscontrucao.com.br>
Acesso em 10/10/2021.
➔ Câmara dos Deputados. 2021. Disponível em <https:www.camara.leg.br/> Acesso
em 10/10/2021.
➔ Sistema ESO. 2021. Disponível em <https:sistemaeso.com.br/> Acesso
em 10/10/2021.
➔ EIA/RIMA: O que é e para que serve?. Disponível em
<https://geonomaflorestal.com.br/eiarima-o-que-e-para-que-serve/>. Acesso em 11/10/2021
➔ Artigo 225 da Constituição Federal de 1988. Disponível em:
<https://www.jusbrasil.com.br/topicos/10645661/artigo-225-da-constituicao-federal-de-1988>.
Acesso em 11/10/2021
➔ LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm>. Acesso em 11/10/2021
➔ Princípio da prevenção e princípio da precaução. Disponível em
<https://enciclopediajuridica.pucsp.br/verbete/356/edicao-1/principio-da-prevencao-e-principio
-da-precaucao>. Acesso em 11/10/2021
➔ Normalização no Brasil. Disponível em <Normaliza o no Brasil (essel.com.br)>. Acesso em
11/10/2021
http://www.jusbrasil.com.br/
http://www.planalto.gov.br/
http://www.mobusscontrucao.com.br/
http://www.camara.leg.br/
https://geonomaflorestal.com.br/eiarima-o-que-e-para-que-serve/
https://www.jusbrasil.com.br/topicos/10645661/artigo-225-da-constituicao-federal-de-1988
https://enciclopediajuridica.pucsp.br/verbete/356/edicao-1/principio-da-prevencao-e-principio-da-precaucao
https://enciclopediajuridica.pucsp.br/verbete/356/edicao-1/principio-da-prevencao-e-principio-da-precaucao
https://essel.com.br/cursos/material/01/Normalizacao/norma3c.pdf

Outros materiais