Buscar

DIVERSIDADE ÉTNICO RACIAL E DE GÊNERO

Esta é uma pré-visualização de arquivo. Entre para ver o arquivo original

1 
 
 
DIVERSIDADE ÉTNICO RACIAL E DE 
GÊNERO 
 
2 
 
 
Sumário 
1 CONTEXTO E DEFINIÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS .......................... 6 
1.1 Normas internacionais de direitos humanos......................................... 7 
1.2 Tratados ............................................................................................... 7 
1.3 Costume ............................................................................................... 8 
1.4 Declarações, resoluções etc. Adotadas pelos órgãos das nações 
unidas........... ........................................................................................................... 9 
2 PERSPECTIVAS HISTÓRICAS DOS DIREITOS HUMANOS .................... 9 
2.1 O Iluminismo ...................................................................................... 10 
2.2 Revolução Francesa .......................................................................... 11 
2.3 O término da Segunda Guerra Mundial .............................................. 12 
3 DOCUMENTOS IMPORTANTES PARA A FORMAÇÃO E 
RECONHECIMENTO DAS LIBERDADES ................................................................ 13 
3.1 Magna Carta ....................................................................................... 13 
3.2 Petition of Rights ................................................................................ 14 
3.3 Habeas Corpus Act ............................................................................ 14 
3.4 Bill of Rights ....................................................................................... 14 
3.5 Rule of Law ........................................................................................ 14 
3.6 Declaração de Virgínia ....................................................................... 15 
3.7 Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão ............................. 15 
3.8 Constituição Francesa ........................................................................ 15 
3.9 Constituição do México ...................................................................... 16 
3.10 Declaração Russa dos Direitos do Povo Trabalhador e Explorado . 16 
3.11 Constituição alemã de Weimer ....................................................... 16 
3.12 Carta de São Francisco ou Carta da ONU ...................................... 17 
3.13 Declaração Universal de 1948 ........................................................ 17 
3.14 Carta Internacional dos Direitos Humanos ...................................... 17 
4 ORIGEM DOS DIREITOS HUMANOS ..................................................... 18 
4.1 As declarações de direitos ................................................................. 20 
4.2 Artigos da declaração universal dos direitos humanos: ..................... 22 
 
3 
 
4.3 A origem e formação dos direitos fundamentais individuais no brasil 28 
4.4 A Origem Do Conceito De Cidadania E Sua Importância Para O 
Advento Dos Estados Modernos ............................................................................ 29 
5 A INEXISTÊNCIA DE REVOLUÇÕES BURGUESAS NO BRASIL E SUAS 
CONSEQUÊNCIAS ................................................................................................... 32 
5.1 Movimentos sociais e cidadania no brasil contemporâneo ................ 36 
5.2 Sociedades multiculturais ................................................................... 38 
5.2.1 Cenário Pós-Colonial .................................................................... 39 
6 CONCEITOS DE CULTURA, IDENTIDADE E DIFERENÇA .................... 42 
6.1 Identidade Cultural ............................................................................. 44 
6.2 Igualdade E Diferença ........................................................................ 47 
6.3 Universalismo e Relativismo .............................................................. 48 
7 QUESTÕES E TENSÕES NO COTIDIANO: GÊNERO, RAÇA, 
ORIENTAÇÃO SEXUAL E RELIGIÃO ...................................................................... 52 
7.1 Etnocentrismo, estereótipo e preconceito .......................................... 55 
8 EDUCAÇÃO MULTICULTURAL ............................................................... 65 
8.1 Currículo e interculturalidade .............................................................. 67 
8.2 Origem da Atenção à Multiculturalidade ............................................. 68 
8.3 A Educação Intercultural na renovação de um currículo que concretize 
o Princípio da “Escola para Todos” ........................................................................ 70 
8.4 A Educação nas Respostas ao Multiculturalismo ............................... 71 
9 Estratégias Pedagógicas e Perspectiva Intercultural ................................ 75 
10 DIREITOS HUMANOS, CIDADANIA E DEMOCRACIA ............................ 79 
10.1 Características dos direitos humanos e sua relação com o espaço 
escolar................. .................................................................................................. 82 
10.1.1 Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH) ... 87 
11 OS DIREITOS HUMANOS NA HISTÓRIA ................................................ 89 
11.1 Antiguidade ..................................................................................... 89 
11.2 Conquista da Babilônia ................................................................... 90 
11.3 O Império Romano .......................................................................... 91 
 
4 
 
11.4 Idade Média .................................................................................... 93 
11.4.1 Contexto histórico ....................................................................... 93 
11.4.2 A Justiça na Idade Média ............................................................ 94 
11.5 Idade Moderna ................................................................................ 96 
11.5.1 Revolução Gloriosa e a Petition Of Rights .................................. 97 
11.5.2 Declaração dos Povos da Virgínea ............................................. 98 
11.5.3 Declaração de Independência dos EUA ..................................... 98 
11.6 Revolução Francesa ..................................................................... 100 
11.7 Idade Contemporânea .................................................................. 101 
11.7.1 Constituição Mexicana de 1917 e a Constituição de Weimar ... 102 
11.7.2 Liga das Nações e a Criação da ONU ...................................... 102 
12 DOCUMENTOS INTERNACIONAIS DE PROTEÇÃO E SUA 
RELAÇÃO................ ............................................................................................... 103 
12.1 A Declaração Universal dos Direitos Humanos............................. 103 
12.2 Preâmbulo ..................................................................................... 104 
12.3 Carta da ONU ............................................................................... 105 
12.4 Guia prático ‘Campo de ação da sociedade civil e o Sistema dos 
Direitos Humanos das Nações Unidas................................................................. 105 
12.5 Guia de orientação das Nações Unidas no Brasil para denúncias de 
discriminação étnico-racial ................................................................................... 106 
12.6 Mapa do Encarceramento – Os jovens do Brasil .......................... 106 
12.7 Relatório do Subcomitê de Prevenção da Tortura (SPT) sobre o Brasil 
(2012).................... ............................................................................................... 106 
12.8 Declaração de Durban (2001) ....................................................... 107 
12.9 A organização das Nações Unidas (ONU) .................................... 107 
12.10 Quais os princípios da ONU? ........................................................
107 
12.11 Por que a ONU foi criada? ............................................................ 108 
12.12 Como é a estrutura da ONU.......................................................... 109 
12.13 Onde a ONU está sediada ............................................................ 109 
12.14 Como são as reuniões da ONU? .................................................. 110 
12.15 A Assembleia-Geral da ONU ........................................................ 110 
 
5 
 
12.15.1 Principais funções da Assembleia-Geral da ONU ................... 111 
12.16 O Conselho de Segurança da ONU .............................................. 111 
12.16.1 Principais Funções do Conselho de Segurança da ONU........ 112 
12.17 Conselho econômico e social ........................................................ 112 
12.17.1 Principais funções ................................................................... 113 
12.18 Conselho de tutela ........................................................................ 113 
12.18.1 As principais metas desse regime de tutela ............................ 114 
12.19 Corte internacional de justiça ........................................................ 114 
12.20 Secretariado .................................................................................. 115 
12.21 Principais funções ......................................................................... 116 
13 BIBLIOGRAFIA BÁSICA ......................................................................... 117 
 
 
6 
1 CONTEXTO E DEFINIÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS 
 
Fonte: www.significados.com.br 
Os direitos humanos são comumente compreendidos como aqueles direitos 
inerentes ao ser humano. O conceito de Direitos Humanos reconhece que cada ser 
humano pode desfrutar de seus direitos humanos sem distinção de raça, cor, sexo, 
língua, religião, opinião política ou de outro tipo como origem social, nacional, 
condição de nascimento ou riqueza. 
Os direitos humanos são garantidos legalmente pela lei de direitos humanos, 
protegendo indivíduos e grupos contra ações que interferem nas liberdades 
fundamentais e na dignidade humana. 
Estão expressos em tratados, no direito internacional consuetudinário, 
conjuntos de princípios e outras modalidades do Direito. A legislação de direitos 
humanos obriga os Estados a agirem de uma determinada maneira e proíbe os 
Estados de se envolverem em atividades específicas. No entanto, a legislação não 
estabelece os direitos humanos. Os direitos humanos são direitos inerentes a cada 
pessoa simplesmente por ela ser um humano. 
Tratados e outras modalidades do Direito costumam servir para proteger 
formalmente os direitos de indivíduos ou grupos contra ações ou abandono dos 
governos, que interferem no desfrute de seus direitos humanos. 
Algumas das características mais importantes dos direitos humanos são: 
• Os direitos humanos são fundados sobre o respeito pela dignidade e o valor de 
cada pessoa; 
http://www.un.org/en/sections/issues-depth/human-rights/index.html
http://www.un.org/en/sections/issues-depth/human-rights/index.html
http://www.un.org/en/sections/issues-depth/human-rights/index.html
http://www.un.org/en/sections/issues-depth/human-rights/index.html
http://www.un.org/en/sections/issues-depth/human-rights/index.html
 
 
 7 
• Os direitos humanos são universais, o que quer dizer que são aplicados de forma 
igual e sem discriminação a todas as pessoas; 
• Os direitos humanos são inalienáveis, e ninguém pode ser privado de seus direitos 
humanos; eles podem ser limitados em situações específicas. Por exemplo, o 
direito à liberdade pode ser restringido se uma pessoa é considerada culpada de 
um crime diante de um tribunal e com o devido processo legal; 
• Os direitos humanos são indivisíveis, inter-relacionados e interdependentes, já que 
é insuficiente respeitar alguns direitos humanos e outros não. Na prática, a 
violação de um direito vai afetar o respeito por muitos outros; 
• Todos os direitos humanos devem, portanto, ser vistos como de igual importância, 
sendo igualmente essencial respeitar a dignidade e o valor de cada pessoa. 
 
1.1 Normas internacionais de direitos humanos 
A expressão formal dos direitos humanos inerentes se dá através das normas 
internacionais de direitos humanos. Uma série de tratados internacionais dos direitos 
humanos e outros instrumentos surgiram a partir de 1945, conferindo uma forma legal 
aos direitos humanos inerentes. 
A criação das Nações Unidas viabilizou um fórum ideal para o desenvolvimento 
e a adoção dos instrumentos internacionais de direitos humanos. Outros instrumentos 
foram adotados a nível regional, refletindo as preocupações sobre os direitos 
humanos particulares a cada região. 
A maioria dos países também adotou constituições e outras leis que protegem 
formalmente os direitos humanos básicos. Muitas vezes, a linguagem utilizada pelos 
Estados vem dos instrumentos internacionais de direitos humanos. 
As normas internacionais de direitos humanos consistem, principalmente, de 
tratados e costumes, bem como declarações, diretrizes e princípios, entre outros. 
1.2 Tratados 
Um tratado é um acordo entre os Estados, que se comprometem com regras 
específicas. Tratados internacionais têm diferentes designações, como pactos, cartas, 
protocolos, convenções e acordos. Um tratado é legalmente vinculativo para os 
https://treaties.un.org/
https://treaties.un.org/
https://treaties.un.org/
 
 
 8 
Estados que tenham consentido em se comprometer com as disposições do tratado – 
em outras palavras, que são parte do tratado. 
Um Estado pode fazer parte de um tratado através de uma ratificação, adesão 
ou sucessão. 
A ratificação é a expressão formal do consentimento de um Estado em se 
comprometer com um tratado. Somente um Estado que tenha assinado o tratado 
anteriormente – durante o período no qual o tratado esteve aberto a assinaturas – 
pode ratificá-lo. 
A ratificação consiste de dois atos processuais: a nível interno, requer a 
aprovação pelo órgão constitucional apropriado – como o Parlamento, por exemplo. 
A nível internacional, de acordo com as disposições do tratado em questão, o 
instrumento de ratificação deve ser formalmente transmitido ao depositário, que pode 
ser um Estado ou uma organização internacional como a ONU. 
A adesão implica o consentimento de um Estado que não tenha assinado 
anteriormente o instrumento. Estados ratificam tratados antes e depois deste ter 
entrado em vigor. Sendo assim, 
Um Estado também pode fazer parte de um tratado por sucessão, isso 
acontece em virtude de uma disposição específica do tratado ou de uma declaração. 
A maior parte dos tratados não são auto executáveis. Em alguns Estados os tratados 
são superiores à legislação interna, enquanto em outros são denominados como 
tratados constitucionais e em alguns casos incorporadas à legislação interna. 
Um Estado pode, ao ratificar um tratado, formular reservas a ele, indicando que, 
embora consista em comprometer-se com a maior parte das disposições, torna 
inerente em cumpri-las. 
No entanto, uma reserva não pode derrotar o objeto e o propósito do tratado. 
Além disso, mesmo que um Estado não faça parte de um tratado ou não tenha 
formulado reservas, o mesmo pode ainda estar comprometido com as disposições do 
direito internacional consuetudinário, consistindo em normas imperativas do direito 
internacional, como a proibição da tortura. Todos os tratados das Nações Unidas 
estão reunidos no site em United Nations Treaty Collection. 
1.3 Costume 
https://treaties.un.org/
 
 
 9 
O direito internacional consuetudinário – ou simplesmente “costume” – é o 
termo usado para descrever uma prática geral e consistente seguida por Estados, 
decorrente de um sentimento de obrigação legal. 
Assim, por exemplo, enquanto a Declaração Universal dos Direitos
Humanos 
não é, em si, um tratado vinculativo, algumas de suas disposições têm o caráter de 
direito internacional consuetudinário. 
1.4 Declarações, resoluções etc. Adotadas pelos órgãos das nações unidas 
Normas gerais do direito internacional – princípios e práticas com os quais a 
maior parte dos Estados concordaria – constam, muitas vezes, em declarações, 
proclamações, regras, diretrizes, recomendações e princípios. 
Apesar de não ter nenhum feito legal sobre os Estados, elas representam um 
consenso amplo por parte da comunidade internacional e, portanto, têm uma força 
moral forte e inegável em termos na prática dos Estados, em relação a sua conduta 
das relações internacionais. 
O valor de tais instrumentos está no reconhecimento e na aceitação por um 
grande número de Estados e, mesmo sem o efeito vinculativo legal, podem ser vistos 
como uma declaração de princípios amplamente aceitos pela comunidade 
internacional. 
A Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, por 
exemplo, recebeu o apoio dos Estados Unidos em 2010, o último dos quatro Estados 
membros da ONU que se opuseram a ela. 
Ao adotar a Declaração, os Estados se comprometeram a reconhecer os 
direitos dos povos indígenas sob a lei internacional, com o direito de serem 
respeitados como povos distintos e o direito de determinar seu próprio 
desenvolvimento de acordo com sua cultura, prioridades e leis consuetudinárias 
(costumes). 
2 PERSPECTIVAS HISTÓRICAS DOS DIREITOS HUMANOS 
Não há dúvidas de que os direitos humanos são dotados de indeclinável e 
inegável importância; eles são base de todos os ordenamentos jurídicos, requisito 
indispensável para se qualificar, verdadeiramente, um Estado como democrático. 
http://unicrio.org.br/docs/declaracao_direitos_povos_indigenas.pdf
http://unicrio.org.br/docs/declaracao_direitos_povos_indigenas.pdf
http://unicrio.org.br/docs/declaracao_direitos_povos_indigenas.pdf
http://unicrio.org.br/docs/declaracao_direitos_povos_indigenas.pdf
 
 
 10 
Como já restou assentado pelo Supremo Tribunal Federal, em mais de uma 
oportunidade, no Estado de Direito democrático “devem ser intransigentemente 
respeitados os princípios que garantem a prevalência dos direitos humanos”[1]. 
Dessa ideia inicial extrai-se uma das justificativas para o desenvolvimento de 
uma Teoria Geral dos Direitos Humanos. Um dos tópicos mais relevantes para 
compreensão da Teoria é a leitura dos direitos dos homens partindo-se de diferentes 
perspectivas históricas. 
Dessa forma, almeja-se no presente artigo vislumbrar a historicidade dos 
direitos partindo-se de pontos não iguais, embora conectados. Tais perspectivas são: 
os marcos mais citados, os pensamentos mais significativos e os documentos mais 
relevantes. 
É importante sublinhar que aqui se campeia em terrenos de suma 
imprescindibilidade dentro da supracitada Teoria Geral, cujo enfoque atende a uma 
das principais características dos direitos humanos, qual seja: a sua historicidade. 
Esta vem sempre acompanhada de tantas outras características citadas pela mais 
vasta doutrina (v.g.: universalidade, essencialidade, irrenunciabilidade, 
inalienabilidade, indisponibilidade, inesgotabilidade, inexauribilidade, 
imprescritibilidade, efetividade, inviolabilidade, complementaridade, limitabilidade, 
vedação ao retrocesso, indivisibilidade e inter-relacionaridade). 
Adentra-se, então, no estudo da evolução histórica dos direitos humanos 
partindo-se da perspectiva relacionada aos marcos mais citados. 
Podem ser destacados três marcos históricos fundamentais, quais sejam: o 
Iluminismo, a Revolução Francesa e o término da Segunda Guerra Mundial. 
2.1 O Iluminismo 
O Iluminismo (ou Era da Razão) configurou revolução intelectual que se 
efetivou no continente europeu, particularmente na França, durante o século XVIII. 
Esse movimento representou o auge das transformações culturais iniciadas no século 
XIV pelo movimento renascentista, e colocou em destaque os valores da burguesia, 
favorecendo o aumento dessa camada social. 
O Iluminismo procurava uma explicação por meio da razão para todos os 
acontecimentos; rompendo, assim, com as formas de pensar que até o momento eram 
 
 
 11 
aceitas. Alguns princípios podem ser destacados como norteadores da sociedade à 
época, quais sejam: a busca da felicidade; a garantia dos direitos, da liberdade 
individual e da livre posse de bens pelo governo; a tolerância para a expressão de 
ideias; e a igualdade perante a lei[5]. 
Entre os principais filósofos do movimento, podem ser citados: John Locke 
(16321704); Voltaire (1694-1778); Jean-Jacques Rousseau (1712-1778); 
Montesquieu (16891755); Denis Diderot (1713-1784); e Jean Le Rond d´Alembert 
(1717-1783). 
Cabe, nessa altura, também fazer referência ao movimento do Humanismo. Tal 
movimento exaltava o valor humano como meio e finalidade. O Humanismo difundiu-
se por toda a Europa e caracterizou o início da cultura moderna. Para o pensamento 
humanista o valor fundamental de uma doutrina é o homem, seu sentimento, sua 
originalidade e sua superioridade sobre os outros animais. O homem passa a ser visto 
como um ser que pode construir seu próprio destino. 
2.2 Revolução Francesa 
Eis que ganha importância a Revolução Francesa, que foi um movimento 
político e social que questionava os privilégios da nobreza e do clero, bem como o 
poder absoluto do monarca. Por volta de 1789, a França enfrentava uma grave crise 
econômica, sendo que a maioria dos trabalhadores rurais pagava excessiva carga 
tributária. Já a indústria funcionava de forma muito artesanal e o comércio também 
enfrentava dificuldades. 
Dentre as principais vitórias dos revoltosos franceses, está a proclamação da 
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, documento dos mais 
indispensáveis para a evolução concreta dos direitos humanos. Ele assegura, dentre 
outros direitos, a liberdade, igualdade e a propriedade. A Declaração, inspirada em 
ideias iluministas, serviu de base para a construção de diversas Constituições de 
Estados Democráticos. A Revolução Francesa incentivou muitos outros movimentos 
revolucionários nas décadas seguintes, marcando a luta pelo fim dos privilégios 
sociais e pela promoção da dignidade humana. 
O lema da Revolução Francesa era: liberdade, igualdade e fraternidade. Tais 
ideias representam as três primeiras e clássicas gerações ou dimensões de direitos. 
https://jus.com.br/tudo/posse
https://jus.com.br/tudo/posse
https://jus.com.br/tudo/posse
https://jus.com.br/tudo/posse
https://jus.com.br/tudo/posse
 
 
 12 
Nessa conjuntura, calha sublinhar a doutrina de Immanuel Kant, exposta em 
suas obras Crítica da Razão Pura (1781), Crítica da Razão Prática (1788) e a Crítica 
do Juízo (1790). Com arrimo em uma vertente racionalista, Kant definiu o Estado como 
instrumento de produção das leis, representando os cidadãos, sendo a liberdade o 
principal fundamento para se valorizar a dignidade humana. 
2.3 O término da Segunda Guerra Mundial 
Por fim, o terceiro marco histórico que merece destaque é o término da 
Segunda Guerra Mundial, em 1945. O período pós-guerra instaurou uma nova lógica 
planetária, exaltando a importância do indivíduo como um dos novos sujeitos do 
Direito Internacional. O Estado não é mais o único ator internacional, o instituto da 
soberania é flexibilizado e o Direito Internacional dos Direitos Humanos emerge. Este 
é materializado pelo sistema global de proteção aos direitos humanos da Organização 
das Nações Unidas (ONU), posteriormente complementado pelos sistemas regionais 
(europeu, americano e africano). 
Dos marcos históricos mais citados lança-se, a partir de agora, ao estudo dos 
pensamentos mais significativos. 
Findada a Segunda Guerra em 1945 exalta-se uma nova corrente de 
pensamento, a qual normalmente é aprofundada nas obras de Direito Constitucional.
Todavia, merece aqui destaque, porque além de fortemente influenciar a salvaguarda 
interna dos direitos (fundamentais), também respingou suas balizas nas normativas 
internacionais (direitos humanos). Trata-se do pós-positivismo. 
Transpassados o jus naturalismo e o positivismo, ocupou lugar o pós-
positivismo. Todavia, entender os dois primeiros pensamentos é premissa para se 
chegar à compreensão do terceiro. 
Conforme Barroso, o jus naturalismo está fundado na existência de um Direito 
natural, sua concepção consiste no reconhecimento de que há valores e pretensões 
humanas legítimas que não decorrem de uma norma jurídica emanada do Estado, i.e., 
independem do Direito positivo. Esse Direito natural tem validade em si, legitimado 
por uma ética superior que estabelece limites à própria norma estatal[11]. 
Já o positivismo “foi fruto de uma idealização do conhecimento científico, uma 
crença romântica e onipotente de que os múltiplos domínios da indagação e da 
https://jus.com.br/tudo/direitos-humanos
https://jus.com.br/tudo/direitos-humanos
https://jus.com.br/tudo/direitos-humanos
https://jus.com.br/tudo/direitos-humanos
https://jus.com.br/tudo/direitos-humanos
https://jus.com.br/tudo/jusnaturalismo
https://jus.com.br/tudo/jusnaturalismo
https://jus.com.br/tudo/jusnaturalismo
https://jus.com.br/tudo/jusnaturalismo
https://jus.com.br/tudo/jusnaturalismo
 
 
 13 
atividade intelectual pudessem ser regidos por leis naturais, invariáveis, 
independentes da vontade e da ação humana. (...) O positivismo comportou algumas 
variações e teve seu ponto culminante no normativismo de Hans Kelsen”. 
 Ainda de acordo com a doutrina do professor Barroso, a “superação histórica 
do jus naturalismo e o fracasso político do positivismo abriram caminho para um 
conjunto amplo e ainda inacabado de reflexões acerca do Direito, sua função social e 
sua interpretação. O pós- positivismo é a designação provisória e genérica de um 
ideário difuso, no qual se incluem a definição das relações entre valores, princípios e 
regras, aspectos da chamada nova hermenêutica e a teoria dos direitos 
fundamentais”. 
Com o pós-positivismo, distinguem-se dois institutos: o princípio e a regra. 
Ambos são espécies do termo norma e, ambos, possuem normatividade. Na linha 
desse pensamento, Canotilho refere-se ao sistema jurídico do Estado Democrático 
português como um “sistema normativo aberto de regras e princípios”. A mudança “de 
paradigma nessa matéria deve especial tributo às concepções de Ronald Dworkin e 
aos desenvolvimentos a ela dados por Robert Alexy. A conjugação das ideias desses 
dois autores dominou a teoria jurídica e passou a constituir o conhecimento 
convencional da matéria”. 
Em complemento, e já em fase conclusiva, levando em conta sua importância 
para a compreensão evolutiva dos direitos dos seres humanos, calha abordar a 
perspectiva histórica dos direitos partindo do estudo sobre os documentos mais 
relevantes indicados pela doutrina especializada. Por derradeiro, o rol não é taxativo, 
meramente exemplificativo, contudo, o arcabouço de fontes a seguir delineado ocupa 
papel de realce para a consolidação de direitos básicos, garantidores de um mínimo 
existencial. 
3 DOCUMENTOS IMPORTANTES PARA A FORMAÇÃO E RECONHECIMENTO 
DAS LIBERDADES 
Como outrora indiciado, a historicidade também pode ser representada pela 
cronologia dos documentos importantes para a formação e reconhecimento das 
liberdades. 
3.1 Magna Carta 
 
 
 14 
O primeiro documento majoritariamente referido pela doutrina quanto aos 
direitos humanos é a Magna Carta, de 1215. Trata-se de um acordo entre reis e barões 
revoltados. Ela direciona-se à proteção dos direitos dos ingleses, originários da law of 
the land (lei da terra). Embora restrita aos ingleses, ela é o nascedouro dos direitos, 
tendo influenciado inúmeros outros documentos. Seu principal desiderato é a limitação 
do poder do rei. A judicialidade é um dos princípios do Estado de Direito. 
Prevê, v.g., direito de ir e vir, propriedade privada e graduação da pena do 
delito. 
 
3.2 Petition of Rights 
Em 1628 adota-se a Petition of Rights. Ela reafirmou os direitos da Magna 
Carta, dando ênfase à, v.g., propriedade e à proibição da detenção arbitrária. 
 
3.3 Habeas Corpus Act 
O Habeas Corpus Act data de 1679, remete ao habeas corpus, uma das mais 
relevantes garantias aos direitos humanos já criadas na história da Humanidade. Este 
documento foi fortemente influenciado pela Magna Carta e almejava, principalmente, 
garantir o direito de ir e vir. 
 
3.4 Bill of Rights 
A Declaração de Direitos de 1689, ou Bill of Rights, submete a monarquia 
inglesa à soberania popular. Ela limita a autoridade real. Ao rei não mais é permitido 
suspender leis ou as descumprir, muito menos pode cobrar tributos sem o 
consentimento do Parlamento. Assegura-se a supremacia do Parlamento. Neste 
momento, são dados passos importantes para a definição da separação de poderes. 
 
3.5 Rule of Law 
https://jus.com.br/tudo/propriedade
https://jus.com.br/tudo/propriedade
https://jus.com.br/tudo/propriedade
https://jus.com.br/tudo/propriedade
https://jus.com.br/tudo/propriedade
https://jus.com.br/tudo/separacao
https://jus.com.br/tudo/separacao
https://jus.com.br/tudo/separacao
https://jus.com.br/tudo/separacao
https://jus.com.br/tudo/separacao
 
 
 15 
Os quatro documentos citados (Magna Carta, Petition of Rights, Habeas 
Corpus Act e Bill of Rights) exaltam a regra da Rule of Law, que dispõe sobre a 
necessidade de todos se sujeitarem ao Direito (Estado de Direito), inclusive os 
detentores do poder. 
 
3.6 Declaração de Virgínia 
Uma noção mais clara de direitos individuais é instaurada com a Declaração de 
Virgínia, de 1776, a qual abre caminho para a independência dos Estados Unidos. Ela 
preceitua sobre o direito de igualdade, o poder emanado do povo, o direito à felicidade, 
a separação de poderes, o direito geral ao sufrágio e o direito à propriedade. Em 04 
de julho de 1776 há também a Declaração Americana da Independência. 
 
3.7 Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão 
No ano de 1789, aprova-se a, importante é já citada, Declaração dos Direitos 
do Homem e do Cidadão, proclamada na França. É a mais famosa de todas as 
Declarações. É curioso ressaltar que ela ainda está em vigor na França e integra o 
bloco de constitucionalidade daquele país. Sua finalidade principal é proteger os 
direitos dos homens contra os atos do governo. Seu objetivo imediato é instruir os 
indivíduos de seus direitos fundamentais possuindo, para tanto, interessante caráter 
pedagógico. Como é uma Declaração, os direitos nela são apenas recordados, pois 
preexistem a ela. A igualdade perante a lei é o elemento essencial da Declaração, 
conforme seu art. 6º. O presente documento, decorrente da Revolução Francesa 
(liberdade, igualdade e fraternidade), foi a base para a Declaração Universal dos 
Direitos Humanos da ONU, de 1948. 
 
3.8 Constituição Francesa 
Outra fonte histórica dos direitos humanos é a Constituição Francesa, de 1848, 
fundamental para a futura consagração dos direitos econômicos e sociais (segunda 
geração) nas Leis Fundamentais dos demais países. 
https://jus.com.br/tudo/habeas-corpus
https://jus.com.br/tudo/habeas-corpus
https://jus.com.br/tudo/habeas-corpus
https://jus.com.br/tudo/habeas-corpus
https://jus.com.br/tudo/habeas-corpus
https://jus.com.br/tudo/habeas-corpus
https://jus.com.br/tudo/habeas-corpus
 
 
 16 
3.9 Constituição do México 
Mais recente, mas mesmo assim influenciadora, foi a Constituição do México, 
de 1917. Ela constitucionalizou de forma expressa os direitos econômicos, sociais e 
culturais[17] e exaltou a função social da propriedade. O seu art. 123 tratava de vários 
assuntos inéditos em âmbito constitucional, tais como a limitação da jornada de 
trabalho, a disciplina do
trabalho de menores, bem como a limitação de horas diárias 
para os menores, a limitação de horas de jornada de trabalho noturno, o descanso 
semanal, o salário mínimo, a igualdade salarial, o direito de greve e outros institutos 
inovadores que vieram proteger os hipossuficientes integrantes das relações de 
trabalho. 
 
3.10 Declaração Russa dos Direitos do Povo Trabalhador e Explorado 
A Declaração Russa dos Direitos do Povo Trabalhador e Explorado, de 1918, 
merece destaque, já que visava, conforme seu Capítulo II, “precipuamente a suprimir 
toda exploração do homem pelo homem, a abolir completamente a divisão da 
sociedade em classes, a esmagar implacavelmente todos os exploradores, a instalar 
a organização socialista da sociedade e a fazer triunfar o socialismo em todos os 
países (...)”. 
3.11 Constituição alemã de Weimer 
A Constituição alemã de Weimer, de 1919, surgiu como fruto da Primeira 
Guerra Mundial. O Estado Democrático Social, cujos parâmetros já haviam sido 
delineados pela Constituição mexicana de 1917, adquiriu com a Constituição alemã 
uma melhor estruturação. E, tal como a Constituição do México, os direitos 
trabalhistas e previdenciários ganharam o status de direitos fundamentais. Ela 
estabeleceu um novo modelo constitucional para os direitos sociais e influenciou 
muitas outras, como a Constituição brasileira de 1934. 
 
Tratado de Versailles, Carta da ONU, e a Declaração Universal dos Direitos 
Humanos. 
https://jus.com.br/tudo/jornada-de-trabalho
https://jus.com.br/tudo/jornada-de-trabalho
https://jus.com.br/tudo/jornada-de-trabalho
https://jus.com.br/tudo/jornada-de-trabalho
https://jus.com.br/tudo/jornada-de-trabalho
 
 
 17 
É possível, por fim, realçar outros documentos, como o Tratado de Versailles, 
de 1919 (que criou a Liga das Nações e a Organização Internacional do Trabalho – 
OIT), a Carta da ONU, de 1945, e a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 
1948. 
As atrocidades resultantes da Primeira Grande Guerra (1914-1918) geraram 
um sentimento de necessidade de pacificação mundial. Dessa forma, celebrou-se o 
Tratado de Versailles, em 28 de junho de 1919. Em anexo a esse documento foi 
aprovado o Pacto da Sociedade das Nações ou Liga das Nações. 
Além da Liga das Nações foi criada a Organização Internacional do Trabalho, 
em 1919, também pelo Tratado de Versailles, ou Tratado de Paz, resultado da 
Conferência da Paz. Esse documento entrou em vigor em 10 de janeiro de 1920. A 
disciplina da OIT constava, mais especificamente, na Parte XIII do Tratado. 
 
3.12 Carta de São Francisco ou Carta da ONU 
Em razão do fracasso da Sociedade das Nações em evitar a Segunda Grande 
Guerra, celebrou-se a Carta de São Francisco ou Carta da ONU, de 1945. A atual 
Organização das Nações Unidas veio substituir a combalida Liga. 
 
3.13 Declaração Universal de 1948 
Além da Carta da ONU merece referência a Declaração Universal de 1948. 
Entretanto, aconselha-se sua compreensão dentro da noção de Carta Internacional 
dos Direitos Humanos ou Declaração Internacional de Direitos (International Bill of 
Rights)[19]. 
 
3.14 Carta Internacional dos Direitos Humanos 
A Carta Internacional dos Direitos Humanos é constituída por três documentos, 
os mais importantes do sistema global, de alcance generalizado, ou seja, integram o 
sistema homogêneo[20] ou geral do sistema global da ONU. 
 
 
 18 
Analisar a Carta internacional coincide com a análise de três grandes 
instrumentos internacionais de salvaguarda aos direitos humanos em escala global: a 
Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948; o Pacto Internacional sobre 
Direitos Civis e Políticos, de 1966; e o Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, 
Sociais e Culturais, de 1966. Nessa tessitura, gize-se que o processo “universal dos 
direitos humanos teve início com a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 
1948, (...) afirmando serem os direitos humanos (...) universais, indivisíveis, 
interdependentes, inter-relacionados e dotados de unidade (....)”, e se consolidou com 
os dois Pactos de Nova York, ambos de 1966. 
A despeito da perspectiva adotada (marcos, pensamentos ou documentos), o 
estudo da evolução histórica dos direitos humanos conduz à conclusão de que eles 
estão em constante processo de enriquecimento, haja vista que a “conquista e a 
ampliação do rol de direitos é uma imperativa e constante necessidade mundana, sob 
pena da figura humana, com o passar do tempo, ser relegada a segundo plano, o que 
é inconcebível”. 
4 ORIGEM DOS DIREITOS HUMANOS 
O movimento contemporâneo pelos direitos humanos teve origem na 
reconstrução da sociedade ocidental ao final da segunda guerra mundial. Neste 
sentido, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, é um marco que veio 
responder às atrocidades que aconteceram durante a segunda guerra mundial. Na 
verdade, os direitos humanos não surgiram com a declaração universal dos direitos 
humanos. Duas histórias podem ser contadas a respeito da sua origem. 
A primeira história associa a ideia de direitos humanos a um certo consenso 
cultural e religioso. De acordo com essa abordagem, há uma ética ou uma moral 
comum a todas as culturas e religiões e que pode ser expressa em termos de direitos. 
A segunda história considera os direitos humanos como o resultado de um 
longo processo de evolução, que implica numa promessa de progresso e almeja a um 
futuro feliz. Esta ideia de progresso inevitável da sociedade humana ganhou força com 
o debate filosófico que precedeu e inspirou a Revolução Francesa e resultou na 
primeira grande declaração de direitos. 
https://jus.com.br/tudo/processo
https://jus.com.br/tudo/processo
https://jus.com.br/tudo/processo
https://jus.com.br/tudo/processo
https://jus.com.br/tudo/processo
 
 
 19 
A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi promulgada em 26 de 
agosto de 1789, na França. Ela está intimamente relacionada com a Revolução 
Francesa. Para ter uma ideia da importância que os revolucionários atribuíam ao tema 
dos direitos, basta constatar que os deputados passaram uma semana reunidos na 
Assembleia Nacional francesa debatendo os artigos que compõem o texto da 
declaração. Isso com o país ainda a ferro e a fogo após a tomada da Bastilha em 14 
de julho daquele mesmo ano. Havia urgência em divulgar a declaração para legitimar 
o governo que se iniciava com o afastamento do rei Luís XVI, que seria decapitado 
quatro anos depois, em 21 de janeiro de 1793. Era preciso fundamentar o exercício 
do poder, não mais na suposta ligação dos monarcas com Deus, mas em princípios 
que justificassem e guiassem legisladores e governantes daquele momento em 
diante. No dia 20 de agosto de 1789, a Assembleia Nacional francesa começou a 
discutir os 24 artigos rascunhados por um grupo de quarenta deputados. Após seis 
dias de debates intensos, os deputados haviam aprovado somente 17 artigos. 
 Diante das medidas urgentes a serem tomadas, no dia 27 de agosto de 1789 
os deputados decidiram encerrar a discussão e adotar os artigos já aprovados como 
a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Sem mencionar o rei, a nobreza 
ou o clero, a declaração afirmava que “os direitos naturais, inalienáveis e sagrados do 
homem são a fundação de todo e qualquer governo”. Quem passa a deter a soberania 
é a nação, e não o rei. Todos são proclamados iguais perante a lei, eliminando todos 
os privilégios de nascimento. Termos como “homens”, “homem”, “todo homem”, “todos 
os homens”, “todos os cidadãos”, “cada cidadão”, “sociedade”, e “todas as 
sociedades”, asseguram a universalidade dos direitos afirmados naquele documento. 
A reação à sua promulgação foi imediata, chamando a atenção da opinião pública nos 
países vizinhos para a questão dos direitos. A reação do inglês Edmund Burke em 
Reflections on the Revolution in France, de 1790, constitui inclusive
o texto fundador 
do conservadorismo. 
A importância desse documento nos dias de hoje é ter sido a primeira 
declaração de direitos e fonte de inspiração para outras que vieram posteriormente, 
como a Declaração Universal dos Direitos Humanos aprovada pela ONU 
(Organização das Nações Unidas), em 1948. Prova disso é a comparação dos 
primeiros artigos de ambas: 
 
 
 
 20 
• O Artigo primeiro da Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão de 1789, 
diz: “Os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos. As 
distinções sociais só podem fundar-se na utilidade comum”. 
• O Artigo primeiro da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 
proclama: 
“Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados 
de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de 
fraternidade”. 
 
 
 
Ambas as declarações de direitos acima mencionadas ecoam a fórmula solene 
de Thomas Jefferson na Declaração de Independência de 1776: “Tomamos estas 
verdades como auto evidentes, de que todos os homens foram criados iguais, e que 
foram dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, dentre os quais estão a 
Vida, a Liberdade e a busca pela felicidade. ” 
 
4.1 As declarações de direitos 
As declarações de direitos se apresentam de maneira parecida: após um 
preâmbulo que introduz a temática geral do texto, segue uma lista de artigos que 
explicitam vários direitos. Faz-se necessário ressaltar, contudo, que uma declaração 
de direitos é muito mais do que uma enumeração de direitos. O preâmbulo da 
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, revela a intenção dos 
seus autores: eles “expõem”, “declaram”, “lembram”. » À Declaração é um ato de 
reconhecimento: não se trata de um ato criador. Os direitos por ela enunciados 
 
 
 21 
existem, são inerentes à natureza humana. Seria, portanto, absurdo pretender criá-
los. Basta constatar a sua existência. 
Este fato é importante porque estabelece a diferença clara entre as declarações 
de direitos e os textos legais: uma lei pode ser revogada pela mesma autoridade que 
a promulgou, enquanto que um direito não pode ser eliminado porque ninguém é 
responsável pela sua criação. 
O que podemos fazer é constatar a sua existência e reconhecê-los. » À 
Declaração tem um caráter pedagógico: estes direitos foram esquecidos ou ignorados. 
Faz-se necessário torná-los incontestáveis. Para este efeito, um simples enunciado 
não basta, é preciso uma exposição que forneça explicações que convençam o leitor. 
A Declaração propõe uma sistematização das relações entre o homem e a 
sociedade. O seu caráter doutrinal, sua intenção pedagógica, contrasta com o 
empirismo característico dos documentos mais recentes. » Nesta declaração de 
direitos constata-se a ausência de um caráter efetivador: os constituintes sabiam 
perfeitamente que a constatação dos direitos humanos não basta para assegurar o 
seu respeito. Depois de declará-los, é ainda preciso garanti-los. Trata-se, contudo, de 
duas etapas distintas. 
A Declaração indica os direitos que implicam numa garantia, mas a efetivação 
dessa garantia incumbe à Constituição, de acordo com a fórmula do artigo 16 da 
própria Declaração: 
“Toda sociedade na qual (…) a garantia dos direitos não é assegurada não tem 
constituição. ”constata-se aqui que um certo paradoxo cerca a ideia de direitos 
humanos tal qual explicitada pelas declarações de direitos. 
Com efeito, se por um lado trata-se de uma ideia bastante utópica, por outro 
lado, a efetivação dos direitos remete a várias questões práticas que têm influência 
direta na nossa vida cotidiana. Além disso, como conciliar a ideia filosófica de que os 
direitos humanos existem desde sempre, pois estão inevitavelmente associados à 
própria existência do ser humano, e a possibilidade de progresso das condições e da 
consequente libertação do gênero humano da opressão e das injustiças que os 
direitos humanos podem promover na medida em que passam a ser reconhecidos? 
Este paradoxo explica porque os direitos humanos foram considerados por muito 
tempo como um capricho de sonhadores incorrigíveis. 
 
 
 22 
4.2 Artigos da declaração universal dos direitos humanos: 
Artigo 1° 
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. 
Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito 
de fraternidade. 
 
Artigo 2° 
Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades 
proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, 
cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, de origem nacional ou social, 
fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. 
Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, 
jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse 
país ou território independente, sob tutela, autônomo ou sujeito a alguma limitação de 
soberania. 
 
Artigo 3° 
Todo indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. 
 
Artigo 4° 
Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão, a escravatura e o trato 
dos escravos, sob todas as formas, são proibidos. 
 
Artigo 5° 
 Ninguém será submetido à tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, 
desumanos ou degradantes. 
 
Artigo 6° 
Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento, em todos os lugares, da 
sua personalidade jurídica. 
 
 
 
 23 
Artigo 7° 
Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual proteção da 
lei. Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação que viole a 
presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação. 
 
Artigo 8° 
Toda a pessoa tem direito a recurso efetivo para as jurisdições nacionais 
competentes contra os atos que violem os direitos fundamentais reconhecidos pela 
Constituição ou pela lei. 
 
 
Artigo 9° 
Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado. 
 
Artigo 10° 
 
Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja 
equitativa e publicamente julgada por um tribunal independente e imparcial que decida 
dos seus direitos e obrigações ou das razões de qualquer acusação em matéria penal 
que contra ela seja deduzida. 
 
Artigo 11° 
1- Toda a pessoa acusada de um ato delituoso presume-se inocente até que a sua 
culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em 
que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas. 
2- Ninguém será condenado por ações ou omissões que, no momento da sua 
prática, não constituíam ato delituoso à face do direito interno ou internacional. 
Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que a que era aplicável 
no momento em que o ato delituoso foi cometido. 
 
Artigo 12° 
 
 
 24 
 Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, 
no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. 
Contrastais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a proteção da lei. 
 
Artigo 13° 
1- Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua residência 
no interior de um Estado. 
2- Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo 
o seu, e o direito de regressar ao seu país. 
 
Artigo 14° 
1- Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e beneficiar-se 
de asilo em outros países. 
2- Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de processo realmente 
existente por crime de direito comum ou por atividades contrárias aos fins e aos 
princípios das Nações Unidas. 
 
Artigo 15° 
1- Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade. 
2- Ninguém pode ser arbitrariamente privado da
sua nacionalidade nem do 
direito de mudar de nacionalidade. 
 
Artigo 16° 
1- A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e constituir 
família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o 
casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais. 
2- O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos 
futuros esposos. 
3- A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à 
proteção desta e do Estado. 
 
Artigo 17° 
 
 
 25 
1- Toda a pessoa, individual ou coletiva, tem direito à propriedade. 
2- Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade. 
 
Artigo 18° 
Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e 
religião, este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, 
assim em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e 
pelos ritos. 
 
Artigo 19° 
Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, 
o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de 
procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações 
e ideias por qualquer meio de expressão. 
 
Artigo 20° 
1- Toda a pessoa tem direito à liberdade de reunião e de associação pacíficas. 
2- Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação. 
 
Artigo 21° 
1- Toda pessoa tem o direito de tomar parte na direção dos negócios públicos 
do seu país, quer diretamente, quer por intermédio de representantes 
livremente escolhidos. 
2- Toda pessoa tem direito de acesso, em condições de igualdade, às 
funções públicas do seu país. 
3- A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos: e 
deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por 
sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente 
que salvaguarde a liberdade de voto. 
 
Artigo 22° 
Toda pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança 
social e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos econômicos, 
 
 
 26 
sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação 
internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país. 
 
Artigo 23° 
1- Toda pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições 
equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra o desemprego. 
2- Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho 
igual. 
3- Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que 
lhe permita e à sua família uma existência conforme a dignidade humana e 
completada, se possível, por todos os outros meios de proteção social. 
4- Toda pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se 
filiar em sindicatos para defesa dos seus interesses. 
 
Artigo 24° 
Toda pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres, especialmente, a uma 
limitação razoável da duração do trabalho e as férias periódicas pagas. 
 
Artigo 25° 
1- Toda pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à 
sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao 
vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços 
sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, doença, 
invalidez, viuvez, velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência 
por circunstâncias independentes da sua vontade. 
2- A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. 
Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozam da mesma 
proteção social. 
 
Artigo 26° 
1- Toda pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo 
menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino 
elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional dever ser 
 
 
 27 
generalizado, o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em 
plena igualdade, em função do seu mérito. 
2- A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao 
reforço dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais e deve 
favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e 
todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das 
atividades das Nações Unidas para a manutenção da paz. 
3- Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o gênero de educação 
a dar aos filhos. 
 
Artigo 27° 
1- Toda pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da 
comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos 
benefícios que deste resultam. 
2- Todos têm direito à proteção dos interesses morais e materiais ligados a 
qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria. 
 
Artigo 28° 
Toda pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, 
uma ordem capaz de tornar plenamente efetivos os direitos e as liberdades 
enunciadas na presente Declaração. 
 
Artigo 29° 
1- O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível 
o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade. 
2- No exercício deste direito e no gozo destas liberdades ninguém está sujeito 
senão às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a 
promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros 
e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do 
bem-estar numa sociedade democrática. 
3- Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos 
contrariamente e aos fins e aos princípios das Nações Unidas. 
 
 
 
 28 
Artigo 30° 
Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira 
a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo o direito de se entregar a 
alguma atividade ou de praticar algum ato destinado a destruir os direitos e liberdades 
aqui enunciados. 
4.3 A origem e formação dos direitos fundamentais individuais no brasil 
No Brasil, o Estado nacional foi um projeto implantado pelas elites políticas, 
desde o Brasil Reinado, passando pelo Brasil Imperial, até a instalação da República. 
O povo brasileiro não teve participação direta nesse processo de formação do Estado 
nacional. Assim, os direitos fundamentais, tal como aparecem pela primeira vez na 
Constituição Imperial de 1824, foram outorgados pelas elites políticas e adquiriram 
pouca efetividade. 
Nesse contexto histórico, a cidadania foi privilégio de poucos e ainda hoje se 
encontra em um processo de formação que se dá em decorrência dos movimentos 
sociais e populares que fazem surgir os direitos fundamentais. 
No Brasil, desde seu nascimento como Estado independente, foram os 
movimentos sociais que deram sentido e efetividade aos direitos fundamentais e à 
cidadania. 
Verificou-se, em nosso processo histórico, uma inversão, pela qual os direitos 
fundamentais criados nos textos constitucionais, doados de cima para baixo pelas 
elites, nunca foram conhecidos pela população e adquiriram muito pouca efetividade. 
Somente na atualidade os movimentos sociais geram e tornam efetivos alguns direitos 
fundamentais existentes no País. 
Essa inversão, aparentemente contrária a quase tudo o que se tem dito e 
ensinado sobre direitos fundamentais da pessoa humana no Brasil, procura denunciar 
a teoria individualista dos direitos humanos, a qual, sob a roupagem da subjetividade, 
banalizou conquistas históricas da população brasileira, esvaziando os direitos 
humanos em seu significado político e jurídico. Quando um povo não produz os 
movimentos revolucionários ou perde a memória histórica de movimentos populares 
que geraram direitos fundamentais, pode-se dizer que perdeu parte de sua soberania 
e cidadania.
29 
Quando os direitos fundamentais não decorrem de conquistas sociais e 
populares, mas são concedidos em Cartas Constitucionais, num movimento vertical 
de normatização que não conta com a efetiva participação popular no processo 
legiferante, como ocorreu no Brasil, eles tornam-se meras ideologias, que banalizam 
os significados dos direitos fundamentais e ocultam seu significado jurídico e político. 
A possibilidade de tal reflexão só foi possível ao nos depararmos com a situação 
histórica e atual dos direitos fundamentais da pessoa humana no Brasil. Trata-se de 
se admitir uma dura realidade: a cidadania e os direitos fundamentais no Brasil jamais 
alcançaram o sentido histórico, político e jurídico que representaram nos países 
europeus ou nos Estados Unidos da América do Norte. E isso se deve, por um lado, 
à habilidade de nossas elites políticas de protagonizar um processo civilizatório 
patrimonialista e patriarcal e, por outro, à baixa adesão da população a movimentos 
sociais, quase sempre derrotados e apagados ou desfigurados em sua importância 
histórica e política. 
Nos estados nacionais europeus ou mesmo nos Estados Unidos da América 
do Norte, as revoluções burguesas foram decorrência do efetivo exercício da 
cidadania e fizeram surgir declarações de direitos. 
No Brasil, onde o projeto de Estado nacional foi criado artificialmente por uma 
elite política imperial, não se verificou o efetivo exercício da cidadania em seus 
primeiros séculos de existência. Dessa forma, não houve no País uma revolução 
burguesa e os direitos fundamentais foram importados de constituições e declarações 
de direitos de nações europeias ou norte-americana. 
A ideia de cidadania possui uma origem muito antiga, mas que foi reconstruída 
e aperfeiçoada em diferentes momentos da história da civilização ocidental, até tornar-
se um conceito fundamental na luta pela reconstrução dos Estados absolutistas em 
Estados democráticos, nos séculos XVII e XVIII. 
4.4 A Origem Do Conceito De Cidadania E Sua Importância Para O Advento 
Dos Estados Modernos 
A origem do conceito de cidadania é grega. Foi em Atenas, aproximadamente 
no VIII século a. C., que surgiu no Mediterrâneo uma experiência singular: a ideia de 
polis, espécie de cidade autônoma, independente e soberana que era governada, em 
 
 
 30 
última instância, por uma Assembleia de Cidadãos (politai). É verdade que essa 
Assembleia de Cidadãos não contava com a participação de todos, mas apenas dos 
homens livres e nascidos na própria polis. Daí decorria que cidadão entre os gregos 
antigos era o homem livre, senhor de si e que tinha direito de participar da Assembleia 
de Cidadãos. Esse direito de participar da politai, portanto, não era extensivo aos 
escravos, mulheres e crianças, mas apenas aos homens livres que exerciam a prática 
do direito de decidir sobre os destinos políticos, culturais e econômicos da Polis. A 
esse direito de participar da politai e influenciar nos destinos políticos, culturais e 
econômicos da cidade se podia compreender como cidadania na Polis grega antiga. 
Então, como foi possível que uma invenção tão antiga como a cidadania, nascida na 
Grécia há mais de 2.500 anos, chegou até os dias atuais, adquirindo características 
próprias e assumindo importância sine qua non para a vida dos Estados democráticos 
modernos? Como esse instituto da cidadania foi fundamental para a construção dos 
Estados nacionais e dos Estados modernos? 
A resposta para a primeira questão deve ser encontrada na historicidade 
dos movimentos sociais dos povos europeus, e que, mais tarde, estendeu-se por 
todo o mundo ocidental. Ocorre que a experiência grega de cidadania, entre outras 
descobertas do povo grego antigo, influenciou Roma. Os romanos, depois de terem 
vivenciado experiências de reinados por um longo período de sua história, fizeram 
de Roma uma cidade poderosa belicamente a qual expandiu seus domínios para 
além de seu território peninsular. Contudo, ao conquistarem a Grécia, os romanos 
foram por ela conquistados, porquanto, apesar de seu grande poderio militar, sob 
o aspecto cultural, filosófico e político encontravam-se muitos séculos de atraso 
em relação aos gregos. 
Os romanos logo perceberam essa verdade e passaram a receber 
significativa influência do mundo grego em sua vida cultural, política e filosófica. A 
elite romana enviava os filhos para estudarem filosofia, oratória e retórica em 
Atenas. E não era só isso: a arte da medicina, da arquitetura, da pedagogia, tudo 
era estudado em Atenas ou contava com a participação de mestres gregos. Esse 
encontro da cultura greco-romana ficou conhecido como helenismo. 
Roma tornou-se, sob vários aspectos, uma extensão do mundo grego antigo 
e, em decorrência da expansão do Império, introduziu entre os povos europeus 
(então denominados bárbaros) muitos de seus valores culturais, jurídicos e 
 
 
 31 
econômicos. O cidadão romano possuía um status diferenciado dos demais povos 
conquistados. Adquirir cidadania romana implicava em transitar livremente por todo 
o Império Romano sem ser detido ou molestado. Esse processo histórico, como se 
sabe, perdurou por vários séculos, até a queda de Roma, no século V d. C. e o 
início da Idade Média. 
Com o advento da Idade Média, a ideia de cidadania quase desapareceu, 
porquanto o fim do Império Romano significou também um período de 
fragmentação política e cultural, propiciando o predomínio político gradual da Igreja 
Católica. 
Nos períodos da alta à média Idade Média, as vilas e cidades europeias 
formaram-se aos pés dos mosteiros e igrejas. A vida dos homens ilustres e letrados 
formava-se sob a influência das ordens religiosas. Os destinos políticos das 
cidades já não eram decididos pelas Assembleias dos Cidadãos, mas pela 
autoridade religiosa e pelo poder secular, exercido por um príncipe ou rei coroado 
pelo Papa. Nesse cenário, a ideia de cidadania foi substituída pela ideia de súdito, 
que representava o homem livre submetido ao poder político do Rei. Contudo, a 
ideia de cidadania ressurgiria por volta do século XIV com o Renascimento. 
Como se sabe, este representou um retorno de muitos dos valores culturais, 
jurídicos e filosóficos que eram próprios ao mundo greco-romano. A partir de então, 
as cidades e vilas europeias deram início a um lento e gradual processo de 
emancipação política em relação ao poder exercido pela Igreja Católica. Ora, esse 
processo emancipatório das cidades e vilas europeias deu-se por meio dos 
movimentos sociais, entre os quais um de grande importância foi a Reforma 
Protestante, verificada no início de 1517 a partir das teses de Martinho Lutero. Para 
a resposta à segunda indagação, isto é, de que forma esse instituto da cidadania 
foi fundamental para a construção dos Estados nacionais e dos Estados modernos, 
é preciso destacar a importância da Reforma Protestante e o modo pelo qual 
contribuiu para muitos dos fundamentos do surgimento do Estado moderno. 
Ocorre que a Reforma Protestante foi um marco histórico que inaugurou 
valores éticos e políticos inovadores: o fim do domínio político da Igreja Católica; o 
surgimento de liberdades políticas; liberdade de culto e de religião; liberdade de 
imprensa, liberdade de pensamento e, principalmente, liberdade de cátedra nas 
universidades. Evidentemente o fim do predomínio político da Igreja Católica foi 
 
 
 32 
conquista de uma cidadania efetiva que propiciou um movimento social de grande 
importância. Lutero jamais esteve só! Com ele a população alemã enfrentou o 
poder da Igreja Católica de sua época e as reformas religiosas deram causa a 
muitas reformas políticas, as quais influenciaram outros povos e Estados, como a 
Inglaterra e a França. Ora, nesse momento histórico da civilização ocidental, a 
liberdade de cátedra nas universidades foi fundamental para o surgimento de 
novas ideias jurídicas
e políticas. Dentre elas, talvez a mais importante tenha sido 
a que se propôs a reconstruir o conceito de cidadania, o qual passou a ser discutido 
direta ou indiretamente em inúmeras obras acadêmicas que se popularizaram 
entre os jovens e acadêmicos de então. Merece ser mencionadas aquelas de 
autores iluministas, como Montesquieu, Locke, Rousseau e Kant, entre outros, que 
influenciaram no surgimento das revoluções burguesas e, consequentemente, no 
aparecimento dos Estados modernos fundados na cidadania, na democracia 
constitucional e nos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. As ideias 
jurídico-filosóficas que propiciaram a Revolução Americana e a Revolução 
Francesa propagaram-se por todo o mundo e pelo novo mundo. 
 
5 A INEXISTÊNCIA DE REVOLUÇÕES BURGUESAS NO BRASIL E SUAS 
CONSEQUÊNCIAS 
No Brasil não se verificou uma Revolução Burguesa nos moldes como se deu 
na América do Norte ou na Europa. A primeira revolta com significado de natureza 
semelhante às revoluções burguesas ocorridas na Europa foi a Inconfidência Mineira 
(1790). Todos os demais movimentos sociais anteriores, como a Confederação dos 
Tamoios (1562), a formação do Quilombo de Palmares (1602), a Guerra dos 
Bárbaros (1682), a Insurreição Pernambucana (1645), a Revolta do Maranhão (1684) 
ou mesmo a Guerra dos Mascates (1710), não objetivavam a construção da cidadania 
e de um Estado independente nos moldes dos movimentos sociais e revolucionários 
europeus e norte-americanos. 
A Inconfidência Mineira trouxe em sua base ideológica ideias semelhantes 
àquelas divulgadas pelos filósofos iluministas e concretizadas pela Revolução 
Francesa e pela Americana, mas seus líderes foram presos e deportados e as 
iniciativas não foram vitoriosas. Não caberia aqui uma análise aprofundada das razões 
 
 
 33 
que levaram à derrota dos insurgentes ou as teses sobre a ausência de uma classe 
burguesa no Brasil de então. Os fatos significativos decorrentes do movimento 
inconfidente foram a construção artificial dos primeiros valores inerentes à ideia de 
cidadania moderna e de aspirações por um país independente, republicano, sem que 
esse Estado fosse construído sobre fundamentos constitucionais democráticos. 
Contudo, a Inconfidência Mineira foi um marco histórico significativo, pois a ela se 
sucederam a Conjuração Baiana (1798) e a Revolução Pernambucana (1817). Esse 
último movimento defendia a independência de Portugal e reuniu religiosos, 
comerciantes e militares que conseguiram prender o governador e constituir o primeiro 
governo republicano no Brasil. O movimento se estendeu à Paraíba, Rio Grande do 
Norte e parte do Ceará, mas durou menos de três meses. Os revoltosos foram presos 
e condenados à morte pelo fuzilamento. 
Durante o Império, outros movimentos sociais ocorreram, mas todos saíram 
derrotados e desmantelados e seus líderes fuzilados ou enforcados. O primeiro deles 
ficou conhecido como a Confederação do Equador (1824) e verificou-se novamente 
em Recife. Logo que os insurgentes conquistaram o poder estabeleceram um governo 
republicano, que deveria inaugurar um Estado independente, democrático e 
constitucional. Todavia, no dia 19 de setembro do mesmo ano os revolucionários já 
estavam derrotados e receberam penas diversas: fuzilamento, forca ou prisão 
perpétua. A partir desse movimento, outros irromperam ao longo do período Imperial, 
como a Cabanagem (1833) no Pará, a Revolução Farroupilha (1835) no Rio Grande 
do Sul, a Sabinada (1837) na Bahia, a Balaiada (1838) no Maranhão e parte do Piauí 
e Ceará, e a Revolução Praieira (1848) que se estendeu por vários estados brasileiros 
e exigia voto livre e democrático, liberdade de imprensa e trabalho para todos. 
Contudo, todos foram derrotados e poucos contribuíram para a formação de um 
Estado nacional fundado em valores modernos de cidadania. Em vez disso, o que se 
viu foi a construção de um Estado Imperial fundado numa economia escravista e numa 
elite formada por bacharéis de tradição coimbrã, que era o oposto dos ideais 
revolucionários vitoriosos na França Bonapartista ou na América de George 
Washington. 
Proclamada a República, outros tantos movimentos sociais se instalaram no 
Brasil, como a Revolta Armada de 1893 e a Revolução Federalista, ocorrida no mesmo 
ano, no Rio Grande do Sul. Contudo, o movimento social mais radical e que abalou a 
 
 
 34 
nascente República brasileira foi Canudos, no interior da Bahia, onde viviam, em 1896, 
cerca de 20 mil pessoas sob o comando do beato Antônio Conselheiro. Ele iniciou-se 
em novembro de 1896 e a derrota se deu em outubro de 1897. Foram necessárias 
quatro expedições militares para sufocar 25 mil revoltosos. Canudos contribuiu para 
denunciar a grande exclusão social existente no Nordeste brasileiro, mas foi 
compreendido e classificado pelas elites brasileiras como um movimento messiânico, 
comandado por um fanático religioso, sem qualquer fundamentação iluminista ou 
revolucionária burguesa. 
Outros movimentos sociais menores ocorreram durante os primeiros anos da 
República Velha, como a Revolta da Vacina, de 1904 e a Revolta da Chibata, de 1910, 
ambas ocorridas na cidade do Rio de Janeiro. Ainda, a Revolta de Juazeiro, de 1914, 
em Juazeiro do Norte, interior do estado do Ceará, sob a liderança do padre Cícero, 
em que sertanejos pegaram em armas para derrubar o interventor do Estado. O 
governo cedeu, devolvendo o poder ao grupo político que antes controlava o Ceará. 
A Guerra do Contestado, entre 1912 e 1916, na região dos estados do Paraná e Santa 
Catarina, foi um movimento messiânico, com milhares de mortos. Todos esses 
movimentos populares, derrotados e desmantelados, possuíam na verdade uma 
natureza messiânica reacionária. Todos esses movimentos sociais verificados na 
história colonial, imperial e republicana do Brasil não foram decisivos para a 
construção da cidadania no Brasil. E não o foram porque não se fundavam em 
pressupostos teóricos e revolucionários semelhantes àqueles que inauguraram os 
estados burgueses modernos, como se deu na Inglaterra, com a Revolução Gloriosa; 
na França, com a Revolução de 1789; ou nos Estados Unidos da América em sua 
Revolução da Independência. 
Assim sendo, as ideias e ideais de cidadania e de direitos fundamentais no 
Brasil foram importados e transladados do continente europeu diretamente para a 
Constituição Imperial de 1824, que inaugurou um capítulo próprio para os Direitos e 
Garantias Individuais, e que, no entanto, em outros capítulos de seu texto consolidava 
um Estado monárquico, patrimonialista e escravagista. 
Essa contradição inexorável contribuiu para que os direitos e garantias 
individuais fossem compreendidos no ideário nacional como uma ideologia liberal sem 
qualquer efeito concreto sobre a vida política e social do Brasil Imperial. O problema 
maior foi que essa ideologia liberal prosseguiu na vida política do País e passou a 
 
 
 35 
constar em todas as Constituições Republicanas, mesmo naquelas elaboradas sob 
regimes políticos totalitários, como se deu com a Carta Constitucional de 1937 e a 
Carta Constitucional de 1967, com a Emenda Constitucional de 1969. 
A cidadania no Brasil, portanto, pode ser compreendida como um fenômeno de 
formação recente decorrente de movimentos sociais e sindicais iniciados na primeira 
década do século XX e que, sob lideranças anarquistas, exigiram jornadas de trabalho 
de oito horas, descanso semanal remunerado, pagamento de horas extras e outras 
conquistas trabalhistas que, posteriormente, seriam incorporadas na CLT. Além 
desses movimentos sociais das classes trabalhadoras, ocorreram também levantes 
militares nas três primeiras décadas do século XX, primeiro no Rio de Janeiro (1922) 
e depois em São Paulo (1924). Foi o movimento tenentista, que exigia reformas 
profundas no sistema político republicano. Parte desse movimento originou a
famosa 
Coluna Prestes, que até 1927 foi causa de revoltas por todo o País. Por onde passava, 
ateava fogo em Cartórios de Registro de Imóveis, para pôr fim à propriedade privada 
injusta, e organizava triagens nos presídios para colocar em liberdade parte dos 
detentos que eram considerados vítimas de um sistema capitalista desigual e 
excludente. 
Foram os movimentos sociais, em suas várias modalidades e categorias, que 
propiciaram em outubro de 1930 a Revolução de 30. Para alguns historiadores e 
cientistas políticos, foi a primeira Revolução Burguesa ocorrida no Brasil. Apenas dois 
anos depois, no dia 9 de julho de 1932, as oligarquias cafeeiras do estado de São 
Paulo se rebelaram contra a ditadura Vargas, organizando um movimento popular 
conhecido como Revolução de 1932. Apesar da derrota, o movimento representou um 
marco nas lutas pelos direitos fundamentais no Brasil e fez que o País construísse a 
segunda Constituição Republicana, a Constituição de 1934. 
Nas décadas de 1940 e 1950 o Brasil viu florescer seu período de ouro. Na 
economia, nas artes, na música e nos esportes surgiu uma geração que construía 
uma sociedade justa e igualitária, procurando diminuir as desigualdades sociais 
existentes nos segmentos de classes, intensificando a luta para extirpar o 
analfabetismo, instituindo um salário mínimo que buscava concretizar a ideia de 
direitos mínimos aos menos favorecidos. 
O avanço dos movimentos sociais urbanos e o aparecimento das Ligas 
Camponesas, no início da década de 1960 exerceram forte pressão política por 
 
 
 36 
reformas de base na sociedade brasileira, como a exigência de reforma agrária, 
erradicação do analfabetismo e fim da desigualdade entre homens e mulheres nas 
relações trabalhistas, dentre outras reivindicações políticas. Como reação a esses 
movimentos sociais crescentes, as elites políticas, em conjunto com a Igreja Católica, 
organizaram o evento denominado “Marcha da família com Deus pela liberdade”, o 
qual significou o sinal verde para que as forças militares levassem a termo um golpe 
de Estado ocorrido no dia 1º de abril de 1964, fazendo com que o presidente João 
Goulart abandonasse o poder e se exilasse no Uruguai. 
Após o golpe de Estado, os movimentos sociais foram proibidos e duramente 
reprimidos, e as lideranças camponesas e sindicais perseguidas e presas. A Lei de 
Segurança Nacional foi utilizada para prender as forças oposicionistas e as lideranças 
dos movimentos sociais que se erguiam contra a ditadura militar. Milhares foram 
assassinados e desaparecidos, mas os movimentos sociais nunca desapareceram 
totalmente na luta pela redemocratização do País. 
Na década de 1980, a sociedade civil brasileira reorganizou-se em seus 
diversos segmentos e deu início a um processo de manifestações políticas que 
exigiam o fim do governo militar e a redemocratização. Importante foram os papéis 
desempenhados pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) que, em suas reuniões 
anuais, fazia publicar documento exigindo a normalização da vida política do País e 
denunciando os abusos praticados pelo regime militar. De igual importância foram as 
atuações da ABI (Associação Brasileira de Imprensa) pela CNBB (Conferência 
Nacional dos Bispos do Brasil) e pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. 
Por fim, em 1984 o governo militar viu-se amplamente derrotado nas eleições 
gerais para governadores, deputados federais e senadores. Era o fim da ditadura 
militar e o início da redemocratização do Estado brasileiro. Esse momento da história 
brasileira foi marcado pela construção de uma nova Constituição Federal, a 
Constituição de 1988, a mais democrática e representativa Carta Constitucional do 
Estado brasileiro. Contudo, um dos efeitos nefastos do período de governo militar no 
Brasil foi a desmobilização dos movimentos sociais existentes no Brasil. 
 
5.1 Movimentos sociais e cidadania no brasil contemporâneo 
 
 
 37 
Na semana de 21 a 24 de janeiro de 1984 ocorreu na cidade de Cascavel, 
Paraná, o Primeiro Encontro Nacional de Trabalhadores Sem Terra. O MST, como 
ficou conhecido, surgia com objetivos bem definidos: lutar pela terra, pela reforma 
agrária e pela construção de uma sociedade justa e igualitária. Até dezembro de 2010 
o MST contabilizava aproximadamente 350 mil famílias assentadas e 90 mil famílias 
acampadas em todo o Brasil. Além disso, o MST já registra 108 cooperativas de 
trabalhadores e trabalhadoras sem-terra, 65 unidades agroindustriais e uma história 
de luta contra a fome e a mortalidade infantil. 
Destaca-se também que cerca de 120 mil crianças e adolescentes frequentam 
escolas construídas em terras que antes pertenciam a latifúndios improdutivos. O MST 
tem contribuído para a questão da cidadania no Brasil lutando pela terra, pois quanto 
maior for o número de famílias assentadas, menor será o êxodo rural e o número de 
famílias morando em favelas nas cidades. Ademais, ao combater o latifúndio e ao 
assentar famílias sem-terra, o MST propicia o surgimento de cooperativas para 
sustentar o trabalho dessas famílias e a escolaridade para crianças e adolescentes, 
contribuindo para a questão dos direitos humanos e da cidadania no Brasil. 
O MST é um movimento social que trabalha com populações excluídas, 
procurando assentar famílias em propriedades rurais improdutivas, criando 
cooperativas e propiciando trabalho para milhares de trabalhadores rurais. 
Em 1997 surgiu no seio da sociedade brasileira o Movimento dos 
Trabalhadores Sem Teto (MTST) com o objetivo de garantir o direito à moradia e 
construir uma cidade justa e igualitária. O movimento não visa somente àqueles que 
não têm moradia, mas alcança também os desprovidos de condição humana digna e 
que vivem em estado de miserabilidade. A falta de moradia é o principal fator contrário 
a uma vida com dignidade. 
Desde 1940 o problema da moradia tornou-se muito grave no Brasil, pois as 
habitações dos grandes centros urbanos tornaram-se insuficientes para abrigar a 
população expulsa do campo no processo de êxodo rural. Historicamente o MTST 
iniciou suas atividades em 1997, quando 5.200 famílias construíram casas em um 
terreno desapropriado na cidade de Campinas/SP. Esse movimento foi considerado a 
maior ocupação em área urbana da América Latina, conhecido como Parque Oziel. 
 
 
 38 
Em 1998, o MTST passou a realizar ocupações nas cidades de Guarulhos, 
Diadema, Itapevi e também no Nordeste e no Rio de Janeiro, e as ocupações 
chegaram a representar a conquista de 10 mil casas populares. 
Entre os anos de 2001 a 2003 a atuação estendeu-se a todo o Brasil. Em 
Guarulhos/SP, próximo da Rodovia Presidente Dutra, houve a ocupação conhecida 
como Anita Garibaldi, que teve a participação de 10 mil pessoas. Em Osasco/SP, 
ocorreu a ocupação Carlos Lamarca, onde ficava o antigo Lar Consolador da Verdade; 
e, em São Bernardo do Campo/SP foi feita a ocupação Santo Dias, localizada num 
terreno de propriedade da Volkswagen, porém no dia 9 de agosto do mesmo ano a 
Tropa de Choque da Polícia Militar invadiu o terreno e expulsou os ocupantes sem-
teto. Atualmente, o MTST vem contribuindo para um dos mais importantes direitos 
fundamentais: o direito à moradia que é condição sine qua non para a cidadania. 
5.2 Sociedades multiculturais 
 
Fonte: www.diegobrandao.jusbrasil.com.br 
 
O multiculturalismo é conhecido como um fenômeno que estabelece a 
coexistência de várias culturas em um mesmo espaço territorial e nacional. Ele é muito 
comum em nossa época, pois graças aos importantes avanços tecnológicos, ao 
desenvolvimento das comunicações e da interligação de diferentes partes do mundo, 
todas as sociedades podem receber informação sobre outras. Ao mesmo tempo, o 
crescimento das migrações e a travessia legal das fronteiras colaboram com a mistura 
de culturas e sociedades. 
 
 
 39 
As relações entre

Teste o Premium para desbloquear

Aproveite todos os benefícios por 3 dias sem pagar! 😉
Já tem cadastro?