Buscar

Português -7

Prévia do material em texto

SEMANA 2 – Sujeito 
 
 
 
 
 
29 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM 
 
Questão 01 
Assinale a alternativa que contenha a sequência correta sobre as funções da linguagem, importantes 
elementos da comunicação: 
1. Ênfase no emissor (lª pessoa) e na expressão direta de suas emoções e atitudes. 
2. Evidencia o assunto, o objeto, os fatos, os juízos. É a linguagem da comunicação. 
3. Busca mobilizar a atenção do receptor, produzindo um apelo ou uma ordem. 
4. Ênfase no canal para checar sua recepção ou para manter a conexão entre os falantes. 
5. Visa à tradução do código ou à elaboração do discurso, seja ele linguístico ou extralinguístico. 
6. Voltada para o processo de estruturação da mensagem e para seus próprios constituintes, tendo em 
vista produzir um efeito estético. 
( ) função metalinguística. 
( ) função poética. 
( ) função referencial. 
( ) função fática. 
( ) função conativa. 
( ) função emotiva. 
a) 1, 2, 4, 3, 6, 5. b) 5, 2, 6, 4, 3, 1. c) 5, 6, 2, 4, 3, 1. d) 6, 5, 2, 4, 3, 1. e) 3, 5, 2, 4, 6, 1. 
 
Questão 02 - PUC-SP 
A questão é começar 
Coçar e comer é só começar. Conversar e escrever também. Na fala, antes de iniciar, mesmo numa 
livre conversação, é necessário quebrar o gelo. Em nossa civilização apressada, o “bom dia”, o “boa 
tarde, como vai?” já não funcionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo, fala-se do 
tempo ou de futebol. No escrever também poderia ser assim, e deveria haver para a escrita algo como 
conversa vadia, com que se divaga até encontrar assunto para um discurso encadeado. Mas, à 
diferença da conversa falada, nos ensinaram a escrever e na lamentável forma mecânica que supunha 
texto prévio, mensagem já elaborada. Escrevia-se o que antes se pensara. Agora entendo o contrário: 
escrever para pensar, uma outra forma de conversar. 
Assim fomos “alfabetizados”, em obediência a certos rituais. Fomos induzidos a, desde o início, 
escrever bonito e certo. Era preciso ter um começo, um desenvolvimento e um fim predeterminados. 
Isso estragava, porque bitolava, o começo e todo o resto. Tentaremos agora (quem? eu e você, leitor) 
conversando entender como necessitamos nos reeducar para fazer do escrever um ato inaugural; não 
apenas transcrição do que tínhamos em mente, do que já foi pensado ou dito, mas inauguração do 
próprio pensar. “Pare aí”, me diz você. “O escrevente escreve antes, o leitor lê depois.” “Não!”, lhe 
respondo, “Não consigo escrever sem pensar em você por perto, espiando o que escrevo. Não me 
deixe falando sozinho.” 
Pois é; escrever é isso aí: iniciar uma conversa com interlocutores invisíveis, imprevisíveis, virtuais 
apenas, sequer imaginados de carne e ossos, mas sempre ativamente presentes. Depois é espichar 
conversas e novos interlocutores surgem, entram na roda, puxam assuntos. Termina-se sabe Deus onde. 
(Marques, M.O. Escrever é Preciso, Ijuí, Ed. UNIJUÍ, 1997, p. 13). 
 
Observe a seguinte afirmação feita pelo autor: “Em nossa civilização apressada, o “bom dia”, o “boa 
tarde” já não funcionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo, fala-se do tempo ou de 
futebol.” Ela faz referência à função da linguagem cuja meta é “quebrar o gelo”. Indique a alternativa 
que explicita essa função. 
a) Função emotiva d) Função conativa 
b) Função referencial e) Função poética 
c) Função fática 
 
Questão 03 ENEM 
Leia a tirinha de Calvin e Haroldo para responder à questão: 
 
As funções da linguagem podem ser encontradas em vários tipos de textos, inclusive nas histórias em 
quadrinhos Para tentar convencer o pai a comprar seu desenho, Calvin empregou uma função de 
Anotações 
 
 
 
 
 
 30 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
CURSO ANUAL GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO – (Prof. Cláudio Neves) 
linguagem específica. Assinale a alternativa que indica a resposta correta: 
a) função metalinguística. d) função emotiva. 
b) função fática. e) função conativa. 
c) função poética. 
 
Questão 04 ENEM 
Desabafo 
Desculpem-me, mas não dá pra fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá. Não tem 
como disfarçar: esta é uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa da sala que 
esqueci ontem à noite. Seis recados para serem respondidos na secretária eletrônica. Recados 
chatos. Contas para pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou zangado. 
CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002 (fragmento). 
 
Nos textos em geral, é comum a manifestação simultânea de várias funções da linguagem, com o 
predomínio, entretanto, de uma sobre as outras. No fragmento da crônica Desabafo, a função da 
linguagem predominante é a emotiva ou expressiva, pois 
a) o discurso do enunciador tem como foco o próprio código. 
b) a atitude do enunciador se sobrepõe àquilo que está sendo dito. 
c) o interlocutor é o foco do enunciador na construção da mensagem. 
d) o referente é o elemento que se sobressai em detrimento dos demais. 
e) o enunciador tem como objetivo principal a manutenção da comunicação. 
 
Questão 05 (UFVI) 
Quando uma linguagem trata de si própria – por exemplo um filme falando sobre os processos de 
filmagem, um poema desvendando o ato de criação poética, um romance questionando o ato de narrar 
– temos a metalinguagem. 
Esta forma de linguagem predomina em todos os fragmentos, exceto: 
a) “Amo-te como um bicho simplesmente de um amor sem mistério e sem virtude com um desejo 
maciço e permanente.” (Vinicius de Morais) 
b) “Proponho-me a que não seja complexo o que escreverei, embora obrigada a usar as palavras que 
vos sustentam.” (Clarice Lispector) 
c) “Não narro mais pelo prazer de saber. Narro pelo gosto de narrar, sopro palavras e mais palavras, 
componho frases e mais frases.” (Silviano Santiago) 
d) “Agarro o azul do poema pelo fio mais delgado de lã de seu discurso e vou traçando as linhas do 
relâmpago no vidro opaco da janela.” (Gilberto Mendonça Teles) 
e) Que é Poesia? Uma ilha cercada de palavras por todos os lados.” (Cassiano Ricardo) 
 
Questão 06 
 
Que função de linguagem predomina na no anúncio acima? 
a) emotiva; b) referencial; c) fática; d) conativa; e) metalinguística. 
 
Questão 07 
Poema tirado de uma notícia de jornal 
Manuel Bandeira 
 
João Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número 
Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro 
Bebeu 
Cantou 
Dançou 
Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado. 
Além da função poética, que outra predomina na no poema acima? 
a) emotiva; b) referencial; c) fática; d) conativa; e) metalinguística. 
Anotações 
 
SEMANA 2 – Sujeito 
 
 
 
 
 
31 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 
 
O exercício da crônica 
Escrever crônica é uma arte ingrata. Eu digo prosa fiada, como 
faz um cronista; não a prosa de um ficcionista, na qual este é 
levado meio a tapas pelas personagens e situações que, azar dele, 
criou porque quis. Com um prosador do cotidiano, a coisa fia mais 
fino. Senta-se ele diante de uma máquina, olha através da janela 
e busca fundo em sua imaginação um assunto qualquer, de 
referência colhido no noticiário matutino, ou da véspera, 
em que, com suas artimanhas peculiares, possa injetar um 
sangue novo. Se nada houver, restar-lhe o recurso de olhar em 
torno e esperar que, através de um processo associativo, surja-lhe 
de repente a crônica, provinda dos fatos e feitos de sua vida 
emocionalmente despertados pela concentração. Ou então, em 
última instância, recorrer ao assunto da falta de assunto, já 
bastante gasto, mas do qual, no ato de escrever, pode surgir o 
inesperado. 
(MORAES, V. Para viver um grande amor: crônicas e poemas. 
São Paulo: Cia das Letras, 1991). 
 
Questão 01 
Predomina nesse texto a função da linguagem que se constitui 
a) nas diferenças entre o cronista e o ficcionista. 
b) nos elementos que servem de inspiraçãoao cronista. 
c) nos assuntos que podem ser tratados em uma crônica. 
d) no papel da vida do cronista no processo de escrita da crônica. 
e) nas dificuldades de se escrever uma crônica por meio de uma 
crônica. 
 
Questão 02 ENEM 
Ler não é decifrar, como num jogo de adivinhações, o sentido de 
um texto. É, a partir do texto, ser capaz de atribuir-lhe significado, 
conseguir relacioná-lo a todos os outros textos significativos para 
cada um, reconhecer nele o tipo de leitura que seu autor 
pretendia e, dono da própria vontade, entregar-se a essa leitura, 
ou rebelar-se contra ela, propondo uma outra não prevista. 
(LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 
São Paulo: Ática, 1993) 
 
Nesse texto, a autora apresenta reflexões sobre o processo de 
produção de sentidos, valendo-se da metalinguagem. Essa 
função da linguagem torna-se evidente pelo fato de o texto 
a) ressaltar a importância da intertextualidade. 
b) propor leituras diferentes das previsíveis. 
c) apresentar o ponto de vista da autora. 
d) discorrer sobre o ato da leitura. 
e) focar a participação do leitor. 
 
 
Questão 03 - ENEM 
Nessa campanha publicitária, para estimular a economia de 
água, o leitor é incitado a 
a) adotar práticas de consumo consciente. 
b) alterar hábitos de higienização pessoal e residencial. 
c) contrapor-se a formas indiretas de exportação de água. 
d) optar por vestuário produzido com matéria-prima reciclável. 
e) conscientizar produtores rurais sobre os custos de produção. 
 
Questão 04 - ENEM 
14 coisas que você não deve jogar na privada 
Nem no ralo. Elas poluem rios, lagos e mares, o que contamina 
o ambiente e os animais. Também deixa mais difícil obter a água 
que nós mesmos usaremos. Alguns produtos podem causar 
entupimentos: 
cotonete e fio dental; 
medicamento e preservativo; 
óleo de cozinha; 
ponta de cigarro; 
poeira de varrição de casa; 
fio de cabelo e pelo de animais; 
tinta que não seja à base de água; 
querosene, gasolina, solvente, tíner. 
 
Jogue esses produtos no lixo comum. Alguns deles, como óleo 
de cozinha, medicamento e tinta, podem ser levados a pontos 
de coleta especiais, que darão destinação final adequada. 
MORGADO, M.; EMASA. Manual de etiqueta. Planeta Sustentável, jul.-ago. 2013 
(adaptado). 
 
O texto tem objetivo educativo. Nesse sentido, além do foco no 
interlocutor, que caracteriza a função conativa da linguagem, 
predomina também nele a função referencial, que busca 
a) despertar no leitor sentimentos de amor pela natureza, 
induzindo-o a ter atitudes responsáveis que beneficiarão a 
sustentabilidade do planeta. 
b) informar o leitor sobre as consequências da destinação 
inadequada do lixo, orientando-o sobre como fazer o correto 
descarte de alguns dejetos. 
c) transmitir uma mensagem de caráter subjetivo, mostrando 
exemplos de atitudes sustentáveis do autor do texto em relação ao 
planeta. 
d) estabelecer uma comunicação com o leitor, procurando 
certificar-se de que a mensagem sobre ações de sustentabilidade 
está sendo compreendida. 
e) explorar o uso da linguagem, conceituando detalhadamente os 
termos usados de forma a proporcionar melhor compreensão 
do texto. 
 
Questão 05 - ENEM 
Embalagens usadas e resíduos devem ser descartados 
adequadamente 
Todos os meses são recolhidas das rodovias brasileiras centenas 
de milhares de toneladas de lixo. Só nos 22,9 mil quilômetros das 
rodovias paulistas são 41,5 mil toneladas. O hábito de descartar 
embalagens, garrafas, papéis e bitucas de cigarro pelas rodovias 
persiste e tem aumentado nos últimos anos. O problema é que o 
lixo acumulado na rodovia, além de prejudicar o meio ambiente, 
pode impedir o escoamento da água, contribuir para as enchentes, 
provocar incêndios, atrapalhar o trânsito e até causar acidentes. 
Além dos perigos que o lixo representa para os motoristas, o 
 
 
 
 
 32 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
CURSO ANUAL GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO – (Prof. Cláudio Neves) 
material descartado poderia ser devolvido para a cadeia produtiva. 
Ou seja, o papel que está sobrando nas rodovias poderia ter 
melhor destino. Isso também vale para os plásticos inservíveis, que 
poderiam se transformar em sacos de lixo, baldes, cabides e até 
acessórios para os carros. 
Disponível em: www.girodasestradas.com.br. Acesso em: 31 jul. 2012. 
 
Os gêneros textuais correspondem a certos padrões de 
composição de texto, determinados pelo contexto em que são 
produzidos, pelo público a que eles se destinam. Pela leitura do 
texto apresentado, reconhece-se que sua função é 
a) apresentar dados estatísticos sobre a reciclagem no país. 
b) alertar sobre os riscos da falta de sustentabilidade do mercado 
de recicláveis. 
c) divulgar a quantidade de produtos reciclados retirados das 
rodovias brasileiras. 
d) revelar os altos índices de acidentes nas rodovias brasileiras 
poluídas nos últimos anos. 
e) conscientizar sobre a necessidade de preservação ambiental e 
de segurança nas rodovias. 
 
Questão 06 - ENEM 
Há o hipotrélico. O termo é novo, de impensada origem e ainda 
sem definição que lhe apanhe em todas as pétalas o significado. 
Sabe-se, só, que vem do bom português. Para a prática, tome-se 
hipotrélico querendo dizer: antipodático, sengraçante imprizido; ou 
talvez, vicedito: indivíduo pedante, importuno agudo, falta de 
respeito para com a opinião alheia. Sob mais que, tratando-se de 
palavra inventada, e, como adiante se verá, embirrando o 
hipotrélico em não tolerar neologismos, começa ele por se negar 
nominalmente a própria existência. 
(ROSA, G. Tutameia: terceiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001) 
(fragmento). 
 
Nesse trecho de uma obra de Guimarães Rosa, depreende-se a 
predominância de uma das funções da 
a) metalinguística, pois o trecho tem como propósito essencial usar 
a língua portuguesa para explicar a própria língua, por isso a 
utilização de vários sinônimos e definições. 
b) referencial, pois o trecho tem como principal objetivo discorrer 
sobre um fato que não diz respeito ao escritor ou ao leitor, por isso 
o predomínio da terceira pessoa. 
c) fática, pois o trecho apresenta clara tentativa de estabelecimento 
de conexão com o leitor, por isso o emprego dos termos “sabe-se 
lá” e “tome-se hipotrélico”. 
d) poética, pois o trecho trata da criação de palavras novas, 
necessária para textos em prosa, por isso o emprego de 
“hipotrélico”. 
e) expressiva, pois o trecho tem como meta mostrar a subjetividade 
do autor, por isso o uso do advérbio de dúvida “talvez”. 
 
Questão 07 - ENEM 
Uma luz na evolução 
Dois fósseis descobertos na África do Sul, dotados de inusitada 
combinação de características arcaicas e modernas, podem ser 
ancestrais diretos do homem. Os últimos quinze dias foram 
excepcionais para o estudo das origens do homem. No fim de 
março, uma falange fossilizada encontrada na Sibéria revelou uma 
espécie inteiramente nova de hominídeo que existia há 50 000 
anos. Na semana passada, cientistas da Universidade de 
Witwatersrand, na África do Sul, anunciaram uma descoberta 
similar. São duas as ossadas bastante completas ― a de um 
menino de 12 anos e a de uma mulher de 30 ― encontradas na 
caverna Malapa, a 40 quilômetros de Johannesburgo. Devido à 
abundância de fósseis, a região é conhecida como Berço da 
Humanidade. 
(Veja. Abr. 2010) (adaptado). 
 
Sabe-se que as funções da linguagem são reconhecidas por meio 
de recursos utilizados segundo a produção do autor, que, nesse 
texto, centra seu objetivo 
a) na linguagem utilizada, ao enfatizar a maneira como o texto foi 
escrito, sua estrutura e organização. 
b) em si mesmo, ao enfocar suas emoções e sentimentos diante 
das descobertas feitas. 
c) no leitor do texto, ao tentar convencê-lo a praticar uma ação, 
após sua leitura. 
d) no canal de comunicação utilizado, ao querer certificar-se do 
entendimento do leitor. 
e) no conteúdoda mensagem, ao transmitir uma informação ao 
leitor. 
 
Questão 08 - ENEM 
O telefone tocou. 
— Alô? Quem fala? 
— Como? Com quem deseja falar? 
— Quero falar com o sr. Samuel Cardoso. 
— É ele mesmo. Quem fala, por obséquio? 
— Não se lembra mais da minha voz, seu Samuel? 
Faça um esforço. 
— Lamento muito, minha senhora, mas não me 
lembro. Pode dizer-me de quem se trata? 
(ANDRADE, C. D. Contos de aprendiz. Rio de Janeiro: José Olympio, 1958.) 
 
Pela insistência em manter o contato entre o emissor e o receptor, 
predomina no texto a função 
a) metalinguística. d) emotiva. 
b) fática. e) conativa. 
c) referencial. 
 
Questão 09 - INSPER 
“A cena cotidiana, que a maioria já vivenciou, sempre serviu como 
exemplo de conversa superficial. "Está quente hoje", comenta um. 
"Será que vai chover?", indaga o interlocutor desinteressado. Para 
uma fatia dos moradores da região metropolitana de São Paulo, 
contudo, a pergunta não é mais retórica. Revela, ao contrário, 
preocupação genuína com a situação do sistema Cantareira, 
responsável pelo abastecimento hídrico de 8,8 milhões de 
pessoas. 
Por causa da estiagem incomum, tornaram-se frequentes, e não só 
nos elevadores, os diálogos sobre um possível racionamento em 
parte da capital e em municípios próximos. A Sabesp (companhia 
paulista de saneamento básico), por ora, descarta essa hipótese e 
assegura o suprimento até março de 2015.” 
(Folha de S. Paulo, 24/07/2014) 
 
O fragmento acima evidencia os propósitos comunicativos dos 
falantes, a partir de escolhas linguísticas que exploram 
diferentes funções de linguagem. Dessa forma, de acordo com o 
texto, a preocupação com a seca fez com que os diálogos dos 
paulistanos acerca da previsão do tempo deixassem de cumprir 
unicamente o objetivo da função 
a) emotiva d) metalinguística 
b) apelativa e) fática 
c) referencial 
SEMANA 2 – Sujeito 
 
 
 
 
 
33 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
Questão 10 - UFS 
Disparidades raciais 
Fator decisivo para a superação do sistema colonial, o fim do 
trabalho escravo foi seguido pela criação do mito da democracia 
racial no Brasil. Nutriu-se, desde então, a falsa ideia de que haveria 
no país um convívio cordial entre as diversas etnias. 
Aos poucos, porém, pôde-se ver que a coexistência pouco hostil 
entre brancos e negros, por exemplo, mascarava a manutenção de 
uma descomunal desigualdade socioeconômica entre os dois 
grupos e não advinha de uma suposta divisão igualitária de 
oportunidades. 
O cruzamento de alguns dados do último censo do IBGE relativos 
ao Rio de Janeiro permite dimensionar algumas dessas 
inequívocas diferenças. Em 91, o analfabetismo no Estado era 2,5 
vezes maior entre negros do que entre brancos, e quase 60% da 
população negra com mais de 10 anos não havia conseguido 
ultrapassar a 4ª. série do 1º. grau, contra 39% dos brancos. Os 
números relativos ao ensino superior confirmam a cruel 
seletividade imposta pelo fator socioeconômico: até aquele ano, 
12% dos brancos haviam concluído o 3º. Grau, contra só 2,5% dos 
negros. 
É inegável que a discrepância racial vem diminuindo ao longo do 
século: o analfabetismo no Rio de Janeiro era muito maior entre 
negros com mais de 70 anos do que entre os de menos de 40 
anos. Essa queda, porém, ainda não se traduziu numa 
proporcional equalização de oportunidades. 
Considerando que o Rio de Janeiro é uma das unidades mais 
desenvolvidas do país e com acentuada tradição urbana, parece 
inevitável extrapolar para outras regiões a inquietação resultante 
desses dados. 
(Folha de São Paulo, 9. de jun. de 1996. Adaptado). 
 
Considerando as funções que a linguagem pode desempenhar, 
reconhecemos que, no texto acima, predomina a função: 
a) apelativa: alguém pretende convencer o interlocutor acerca da 
superioridade de um produto. 
b) expressiva: o autor tenciona apenas transparecer seus 
sentimentos e emoções pessoais. 
c) fática: o propósito comunicativo em jogo é o de entrar em 
contato com o parceiro da interação. 
d) estética: o autor tem a pretensão de despertar no leitor o prazer 
e a emoção da arte pela palavra. 
e) referencial: o autor discorre acerca de um tema e expõe sobre 
ele considerações pertinentes. 
 
Questão 11 - ENEM 
A linguagem 
na ponta da língua 
tão fácil de falar 
e de entender. 
A linguagem 
na superfície estrelada de letras, 
sabe lá o que quer dizer? 
Professor Carlos Góis, ele e quem sabe, 
e vai desmatando 10 
o amazonas de minha ignorância. 
Figuras de gramática, esquemáticas, 
atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me. 
Já esqueci a língua em que comia, 
em que pedia para ir lá fora, 
em que levava e dava pontapé, 
a língua, breve língua entrecortada 
do namoro com a priminha. 
O português são dois; o outro, mistério. 
(Carlos Drummond de Andrade. Esquecer para lembrar. Rio de Janeiro: José 
Olympio, 1979.) 
 
Explorando a função emotiva da linguagem, o poeta expressa o 
contraste entre marcas de variação de usos da linguagem em 
a) situações formais e informais. 
b) diferentes regiões dos pais. 
c) escolas literárias distintas. 
d) textos técnicos e poéticos. 
e) diferentes épocas 
 
Questão 12 - ENEM CANCELADO-2009 
Sentimental 
 
Ponho-me a escrever teu nome 
com letras de macarrão. 
No prato, a sopa esfria, cheia de escamas e debruçados na 
mesa todos contemplam 
esse romântico trabalho. 
 
Desgraçadamente falta uma letra, uma letra somente para 
acabar teu nome! 
— Está sonhando? Olhe que a sopa esfria! 
Eu estava sonhando... 
E há em todas as consciências este cartaz amarelo: "Neste 
país é proibido sonhar." 
(ANDRADE, C. D. Seleta em Prosa e Verso. Rio de Janeiro: Record, 1995.) 
 
Com base na leitura do poema, a respeito do uso e da 
predominância das funções da linguagem no texto de Drummond, 
pode-se afirmar que 
a) por meio dos versos "Ponho-me a escrever teu nome" (v.1) e 
"esse romântico trabalho" (v.5), o poeta faz referências ao seu 
próprio ofício: o gesto de escrever poemas líricos. 
b) a linguagem essencialmente poética que constitui os versos "No 
prato, a sopa esfria, cheia de escamas e debruçados na mesa 
todos contemplam" (v.3 e 4) confere ao poema uma atmosfera 
irreal e impede o leitor de reconhecer no texto dados constitutivos 
de uma cena realista. 
c) na primeira estrofe, o poeta constrói uma linguagem centrada na 
amada, receptora da mensagem, mas, na segunda, ele deixa de se 
dirigir a ela e passa a exprimir o que sente. 
d) em "Eu estava sonhando..." (v. 10), o poeta demonstra que está 
mais preocupado em responder à pergunta feita anteriormente e, 
assim, dar continuidade ao diálogo com seus interlocutores do que 
em expressar algo sobre si mesmo. 
e) no verso "Neste país é proibido sonhar." (v. 12), o poeta 
abandona a linguagem poética para fazer uso da função 
referencial, informando sobre o conteúdo do "cartaz amarelo" (v.11) 
presente no local. 
 
Questão 13 
Mack 
Estou farto do lirismo comedido 
Do lirismo bem comportado 
Do lirismo funcionário público com livro de ponto 
expediente 
[protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor.

Outros materiais

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Perguntas Recentes