Buscar

Revisão Semiológia Farmacêutica

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

REVISÃO SEMIOLOGIA FARMACÊUTICA
OQUE É?
É uma das áreas do conhecimento que auxiliam o farmacêutico no reconhecimento da(s) necessidade(s) e do(s) problema(s) de saúde do paciente, a partir de uma demanda ou queixa apresentada, e na seleção da melhor intervenção e tratamento.
OBJETIVOS 
Consistem as etapas do processo semiológico e o raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica, incluindo o acolhimento da demanda, a coleta e análise das informações, a identificação da(s) necessidade(s) e do(s) problema(s) de saúde, a constatação de situações de alerta para o encaminhamento, a seleção da intervenção adequada, a elaboração do plano de cuidado, a avaliação dos resultados e a documentação do processo de cuidado em saúde
ANAMNESE
 A palavra Significa, portanto, trazer à memória todos os fatos relacionados à doença e à pessoa doente.
DIFERENÇA ENTRE DADOS OBJETIVOS E SUBJETIVOS
DADOS SUBJETIVOS: incluem os sintomas e outras informações relatadas pelo paciente, que são de natureza descritiva e que, geralmente, não podem ser confirmadas por exames e testes.
DADOS OBJETIVOS: correspondem aos resultados obtidos nos exames físicos e laboratoriais, testes diagnósticos, incluindo os fatores de riscos que podem ser mensuráveis com escalas apropriadas para estratificação de risco.
EXAME CLÍNICO
 Compreende a anamnese e o exame físico para avaliação da(s) necessidade(s) de saúde do paciente.
 EXAME FÍSICO 
Envolve inspeção, palpação, percussão, ausculta, olfato e uso de alguns instrumentos e aparelhos simples para avaliação da(s) necessidade(s) de saúde do paciente.
NECESSIDADES DE SAÚDE 
indica que as necessidades de saúde englobam boas condições de vida; acesso e utilização das tecnologias de atenção à saúde; vínculos entre usuário, profissional e equipe de saúde, e o desenvolvimento da autonomia do paciente.
PROBLEMA DE SAÚDE
Problema de saúde É qualquer queixa, observação ou evento que o paciente ou o profissional da saúde percebe como um desvio da normalidade, que já afetou, afeta ou poderá afetar a capacidade funcional do paciente
PROPEDÊUTICA E SEMIOGÊNESE
 Consistem em conhecer e buscar os sintomas e sinais, compreender sua gênese, aprender a coletar os dados da anamnese e do exame físico para avaliação das necessidades de saúde do paciente
SEMIOTÉCNICA 
Consiste na técnica de coleta dos sinais e/ou sintomas para avaliação da(s) necessidade(s) de saúde do paciente.
SINAIS 
São dados objetivos que podem ser avaliados pelo examinador, por meio da inspeção, palpação, percussão, ausculta, ou evidenciados mediante outras manobras.São exemplos de sinais: temperatura corporal, pressão arterial, tosse, edema, cianose, presença de sangue na urina, entre outros.
SINTOMAS
São percepções do paciente de condição de saúde anormal. Como não são mensuráveis pelo examinador, não são absolutas. São exemplos de sintomas: dor, indigestão, tontura, náusea, dormência e tristeza.
ETAPAS DO PROCESSO SEMIOLOGICO
É importante considerar que, em seu dia-a-dia, as pessoas realizam ações a fim de prevenir doenças e controlar ou reduzir o impacto de condições mórbidas na sua vida. Cabe ao farmacêutico, por meio de escuta ativa, fazer o acolhimento da demanda, a anamnese farmacêutica com os objetivos de coletar informações para identificar as necessidades e elaborar o plano de cuidado, pactuado com o paciente, assim como proceder à avaliação dos resultados.
ETAPAS DO RACIOCINIO CLINICO 
ELEMENTOS DA ANMNESE
1. identificação
2. queixa principal ou demanda
3. história da doença atual
4. histórico médico
5. história familiar
6. história pessoal e social 
7. revisão por aparelho (RA) ou por sistemas (RS)
AVALIAÇÃO DOS SINAIS E/OU SINTOMAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA(S) NECESSIDADE(S) E DO(S) PROBLEMA(S) DE SAÚDE.
IDENTIFICAÇÃO DE SITUAÇÕES ESPECIAIS E PRECAUÇÕES 
Identificada as necessidades e os problemas de saúde do paciente, é necessário complementar a análise com informações que podem modificar a definição da conduta, incluindo situações adicionais de alerta para o encaminhamento e as que indicam a necessidade de personalização da conduta.
PLANO DE CUIDADO
Uma vez estabelecidas a(s) necessidade(s) e o(s) problema(s) de saúde do paciente e determinada a ausência de sinais e/ou sintomas de alerta para encaminhamento, prossegue-se a análise das possíveis condutas, de acordo com as melhores evidências disponíveis
Elementos do plano de cuidado
TERAPIA FARMACOLÓGICA 
é A terapia medicamentosa é uma especialidade das Ciências Farmacêuticas, porém, caracterizada por processos multidisciplinares que garantem o uso adequado dos medicamentos para a prevenção ou tratamento de doenças.
TERAPIA NÃO FARMACOLÓGICA 
As não farmacológicas podem incluir recomendações de mudanças de hábitos de vida, dietéticas ou do ambiente, entre outras intervenções educativas.
EDUCAÇÃO E ORIENTAÇÃO AO PACIENTE 
O farmacêutico deve garantir que o paciente entenda o seu problema de saúde, as intervenções realizadas, o plano de cuidado a ser seguido e a avaliação dos resultados.
AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS 
É responsabilidade do farmacêutico avaliar o alcance dos objetivos das intervenções selecionadas. Além disso, é a avaliação que possibilita a identificação precoce de problemas que interferem na obtenção dos resultados terapêuticos desejados, como a inefetividade do(s) medicamento(s) ou o surgimento de reações adversas.
MÉTODOS DE REGISTRO DE DADOS DO USUÁRIO E DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO
Registro Farmacêutico: todas as etapas do atendimento farmacêutico devem ser registradas no prontuário a fim de garantir a longitudinalidade e integralidade do cuidado em saúde, servindo de memoria para a historia clinica, historia da medicação
Organização e registro de dados no prontuário
Sistema e-SUS Atenção Básica (e-SUS AB)
Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC).
Registro Clinico Orientado por Problemas (RCOP) 
Classificação Internacional de Atenção Primaria (CIAP).
Registro Clinico Orientado por Problemas (RCOP)
O MODELO RCOP E COMPOSTO POR QUATRO COMPONENTES: 
1. Base de Dados É composta pelas informações e dados obtidos na historia de vida (identificação, antecedentes pessoais, antecedentes familiares),
2. Lista de Problemas (folha de rosto): corresponde a uma lista de problemas organizada cronologicamente, conforme ordem de aparecimento dos problemas ao longo do tempo
3. Evolução (utilizando o método SOAP): o método SOAP, usado para organizar as notas de evolução no atendimento ao cidadão,
4. Folha de Acompanhamento: a avaliação da evolução de determinada situação, especialmente em situações crônicas, pode ser anotada em fichas de acompanhamento. 
METODOS DE REGISTRO SOAP 
DADOS SUBJETIVOS E DADOS OBJETIVOS
AVALIAÇÃO: refere-se as conclusões sobre as necessidades do paciente, particularmente aquelas relacionadas a farmacoterapia, a partir da analise das informações subjetivas e objetivas obtidas nas etapas anteriores
PLANO: contem as informações e orientações prestadas aos usuários e familiares, incluindo sugestões de ajuste da farmacoterapia, reorganização do regime terapêutico, educação em saúde e encaminhamentos a outros profissionais. 
MÉTODOS DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO
É o serviço pelo qual o farmacêutico realiza o gerenciamento da farmacoterapia, por meio da análise das condições de saúde, dos fatores de risco e do tratamento do paciente, da implantação de um conjunto de intervenções gerenciais, educacionais e do acompanhamento do paciente.
 METODOS DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO
Pharmacist’s Workup of Drug Therapy (PWDT): O termo pode ser traduzido como “avaliação farmacêutica da terapia medicamentosa” e objetiva avaliar as necessidades do paciente em relação aos resultados terapêuticos obtidos pelos medicamentos.
método PW, o Pharmaceutical Care (Cuidado Farmacêutico) passou a ser definido como uma “pratica na qual o profissional assume a responsabilidade pelas necessidades do paciente relacionadas aos medicamentos.
ETAPAS DO PW
1. Coleta de dados
2. Identificação dos problemas relacionadas a farmacoterapia
3. Desenvolvimento do planode cuidado 
4. Monitorização e avaliação
METODO DADER
O Método Dader de seguimento farmacoterapêutico permite registrar, monitorar e avaliar os efeitos da farmacoterapia utilizada por um paciente, em qualquer âmbito assistencial, de forma sistematizada, continuada e documentada.
ETAPAS DO DADER
1. Oferta do serviço (seleção, oferta e inclusão do usuário no serviço)
2. Entrevista farmacêutica ( coleta de informações e revisão geral do sistema)
3. Estado situacional (sistematização, por ordem cronológica dos problemas de saúde e medicamentos utilizados) (permite acompanhar o estado de saúde do paciente em determinada data)
4. Fase de estudo ( avaliação da necessidade, afetividade, e segurança dos medicamentos utilizados, e existências de problemas não tratados.)
5. Fase de avaliação (identificação dos resultados negativos, e outras necessidades)
6. Fase de intervenção (elaboração e pactuação do plano de ação)
7. Entrevistas sucessivas ( monitoramento e avaliação das intervenções farmacêuticas em andamento)
PROBLEMAS RELACIONADOS COM MEDICAMENTOS (PRM)
TIPOS DE PRM
INDICAÇÃO: 1.farmacoterapia desnecessária
 2. necessidade farmacoterapia adicional
EFETIVIDADE: 1.farmaco inefetivo
 2. dosagem baixa
SEGURANÇA: 1.reação adversa
 2.dosagem alta
ADESÃO: 1.não adesão
image5.emf
image6.emf
image7.emf
image8.emf
image1.png
image2.png
image3.png
image4.emf

Mais conteúdos dessa disciplina