Buscar

Prévia do material em texto

DIREITO CIVIL 
DEFEITOS DO NEGÓCIO JURÍDICO
VONTADE 
A manifestação de vontade consiste em um dos elementos mais importantes e essencial para existência do negócio jurídico, no entanto, tal manifestação deve ocorrer de forma livre e espontânea.
Ocorre que durante a sua formação ou na sua declaração podem ocorrer algum defeito, situação que poderá trazer prejuízo ao declarante, a terceiro ou à ordem pública.
São os chamados defeitos do negócio jurídico.
DEFEITOS DO NEGÓCIO JURÍDICO 
Os defeitos dos negócios jurídicos se classificam em:
Vícios do Consentimento: são aqueles em que a vontade não é expressa de maneira absolutamente livre. (Erro; Dolo; Coação; Lesão e; Estado de Perigo).
Vícios Sociais: são aqueles em que a vontade manifestada não tem, na realidade, a intenção pura e de boa-fé que enuncia (Fraude contra Credores e Simulação).
FRAUDE CONTRA CREDORES
É um vício social porque atinge um terceiro estranho ao negócio jurídico original. 
Em regra, a fraude contra credores decorre da transferência de bens realizada pelo devedor com o objetivo de dificultar o adimplemento da obrigação. 
Credor: Pessoa que tem a receber um crédito, um serviço, um bem...
Devedor: Pessoa que está obrigada a pagar uma quantia, prestar um serviço, entregar um bem... 
AUTOR DA AÇÃO PAULIANA/REVOCATÓRIA
Poderão ser autores da ação pauliana os credores quirografários, ou seja, aqueles que não possuem uma garantia real ou preferencial.
Os que possuem uma garantia real devem executar a própria garantia.
Também poderão ser autores da ação pauliana os credores cuja garantia se tornarem insuficientes (art. 158, § 1º do CC).
RÉUS DA AÇÃO PAULIANA/REVOCATÓRIA
Art. 161. A ação, nos casos dos arts. 158 e 159, poderá ser intentada contra o devedor insolvente, a pessoa que com ele celebrou a estipulação considerada fraudulenta, ou terceiros adquirentes que hajam procedido de má-fé.
Devedor insolvente;
Pessoa que celebrou o negócio com o devedor;
Terceiro adquirente de má-fé (boa-fé também).
EFEITOS DA AÇÃO PAULIANA/REVOCATÓRIA 
Art. 165. Anulados os negócios fraudulentos, a vantagem resultante reverterá em proveito do acervo sobre que se tenha de efetuar o concurso de credores.
anulado, os bens retornam ao patrimônio do devedor;
Havendo vários credores, o patrimônio será partilhado proporcionalmente entre os credores, na proporção de seus créditos.
Parágrafo único. Se esses negócios tinham por único objeto atribuir direitos preferenciais, mediante hipoteca, penhor ou anticrese, sua invalidade importará somente na anulação da preferência ajustada.
REQUISITOS DA AÇÃO PAULIANA/REVOCATÓRIA 
São requisitos da ação pauliana:
Consilium fraudis: O Consilium Fraudis é o elemento subjetivo a má fé, o intuito malicioso de prejudicar.
Eventus damni: O Eventus Damni é o elemento objetivo, é todo ato prejudicial ao credor, por tornar insolvente o devedor, ou por ter sido praticado em estado de insolvência.
Anterioridade do Crédito: a dívida deve ser antes do ato (art. 158, § 2ª);
Scienta fraudis: ciência da fraude.
REQUISITOS DA AÇÃO PAULIANA/REVOCATÓRIA 
Art. 164. Presumem-se, porém, de boa-fé e valem os negócios ordinários indispensáveis à manutenção de estabelecimento mercantil, rural, ou industrial, ou à subsistência do devedor e de sua família.
Exemplos: 
Pai vende o seu único imóvel para pagar a cirurgia de um filho. 
Empresa vende um terreno para pagar o 13º dos colaboradores.
ATOS DE FRAUDE CONTRA CREDORES
Cinco são os atos de fraude contra credores:
Transmissão gratuita de bens (art. 158); 
Remissão de dívidas (art. 158);
Transmissão onerosa de bens (art. 158);
Pagamento de dívidas não vencidas (art. 162);
Atribuição de garantias de dívidas (art. 163).

Mais conteúdos dessa disciplina