Doenças Sexualmente Transmissíveis
6 pág.

Doenças Sexualmente Transmissíveis


DisciplinaUrologia717 materiais1.404 seguidores
Pré-visualização3 páginas
UROLOGIA
Conferência 07 \u2013 22/09/14
DSTs
Alta incidência e prevalência sugere um risco substancial de exposição a DST.
Consequências: 
-Herpes: neuropatia herpética \u2013 dores crônicas, aborto, prematuridade, infecções fatais do RN.
-Hepatite B: cirrose e morte por hepatopatia.
-HIV: lesões imunológicas \u2013 18.000 mortes/ano
DST
-Prevenção, diagnóstico e tratamento precoce.
-Prevenção:
Abstensão de atividade sexual
Reduzir o numero de parceitos
Uso de preservativos de maneira correta e consistente
Vacinação \u2013 hepatite B e HPV
-Rastreamento (screening) para grupos de alto risco
-Tratamento de pessoas infectadas
SCREENING
-Todos os adultos devem ser testados para HIV uma vez na vida
-Teste anual para clamydia \u2013 mulheres sexualmente ativas com 25 anos ou menos, mulheres acima de 25 anos com fator de risco como múltiplos parceiros ou parceiros novos.
-Screening anual para gonorreia: mulheres sexualmente ativas.....
-Sífilis, HIV, clamydia, hepatite B para todas as gestantes.
-Screening para gonorreia para gestantes de risco na primeira visita prenatal.
-Trichomonas: teste anual para mulheres HIV +
-Screening anual para sífilis, clamydia, gonorreia e HIV: gays, bisexuais, MSM (homens que fazem sexo com homens) com múltiplos parceiros ou anônimos a cada 3-6 meses ou com uso de drogas ilícitas.
DST
-Pessoas de alto risco
-Jovens de 18 a 28
-Viajantes internacionais \u2013 esta entre 3 riscos mais frequentes deste grupo (diarreia, hepatite, acidente de veículos automotores).
-Mulheres tem maior risco
Quando expostas \u2013 tem mais chance de adquirir
Mais chance de se tornar assintomáticas \u2013 portadoras
Pode causar doença inflamatória pélvica
-ITU de repetição ou sintomas irritativos com urina estéril 
-Mulheres com sinais de ITU em atendimento de emergência
-Mulheres que fazem sexo com mulheres \u2013 alta incidência de HPV
-Mulheres e homens com sexo oral ...
ÚLCERAS GENITAIS
-Sensibilidade de diagnóstico das ulceras 31-35% e especificidade de 94-95%
-Linfonodos não contribuem para acurácia diagnóstica
-O paciente pode ter mais de uma DST \u2013 10% dos pacientes com cancroide tem herpes ou sífilis.
-DST mais comuns associadas a ulceras:
Herpes simples
Sifilis
Cancroide
Linfogranuloma venéreo
HERPES VIRUS SIMPLES (HVS)
-Infecção genital por herpes afeta mais de 50 milhões de pessoas nos EUA.
-Agente etiológico: tipo 1 (10-15%) e tipo 2 (85-90%)
-Transmissão pela lesão ou secreções
Infecções silenciosas são comuns \u2013 75% da transmissão viral
80% das mulheres com anticorpo HVS-2 não tem historia de infecção.
-Período de incubação de 1 a 26 dias, media de 4 dias.
-Infecção na infância por HVS-1 não genital protegem contra infecção por HVS-2 em adultos.
Manifestação Clínica
Úlceras dolorosas em genitália e anus. Linfoadenopatia inguinal dolorosa bilateral. Eritema \u2013 base de eritema com vesículas \u2013 Ulceras. Não seguem trajeto neuronal.
Primoinfecção
Sintomas constitucionais como febre, mal estar e mialgia. Radiculomielopatia sacral associada à infecção primária anal. Lesões uretras podem levar a retenção urinária transitória em mulher.
Episódios recorrentes são menos severos \u2013 representa a apresentação habitual diagnosticada \u2013 3 fases
Pródromos \u2013 24h antes - prurido, parestesia ou dor em trajeto neuronal. Fase clínica ativa - erosões ulceradas autolimitadas. Fase reparadora - deixam cicatriz.
Diagnóstico
Cultura viral com identificação de subtipos goldstandard. Resultado em 5 dias, específico. Sensibilidade de 30-95 \u2013 depende do estágio da lesão e se foi primoinfecção ou recorrência.
Mulheres com HVS-1 tem 1 recorrência no 1º ano e raramente recorre após.
HVS-2 tem 4 recorrências no 1º e recorrência diminui lentamente após o 1º ano.
Anticorpos tipo específico que identificam uma glicoproteína.
Detecção de antígenos
PCR extremamente sensível \u2013 permite identificar o tipo viral.
Tratamento
Aciclovir 100 mg \u2013 primoinfecção: 400 mg 8/8h por 7 a 10 dias ou 200 mg 5x ao dia por 7-10 dias. Recorrência: 400 mg 8/8h por 5 dias ou 800 mg de 8/8h por 2 dias ou de 12/12h por 5 dias.
Terapia supressiva: 400 mg 12/12h
-Fanciclovir \u2013 a facilidade é a posologia. 
-Valaciclovir \u2013 é o mais fácil de tomar, 1g de 12/12 por 7-10 dias, mas é o mais caro. 
CANCROIDE \u2013 CANCRO MOLE
Lesão venérea ulcerada genital mais comum no mundo, rara nos EUA. Afeta homens 3x mais que mulheres. 
Período de incubação de 1 a 21 dias, média 2 a 5 dias. Agente: Haemophilus.
Transmissão por lesões ou secreção.
Lesão venera ulcerada genital. Dolorosa. Habitualmente múltipla. A úlcera supura abundantemente. Base friável coberta por exsudato purulento cinza ou amarelado. Borda irregular talhadas a pique. Base mole. Pode entender-se lateralmente por contato para as coxas e nádegas. Tendência à supuração e fistulização.
Linfadenite inguinal, dolorosa, unilateral (Bubão).
Diagnóstico
-Cultura \u2013 difícil
-Bacterioscopia de material obtido de bordo da lesão
-PCR
Tratamento
Dose única \u2013 Azitromicina 1g VO ou ceftriaxona 250 mg IM.
Regimes alternativos: Ciprofloxacina 500 VO de 12/12h por 3 dias. Eritromicina 500 mg VO de 8/8h por 7 dias.
Melhora subjetiva com 3 dias e desaparecimento das lesões em 7-14 dias.
Parceiros devem ser examinados e tratados se relações 2 semanas antes de notar a lesão.
Tratar o bubão.
SÍFILIS
Lesão venérea ulcerada genital. 10 a 90 dias, média 2 a 4 semanas. Treponema. Contato com lesão ou transfusão sanguínea
Primária
Lesão ulcerada única que aparece após 3 semanas e persiste por 4 a 6 semanas. Úlcera não supurada \u2013 somente exsudato sero-sanguinolento. Úlcera superficial de fundo liso e de cor vermelho escura (cor de músculo). Indolor. Base da lesão endurecida, de consistência firme.
Linfonodo
Adenite monoganglionar (+ frequente)
Inguinal ou regional
Indolor
Gânglio móvel
Elástico
Sem inflamação aguda (bubão frio)
Secundária
Aparece após 4 a 10 semanas do aparecimento da úlcera, mas pode aparecer após 24 meses.
Mucocutânea: rash cutâneo maculopapular, troncos e membros, linfodenopatia generalizada, após várias semanas rash papular. Endarterite: pode tornar-se necrótico e pustular. Estende-se para regiões palmar e plantar. Área intertriginosa: pápulas podem evoluir para condiloma lata.
Manifestação sistêmica: hepatite e/ou glomerulonefrite induzida por imunocomplexos.
Terciária
Pacientes não tratados: 1/3 vão desenvolver a forma terciária. Doença sistêmica pode envolver qualquer órgão: cardiovascular, esqueleto, SNC (Neurosífilis: meningite, neurite óptica, paresia generalizada) e pele.
Sífilis latente
Soropositividade sem evidência clínica da doença. 
Sífilis latente precoce: adquirida até 1 ano.
Sífilis latente tardia: após 1 ano, ou todas as outras latentes, incluindo as de tempo indeterminado.
No produto concepcional pode causar: abortamento, óbito intra-utero, prematuridade, lesões fatais, infecção fatal.
Diagnóstico
Pesquisa de treponema em campo escuro da lesão primaria ou secundária. 
Anticorpo de imunofluorescência direta. 
Testes sorológicos: treponêmicos (qualitativo) e não treponemicos (qualitativo e quantitativo). Uso de um tipo de teste não é suficiente!
Testes não treponêmicos
-RPR e VDRL \u2013 falso positivo: 1-2%
-Servem para rastreamento
-Correlacionam-se com a atividade da doença e se tornam negativos após 1 ano após o tratamento.
-Cicatriz sorológica em poucos casos
-Uma diferença de 4x na titulação é reflexo de alteração clinica.
-Elevação de 4x após tratamento \u2013 terapia ineficaz ou re-infecção.
-Redução de 4x após o tratamento \u2013 terapia eficaz
-Se positivo (titulação acima de 1:8) confirmar com testes treponêmicos.
Testes treponêmicos: 
- TP-PA e FTA-ABs
Tratamento
-Penicilina G benzatina 2.400.000 UI intramuscular
-Reação de Jarisch-Herxheimer: cefaleia, taquicardia, taquipnéia, náuseas e vômitos. Após 24h do tratamento com penicilina. Pode causar parto prematuro.
-Alérgicos a penicilina: doxicilina 100 mg VO de 12/12h por 14 dias ou tetraciclina 500 mg VO por 14 dias.
Tratamento da sífilis latente ou