RESUMO DE RADIOLOGIA-2.docx
9 pág.

RESUMO DE RADIOLOGIA-2.docx

Disciplina:Radiologia Odontológica301 materiais3.584 seguidores
Pré-visualização3 páginas
RADIOLOGIA
Ciência ou estudo da radiação em medicina, que utiliza os raio-x, substância radioativas. É utilizada mais para diagnóstico.
* A importância das radiografias odontológicas, permitem a profissional identificar muitas condições que poderiam passar clinicamente despercebidas.

O exame clínico tem a visão clínica dos tecidos moles e dentes.

A radiografia detecta doenças ou condições que não apresentam sinais clínicos ou sintomas.

O raio x “ilumina o histórico do paciente”.

Histórico
- Foi descoberto 08/11/1895, pelo professor Wilhelm Conrad no instituto de física.
Descrição de sua descoberta
- Os raios x atravessam corpos opacos a luz.
- Provocam fluorescência em certos materiais.
- A radiopacidade dos corpos é proporcional à sua densidade, à espessura.
- Não são refletidos por campos magnéticos.
- Não sofrem polarização.
- São invisíveis.
- Impressionam filmes fotográficos.
- Os raios-x originam-se do ponto de impacto dos raios catódicos no vidro de gás.
- Os raios-x propagam-se em linha reta.
- Não são refratários nem refletíveis, nem podem ser focalizados por lentes.

Vinte dias após a comunicação de Rontgen, houve a primeira radiografia dental.
Antigamente os filmes eram feitos manualmente.

* Começou com as técnicas intrabucais:
	- Bissetriz: introduzida por Weston Price
	- Paralelismo: F. Gordon 1947
	- Interproximal: Howard Riley Raper em 1925

A técnica extrabucal mais utilizada é a radiografia panorâmica.

Física da Radiação
Matéria: qualquer coisa que ocupa lugar e possui massa. Sua unidade fundamental é o ÁTOMO.

# Átomo:
- porção central: Núcleo
- Elétrons: Orbitária

Núcleo: composto por partículas de prótons e nêutrons. O número de prótons e nêutrons determina a massa ou peso atômico sendo o número de prótons igual ao número de nêutrons e estes determinam o número atômico.
Cada átomo tem um número atômico que vai do 1 até 105. São classificados de crescente de acordo com o seu número atômico na tabela periódica dos elementos.

Elétrons: negativo, pouca massa, giram em torno de camadas bem definidas as órbitas.

O núcleo tem carga positiva dividida em prótons e nêutrons.

Possui várias camadas que são separados por uma força.

K L M
2 8 16

A energia para remover um elétron de sua camada deve ser maior que sua energia de ligação.
1 KeV = 1000 KeV

Radiação é a emissão de energia.

Ionizantes: as radiações que ao atravessar uma substância tem a propriedade de remover elétrons orbitais de átomos constituintes de moléculas.
Ionização: Produção de íons, átomo que ganha ou perde elétrons tornando-se eletricamente instável.

Pode ser dividido em dois grupos:
- Corpusculares
- Eletromagnéticas

Corpusculares:
É formado por partículas diminutas de matéria que possuem massa e se propagam em alta velocidade em linha reta, energia cinética.
Os feixes de elétrons em alta velocidade gerados em tubo de raio-x ao se chocarem com o vidro produzem raio-x.

Radiação eletromagnético:
Energia ondulatória (sem massa) através do espaço ou matéria. Geralmente produzida pelo homem. Ex: raios ultravioleta.

Radiação X:
Eletromagnetismo (sem massa). Os fótons de raios x integram com a matéria que eles penetram causando ionização.

Propriedades dos Raios X
- São invisíveis.
- Não possui massa.
- São eletroneutros.
- Propagam como onda, alta frequência.
- Caminham em linha reta.
- Não podem ser convergidos para um ponto de divergem a partir de um ponto.
- Podem penetrar líquidos, sólidos e gases. A composição da matéria determina se os raios x serão absorvidos ou não.
- Interagem com a matéria em que penetram causando ionização.
- Podem provocar fluorescência em determinada substância ou emissão de radiação de longo comprimento de onda.
- São capazes de formar imagens em filmes fotográficos.
- Causam modificações biológicas nas células vivas.

No nível atômico quatro possibilidades podem acontecer quando um fóton de raio x interage com a matéria:
Nenhuma interação: quando produz a imagem radiográfica passando pelo corpo do paciente sem causar interação.
Efeito fotoelétrico: o fóton de raio-x colide com um elétron forte ligando a uma camada mais intensa, deixando de existir, sendo totalmente absorvido.
Espalhamento Compton: o fóton perde parte de sua energia menor, interage até que sua energia se esgote.
Espalhamento coerente: 1 fóton de raio-x interage com um mais externo e nada acontece.

Partes componentes do aparelho de raio-x:
- Painel de controle
- Braço extensor
- Cabeçote

Tubo de Raio X

* O cátodo (+) dispara no ânodo (-), tornando energia eletromagnética (raio-x).
* O colimador de chumbo filtra o raio-x para passar.

Voltagem: Determina a velocidade dos elétrons que viajam do cátodo para o ânodo. Quando a voltagem é aumentada a velocidade também terá aumento, assim eles atingiram o ponto focal com maior força e energia, tendo com resultado feixe de raio-x mais penetrante com onda de menor comprimento de onda. (65 a 100 KeV).
Densidade: Escurecimento generalizado do filme. Maior KV mais escuro, quanto menor mais claro.
Distância: Quanto a distância foco-filme aumenta a intensidade menor.
Contraste: Diferente que existe entre áreas mais escuras.
Menor KV filme bom, com alto contraste, isto é, menos tons de cinza, que é utilizado para detectar cáries.
Tempo de exposição: Intervalo de tempo que o raio-x é emitido. Aumentando o KV, pode diminuir o tempo de exposição.

# Efeitos biológicos das radiações ionizantes
Exposição => Absorção => Efeito biológico	Somático
					Genético
Somáticos: Comprometem a saúde da pessoa. Câncer, catarata, leucemia.
Genética: A pessoa irradia, não sofre nada, mas seus descendentes sim.
Físico: Íons instáveis.
Físico-químico: Radicais livre.
Biológicos: Radicais reagem entre si, formando efeitos.

* Raio x, período latente varia com a dose. => MAIS intensa a dose, MENOR o período latente.

# Morfológicas = celulares / funcionais
- Dose
- Metabolismo
- Tamanho área irradiada
- Sensibilidade do tecido
- Estágio de desenvolvimento das células.

Obs: As células mais novas absorvem mais raio x.

MAIOR atividade mitótica, MAIOR radiossensibilidade
MAIOR fluxo O2, MAIOR radiossensibilidade
MAIOR metabolismo celular, MAIOR radiossensibilidade
MAIOR vascularização, MAIOR radiossensibilidade

# Proteção do Operador
- Se auxílio, pedir ao acompanhante.
- Permanecer pelo menos 1,80m da cabeça do paciente e um ângulo de 90° a 135° como feixe primário.
- Nunca ficar na direção do feixe útil.

# Proteção do Paciente
- Filmes mais sensíveis.
- Processamento correto do filme.
- Feixe de radiação.
- Técnica radiográfica.
- Protetores de chumbo.
- Comunicação com o paciente.
- Indicação (qual radiografia tirar).

# Classificação das células quanto radiossensibilidade em ordem decrescente:
- Linfócitos.
- Eritroblastos.
- Granulócitos.
- Mieloblastos.
- Células epiteliais.
- Células endoteliais

FILMES RADIOGRÁFICOS

Filme é o receptor de imagem.

Estímulo	Raio x

Objeto		Dente

Imagem		Filme

Composição do filme radiográfico
Base
Camada adesiva
Emulsão (gelatina) – composta de cristais de haletos
Capa protetora

Base do filme:
É flexível de poliéster transparente levemente azulada para aumentar a qualidade da imagem. Usada com espessura de 0,2mm de modo a suportar calor, exposição química e umidade.
Objetivo: Dar suporte para emulsão e fornecer firmeza.

Camada adesiva:
É uma fina camada de adesivo que cobre ambos os lados da base.
Objetivo: Serve para aderir a emulsão à base.

Emulsão:
Sensível aos raios x. Camada colocada sobre ambos os lados da camada adesiva. Constituída de: Gelatina e Cristais de haletos.
Objetivo: Confere ao filme a sensibilidade à radiação.

Gelatina:
No processamento a gelatina absorve as soluções químicas e permite uma reação com cristais de prata.
Objetivo: Usada para manter e dispersar milhões de cristais de haleto de prata pela base.

Cristais