A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
50 pág.
Roberto Pimentel - Curso de Direito Constitucional Vol. III

Pré-visualização | Página 17 de 17

Tribunal Federal, compete ao Tribunal, em 
sede de controle abstrato de normas, declarar a inconstitucionalidade e não a 
constitucionalidade da norma impugnada.
d) A eficácia jurídica da decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, em sede de 
controle incidental, está condicionada à suspensão de execução da lei pelo Senado 
Federal.
e) Contra decisão proferida pelo Tribunal de Justiça, em processo de controle 
abstrato de normas do direito estadual, não cabe recurso extraordinário.
GABARITO: 01) C (art. 103); 02) C (art. 125, §2°); 03) B (art. 103, § 2°); 04) B (doutrina); 
05) C (doutrina); 06) E (art. 102, I, p); 07) C (art. 102, I, a); 08) A (doutrina); 09) C (art. 52, 
X e doutrina); 10) D (doutrina); 11) B (doutrina); 12) E (jurisprudência - STF); 13) C 
(jurisprudência - STF); 14) B (art. 11, §1°, Lei 9.868/99). 
* (exercícios extraídos da obra Direito Constitucional Teoria, Jurisprudência e 1000 
Questões, de Sylvio Motta & William Douglas) 
50
	PROF. ROBERTO PIMENTEL
	Prof. Roberto Pimentel
			A função de fiscalização sempre constituiu tarefa básica dos parlamentos e assembléias legislativas. No sistema de separação de Poderes, cabe ao órgão legislativo (ou Poder Legislativo) criar as leis, por isso é da lógica do sistema que a ele também se impute a atribuição de fiscalizar seu cumprimento pelo Poder Executivo, a quem incumbe a função de administração, bem como a todos que apliquem ou administrem dinheiro público (controle externo).
	Prof. Roberto Pimentel
	PODER JUDICIÁRIO
	Prof. Roberto Pimentel
		Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal exercerão a representação judicial e a consultoria jurídica das respectivas unidades federadas e serão organizadas em carreira, na qual o ingresso dependerá de concurso público de provas e títulos, com participação obrigatória da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as suas fases (inovação da EC n° 19/98). Aos Procuradores será assegurada estabilidade após três anos de efetivo exercício, mediante avaliação de desempenho perante os órgãos próprios, após relatório circunstanciado das corregedorias, ressalvada a situação daqueles que já se encontrassem em estágio probatório à época da promulgação da EC n° 19/98, aos quais será assegurado o prazo de dois anos de efetivo exercício para aquisição da estabilidade, nos termos do art. 28 da EC n° 19/98. Aplica-se à advocacia pública as normas remuneratórias previstas no art. 39, § 4° (remuneração por subsídio).
	Prof. Roberto Pimentel