Capítulo 7
5 pág.

Capítulo 7


DisciplinaAdministração da Produção e Operações I7.083 materiais45.396 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Capítulo 7
Conceitos e Funções do Planejamento, da Programação e do Controle da Produção (PPCP)
QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 
Quais são as áreas de decisão da manufatura? O que cada uma delas abrange?
São estrutura e infraestrutura.
Estrutura: abrange as decisões estão relacionadas às características tecnológicas do sistema produtivo como: Capacidade; Instalações industriais; Tecnologia e Integração vertical.
Infraestrutura: abrange as decisões estão relacionadas à operação do sistema produtivo, como: Sistema de PPCP: planejamento, programação e controle da produção; Fluxo de materiais; Relacionamento com os fornecedores; Gerenciamento da qualidade; Organização; Gerenciamento da força de trabalho; Gerenciamento dos produtos; Medidas de desempenho e Sistemas de informação.
Quais são as decisões a serem tomadas pelo sistema de PPCP?
As decisões em relação a:
Capacidade: política de adequação da capacidade em relação à demanda no longo prazo e planejamento da capacidade no longo prazo.
Instalações Industriais: número, tamanho e localização das instalações industriais; layout industrial e manutenção.
Tecnologia: equipamentos e capabilidade; grau de automação, integração, flexibilidade e escala de variação da capacidade da tecnologia.
Integração vertical: direção ou extensão.
Sistema de PPCP: gerenciamento da demanda; planejamento da capacidade no médio prazo; programação e controle da produção; gerenciamento de estoques; função dos estoques na configuração do processo.
Fluxo de materiais: sistema de logística interna: armazenamento e movimentação de materiais ou sistema de logística externa: suprimentos e distribuição física.
Relacionamento com os fornecedores: política de relacionamento com os fornecedores; gerenciamento dos suprimentos.
Gerenciamento da qualidade: sistemas de garantia da qualidade; sistemas de melhoria; monitoramento das necessidades e expectativas dos clientes.
Organização: Estrutura organizacional; centralização, estilo de liderança e comunicação.
Gerenciamento da força de trabalho: nível de especialização da força de trabalho; política de remuneração, de recrutamento e seleção e treinamento.
Gerenciamento de produtos: projeto do pacote produto-serviço.
Medidas de desempenho: prioridades, padrões e métodos.
Sistemas de informação: Coleta, processamento e disponibilização de informações.
Quais são as quatro perguntas que todo sistema PPCP deve responder?
O que produzir e comprar? Quanto produzir e comprar? Quando produzir e comprar? Com que recursos produzir?
Apresente exemplos de manufaturas que utilizam a programação de processos, job-shop, projetos e linha de montagem.
Programação de processos: refinarias, indústria química, siderúrgicas e celulose.
Job-shop: oficinas, gráficas, serviço de assistência técnica e tinturaria industrial.
Projetos: construção de navios, edifícios, turbinas e construção de uma nova fábrica.
Linha de montagem: produção de veículos, televisores, geladeiras e móveis.
Explique cada um dos ambientes de manufatura: MTS, ATO, MTO e ETO.
MTS: fabricação para estoque (make to stock). Onde são fabricados produtos padronizados com base em previsões de demanda, e nenhum artigo customizado é produzido. Apresenta a vantagem de rapidez na entrega dos itens, mas costumam gerar altos níveis de estoques, pois as empresas estocam o produto pronto. 
ATO: montagem sob encomenda (assemble to order). Ocorre sempre que as empresas conhecem os subconjuntos, mas o produto final é configurado pelo cliente. Em geral, elas costumam estocar os subconjuntos e após receber o pedido do cliente, montam o produto solicitado.
MTO: fabricação sob encomenda (make to order). O produto final é desenvolvido a partir de contatos com o cliente, cujos prazos de entrega tendem a ser longos, pois os artigos costumam ser projetados ao mesmo tempo em que estão sendo produzidos. Este ambiente seria mais bem referido como design to order, e pode ser entendido como um ETO.
ETO: engenharia sob encomenda (engineering to order). Âmbito também conhecido como engenheiramento sob encomenda, em que o projeto, a produção de componentes e a montagem final são realizados a partir de decisões do cliente. Portanto, não há possibilidade de ser manter estoques, já que a ETO é como extensão do sistema MTO.
Identifique, para cada um dos ambientes da questão anterior, o ponto de desacoplamento ou o de manutenção dos estoques.
MTS: acabados
ATO: semiacabados
MTO: componentes
ETO: matéria-prima
Quais são as abordagens do PPCP?
As abordagens são: MRP/ MRPII; JIT e OPT; Utilização de sistemas com capacidade finita e abordagem de projetos. 
O que significam os tempos P e D e de que maneira se encontram relacionados com os ambientes de manufatura?
P é o tempo desde a obtenção do material até a entrega dos produtos e/ou dos serviços ao cliente.
D é o tempo que o cliente está disposto a esperar.
Caso P seja muito maior que D, o ambiente de manufatura será o MTS. 
Se P for maior que D, o ambiente de manufatura pode ser o MTS e, eventualmente, o ATO. Dependerá do fato de o cliente estar ou não disposto a aceitar como tempo para entrega o tempo de montagem e o tempo de entrega do produto.
Caso P seja pouco maior, igual ou até menor que D, pode-se pensar nos ambientes MTO e ETO, dependendo do tipo de produto a ser fabricado e as necessidades do cliente.
Como deve ser desenvolvida a programação da produção em função do ambiente de manufatura de cada produto? 
Caso a definição da empresa seja MTS, o PPCP inicia-se com a previsão de vendas dos produtos acabados e são programados os produtos acabados.
Se a empresa definir uma estratégia ATO, deve ser feita a previsão dos componentes e dos subconjuntos (mas não dos produtos acabados) e ser programada a fabricação e a compra daqueles componentes.
Caso a definição seja MTO, a empresa deve fazer previsões a respeito das matérias-primas e dos componentes mais críticos, adquiri-los e estocá-los.
No caso ETO, a programação da produção utilizará as técnicas especificas de redes (CPM e PERT), e deverá dar muita atenção à sua capacidade instalada para a manutenção dos prazos contratados com os clientes.
 Qual será a evolução das empresas industriais quanto aos ambientes de manufatura?
Usando como exemplo os produtores de veículos, tempos atrás, intitulavam-se fabricantes. A estrutura de produção era a de fabricar todos ou a maioria dos componentes a serem utilizados.
Atualmente, esses produtores se intitulam montadores de veículos, e de esforçam para fabricar alguns componentes críticos ou estratégicos, deixando a produção dos demais componentes para seus fornecedores e sistemistas.
 Por que isso poderá ocorrer? Justifique suas respostas.
Devido a especialização das empresas, em produzir muitas vezes apenas uma parte do produto e não o todo, sendo assim muitas empresas necessitam de fornecedores para produzir determinado bem, criando uma dependência entre produtor e fornecedor. Isto ocorre devido as empresas desejarem reduzir seus custos, terceirizando parte dos seus processos que não causem futuros problemas ao produto final.
ESTUDO DE CASO PLASTIMAX (pg. 244)
QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 
Descreva os passos para a produção de artefatos de plástico.
O processo de produção é: inicia-se com a compra da matéria prima, aquecimento da matéria prima (fabricação) ou inserção dos moldes na injetora, injeção da matéria prima, resfriamento, e a retirada das peças produzidas.
Dê dois exemplos de \u201cplásticos de engenharia\u201d.
Para choques para veículos e capas para aparelhos de TV.
Quais fatores tornam o processo de produção de plásticos de engenharia mais complexo do que aquele para a produção de peças injetadas comuns?
A compra da matéria-prima é mais complexa, porque devem ser aguardadas as especificações dos fabricantes. A produção dos moldes de injeção depende do projeto dos produtos, quanto as dimensões, espessura etc., sendo muito mais demorada do que no caso da fabricação de peças injetadas comuns, como cabos