A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
100 pág.
Apostila_Endodontia_UFU

Pré-visualização | Página 9 de 12

do canal radicular: 
 
Preparo do terço cervical e médio 
 
Canal amplo 
Canal atresiado 
Canal muito atresiado 
 
Limas Brocas 
08k 10k 15h 20h 25h G 2 G 3 B 
 
 
Neutralização progressiva Fase II 
 
 
Neutralização progressiva fase III 
 
Lima 
 
Radiografia de odontometria 
 
Odontometria= mm 
 
Preparo do terço apical (L.I.= lima inicial, L.M.= lima memória) 
 
L.I. L.M. L.M. L.M. L.M. L.M. 
 
Odontometria = Od-1 Od-2 Od-3 Od-4 
Instrumentação clássica Escalonamento com recuo progressivo programado 
 
Medicação intracanal: 
 
 
Aluno:_______________________________________________________________________ 
 
 
EndoUFU 
 
76 | P á g i n a 
 
TRATAMENTO ENDODÔNTICO EM DENTE BIRRADICULAR 
ROTEIRO PARA ATIVIDADE PRÉ-CLINICA 
 
Radiografia de diagnóstico (orto radial – frontal) 
Estimativa de odontometria 
Comprimento da imagem radiográfica do dente mm -2 mm = mm 
Abertura coronária 
Remoção de tecido cariado e/ou restaurações 
Neutralização progressiva Fase I 
 
 
Ponto de eleição 
Direção de trepanação 
Forma de contorno 
Forma de conveniência 
Preparo do canal radicular: 
Canal vestibular 
Preparo do terço cervical e médio 
 
Canal amplo 
Canal atresiado 
Canal muito atresiado 
 
Limas Brocas 
08k 10k 15h 20h 25h G2 G3 G4 B 
 
 Neutralização progressiva Fase II 
 
Canal palatino 
 
Canal amplo 
Canal atresiado 
Canal muito atresiado 
 
Limas Brocas 
08k 10k 15h 20h 25h G2 G3 G4 B 
 
 
Neutralização progressiva Fase II 
 
 
Canal vestibular 
Neutralização progressiva fase III 
Lima 
 
Radiografia de odontometria: 
Odontometria= mm 
 
 Preparo do terço apical 
 
L.I. L.M. L.M. L.M. L.M. L.M. 
 
Odontometria = Od-1 Od-2 Od-3 Od-4 
Instrumentação clássica Escalonamento com recuo progressivo programado 
 
Canal palatino 
Neutralização progressiva fase III 
Lima 
 
Radiografia de odontometria 
Odontometria= mm 
 
Preparo do terço apical 
L.I. L.M. L.M. L.M. L.M. L.M. 
 
Odontometria = Od-1 Od-2 Od-3 Od-4 
Instrumentação clássica Escalonamento com recuo progressivo programado 
EndoUFU 
 
77 | P á g i n a 
 
Medicação Intracanal 
A infecção do sistema de canais radiculares só é controlada de forma eficaz após o 
completo preparo químico-mecânico, a aplicação de uma medicação intracanal 
adequada e a realização da obturação tridimensional. 
O uso da medicação intracanal não substitui a fase de limpeza química (soluções 
irrigantes) e mecânica (limas) do canal radicular, mas serve como um auxílio no 
tratamento endodôntico, potencializando o processo de limpeza e favorecendo a 
reparação tecidual. 
Uma das principais propriedades que um medicamento endodôntico deve possuir é ação 
antimicrobiana, tendo potencial de destruir microrganismos. Por permanecer por tempo 
mais prolongado no interior do canal radicular, o medicamento tem maiores chances de 
atingir áreas não afetadas pela instrumentação. Além disso, por preencher totalmente o 
canal, o medicamento impede o suprimento de substratos, na forma de fluidos teciduais, 
para as bactérias que sobreviveram após a instrumentação. 
Além da ação antibacteriana eficaz, o medicamento dever ter ação prolongada, sem ser 
citotóxico e agir pelo contato, permitindo um controle adequado da profundidade de 
atuação. 
Razões para o emprego da medicação intracanal: 
1. Promover a eliminação de bactérias que sobreviveram ao preparo químico-
mecânico; 
2. Impedir a proliferação de bactérias que sobreviveram ao preparo químico-mecânico; 
3. Atuar com barreira físico-química contra reinfecção entre as sessões do tratamento; 
4. Reduzir a inflamação nos tecidos ao redor da raiz (reduzindo com isso a dor, um dos 
sinais da inflamação); 
5. Neutralizar produtos tóxicos; 
6. Controlar a exsudação persistente (o que pode ser feito pela medicação de três 
maneiras: inibindo a resposta inflamatória, absorvendo o exsudato pela ação 
higroscópica ou eliminando a causa, as bactérias). 
EndoUFU 
 
78 | P á g i n a 
 
Várias substâncias têm sido recomendadas para utilização no interior do sistema de 
canais radiculares entre sessões de tratamento, dentre elas podemos citar: 
 Paramonoclorofenol canforado (PMCC); 
 Formocresol ou Tricresol Formalina; 
 Antibióticos e suas combinações; 
 Hidróxido de cálcio; 
 Clorexidina 
 
Os dois primeiros medicamentos, PMCC e 
o Formocresol, são voláteis e agem por 
liberação de vapores. O grande 
inconveniente disso é o difícil controle da 
área de atuação da droga, podendo ocorrer 
resposta inflamatória nos tecidos ao redor 
da raiz, devido à sua citotoxicidade. Por 
causa da liberação desses vapores, pode 
haver distribuição sistêmica dessas drogas, 
cujos efeitos são ainda desconhecidos. 
Além disso, podem ter efeitos cumulativos 
sobre o profissional, devido à inalação. Não 
parece ser uma conduta admissível, nos 
dias de atuais, utilizar medicamentos de 
elevada citotoxicidade, que não permitem 
um controle eficaz da concentração liberada 
e da profundidade de ação. 
 
 
PMCC 
Formocresol 
EndoUFU 
 
79 | P á g i n a 
 
O uso de antibióticos, mesmo em 
associações, tem sido abandonado como 
medicação intracanal, pois sua ação limita-
se à presença de certo grupo específico de 
micro-organismos, podendo ser ineficiente 
contra muitos outros. Além disso, podem 
sensibilizar o paciente, produzir reações 
em pacientes já sensibilizados à penicilina 
ou a outros antibióticos e ainda selecionar 
e produzir bactérias resistentes. 
 
O hidróxido de cálcio é a medicação mais 
empregada atualmente, devido à sua ação 
antimicrobiana e mineralizadora. A pasta 
de hidróxido de cálcio tem sido preparada 
com vários veículos, a saber: água 
destilada, soro fisiológico (solução salina), 
solução anestésica, polietileno glicol, 
propilenolgicol, PMCC, glicerina e muitos 
outros. Outras vantagens do hidróxido de 
cálcio, além das ações citadas acima, são 
que as pastas desse medicamento: 
 Funcionam como uma obturação 
provisória do canal, limitando o espaço 
físico para a multiplicação bacteriana; 
 Retardam significativamente a 
recontaminação do canal, pois 
funcionam como barreira físico-
química; 
 Controlam a exsudação persistente, por 
ação higroscópica e por inibição do 
crescimento bacteriano. 
 
 
hidróxido de Cálcio 
antibiótico 
EndoUFU 
 
80 | P á g i n a 
 
Material necessário para colocação e remoção da medicação intracanal: 
 Medicação intracanal (hidróxido de cálcio PA); 
 Soro fisiológico; 
 Placa de vidro; 
 Espátula nº 24; 
 Lima Kerr; 
 Algodão; 
 Cimento provisório; 
 Seringa de irrigação; 
 Cone de papel absorvente. 
 
 
A clorexidina também tem sido proposta 
como medicação intracanal, com base em 
sua atividade antibacteriana de amplo 
espectro. Além disso, tem substantividade, 
ou seja, atua por muito tempo, pois adere 
às estruturas do dente. Contudo, de uma 
forma geral, ela não é mais eficaz do que o 
hidróxido de cálcio e não possui outras 
propriedades que ele apresenta como 
estimulação de reparo cálcico, 
neutralização de endotoxinas e solvente de 
matéria orgânica. 
clorexidina em gel 
EndoUFU 
 
81 | P á g i n a 
 
Como preencher o canal radicular com hidróxido de cálcio associado ao soro 
fisiológico: 
1. Misture na placa de vidro, com auxílio da espátula nº 24, o hidróxido de cálcio (pó)

Acesse esse e outros materiais grátis

Ao se conectar, você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade.

Já tem cadastro?