A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
49 pág.
Texto - Metodologia Cientifica

Pré-visualização | Página 8 de 11

a questão do espaço e do tempo nas nossas enunciações. Por fim, finalizaremos versando sobre a intertextualiade, visto que todo texto é oriundo de outro, mesmo que de forma inconsciente.
[1] Eliza Adriana Sheuer Nantes
O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO
"A primeira função da linguagem não é ser representação do pensamento ou instrumento de comunicação, mas expressão da vida real."
Prof. José Luiz Fiorin
Você já parou para refletir sobre a importância da comunicação? Imagine como seria o processo de socialização ou de transmissão de cultura, por exemplo, se nós não nos comunicássemos. Então, como você já deve ter percebido, a comunicação é essencial à vida humana, tanto que se trata de uma capacidade inerente ao ser humano e desde que nascemos nos comunicamos, inicialmente, através do choro e, paulatinamente, à medida que vamos adquirindo proficiência na linguagem a usamos com desenvoltura.
Nesse momento, nós, eu e você, por exemplo, estamos nos comunicando. À medida  que você está lendo estas linhas já está havendo interação, ente o autor(eu) com o leitor(você) usando como canal a aula  e o suporte dessa comunicação o computador. No entanto, o ato de comunicação é bastante complexo e exige organização para que seja eficiente.
Observe os quadrinhos abaixo:
1)
http://www.monica.com.br/comics/tirinhas/tira10.htm
2)
http://www.monica.com.br/comics/tirinhas/tira18.htm
3)
http://www.monica.com.br/comics/tirinhas/tira26.htm
Como você deve ter observado, as tirinhas que selecionamos não foram aleatórias, dizemos isso nos referindo tanto à ordem em que elas se apresentam como ao conteúdo interacional de cada uma delas. Observe que nosso intuito foi chamar sua atenção para as diversificadas formas de comunicação.
No primeiro quadrinho não temos balões com a fala dos personagens, cabendo ao leitor compreender as imagens para, então, construir os sentidos do texto. Nesse caso, os desenhos são de suma importância, pois não temos a presença do narrador pormenorizando os detalhes de cada quadro, então o leitor, por associação lógica e coerente, procede a leitura. Nos quadrinhos é comum a exploração dos diversos signos não-verbais, como gestos faciais, corporais e desenhos. Outro fator importante é a sequência apresentada, pois para que haja essa compreensão é necessário que a leitura siga a sequência apresentada, e que essa seqüência seja lógica e coerente, caso contrário poderá ser difícil a construção dos sentidos.
No segundo quadrinho, temos um exemplo de monólogo, a personagem Mônica dialoga com ela mesma, tanto que é ela quem indaga e responde as suas próprias questões.
Por fim, no último quadrinho, já temos um exemplo de comunicação que envolve a interação, ou seja, a presença do outro, e dependendo da resposta do outro é que os sentidos do texto vão sendo construídos.
Como você pode observar, ao se comunicar, o homem transmite a sua visão de mundo, tanto que o Cascão apresentou a dele. Investigue, pois essa forma de pensar pode não estar explícita, mas sim implícita, tanto que o Cascão deixou claro que o dia dele tomar banho demorará muito e quando essa data, finalmente chegasse, ela já estaria velha e feia. Dessa forma, vimos que na comunicação podemos ver como o homem pensa, visto que suas crenças interiores se manifestam no seu disurso.
Então, como podemos observar, a necessidade de comunicação é intrínseca ao ser humano, pois vivemos em permanente interação com a realidade que nos cerca e com as outras pessoas. A essa troca de mensagens ou informações denominamos de COMUNICAÇÃO.
Diante do que dialogamos até aqui, temos uma pergunta para você:
Quais formas usamos para nos comunicar?
Bom, para nos comunicarmos podemos usar várias formas, tais como: sons, cores, formas, gestos, palavras, etc. Então, se essas formas de nos comunicarmos possui uma organização eficiente, devidamente sistematizada, temos uma LINGUAGUEM.
CONCLUSÃO: Entendemos por LINGUAGEM o meio de comunicação e de interação entre as pessoas.
Elementos básicos da comunicação
Como você deve já deve ter percebido, diariamente, participamos de numerosos atos de comunicação. Esses atos podem ser representados pelos componentes do ato de comunicação. Vamos conhecer esses elementos?
Fonte: INFANTE, 2001, p. 16.
Como você está vendo, alguns desses elementos podem ser facilmente entendidos; enquanto outros é interessante que vejamos, ao menos brevemente, suas definições:
1. Emissor: é aquele que envia a mensagem.
2. Receptor: é aquele a quem a mensagem se destina
ATENÇÃO: Observe que num diálogo o emissor e o receptor alternam constantemente os papéis.
3. Mensagem: trata-se da informação transmitida.
4. Código: é o sistema organizado de sinais utilizado pelo emissor e de conhecimento do receptor.
5. Canal: permite que a mensagem parta do emissor e chegue ao receptor. Pode ser dividido em canal físico e canal psicológico.
5.1 Canal físico - em uma situação de diálogo, a presença do ar que transmite as ondas sonoras da boca do emissor até as orelhas do receptor.
5.2 Canal psicológico: trata-se da atenção que o receptor deve manter para que consiga receber a mensagem.
6. Referente: é o assunto a que a mensagem se refere.
Algumas considerações:
No tocante ao emissor - naturalmente que ao proceder uma enunciação, o emissor fará toda uma adaptação do seu enunciado considerando o seu destinatário, desde sua faixa etária, o grau de intimidade, de forma a proceder uma adequação no discurso, de acordo com o público-alvo.
Quanto ao código -  observe que, se o receptor desconhecê-lo, como poderá haver interação? A interação se manifesta, justamente, através da compreensão do texto, do contexto, logo da mensagem.
Quanto ao canal psicológico - muitas vezes é muito comum essa falta de atenção do receptor prejudicar o entendimento, havendo necessidade de chamarmos sua atenção.
As formas de linguagem que usamos para nos comunicarmos
Caro aluno, como você sabe, a língua é o principal instrumento de comunicação entre as pessoas. Ela é usada por uma sociedade com desenvoltura, prazer, segurança e isso é possível com a prática da leitura e da escrita.
Com essas asserções não estamos dizendo que as línguas não mudam, ao contrário, elas sofrem alterações, pois constantemente também a sociedade está mudando. Então, as línguas não são uniformes, tanto que elas refletem as diferenças ente os grupos de falantes e as diversas situações em que a fala e a escrita ocorrem.
Após o que estudamos até aqui, podemos dizer que ao conhecermos a língua somos capazes de:
- Distinguirmos as variantes que a língua apresenta;
- Somos capazes de identificar as pessoas com as quais falamos;
- Somos capazes de adaptar nosso discurso de acordo com o outro;
CONCLUSÃO: Para que ocorra a comunicação devemos usar a linguagem adequada, ou seja, de acordo com a situação na qual nos encontramos vamos proceder nossas escolhas linguísticas responsáveis pela produção de sentido no texto.
WEB AULA 2
Unidade 1 – O Processo de Comunicação
A Língua
É importante lembrarmos que quando falamos de língua estamos nos referindo à língua falada ou escrita, língua culta ou formal, língua popular ou informal. Vejamos, brevemente, cada uma delas.
Língua falada e língua escrita
Observe que temos muitas diferenças entre a língua falada e a língua escrita, dentre essas diferenças destacamos:
	FALA
	ESCRITA
	não-planejada
	planejada
	fragmentária
	não-fragmentária
	incompleta
	completa
	pouco elaborada
	elaborada
	predominância de frases simples
	predominância de frase complexas
	pouco uso de passivas
	emprego frequente de passivas
Língua culta ou formal
É justamente essa linguagem que é nossa responsabilidade ensinarmos na escola. Ela é mais usada na forma escrita, requer frases mais elaboradas, atenção na regência e concordância nominal e verbal e é a cobrada em vestibulares, concursos, textos acadêmicos. Logo, se ela é cobrada nada mais justo que a escola possibilite o acesso a ela. Então, é responsabilidade da escola ensinar a norma