A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
apol sociedade

Pré-visualização | Página 1 de 3

Questão 1/10
Abaixo você lê um trecho do manifesto do Partido Republicano, de 1870.
 
O regime da federação, baseado, portanto, na independência recíproca das províncias, elevando-as à categoria de Estados próprios, unicamente ligados pelo vínculo da mesma nacionalidade e da solidariedade dos grandes interesses de representação e da defesa exterior, é o único capaz de manter a comunhão da família brasileira.
BRASILIENSE, Américo. Os programas dos partidos e o 2º Império. São Paulo: Jorge Seckler, 1878. p. 85.
 
No Segundo Reinado, foi evento importante para fortalecimento do republicanismo do Brasil:
	A	
A Guerra do Paraguai.
Você acertou!
“O republicanismo reaparece com mais força após a Guerra do Paraguai” (p. 43 do livro base).
	B	
A lei dos Sexagenários.
	C	
A industrialização do Rio Grande do Sul.
	D	
A Confederação do Equador.
	E	
O episódio Cormorant.
Questão 2/10
“O debate político também permeava o campo das artes que discutiam o papel revolucionário e engajado das manifestações artísticas buscando novos públicos e novos conteúdos. O Cinema Novo, o Teatro de Arena, o Teatro Oficina, o Centro Popular de Cultura (o CPC da UNE) são exemplos dessa postura.”
ARAUJO, M. P.; DA SILVA, I. P.; SANTOS, D. R. Ditadura militar e democracia no Brasil: história, imagem e testemunho. Rio de Janeiro: Ponteio, 2013, p. 12.
O campo cultural também estava com uma intensa produção durante o governo João Goulart e marcado por diferentes manifestações artísticas e forte atuação da imprensa. Com base nisso e no texto de Toledo, analise as assertivas a seguir:
 
I. As manifestações artísticas no pré-64 mesmo com uma produção intensa enfrentavam a repressão e a censura acentuada do governo Goulart que buscava estancar os debates culturais, pois eles eram incentivados principalmente pelos militares.
II. A imprensa cumpria um papel importante na divulgação das diferentes correntes de pensamento. A esquerda como tinha menos acesso aos meios de comunicação de massa apostava em uma imprensa alternativa própria ou nas artes (teatro, cinema etc.).
III. O contexto político ideológico efervescente possibilitou novas manifestações artísticas politizadas, como o Cinema Novo que colocou as camadas populares como protagonistas da narrativa mesmo com recursos limitados.
IV. Os grandes meios de comunicação de massa forneciam amplo espaço para as correntes ideológicas de esquerda apresentarem suas propostas, pois sua linha editorial se alinhava a tais correntes.
 
Agora assinale a alternativa com as afirmativas corretas:
	A	
I e II.
	B	
II e III.
Você acertou!
“Inúmeras revistas especializadas e não-acadêmicas, semanários e jornais traduziam e difundiam essas correntes [das liberais às comunistas] teóricas e ideológicas. A esse respeito, vejamos a questão do ângulo dos setores progressistas. Não tendo acesso aos meios de comunicação de massa, a esquerda nacionalista e socialista, além de seus órgãos de imprensa (jornais, revistas etc.), buscava difundir as propostas reformistas do nacional-desenvolvimentismo – ou mesmo da revolução socialista – por meio de experiências como o teatro, o cinema, a música e as artes plásticas.
O Cinema Novo – com limitação de recursos, mas com o generoso lema de ‘uma ideia na cabeça e uma câmera na mão’ – colocou as camadas populares (no campo e na cidade) como protagonistas de suas narrativas. Assim, os primeiros e excelentes filmes de Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos, Joaquim Pedro de Andrade, Ruy Guerra e outros se tornaram possíveis a partir desse novo contexto político e ideológico que se constituía no país.”
TOLEDO, C. “1964: o golpe contra as reformas e a democracia”. Revista Brasileira de História, 2004, vol.24, n.47, p. 19.
	C	
I e IV.
	D	
I, II e III.
	E	
III e IV.
Questão 3/10
Disponível em: http://educacao.uol.com.br/album/2014/03/10/distensao-e-fim-da-ditadura-militar.htm. Acesso em: 11/01/2016.
 
A fotografia, de 1977, retrata uma manifestação estudantil contra a repressão da ditadura militar em São Paulo, importante marco para o debate político e para a luta pela cidadania no Brasil. Versiani argumenta em seu artigo que o debate sobre a cidadania brasileira apresentou três momentos diferentes desde o golpe militar. Enumere os períodos relacionando-os com as suas respectivas características:
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Redemocratização (1986).
Assembleia Nacional Constituinte (1987-1988).
 
( ) Neste período, a cidadania estava fortemente ligada à participação direta na vida política nacional para criação de emendas constitucionais e participação na escrita da nova Constituição.
( ) A discussão sobre cidadania no Brasil estava em um momento ascendente após um longo período de repressão, o centro da questão era o debate democrático e a volta da Democracia.
( ) Com os direitos cidadãos limitados através da repressão do Estado, havia perseguição a oposicionistas, sindicatos, outros políticos, intelectuais, artistas etc.
 
Agora, marque a sequência correta:
	A	
1, 3 e 2.
	B	
1, 2 e 3.
	C	
2, 1 e 3.
	D	
3, 1 e 2.
	E	
3, 2 e 1.
Você acertou!
1 – “Fazia-se uso regular, trivial, do poder coercitivo como meio de enfrentamento dos conflitos sociais. A pretexto de pôr fim a uma suposta guerra subversiva, intensa política repressiva foi levada a termo pelo Estado, com prisões e cassações de mandatos parlamentares de opositores do regime. (...) Campanhas pelas Diretas Já ocuparam as ruas, com ampla cobertura da imprensa e contando com crescente mobilização da sociedade”.
 
VERSIANI, M. H. “Uma República na Constituinte (1985-1988)”. Revista Brasileira de História. 2010, vol.30, n.60, pp. 235.
2 – “O entendimento era de que se fazia necessário criar ‘estruturas constituintes’ paralelas, para exigir que os anseios populares fossem contemplados pelo poder constituinte a ser instalado no Congresso, pois só com a sociedade mobilizada a democracia participativa poderia avançar. Caberia aos cidadãos tomar parte, exigir, auxiliar e controlar o poder público”.
VERSIANI, M. H. “Uma República na Constituinte (1985-1988)”. Revista Brasileira de História. 2010, vol.30, n.60, pp. 242.
3 - “Intensa mobilização, envolvendo diferentes setores sociais, pressionou pela criação de instrumentos jurídicos formais que garantissem o direito à participação direta do conjunto da sociedade nas decisões da Assembleia Constituinte. (...) E foi nesse contexto que a instituição de formas participativas diretas na elaboração da Constituição foi discutida regimentalmente e aprovada através do instrumento das ‘emendas populares’.
VERSIANI, M. H. “Uma República na Constituinte (1985-1988)”. Revista Brasileira de História. 2010, vol.30, n.60, pp. 244.
 
Questão 4/10
Leia o texto a seguir, sobre a chamada Lei dos Sexagenários
Conhecida como Lei dos Sexagenários ou Lei Saraiva-Cotegipe, a lei de 1885 previa que os escravos com idade superior a 60 anos, completos antes ou depois, seriam alforriados.
SILVEIRA, Fabiano. Da criminalização do racismo. Belo Horizonte: Del Rey, 2006. p. 60.
Segundo os conteúdos do livro-base sobre o impacto desta lei na abolição da escravatura no Brasil, é correto afirmar:
 
	A	
Foi fundamental para os escravos mais idosos, que representavam importante força de trabalho nos cafezais do período.
	B	
Em um momento em que o trabalho escravo já era praticamente inexistente no Brasil, a lei teve praticamente nenhum impacto.
	C	
Foram beneficiados os escravos chefes de família que, desta forma, puderam se estabelecer de forma livre em pequenas propriedades.
	D	Teve poucos efeitos práticos, pois eram alforriados escravos sem produtividade, além de serem poucos o que alcançavam a idade de 60 anos.
Você acertou!
“Na medida em que se tratavam justamente dos escravos de pouca ou nenhuma produtividade, bem como devido à posição de ressarcirem seus senhores com mais três anos de trabalho compulsório, poucos levaram a lei a sério”. (p. 53 do livro base).