A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
89 pág.
AULAS ENDODONTIA

Pré-visualização | Página 9 de 28

o canal palatino irá para mesial e o canal vestibular irá para distal. 
 Em uma incidência Disto-Radial, o canal palatino irá para distal e o vestibular irá para mesial. 
 
*Cúspides de PMS: 
 A cúspide vestibular dos PMS é a maior. 
 Assim, sabendo qual é a cúspide vestibular e qual é a palatina; vejo se a cúspide palatina esta mais para mesial ou para 
distal da cúspide vestibular. 
 Se a cúspide palatina for mais para mesial é porque a incidência foi Mésio-Radial. 
 
*Asa do Grampo: 
 O grampo do isolamento absoluto fica com uma asa para vestibular outra para palatina. 
 A asa palatina do grampo é sempre a que fica mais próximo do ápice do dente. 
 Isso ocorre tanto em dentes superiores quanto em dentes inferiores: 
 - Quando radiografo um dente superior, a radiação vem de cima pra baixo, assim ela puxa para mais perto dela o que 
está por palatino. 
 - Quando radiografo um dente inferior, a radiação vem de baixo para cima, assim ela puxa para mais perto dela o que 
está por palatino. 
 Essa regra, porém, não é valida se o dente estiver girado na arcada. 
 
*Nitidez: 
O lado de onde veio a incidência de radiação é sempre mais nítido que o outro lado. 
 
*Pontos de contato: 
Os pontos de contato se sobrepõem do lado oposto da incidência. 
 
*Instrumentos Diferentes nos Canais: 
Para identificar um canal, posso também colocar algum instrumento nele (ex: lima) na hora de radiografar. 
 
*Dissociar as Raízes dos Molares Superiores: 
-Para dissociar as 3 raízes faz uma Orto-Radial. 
 
 Palatina 
 Em uma incidência Disto-Radial a raiz DV se projetará sobre a Palatina. 
 DV MV E a raiz MV ficará isolada. 
 
 
 
 
 Palatina 
 Em uma incidência Mesio-Radial a raiz MV se projetará sobre a Palatina. 
 DV MV E a raiz DV ficará isolada. 
 
*DIAGNÓSTICO: 
-Identificação de patologias; 
-Determinação da Anatomia da cavidade pulpar e radicular; 
-Radiografias de Localização e Rastreamento. 
*Na Endodontia faremos 5 radiografia Operatórias: 
 
1- Inicial (é feita sem isolamento absoluto, antes de começar o trabalho) 
2- Odontometria 
3- Prova de Cone Transoperatórias 
4- Comprovação de Obturação 
 
5- Final (Sem isolamento absoluto. É uma radiografia de documentação). 
 
 
*Radiografias de Acompanhamento: 
 Após fazer a endodontia de um dente, devo acompanhar esse paciente para: 
 - Identificação de novas patologias; 
 - Avaliação da cura. 
 Se um dente tem lesão periapical, a endodontia só estará finalizada quando a lesão sumir, que leva de 6 meses há 2 anos. 
Nesse período devemos fazer radiografias periódicas (a cada 6 meses). Esta é a proservação do caso! 
 
 
Observações: 
- O PMI é o pior dente para radiografar, pois: 
 - Ele tem o ápice da raiz muito afilado; 
 - Sua raiz vestibular tem a pontinha virada para a palatina; 
 - Sua raiz palatina tem a pontinha virada para a vestibular. 
 
- Normalmente existe uma diferença de comprimentos entre a raiz vestibular e a palatina de um mesmo dente – cerca de 1 à 
1,5mm. 
 
 
Odontometria: 
 
INTRODUÇÃO: 
 
*O Tratamento de Canal serve para limpar o conteúdo orgânico (polpa e pré-dentina) da cavidade pulpar. 
 
*Polpa Necrosada: A polpa necrosada traz um problema biológico As bactérias do tecido necrosado causam inflamação no 
ápice do raiz dental, devido a esta inflamação devo fazer o tratamento endodôntico. 
 
*Polpa Viva: Não há lesão apical. O tratamento endodontico nestes casos é feito devido à dor que o paciente sente, para 
prevenção, ou por necessidade mecânica (colocação de um núcleo metálico fundido). 
 
*Após a limpeza do canal, ele deve ser “lacrado” para não permitir a entrada de bactérias e exudato. O canal é lacrado com o 
material obturador, e assim estarei perpetuando sua limpeza. Limpar o canal é algo relativamente fácil, o problema é 
conseguir uma boa obturação, que tampe todos os canais (inclusive canais secundários, acessórios, etc). 
 
*Ampliação do Canal: 
-O material obturador deve ser condensado no canal. Para fazer uma condensação correta necessito de um espaço um 
pouco maior, por isso a ampliação do canal é feita. 
-Durante a ampliação devo criar um espaço retentivo, afim de que a obturação não saia pelo forame apical. 
-Em relação ao diâmetro da ampliação, ela deve ser a menor possível para se obter um bom resultado. Ou seja, não 
devo ampliar excessivamente o canal, mas devo ampliá-lo o suficiente. 
-Mas, a ampliação não é feita em toda a extensão do canal. Ela deve ser feita 1mm aquém do ápice para criarmos 
assim o Stop Apical. 
 
*Stop Apical: 
 -Pode também ser chamado de Batente Apical ou Matriz Dentinária Apical. 
 -O Stop Apical é fundamental, pois garante uma boa obturação, servindo de apoio/anteparo para o material 
obturador. 
 -Podemos definir o Stop Apical como uma transição entre a região virgem e a região ampliada do canal. 
-O Stop Apical deve ficar a 1mm do ápice da raiz. Sendo assim, para fazer o Stop Apical é necessário saber o 
comprimento do canal. Por isso que a Odontometria é feita. 
 
Por que o Stop Apical deve ficar a 1mm do ápice? 
88% das vezes o forame apical não está no centro do ápice. Na maioria das vezes, ele está para distal do ápice. 
Assim, o forame está em média 0,5mm deslocado do ápice. 
E a distância entre o forame e o CDC é 0,05mm. Somando-se os dois tenho 1mm. 
 
Obs: Em idosos a distância entre o forame e o CDC é maior que 0,5mm devido ao excesso de cemento. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
*Limite CDC: 
-Analisando o esquema do ápice dental acima, percebemos que o canal é formado por 2 “cones” que se unem. Um 
cone maior com sua abertura voltada para coroa (Canal Dentinário). E um cone menor com sua abertura voltada para o ápice 
dental (Canal Cementário). 
-A área de atuação do endodontista é o cone maior, ou seja, é o Canal Dentinário. 
-O local onde os 2 cones se encontram é o limite CDC (Canal-Dentina-Cemento). 
-O limite CDC é o local de maior constrição do canal. 
-O Stop Apical é feito no limite CDC, pois naturalmente ele já favorece a criação da região retentiva, necessária para 
condensar o material obturador. 
-Fazendo o Stop apical no limite CDC eu não necessito de uma ampliação tão extensa do canal. 
 
Resumindo: A ampliação do canal é feita até o Limite CDC porque está é a porção mais próxima do final do canal, onde eu 
consigo com a menor ampliação criar um Stop Apical. 
 
-O material obturador é condensado até o Stop Apical, sendo assim o Canal Cementário não é preenchido. 
-Mas como o canal cementário se abre em direção ao forame apical, o organismo consegue invaginar até o limite CDC e 
combater a infecção existente ali. Ou seja, o organismo ocupa aquela região e a limpa. 
-Porém, se o Stop Apical ficar aquém do limite CDC, o organismo não conseguirá invaginar mais adiante e combater a infecção. 
-Por isso, a importância de fazer o Stop Apical no local correto! 
Obs: O Calibre médio na altura do limite CDC é 0,2mm. 
 
 
Retificação: 
-A retificação estraga o preparo e a obturação do canal. 
-Canais Curvos tem tendência a serem deformados com a ampliação. 
-Devo tomar cuidado para não superinstrumentá-los. 
 
Como Impedir a Retificação: 
 1- Trabalhar com instrumentos flexíveis. 
 2- Não ampliar excessivamente o canal. 
 
(Não entendi o que é essa Retificação, nem achei nada nos livros. Mas o prof. Falou que vai falar sobre isso nas próximas aulas. 
Aqui