Avaliação Final (Discursiva) Psicologia da Educação e Aprendizagem
2 pág.

Avaliação Final (Discursiva) Psicologia da Educação e Aprendizagem

Disciplina:Psicologia da Educação e da Aprendizagem996 materiais4.589 seguidores
Pré-visualização1 página
3. Avaliação Final (Discursiva) - Individual e sem Consulta (88349)
Psicologia da Educação e Aprendizagem (PSI15)
Prova: 32400
QUESTÃO:
1. O psicólogo é chamado a uma escola de ensino fundamental, em função de problemas de indisciplina em uma quinta série. Baseado em concepções recentes de Psicologia Escolar que consideram fundamental a análise da constituição da queixa escolar na sua dimensão institucional, o profissional dessa área deverá atuar como?
RESPOSTA ESPERADA:
Como um interlocutor qualificado, levantando diferentes versões sobre as questões escolares, com pais, educadores e alunos, discutindo com tais protagonistas as possibilidades de intervenção.
Deverá analisar com todos que, se uma sala inteira é motivo de problema, é porque o contexto escolar não tem oferecido outra possibilidade dos alunos se mostrarem.
QUESTÃO:
2. As práticas pedagógicas e as relações mediadoras do processo de constituição de professores(as) e alunos apresentam-se sempre e necessariamente como complexas, podendo então se destacar a dimensão criadora e a riqueza de experiências estéticas que podem produzir. Disserte sobre a temática: A FORMAÇÃO ESTÉTICA DE PROFESSORES.
RESPOSTA ESPERADA:
A reflexão em torno da experiência estética como constitutiva dos sujeitos em contextos de formação de professores(as), formadores de sujeitos criativos e críticos, frente a um mundo que é dominado pela técnica e que é percebido como fragmentado e imutável, ganha importância nos dias atuais. Isto principalmente porque, se nos mais diversos contextos de ensinar e aprender se (re)produzem certos valores, é crucial que professores(as) estejam cientes desta condição contemporânea que institui relações efêmeras, fugazes, que circunscrevem a existência humana à imediaticidade do aqui e agora.
Paulo Freire, em Pedagogia da Autonomia (1996), nos fala de uma dimensão estética e uma dimensão ética da prática pedagógica. É comum pensar que a ética lida somente com os julgamentos de valor ético, bom e mau, e a estética somente com os julgamentos de valor estético, o feio e o belo. Entretanto, ética e estética são inseparáveis, pois ambas lidam com a dimensão criativa e relacional do ser humano. Ética e estética são dimensões concretas da atividade humana que aparecem na relação de pessoas concretas agindo e transformando o mundo e sendo, neste movimento, continuamente transformados. Ética e estética pressupõem e engendram, desta forma, processos criativos sem os quais as pessoas jamais poderiam circunscrever suas emoções e seus valores.
Trabalhar na perspectiva da educação estética de professores(as) é, portanto, trabalhar para uma nova sensibilidade através da ressignificação dos sentidos e da história de vida, o que permite criar novas formas de projetar-se para o futuro e objetivar-se no mundo.
QUESTÃO:
3. A tarefa de ensinar, em nossa sociedade, não está concentrada apenas nas mãos dos professores. O aluno aprende também através da família, dos amigos, de pessoas que ele considera significativas, das experiências do cotidiano. Tendo como base os estudos sobre a Psicologia da Educação, disserte sobre a temática: A RELAÇÃO ENTRE A PSICOLOGIA E A EDUCAÇÃO.
RESPOSTA ESPERADA:
Em geral, comete-se o erro de pensar que a aprendizagem começa apenas na idade escolar. Consequentemente, parte-se do princípio de que os ensinamentos que ocorrem na escola principiam na sala de aula. Na verdade, muitos anos antes de entrar na escola, a criança já vem desenvolvendo hipóteses e construindo um conhecimento sobre o mundo, o mesmo mundo que as matérias ditas escolares procuram interpretar. No início da alfabetização, por exemplo, ela já tem uma concepção de escrita, uma ideia a respeito do que se pode ou não escrever, uma concepção sobre o sistema de representação gráfica. Coisa semelhante ocorre com a matemática. Antes de entrar na escola, a criança já se deparou inúmeras vezes com a noção de quantidade, realizando, inclusive, operações de cálculo. Um conjunto de noções e de conceitos já se encontra, portanto, estabelecido.
Em resumo, a tarefa de ensinar, em nossa sociedade, não está concentrada apenas nas mãos dos professores. O aluno não aprende apenas na escola, mas também através da família, dos amigos, de pessoas que ele considera significativas, dos meios de comunicação de massa, das experiências do cotidiano, dos movimentos sociais. Entretanto, a escola é a instituição social que se apresenta como responsável pela educação sistemática das crianças, jovens e até mesmo de adultos.
No ambiente escolar a criança sofre uma transformação radical em sua forma de pensar. Antes de entrar nela, os conhecimentos são assimilados de modo espontâneo, a partir da experiência direta da criança. Em sala de aula, ao contrário, existe uma intenção prévia de organizar situações que propiciem o aprimoramento dos processos de pensamento da própria capacidade de aprender.
Daí a importância de se buscar maximizar esses resultados, colocando a serviço da educação e do ensino o conjunto de conhecimentos psicológicos sobre as bases do desenvolvimento e da aprendizagem. Com eles, o professor estará em posição mais favorável para planejar a sua ação.
Dilva Barbosa fez um comentário
  • vv tkmmmb hbj psppppppppp p w n
    0 aprovações
    Dilva Barbosa fez um comentário
  • .
    0 aprovações
    Dilva Barbosa fez um comentário
  • nm
    0 aprovações
    natali Almeida Britto fez um comentário
  • oi vc tem a prova 2 objetiva ,pode me mandar por avor
    0 aprovações
    Carregar mais