A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Pelve resumo

Pré-visualização | Página 1 de 2

Alan Cerioli – Medicina XLIV
12
Pelve
Conceito: é a parte do tronco ínfero-posterior ao abdome, área de transição entre o tronco e os membros inferiores. Área do quadril que serve para transmitir forças,aloja vísceras.
Cavidade abdominopélvica:começa no diafragma torácico e termina no diafragma pélvico. 
Diafragma pélvico: ajuda nos movimentos respiratórios de expiração forçada, dá suporte as vísceras pélvicas e sustenta indiretamente todas as vísceras abdominais,resiste a aumentos na pressão intra-abdominal.Composto por 3 musculos:puborretal,pubococcígeo e ileococcígeo(formam o M. levantador do ânus).M. levantador do ânus e o isqueococcígeo limitam a cavidade pélvica.Separa a cavidadade pélvica do períneo.Formado também pelo M. coccígeo que é a mesma coisa que isqueococcígeo.
Diafragma pélvico:M.levantador do ânus + isquiococcígeo. 
M. levantador do Ânus – formado por 3 músculos - Informações 
M. puborretal:é a parte mais medial e inferiormente colocada que compõe o M. levantador do ânus. Tem forma de letra U. Sai da região púbica, em direção a posterior fazendo uma volta de quase 90 graus posteriormente ao reto exatamente na junção entre o reto e o ânus, na flexura anorretal. Esse musculo relaxa durante a defecação. 
M. pubococcígeo:parte medial e superior do M. levantador do ânus. Sai do corpo do púbis e vai em direção ao cóccix.
M.ilíococcígeo:Sai do arco tendíneo do M. levantador do ânus, é a parte posterior do M. levantador do ânus e é delgado e frequentemente pouco desenvolvido,o mais lateral dos três músculos.
Existe uma fáscia na parede lateral da pelve que é uma continuação da fáscia transversal, ela reveste o M. ilíaco mudando de nome para fáscia ilíaca, ultrapassando a abertura superior da pelve e continuando na pelve verdadeira, revestindo o M. que está na parede lateral da pelve verdadeira que é o M.obturador interno, ao revestir o musculo a fáscia passa a se chamar de fáscia do M. obturador interno. Todas essas fáscias são uma continuação da fáscia transversal. Quando a fáscia transversal chega na pelve verdadeira para revestir os músculos dessa região, ela vai sofrer um espessamento entre a espinha isquiática e o púbis; esse espessamento vai ser chamado de arco tendinêo do M. levantador do ânus.Assim,o M. levantador do ânus estende-se entre o púbis anteriormente e o cóccix posteriormente e de uma parede lateral da pelve até a outra.O arco tendinêo do M. levantador do ânus separa o M. obturador interno em uma parte superior e uma parte inferior.Ou seja,uma parte do M.obturador interno é intra-pélvica e outra parte extra-pélvica.A parte extra-pélvica fica na parede lateral de uma fossa que fica ao lado o ânus que se chama de fossa retal ou anorretal, essa fossa é preenchida de gordura permitindo que o ânus se dilate durante a passagem das fezes.
Importância clínica da pelve: relacionada com tumores, em homens na próstata e nas mulheres está relacionado com câncer de colo de útero (provocado por HPV). Na mulher, o canal do parto passa pela região da pelve e dilata-se no momento do parto(hormônio relaxina). Assim, a importância maior da pelve está relacionada com tumores e problemas obstétricos/ginecológicos.Figura 1 - sequência das estruturas
Figura 1 - sequência das estruturas na pelve masculina
Posicionamento de órgãos
Pelve masculina: sínfise púbica e posteriormente a essa sínfise o peritônio parietal desce e encontra a bexiga urinária passando a revestir ela, formando a escavação retovesical,entre o reto e a bexiga.O peritônio–– sobe e continua posteriormente, indo abraçar os dois terços superiores do reto, passando a formar o mesocôlo sigmoide. Posteriormente a bexiga fica as glândulas seminais e inferiormente se encontra a próstata; medialmente as glândulas seminais, fica localizada a ampola do ducto deferente, atrás da escavação retovesical fica o reto formando uma flexura, deixando de ser reto a passando a ser ânus. Complementar com as imagens das últimas páginas;
Pelve feminina: o peritônio parietal chega na cavidade pélvica pela parede posterior do abdome e se reflete.Posteriormente a bexiga urinária e superiormente a ela, o útero repousa sobre a bexiga(anteversão).O útero gravídico aumenta de tamanho e passa a pressionar a bexiga, fazendo com que a mulher urine frequentemente.Depois que o peritônio passa em cima da bexiga urinária, ele forma a escavação vesicouterina.O peritônio passa sobre o útero e emite pregas para a lateral que irão se prender na parede do abdome, isso vai ser chamado de ligamento largo do útero. Ou seja, o ligamento largo do útero é uma prega do peritônio.O peritônio depois de passar em cima do útero e passa a revestir os ováriosO ovário não é revestido por peritônio,é intra-peritoneal(fica locazalizado dentro da cavidade peritoneal).Depois de passar pelo ovário, o peritônio desce novamente para formar a escavação retouterina que é o ponto mais profundo da pelve feminina. Complementar com as imagens das últimas páginas;Figura 2 - sequência das estruturas
Figura 2 - sequência das estruturas na pelve feminina
Aborto:ao se realizar a curetagem,pessoas inexperientes podem ao invés de penetrar a cavidade uterina via óstio do útero com um cabide,por exemplo,podem passar pelo fórnice posterior e penetrar o fundo de saco de douglas.Ao invés das pessoas curetarem a cavidade uterina para realizar o aborto, elas podem curetar o peritônio podendo causar peritonite e eventual óbito. 
Ligamento mesovário: prega do peritônio que sai do ligamento largo útero e vai para o ovário.
Relembrando:pregas do peritônio podem ser chamadas de meso e omento,contudo como o ligamento largo do útero liga o órgão a parede ele é classificado como meso. 
A pelve é dividida em pelve maior ou falsa(acima da abertura superior da pelve) e pelve menor ou verdadeira(entre a abertura superior e a abertura inferior da pelve).
Pelve maior ou falsa:pertence ao abdome,local de algumas vísceras abdominais (ceco, apêndice vermiforme,parte inicial do colon ascendente, colo sigmóide, jejuno-íleo).
Limites da pelve maior ou falsa
 a) anterior = parede abdominal;é possível ter acesso a bexiga urinaria por essa parede.
 b) posterolateral = duas fossas ilíacas;
 c) posterior = vértebras L5-S1.
A bexiga pode invadir a pelve maior quando estiver cheia de urina.
Pelve menor ou verdadeira
Fica entre as aberturas superior e inferior da pelve; chamada de pelve verdadeira,local das vísceras pélvicas (bexiga, órgãos genitais e final do intestino, principalmente reto); de maior importância clínica obstétrica e ginecológica.
Limites da pelve verdadeira:
 a) faces pélvicas dos ossos do quadril, sacro e cóccix;
 b) inferior = diafragma músculo-fascial da pelve (m. levantador do ânus).
A abertura inferior da pelve é osteofibrosa.
Limites abertura superior da pelve ou estreito superior: promontório sacral>margem anterior da asa do sacro> linha arqueada> linha pectínea> crista púbica> margem superior da sínfise púbica.Figura 3 - limites da abertura superior
Limites da abertura inferior da pelve: margem inferior da sínfise púbica> ramo isquiopúbico>túber isquiático>ligamento sacrotuberal>cóccix.É osteofibrosa,essa abertura não pertence a cavidade pélvica, mas sim ao períneo. Isso acontece, pois, a cavidade pélvica já terminou no diafragma da pelve.
Existe uma forte tendência do sacro girar para a posterior devido as forças que ele recebe,para isso não acontecer os ligamentos sacrotuberal e sacroespinal entram em ação.Assim,a função desses ligamentos é limitar movimento do sacro na sua rotação para a posterior.Figura 4 - limites da abertura inferior
Caracteristicas da pelve masculina e feminina:Figura 5 – a diferença sexual ocorre devido a diferença hormonal, testosterona dará mais força e resistência aos ossos e músculos, além disso, na mulher,a criança deverá passar pela pelve durante o parto.
Vasos sanguíneos da pelve
A.ilíaca interna chega na pelve verdadeira se dividindo em divisão anterior e posterior:
Divisão posterior:A. iliolombar,A.