Resumo Matériais Dentários
13 pág.

Resumo Matériais Dentários


DisciplinaMateriais Dentários933 materiais10.180 seguidores
Pré-visualização3 páginas
ROTEIRO DE AULA 
CLASSIFICAÇÃO E INDICAÇÃO DOS MATERIAIS 
ODONTOLÓGICOS E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS 
ODONTOLÓGICOS 
 
 
INTRODUÇÃO 
O melhor material dentário é, e sempre será, o dente natural que consiste 
numa mistura de hidroxiapatita e colágeno. Seu ponto fraco é que pode ser 
destruídos pela ação do ácido láctico resultante do metabolismo de bactérias, 
presentes na boca. 
 
O principal objetivo da Odontologia é manter ou melhorar a qualidade de vida 
do paciente. Este objetivo pode ser alcançado pela prevenção de doenças, 
pelo alívio da dor, aperfeiçoamento da eficiência mastigatória, aprimoramento 
da fonética e pela melhora da aparência 
 
Os materiais são substâncias geralmente sólidas com propriedades que as 
tornam utilizáveis em produtos e dispositivos desenvolvidos pelo Homem para 
preencher suas necessidades físicas, sociais, estéticas, de segurança, etc. 
 
Os materiais restauradores são divididos em 4 grupos: 
- metais 
- cerâmicas 
- polímeros 
- compósitos 
 
Os materiais restauradores incluem: 
 - metais nobres e básicos 
 - ligas de amálgama 
 - cimentos 
 - compósitos (resina composta) 
 - ionômero de vidro 
 - cerâmicas (porcelanas) 
 - gesso 
 - revestimento para fundição 
 - ceras odontológicas 
 - compostos para moldagem 
 - resina para base de prótese (resina acrílica) 
 
MATERIAIS DENTÁRIOS RESTAURADORES 
\uf0fc Materiais restauradores diretos: 
 Intra-oral, para confeccionar restaurações ou próteses diretamente nos 
dentes ou nos tecidos. 
\uf0fc Materiais restauradores indiretos: 
 Extra-oral, em que os materiais são utilizados indiretamente em 
fundições ou outras réplicas de dentes ou tecidos. 
 
 
\uf0fc Materiais restauradores auxiliares: 
 São substâncias utilizadas no processo de fabricação de próteses 
dentárias ou aparelhos que não fazem parte destes itens. 
\uf0fc Materiais restauradores provisórios: 
 É uma subcategoria de materiais restauradores e incluem produtos 
usados para restaurações e aparelhos dentários destinados à aplicação por um 
médio ou longo período. 
 
Todo material tem que ter autorização da A.D.A (American Dental Association), 
tem a função de controlar as característica e propriedades físicas e química de 
um material de modo a assegurar um desempenho satisfatório do material 
quando este é adequadamente empregado. 
 
O selo de aceitação da ADA: Dentistas e consumidores de produtos 
odontológicos têm recomendado o selo de aceitação da ADA como um 
importante símbolo de segurança e efetividade para produtos odontológicos. 
 
Objetivo: 
- Conhecer o desenvolvimento dos materiais restauradores para concluir a 
respeito da situação atual dos mesmos. 
- Relacionar o conteúdo da disciplina de Materiais Dentários com as demais 
disciplinas do currículo. 
- Identificar os materiais restauradores com fundamento nas evoluções e suas 
necessidades em função da aplicação. 
- Valorizar e identificar os materiais restauradores, com fundamento nas suas 
propriedades, para indicar a sua aplicação nos processos de recuperação oral 
 
Estrutura e propriedades da Matéria 
Durante a seleção dos materiais dentários para o emprego clínico, vários 
propriedades dos materiais devem ser levadas em consideração, como: 
- biocompatibilidade; 
- propriedades físico-químicas; 
- característica de manipulação; 
- estética; 
- fator econômico. 
 
A cada material é estudado: 
- características físicas e químicas 
- propriedades relacionadas à aplicação envolvida 
- composição química 
- manipulação (para desenvolver as propriedades mais satisfatórias) 
 
Biocompatibilidade: 
 - não devem prejudicar à polpa nem aos tecidos moles; 
 - não devem conter substâncias tóxicas (sistema circulatório); 
 - devem ser livres de agentes sensibilizantes que possam causar reações 
alérgicas; 
 - não devem ter potencial carcinogênico. 
 
 
ESTRUTURA DA MATÉRIA 
 
\uf0fc Matéria pode ser definida como um corpo que tem massa e ocupa um 
lugar no espaço e toda matéria pode ser concebida como sendo 
formada por um conjunto de pequenas partes até formar estruturas 
maiores. Essas unidades estruturais são os átomos. 
 
 
 - Metálico 
Substrato - Cerâmico 
 - Resinoso 
 
 
 
ESTRUTURA DA MATÉRIA 
1. Propriedades químicas; 
2. Propriedades físicas; 
3. Propriedades mecânicas. 
 
 
1. Propriedades químicas; 
 
LIGAÇÕES INTERATÔMICAS 
\u201cAs forças que mantêm os átomos unidos são chamadas de coesivas\u201d 
 
LIGAÇÕES INTERATÔMICAS 
\uf0fc Primárias: Natureza química 
\uf0fc Secundárias: Natureza física 
A resistência destas uniões e a habilidade de refazer as ligações quando 
rompidas, determinam as propriedades físicas do material. 
 
LIGAÇÕES INTERATÔMICAS PRIMÁRIAS 
\uf0fc Iônicas: São as ligações químicas mais simples, resultado da atração de 
cargas positivas e negativas. 
\uf0fc Covalentes: É a ligação em que os átomos se unem através das últimas 
camadas para a formação dos pares eletrônicos. 
Os pares formados são compartilhados por ambos os átomos. 
\uf0fc Metálicas: São ligações baseadas em estruturas metálicas cristalinas. 
Por terem a mesma composição os elétrons estão em constante 
movimentação, formando uma \u201cnuvem de elétrons ionizados\u201d. 
 
LIGAÇÕES INTERATÔMICAS SECUNDÁRIAS 
\uf0fc Pontes de hidrogênio: Uma atração dipolo-dipolo particularmente forte 
ocorre quando o hidrogênio está ligado a um elemento eletronegativo 
muito pequeno, como flúor, oxigênio ou nitrogênio. Nestas 
circunstâncias, resultam moléculas muito polares, nas quais o átomo de 
hidrogênio, extremamente pequeno, carrega uma carga positiva 
substancial. 
Exemplo: a molécula de água 
\uf0fc Forças de Van Der Waals: São forças de atração de natureza 
eletrostática, exercidas entre as moléculas constitutivas da matéria, que 
têm sua origem na distribuição de cargas positivas e negativas na 
molécula. 
 
ENERGIA DE LIGAÇÃO (Adesão): 
Nas uniões químicas covalentes, a quantidade de energia necessária para 
romper uma determinada ligação é exatamente a mesma quantidade que é 
liberada quando da sua formação. 
 
ENERGIA TÉRMICA: 
É explicada pela energia cinética dos átomos ou moléculas a uma dada 
temperatura. 
 Sólido - Líquido - Gasoso 
 
Elevação da temperatura 
 
Aumento da amplitude da vibração atômica ou molecular 
 
Aumento do espaço interatômico 
 
Expansão térmica 
 
Mudança de estado físico 
 
 
Estruturas cristalinas e não cristalinos 
 
ESTRUTURA CRISTALINA 
\uf0fc Os átomos são unidos por forças primárias ou secundárias. No estado 
sólido eles estão combinados de forma a apresentar uma energia interna 
mínima. 
\uf0fc Átomos sempre na mesma posição. Possuem ponto fusão fixo. 
 
ESTRUTURA CRISTALINA 
\uf0fc GRADE ESPACIAL (CRISTAL): 
É o arranjo de átomos no espaço, de tal forma que cada átomo está situado em 
uma posição semelhante em relação ao outro. 
Exemplo: metais 
 
Existem 14 tipos possíveis de grades espaciais. 
 
ESTRUTURA NÃO CRISTALINOS 
- A distribuição das moléculas é feita ao acaso (materiais amorfos); 
- Não apresenta uma temperatura definida de fusão; 
Exemplos: ceras, vidro, líquidos, resinas sintéticas. 
 
 
 
 
ADESÃO E UNIÃO 
\uf0fc A adesão é a união química de moléculas diferentes. Em Odontologia 
refere-se ao embricamento mecânico dos materiais nas estruturas do 
dente. 
\uf0fc Tipos de adesão podem ser: adesão química, adesão mecânica 
(embricamento) ou a combinação de ambos os tipos. 
\uf0fc A coesão é a união de moléculas do mesmo tipo. A coesão do metal é 
maior que a coesão da resina composta. 
\uf0fc Tensão superficial é a resistência à separação, que possui uma película 
de líquido entre duas superfícies bem adaptadas. 
 
ADESÃO E UNIÃO 
\uf0fc Adesão Mecânica: 
Uma forte aderência de uma substância à outra pode ser obtida por intermédio 
de adesão ou retenção
Carregar mais