A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
apostila apicultura

Pré-visualização | Página 1 de 8

APICULTURA BÁSICA 
 
 
 
 INTRODUÇÃO 
 
 A criação racional de abelhas vem despertando nos últimos anos crescente 
interesse dos agricultores, graças principalmente a produção do mel como um dos 
produtos naturais de maior nutritivo para o homem, sendo também utilizado como 
remédio e sua conseqüente valorização econômica. Esses fatores têm levado muitas 
pessoas a ingressarem no campo da exploração apícola. 
 A exploração desses insetos passando da condição de hobby ou lazer para 
se transformar em uma das explorações pecuárias bastante rentável. Consorcia-se 
facilmente com outras culturas. Desde que sejam observadas as distâncias técnicas 
que garantam segurança para a polinização das culturas, proporcionando 
significativos aumentos na produção agrícola, uma melhor qualidade dos frutos e 
sementes, bem como assegurar menor ocorrência de pragas e doenças nas 
culturas. 
 Ser apicultor pode tornar-se uma atividade fácil, desde que sejam observadas 
as técnicas essenciais de manejo com as abelhas, e os objetos da exploração. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 HISTÓRICO 
 
Dados históricos revelam que as abelhas existem no mundo há mais de 50 
milhões de anos e o mais curioso é que quase não sofreram mutações durante este 
tempo. 
O início da atividade apícola foi oficialmente reconhecido no Egito, há cerca 
de 2.400 anos a.C. Os egípcios são considerados os primeiros apicultores, uma vez 
que 2.500 anos a.C. já criavam abelhas em colméias de barro. Até hoje, os egípcios 
mantêm uma dança típica denominada “Passo da Abelha”. 
As abelhas sempre foram muito importantes para estes povos, tanto que a 
valorizavam no comércio e na literatura, as estampavam em moedas, medalhas e 
roupas. 
Todos os povos primitivos da Ásia, África e Europa conheceram as abelhas e 
utilizavam seus produtos e derivados. 
Durante séculos a apicultura foi mantida no estado rudimentar e primitivo. 
Aristóteles fez os primeiros estudos formais sobre as abelhas. 
No século XVII com a ajuda do microscópio é que se fizeram importantes 
descobertas sobre os aspectos biológicos das abelhas e foram criados os 
equipamentos especiais para sua exploração racional e exploração econômica, 
técnicas de manejo só foram aperfeiçoadas no final do século por apicultores como 
Lorenzo Langstroth, que desenvolveu as bases da apicultura moderna. 
No Brasil antes 1840 – só existiam abelhas nativas (Indígenas ou Meliponas) 
que produzem mel em menor quantidade. 
Abelhas apis mellifera mellifera foram trazidas por Padres Jesuítas que se 
adaptaram muito bem por serem dóceis e de fácil manejo. 
Em 1956, o Dr. Warwick Estevam Kerr trouxe da África, para fins científicos. 
Cerca de 50 abelhas rainhas das subespécies Apis mellifera adansonii e Apis 
mellifera capensis e as introduziu em Piracicaba, interior de São Paulo. Hoje a 
população de abelhas africanas e africanizadas no Brasil é estimada em 90%. 
Atualmente a apicultura se desenvolve através de métodos altamente 
técnicos e científicos. 
 
 
 
 
 
 
HISTÓRICO - RESUMO 
 
 As abelhas existem há milhões de anos e a técnica de criação racional data 
de 2400 a.C. . Existem dados que os Sumérios já usavam mel 5.000 a.C. 
 Aristóteles foi quem primeiro fez estudos científicos a respeito das abelhas. 
 No século XVII e XIX, pesquisadores e filósofos europeus marcaram o início 
do progresso apícola. 
 Os maiores mestres na apicultura são: 
 JAN SWAMMERDAN - 1670, Holandês foi o primeiro a desvendar o sexo da 
rainha pela dissecação; 
 JANSCHA – Austríaco, 1771, descobriu o mistério da fecundação da rainha, 
ocorre ao ar livre; 
 FRANÇOIS HUBER – Suíço, 1778, descobre o vôo e retorno de rainhas virgens 
e/ou fecundadas; 
 JONH DZIERZON – Alemão, descobriu a partogênese em 1845; 
 LORENZO LORRAINE LANGSTROTH – EUA, descobriu o espaço abelha e o 
quadro móvel; 
 J. MEHRING – 1857, inventou a cera alveolada; 
 FRANZ HRUSCHSKA – 1865, inventou a máquina extratora de mel; 
 MOISES QUIMBY – 1810 – 1875, americano, foi um grande divulgador e 
professor de apicultura; 
 A.T.ROOT - 1923, foi o responsável pela primeira indústria de colméias e 
material apícola; 
 Padres e Jesuítas – Brasil, 1839, introduzida a apicultura. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 CONCEITO 
 
 Pode ser definida como a criação de abelha do gênero Ais mellifera 
objetivando o aproveitamento sócio econômico da exploração. 
 
 OBJETIVOS: 
 
A criação de Abelhas pode ser feita com três objetivos: 
 Como fator de produção: 
 
Pela exploração dos produtos apícolas: mel, geléia real, própolis, cera e pólen, 
apitoxina. A criação racional de abelhas pode vir a ser uma segura fonte de renda 
para pequenas propriedades rurais. De todos os produtos apícolas o mais procurado 
ainda é o mel, por isso todo o planejamento econômico, é baseado nas condições 
da flora apícola da região, que se reflete diretamente na produtividade. 
 
 Como suporte à agricultura: 
 
Quando é utilizada na polinização das culturas agrícolas. Pesquisas mostram que 
a ação polinizadora das abelhas é de quinze a vinte vezes mais importante na 
produção de frutos e grãos comparados à produção de mel. Exercida de maneira 
racional, pode tornar-se uma atividade de grande importância sócio–econômica. 
 
 
Produção de frutas resultante da polinização. Cerca de 
50% da qualidade e quantidade dessas frutas foram 
obtidas, basicamente, através da polinização por 
abelhas. 
 
 Como meio ecológico: 
 
Atuando na perpetuação das espécies nativas, que dependem da polinização 
cruzada. 
 
 
 
 ORGANIZAÇÂO SOCIAL 
 
 As abelhas são seres que vivem coletivamente em grandes sociedades, 
apresentam como características: 
 Uma metamorfose completa durante o ciclo evolutivo. 
 As responsabilidades são divididas de acordo com o tipo de indivíduo ou casta. 
 A divisão de trabalho entre as operárias obedece ao desenvolvimento interno do 
organismo, de acordo com a idade. 
Sendo da classe dos insetos, possuem sangue frio (linfa), mesmo assim 
conseguem manter a temperatura interna da colméia variando entre 30 e 36°C, 
necessários para a eclosão dos ovos, desenvolvimento das crias e maturação do 
mel, (WIESE (1990). 
 Se a temperatura externa baixa as operárias se aglomeram em forma de bola, 
em cima das crias e passam a consumir mais mel, para assim liberar calor e aquecer 
o ambiente. 
Se a temperatura fica alta as abelhas utilizam um sistema de ventilação, 
formando uma corrente de ar, através do movimento das asas e se há pouca 
entrada de néctar elas passam a carregar água e evaporar garantindo as condições 
ambientais desejadas. 
 
 As três castas 
 
As abelhas vivem em alojamentos, onde 
organizam seus ninhos, esta, colônia ou 
enxame de abelhas significa uma família, é 
composta por três tipos de indivíduos 
chamados de casta. Os indivíduos que 
formam a família das abelhas são: 
 
 
 RAINHA – uma só, que é a mãe da família; 
 OPERÁRIAS – são a maior parte da população, em média 80.000; 
 ZANGÕES – são os machos da família, existem de zero a algumas centenas. 
 
 
 
 
 A quantidade de operárias e zangões em uma colméia depende: 
 Das condições de alimento (floradas); 
 Capacidade de postura da rainha; 
 Espaço disponível na colméia; 
 Época do ano (inverno ou seca). 
 CICLO EVOLUTIVO DAS TRÊS CASTAS 
 
É o período de desenvolvimento do inseto, que vai da fase de ovo até a 
formação do inseto adulto, através de uma metamorfose completa, obedecendo uma

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.