A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
apostila apicultura

Pré-visualização | Página 6 de 8

Quando isso acontece, o mel está pronto para ser colhido. 
 DIVISÃO DE FAMÍLIA 
 Objetivo 
 Ampliação do apiário a partir de colméias já existentes, ou formação de 
núcleos para comercialização. 
 Método 
- Preparar um ninho com dez quadros de cera alveolada 
- Escolher a colméia que vai ser dividida 
 Colocar a caixa vazia ao lado da colméia matriz 
- Dividir proporcionalmente as operárias; 
- Dividir a reserva de alimentos; 
- Dar condições para a colméia órfã produzir sua rainha 
- Ter cuidados com ataque de inimigos. 
Não é necessário se preocupar onde ficará a rainha, ela será localizada quando a 
colméia órfã começar a formar realeiras. 
 Condição para produção de uma nova rainha. 
Ao dividir a família devem ser deixados nas duas colméias, favos com ovos 
e/ou larvas menores de três dias, que possibilita a formação de realeiras, assim 
 
 
como favos com abelhas nascentes, que vão servir para produzirem geléia real e 
alimentar as larvas. 
 Época apropriada 
O melhor período para a divisão é durante a florada, quando as colméias se 
encontram com as rainhas em franca postura formando famílias populosas e com as 
operárias em grande atividade e produção. 
 Como fazer: 
- Preparar um ninho com dez quadros de cera alveolada 
- Escolher a colméia que vai ser dividida 
- Colocar a caixa vazia ao lado da colméia matriz 
- Não é necessário se preocupar onde ficará a rainha, ela será localizada quando 
a colméia órfã começar a formar realeiras. 
- Para saber onde ficou a rainha, deve ser feita uma revisão rápida após uma 
semana a família que ficou sem rainha já deverá ter formado realeiras. 
- Concluído o trabalho, fecha-se a colméia que foi dividida com tela de transporte e 
leva-se para outro local, dentro do apiário ou para outro apiário. Se a colméia for 
deixada no mesmo apiário deve ficar fechada durante dois dias, retirando-se a 
tela na manhã do terceiro dia. 
- No caso da colméia ser transferida para outro apiário que fique distante pelo 
menos a dois quilômetros, poderá ser aberta imediatamente. 
- A colméia nova ocupará o local anterior e receberá as abelhas que restavam 
fora, assim as duas ficarão com população equilibrada. 
- Para formar um núcleo pela divisão de família; preparam-se cinco quadros com 
cera alveolada completa para repor os quadros retirados da colméia matriz e 
dessa são retirados três favos com crias operculadas e dois com larvas novas, 
menores de três dias para dar condições de ser criada uma nova rainha, todos os 
favos devem ir com as abelhas aderentes para a formação da nova família. 
Outra maneira de se fazer a divisão é retirar de cada família forte um ou dois 
quadros com as crias, sem as abelhas, colocar numa caixa vazia, retirar uma 
colmeia do local deixar nele o nova para ser povoada com as abelhas de retorno. 
 
 
 
 
 
 
 
 UNIÃO DE FAMÍLIAS 
 Objetivos: 
É importante para o apicultor manter todas as colméias fortes e 
assim o apiário padronizado. Sabe-se que as famílias fracas não 
fazem reservas de mel, mesmo quando a florada é abundante. É 
melhor para o produtor. Ter 20 colmeias populosas do que 50 
fracas. Por isso aconselha-se a união das famílias que não 
apresentarem produção em pelo menos dois períodos de 
florada. 
 Época Apropriada: 
É durante a florada, quando se pode identificar uma colméia fraca por 
problemas genéticos. A união de famílias vai refletir na produção de mel. 
 Técnica: 
Consiste na junção de uma família de população baixa com outra em 
condições iguais. Porém, as colméias só podem ser avaliadas durante a florada, 
porque geralmente no período crítico as famílias reduzem a população. 
 Métodos: 
Existem vários métodos de união de famílias, porém, o mais utilizado é o 
conhecido como “método do jornal” por ser simples e fácil de ser feito pelos 
apicultores. 
 Etapas: 
- Escolher as colméias a serem unidas, cada uma em seu lugar. 
- Retire a rainha da colméia que parecer mais fraca, ou que já apresente sinais de 
esgotamento. Este trabalho deve ser feito pela manhã ou dia anterior, dando 
tempo para as abelhas se acalmarem. 
- Enquanto espera, providenciar duas folhas de jornal e um pouco de mel, caso 
não disponha de mel de abelhas, este poderá ser feito com açúcar ou rapadura. 
- No final do dia, retirar a tampa da colméia que está com rainha e colocar sobre 
esta uma folha de jornal. Espalhe sobre ela um pouco de mel, cobrindo-a com 
outra folha. 
 
 
- Deslocar o fundo da colméia órfã com cuidado, para que as abelhas não se 
dispersem. 
- Colocar a colméia órfã sobre a caixa que está coberta pelo jornal. Este trabalho 
deve ser feito sempre a tardinha, quando a maioria das campeiras estão em 
casa. 
- Após uma semana completar a operação, reunindo as abelhas e crias num só 
ninho, deve ser providenciada a melgueira. 
Outro método de união de famílias fracas, que oferece bons resultados, é feito 
com a unificação de cheiro, para isso podem ser utilizados produtos de cheiro forte 
como cânfora, naftalina e outros. Porém, o mais aconselhável são os de origem 
orgânica, como folhas de plantas que tenham odor característico, como o velame, 
marmeleiro, capim santo e outros, deste ultimo pode ser utilizado o óleo que tem 
cheiro forte e permanece por mais tempo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 COLETA E BENEFICIAMENTO DE MEL 
 
- Antes de iniciar a coleta o apicultor deve, 
preparar a centrífuga, ao sair consultar as 
fichas de acompanhamento para saber quais 
as colméias que estão com mel. Levar para o 
apiário, melgueiras vazias, tampadas com 
bandejas ou com as próprias tampas das 
colméias. 
- Retirar os favos com mel maduro (operculados) sem feri-los, deixando as abelhas 
na colméia, retirando-as com auxílio de uma escova. Colocar os quadros de mel 
na melgueira vazia, mantendo-a sempre fechada. 
- Levar imediatamente as melgueiras para o quarto do mel, para evitar o saque. 
- Caso existam quadros com crias na melgueira, podem ser utilizados para reforçar 
colméias fracas. 
Quadros de melgueira com mel, recém depositado e não operculados. Mel ainda 
verde não devem ser colhidos. Em seguida as melgueiras são levadas para a sala 
de mel onde vai ser centrifugado. 
Um quadro de melgueira com mel maduro (operculados). Pesa mais ou menos 1,5 
Kg de mel. 
Quadro de ninho com mel maduro (operculados). Pesa 3,0 a 3,5 Kg de mel. 
 
 DESOPERCULAÇÃO DO MEL 
 
 
- Os favos são desoperculados (abertos) com auxílio de 
um garfo desoperculador, que retira a película de cera 
sem estragar o favo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 CENTRIFUGAÇÃO DO MEL 
 
 
Colocar os quadros na centrífuga até completar 
a carga. O movimento giratório deve começar 
aumentando gradativamente. Se a centrifuga 
for facial, virar os quadros para retirar o mel 
dos dois lados. Depois de retirado o mel, os 
favos vazios serão devolvidos à colméia. 
Através da centrifugação pode à retirada do 
mel, é feita sem estragar os favos. O local para 
o beneficiamento do mel, deve ser bem 
fechado com tela, para evitar o ataque das 
abelhas 
 CONSERVAÇÃO DO MEL 
 
- Colocar para decantar, e após dois dias retirar as impurezas suspensas; 
- Utilizar sempre vasilhas bem secas, para não fermentar o produto; 
- Manter o produto sempre em vasilha bem fechada para evitar a entrada de 
insetos; 
- Não guardar por muito tempo em recipientes de lata, cobre ou zinco; 
- Se possível, mantê-lo ao abrigo da luz. 
 CERAS 
 
 As ceras podem ser oriundas do reino vegetal, mineral e animal

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.