A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Paul Singer 78 - O uso do solo urbano na economia capitalista

Pré-visualização | Página 5 de 5

habitar a cidade; o que significa
mais do que permanecer fisicamente dentro dela. Para esta
população, que vegeta em favelas ou em vilas operárias, os
sistemas de transportes, de, comunicações, de saneamento, etc.,
são inacessíveis em maior ou menor grau, ao passo que áreas
vagas, que facilitariam este acesso, lhes são vedadas pela bar-
reira da propriedade privada do solo urbano.
Quem estuda um mapa da distribuição dos serviços urba-
nos de responsabilidade do Estado no território da cidade veri-
fica facilmente que eles se encontram apenas à disposição dos
moradores de rendimentos elevados ou médios. Quanto menor
a renda da população, tanto mais escassos são os referidos
serviços. Isto poderia despertar a suspeita de que o Estado
agrava sistematicamente os desníveis econômicos .e sociais, ao
dotar somente as parcelas da população que já são privilegia-
das de serviços urbanos, dos quais as parcelas mais pobres
possivelmente carecem mais. Mas a suspeita é infundada. Quem
3S
promove esta distribuição perversa dos serviços urbanos não é
o Estado, mas o mercado imobiliário.
Sendo o montante de serviços urbanos escasso em relação
às necessidades da população, o mercado os leiloa mediante
a valorização diferencial do uso do solo, de modo. que mesmo
serviços fornecidos gratuitamente pelo Estado aos moradores
- como ruas asfaltadas, galerias pluviais, iluminação pública,
coleta de lixo, etc. - acabam sendo usufruídos apenas por
aqueles que podem pagar o seu "preço" incluído na renda do
solo que dá acesso a eles.
36
IIABITAÇÃO E URBANISMO:
C) PROBLEMA E O FALSO PROBLEMA
tvnu!o apresentado na 27.a Reunião Anual da SBPC, 1975
(;t\JlIUEL BOLAFFI
Post Scriptum, à guisa de introdução
Embora escrito há mais de quatro anos, o texto que segue
IIIL~ agrada e, principalmente, me parece útil. O tempo trans-
e 'orrido desde a sua redação invalidou certos dados utilizados
t' até alguns raciocínios neles baseados. Ainda assim, muito
infelizmente, tanto a atualização dos números quanto a cor-
rccão de algumas conclusões nada acrescentariam à atualidade
cio texto.
Os dados sobre renda per capita implícitos no texto estão
relativamente superados e poderiam gerar alguns equívocos.
('onseqüentemente estão equivocados alguns raciocínios basea-
dos naqueles Índices. Recentemente anunciou-se que no ano
ele 1978 a renda per capita brasileira elevou-se para 1580 U.S.
dólares. Não importa que a oposição, com as intrigas que
lhe são habituais, se apresse em lembrar que essa elevação ocor-
reu, pelo menos em parte, graças à inflação da moeda padrão.
Isso não obscurece o fato de que, ao contrário do que o texto
insinua, o capitalismo brasileiro está em vias de dar, se é que
já não deu, um salto quantitativo considerável. " .Ó.- /
Mas o salto qualitativo, ou pelo menos aquele salto quali-
tativo anunciado pelos autores da Teoria da Torta, parece que
deu chabu. O valor atingido pela renda per capita em 1978
indica que desde o ano da criação do BNH até o presente,
pelo menos em termos nominais, a torta da riqueza nacional
nesse país cresceu cinco vezes. Só que em vez de reparti-ia,
os donos da casa já começam a falar em coibir-lhe o excessivo
37