A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
COLANGITE

Pré-visualização | Página 1 de 1

I FORUM PAULISTA
DE INFECÇÕES INTRA-ABDOMINAIS
DR RODRIGO CAÑADA SURJAN
DOUTOR EM CIRURGIA PELA FACULDADE DE MEDICINA DA USP
 Colangite: inflamação das vias biliares
 Obstrução: litíase, stent
 Estenoses
 Neoplasias
 Ascaris lumbicoides
 AIDS
 coledococele
 Síndrome clínica:
 Estase e infecção do trato biliar
 Descrita por Charcot, 1877
 Dor 
 Febre
 Icterícia
 50 a 75% dos casos
 Pêntade de Reynolds (1959 com Dr. Everett L. Dargan)
 Confusão
 Hipotensão
 Colangite supurativa, maior morbi-mortalidade
Boey JH et al. Acute cholangitis. Ann Surg 1980.
 Colangite aguda:
 Infecção bacteriana em paciente com obstrução biliar
 Grande maioria ascedente
 Raro – disseminação portal
 Principal fator de risco: obstrução
 Litíase
 Estenose benigna
 Neoplasias
 Stents (18% de colangite em stents por tumor)
Kimura et al. Definitions, pathophysiology and epidemiology of acute cholangitis and cholecystitis: Tokio Guidelines. J Hepatobiliary Pancreat Surg 2007.
Mecanismos de barreira
 Esfíncter de Oddi
 Fluxo contínuo de bile
 Sais biliares – bacteriostáticos
 Anti-aderência:
 IgA
 Muco biliar
 Elevação da pressão biliar por obstrução:
 Translocação de bactérias da circulação portal
 Migração da bile para circulação sistêmica – sepse
 Prejudica:
 Células de kupffer
 Fluxo biliar
 Produção de IgA
Sung JY et al. Defense system in the biliary tract against bacterial infection. Dig Dis Sci 1992.
 Grande fluxo de bactérias para vias biliares:
 Esfincterotomia endoscópica
 Stent biliar
 Cirurgias derivativas
 Drenagem incompleta
 Obstrução de prótese
 Corpo estranho na árvore biliar – litíase de colédoco
 Maior chance de cultura de bile positiva – passagem pelo Oddi
 Sem corpo estranho – maior parte das culturas de bile negativas
Leung JW et al. Bacteriological and electron microscopy examination of brown pigment stones. J Clin Microbiol 1989.
 Na colangite:
 Cultura de bile, cálculo de colédoco, prótese:
 >90% positividade
 10-20% enterococos (mais comum nos cálculos)
 E coli 25-50% 
 Klebsiella sp 10- 20%
 Anaeróbios (bacteroides e clostirium), parte da flora mista, patogênicos?
Van der Hazel SJ. Role of antibiotics in the treatment and prevention of acute and recurrent cholangitis. Clin Infect Dis 1994.
Laboratório
 Leucitose, neutrofilia
 Padrão colestático:
 FA, GGT, BD
 Necrose hepatocitária – elevação > 2000 –microabscessos
 Hiperamilasemia – pancreatite associada
Mosler P. Diagnosis and management of acute cholangitis. Curr Gastroenterol Rep 2011.
Diagnóstico
 Suspeita:
 Febre, bacteremia
 Leucocitose, elevação PCR
 Icterícia
 Alteração enzimas hepáticas / canaliculares
 Diagnóstico:
 Dilatação de vias biliares
 Achado etiológico – litíase, stent, estenose
 Sempre colher culturas:
 Sangue
 Stents e bile – CPRE e TPH
 Cirurgia
 USG
 Limitações 
 (20% negativo cálculos pequenos)
 Colangio-RNM
 CPRE
 ECO-EDA
Diferenciais
 Fístulas biliares
 Diverticulite
 Colecistite
 Pancreatite
 Apendicite
 Abscesso hepático
 Cisto de colédoco infectado
 Sd. Mirizzi
 Perfuração intestinal
 Pneumonia lobar inferior/ empiema
Tratamento
 Internação hospitalar
 Monitorização para sinais de sepse
 Antibiotico empírico
 Inibidor beta-lactamase
 Cefalosporina 3ª. geração + metronidazol
 Opções:
 Quinolona + metronidazol
 Carbapenêmico
 Cobrir agentes em culturas
 7- 10 dias
 Estabelecer drenagem de vias biliares: 
 Em 24 – 48 horas – 80% respondem aos antibióticos
 CPRE:
 Tratamento de escolha? – retirada de cálculo, colocação de stent
 Esfincterotomia – colonização via biliar, drenagem incompleta
 DTPH
 Cirurgia – para casos eletivos
 Drenagem urgente: 
 Dor persistente
 Hipotensão
 Febre > 39 graus
 Confusão mental
Prognóstico
 Mortalidade 2– 65%
 Década de 70 - > 50%
 Atual - < 11%
 Colangite severa – 20-30%
Mensagens
 Colangite = grave
 Quebra de barreiras de defesas, ganho rápido da corrente sanguínea, 
desorganização imunológica
 Antibiótico –
 Reavaliações precoces
 Tratamento multidisciplinar
 Cuidado ao contaminar via biliar
 Garantir drenagem completa
Muito obrigado
drsurjan.com