A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
81 pág.
Logística - Textos II

Pré-visualização | Página 16 de 43

através	
   da	
   automatização	
   de	
  
processos	
  e	
  da	
  definição	
  prévia	
  dos	
  locais	
  de	
  armazenagem	
  dentro	
  dos	
  armazéns.	
  	
  
• Para	
   a	
   gestão	
   de	
   transportes/roteamento:	
   definição	
   de	
   rotas	
   mais	
   eficientes	
   de	
  
entrega	
  para	
  minimizar	
  custo	
  e	
  tornar	
  as	
  entregas	
  mais	
  rápidas	
  e	
  confiáveis.	
  Uso	
  de	
  
sistemas	
   como	
   Paragon	
   Routing,	
   que	
   utilizam	
  mapas	
   eletrônicos.	
   O	
   uso	
   integrado	
  
com	
   o	
   GPS	
   pode	
   ser	
   benéfico.	
   Pode-­‐se	
   definir	
   também	
   os	
   postos	
   para	
   abastecer,	
  
restaurantes	
  em	
  que	
  parar,	
  endereços	
  pré-­‐estabelecidos,	
  etc.	
  
• Para	
  simulação	
  de	
  operações	
  e	
  malha	
  logística:	
  sistemas	
  que	
  reproduzem	
  a	
  operação	
  
de	
   uma	
   empresa	
   e	
   permite	
   testes,	
   dimensionamento	
   de	
   alternativas	
   sem	
   incorrer	
  
em	
   tentativas	
   experimentais	
   reais	
   que	
   acarretam	
   custos.	
   Esses	
   modelos	
   de	
  
simulação	
   levam	
   em	
   conta	
   todos	
   os	
   recursos	
   e	
   as	
   restrições	
   envolvidas	
   nos	
  
processos	
  e	
  podem	
  ser	
  sistemas	
  como	
  Promodel	
  e	
  Simul8.	
  	
  
• Para	
   gestão	
   de	
   estoques:	
   para	
   rastrear	
   e	
   analisar	
   as	
   transações,	
   os	
   padrões	
   de	
  
compra	
  dos	
  clientes	
  para	
  fazer	
  segmentação	
  ABC	
  e	
  para	
  mensurar	
  lead	
  times,	
  custo	
  
da	
   falta,	
  ciclo	
  de	
  vida,	
  custo	
  de	
  manutenção	
  em	
  estoques,	
  para	
  analisar	
  cenários	
  e	
  
monitorar	
  o	
  desempenho.	
  SAP	
  e	
  Oracle	
  são	
  usados.	
  	
  
O	
  RFID	
  é	
  uma	
  tecnologia	
  que	
  tem	
  a	
  mesma	
  destinação	
  do	
  código	
  de	
  barras,	
  de	
  automatizar	
  
a	
   identificar	
   itens	
  de	
   forma	
  rápida	
  e	
  confiável.	
  No	
  entanto,	
  o	
  RFID,	
  que	
  é	
  uma	
  espécie	
  de	
  
chip	
  que	
  colocam	
  nos	
  produtos,	
  podem	
  acumular	
  mais	
  informações	
  sobre	
  o	
  item.	
  Além	
  de	
  
identificar,	
   pode	
   rastrear	
   os	
   itens	
   em	
   tempo	
   real	
   ao	
   se	
   movimentarem,	
   e	
   detectar	
   uma	
  
grande	
  quantidade	
  e	
  variedade	
  de	
  objetos	
  rapidamente,	
  não	
  tendo	
  a	
  necessidade	
  de	
  passar	
  
um	
   por	
   um	
   no	
   leitor	
   de	
   código	
   de	
   barras.	
   Eles	
   são	
   importantes	
   para	
   identificar	
   onde	
   as	
  
perdas	
  de	
  produtos	
  estão	
  ocorrendo,	
  evitar	
  fraudes,	
  diminuir	
  o	
  número	
  de	
  discrepância	
  do	
  
número	
  de	
  pedidos	
  e	
  o	
  que	
  o	
  cliente	
  realmente	
  recebe	
  (por	
  erro	
  ou	
  fraude),	
  identificação	
  e	
  
contagem	
   de	
   itens	
   nos	
   estoques	
   de	
   forma	
   rápida	
   e	
   precisa,	
   auxiliando	
   na	
   gestão	
   desses	
  
produtos.	
  	
  
	
  
TI	
  na	
  gestão	
  de	
  clientes	
  e	
  de	
  distribuição	
  
São	
   os	
   sistemas	
   chamados	
   CRM	
   e	
   tem	
   um	
   papel	
   muito	
   importante,	
   principalmente	
   em	
  
marketing	
   e	
   vendas.	
   Eles	
   possibilitam	
   a	
   segmentação	
   dos	
   clientes,	
   manutenção	
   de	
   um	
  
banco	
  de	
  dados	
  com	
  as	
  informações	
  prioritárias	
  dos	
  clientes	
  (favorecendo	
  o	
  relacionamento	
  
e	
   as	
   vendas	
   direcionadas)	
   gestão	
   de	
   campanhas	
   de	
  marketing,	
   de	
   recursos	
   de	
  marketing	
  
(pesquisa	
   de	
  mercado,	
   etc),	
   a	
   fidelização	
   do	
   cliente	
   (gestão	
   de	
   atividades	
   de	
   call	
   center),	
  
planejamento	
   e	
   previsão	
   de	
   vendas,	
   contas	
   e	
   contratos	
   estabelecidos	
   com	
   os	
   clientes,	
  
gestão	
  de	
  pedidos,	
  de	
  preços	
  e	
  comissões,	
  etc.	
  	
  
	
  
TI	
  para	
  distribuição	
  de	
  informações	
  
Trata-­‐se	
  de	
  entregar	
  produtos	
  ao	
  cliente	
  em	
  forma	
  de	
  informação,	
  direto	
  pelo	
  computador,	
  
para	
  ser	
  feito	
  download.	
  Empresas	
  que	
  fazem	
  isso	
  são	
  a	
  Amazon	
  (vende	
  livros	
  não	
  físicos,	
  
por	
  download)	
  e	
  a	
  Netflix	
   (vende	
  um	
  pacote	
  que	
  te	
  permite	
  baixar	
   filmes).	
  Essa	
   forma	
  de	
  
comércio	
   altera	
   a	
   lógica	
   da	
   produção,	
   da	
   logística	
   e	
   assim	
  das	
   redes	
   de	
   suprimentos	
   que	
  
produzem	
   e	
   entregam.	
   Além	
   de	
   não	
   serem	
   necessários	
   os	
   processos	
   de	
   suprimento,	
  
produção	
   e	
   transporte,	
   é	
   uma	
   ótima	
   solução	
   do	
   ponto	
   de	
   vista	
   sustentável,	
   está	
   ficando	
  
cada	
   vez	
   mais	
   comum	
   e	
   exige	
   um	
   grau	
   de	
   desenvolvimento	
   tecnológico	
   alto	
   tanto	
   do	
  
fornecedor,	
  quanto	
  do	
  cliente.	
  
	
  
	
  
	
  
Corrêa,	
  Cap	
  10	
  –	
  Gestão	
  de	
  redes	
  de	
  suprimento	
  
	
  
Logística	
   é	
   a	
   parte	
   da	
   gestão	
   da	
   rede	
   de	
   suprimentos	
   que	
   planeja,	
   implanta	
   e	
   controla	
  
eficiente	
  e	
  eficazmente	
  os	
  fluxos	
  diretos	
  e	
  reversos,	
  a	
  armazenagem	
  de	
  produtos,	
  serviços	
  e	
  
as	
  informações	
  correspondentes,	
  entre	
  o	
  ponto	
  de	
  origem	
  e	
  o	
  ponto	
  de	
  consumo,	
  de	
  forma	
  
a	
  atender	
  os	
  requisitos	
  do	
  cliente.	
  
No	
  estudo	
  de	
  caso	
  da	
  Avon,	
  a	
  estratégia	
  de	
  repetir	
  seu	
  modelo	
  de	
  rede	
  de	
  suprimentos	
  em	
  
cada	
   novo	
  mercado	
   que	
   entrasse	
   seria	
   ineficiente	
   e	
   caro.	
   Todavia,	
   ciclo	
   curto	
   de	
   vendas	
  
requer	
  rede	
  de	
  suprimentos	
  de	
  resposta	
  rápida	
  e	
  flexível.	
  Com	
  isso,	
  a	
  Avon	
  adotou	
  sistemas	
  
mais	
   sofisticados	
   de	
   coordenação,	
   gestão	
   de	
   estoques	
   e	
   programação	
   de	
   produção;	
   as	
  
decisões	
   sobre	
  níveis	
  de	
   serviço,	
   estoques	
  e	
   custos	
  poderiam	
  então	
   ser	
   tomadas	
  olhando	
  
para	
   a	
   rede	
   inteira	
   e	
   não	
   apenas	
   nacionalmente.	
   A	
   partir	
   disso,	
   redesenhou	
   a	
   rede	
   de	
  
instalações	
  para	
  que	
  ela	
  fizesse	
  sentido	
  operacionalmente.	
  Expandiu	
  a	
  capacidade	
  produtiva	
  
no	
  coração	
  da	
   região	
  em	
  que	
  a	
  demanda	
  se	
  expandia.	
  Estoques	
  passaram	
  a	
  ser	
  mantidos	
  
centralizados	
   e	
   apenas	
   finalizados	
   e	
   enviados	
   às	
   regiões	
   quando	
   as	
   tendências	
   dos	
  
mercados	
   ficavam	
   claras.	
   Isso	
   exigiu	
   agilidade	
   no	
   transporte	
   do	
   armazém	
   central	
   para	
   os	
  
regionais.	
   No	
   geral,	
   houve	
   maior	
   facilidade	
   de	
   responder	
   a	
   mudanças	
   no	
   mercado	
   e	
  
economizou	
  U$$	
  50	
  milhões	
  à	
  empresa,	
  com	
  simultânea	
  melhora	
  nos	
  níveis	
  de	
  serviços.