A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
Direito Empresarial II leo imprimir

Pré-visualização | Página 9 de 10

assinatura do emitente sacador ou de seu mandatário com poderes especiais, requisito essencial.
Endosso: art. 19 a 20, LC Valem as mesmas regras que nós já vimos, salvo, não cabe endosso calção ou penhor no cheque. Não cabe por uma questão de coerência do vencimento. Se o cheque é uma ordem de pagamento a vista ele não pode ser usado como garantia.
CC conjunta – é aquele que tem eu e minha mãe, eu e mais alguém..tenho com outro titular. O cheque voltando sem fundos pode ser cobrado do emitente do cheque, o que assinou este cheque. Esta é uma situação. A fundamentação está nas características dos títulos, não assinou não se obrigou. Mas eu tenho a mesma conta, tem um limite de crédito de 10.000,00 aí gastei mais 13.000,00, voltou sem fundo, mas to usando os 10.000,00 do crédito especial, em relação ao banco os dois titulares da conta são solidariamente responsáveis. Porque com o banco a relação é contratual e não cambiária.
Contrato de Abertura de Crédito - o banco faz uma analise da minha capacidade patrimonial, de acordo com teu patrimônio posso te dar um limite de crédito de 10.000,00, caso tu não tenha previsão de fundos e tu tenha um cheque até este valor o banco irá pagar. Isto é uma previsão para poder utilizar o cheque especial.
AVAL: Art. 29 a 31 – As mesmas regras que já trabalhamos.
Apresentação – art.33 na próxima aula.
12.11.2013
Endosso: art. 18 a 20, L. 7357/85 
Aval: art. 29 a 31
Apresentação e reapresentação: art. 33 c/c Súmula 600, STF: O cheque tem algumas particularidades que não encontramos nem na letra de câmbio, duplicata e nota promissória. Acontece que para o credor poder cobrar dos obrigados indiretos ele tem que comprovar o inadimplemento de quem deveria pagar, e essa forma é o protesto, que deverá ser realizado observando o prazo. O cheque a situação é diferente porque tem o sacado (banco), que deve pagar se tem previsão de fundo, se tem todos os requisitos, assim como o emitente também tem obrigações. Sempre que o banco não pagar ele vai dizer isto a partir da imposição de um carimbo, ele não vai pagar e vai dizer o motivo. Quem defini as alíneas é o Banco Central. Este carimbo com motivo é chamado de declaração equivalente, equivalente ao protesto. Para o cheque o protesto pode até ser realizado, mas ele vai ser facultativo, pois o sacado faz isso carimbando o cheque. O protesto é sempre facultativo, a única exceção para pedir a falência com base no art. 94 da lei 11101/05. A declaração equivalente tem que ser observado certo prazo, é o prazo de apresentação, é 30 dias a contar da data de emissão quando da mesma praça, mesma localidade, ou 60 dias a conta da data de emissão quando de praças distintas.
Contra-ordem: art. 35 Na lei elas tem uma determinada conceituação, na prática ocorre. É só pensar na estrutura do cheque, ele é uma ordem de pagamento, se eu dou uma ordem, não quero mais, eu tiro a ordem, ela vai ser uma contra ordem, só pode ser feita pelo emitente e tem como objetivo retirar a ordem dada. Só pode ser feita pelo emitente, deve obrigatoriamente ser por escrito e fundamentada, se utilizam dois fundamentos: 1 – desacordo comercial e 2- furto ou roubo. No um a alínea que o banco vai carimbar é 21. Se for furto ou roubo é alínea 28. O banco faz distinção por que furto ou roubo vai ter que apresentar o boletim de ocorrência, e se for esse motivo o cheque não pode ser protestado. O banco não pode exigir detalhes do desacordo comercial. O funcionário não deve questionar o motivo do desacordo. Esta medida que é a revogação é definitiva, uma vez dada a contra ordem e medida definitiva. 
Sustação: art. 36 A sustação é uma medida temporária, cujo prazo que o banco não poderá pagar é o prazo legal. Podendo o emitente ou o portador legitimado retirar a solicitação, também tem que ser por escrito e fundamentada. Mas se ele não retirar e vencido o prazo legal, cessa os seus efeitos. O entendimento é que também cabe a furto ou roubo e desacordo comercial. Pelo que esta na lei, uma medida preventiva que a sustação e uma medida definitiva que é a contra-ordem. Na prática, os bancos não fazem distinção entre sustação e contra-ordem, recebendo a solicitação e mantendo a mesma até que haja manifestação em sentido contrário pelo emitente. Inclusive isto é ratificado pelas alíneas do banco central que são as mesmas para sustação ou contra-ordem. O observância do prazo legal é garantir o direito de regresso contra os obrigados indiretos.
(oposição)
Cancelamento: ocorre quando o cheque se quer foi emitido (assinado) e é perdido, extraviado, furtado ou roubado.. se eu não emitir o cheque a assinatura não pode bater.
Pagamento: pode se dar em cheque na boca do caixa. Ou por compensação.
 - Parcial: art. 38 – o cheque também, a lei prevê esta possibilidade, de se eu tenho um cheque que é no valor de R$ 2.00,00 e quem passou o cheque só tem R$500,00 na conta, o banco pode pagar parcialmente e eu fazer uma declaração de que recebi esse valor, ficando com o cheque para receber o restante do pagamento.
 - Morte do Emitente: art. 37 pode pagar depois do falecido.
Avisos: art. 49 Também o credor deve dar os avisos, o cheque voltou sem fundo. 
Prescrição: art. 59 É seis meses mais 30 dias ou 60 dias. Observando se é da mesma praça ou não. 
Ação de Locupletamento: art. 61
Qual a probabilidade de êxito da Ana nos embargos movidos na ação de execução do Ronaldo, serem julgados procedentes se a Ana alegar que fez a sustação porque o carro fundiu o motor? Ela ta alegando o problema do negócio que fez com a Aline.O Ronaldo é um terceiro, de boa-fé, salvo se provar q esta de má-fé, princípio de inoponibilidade.
13.11.2013
PROTESTO: meio de cobrança no sentido de coagir o devedor a pagar, visto que quando é lavrado o protesto o devedor vai ser inserido nos órgãos de cobrança. A jurisprudência tem entendido que o protesto do cheque fora do prazo legal é abusivo e nestes casos tem condenado o credor a indenizar os danos causados ao devedor. Se eu efetuar o a ponto no tabelionato de protesto, nos 30 ou 60 dias, o me cliente que é o credor não vai correr o risco de ser condenado pela instituição indevida do protesto. Se ele fizer depois do prazo, ela poderá ser condenado. Depois de prescrito nenhum titulo pode ser protestado e o tabelião não esta obrigado a conferir se esta prescrito ou não a responsabilidade é unicamente do credor caso venha protestar o título prescrito. 
Prescrito o cheque pode ser impetrada Ação de locupletamento ilícito, art. 61 L. 7357/85. Prescreve em dois anos, a partir de quando se consumar a prescrição. É ação de rito ordinário, a finalidade é cobrar como uma ação de execução. Uso para criar um novo título e executar. Tem também a ação de cobrança e a ação monitória – art. 206, §5º, I CC. 5 ANOS. Na prática o que mais se utiliza para cheque prescrito é a ação monitória.
Espécies de cheque
Cheque especial: que vem atrelado a um contrato de abertura de crédito.
Cheque administrativo ou bancário: art. 9 é aquele em que o correntista solicita ao banco que ele emita o cheque mediante o débito na conta daquele do valor correspondente ao cheque e encargos.
Cheque visado: art. 7 - é aquele em que o correntista emite o cheque, e peço pro banco de o visto de que aquela quantia existe. Porque quando o banco der o visto ele vai tirar da minha conta o valor e depois vai debitar o valor do cheque. Se o cheque não for apresentado no prazo legal, o banco credita o valor na minha conta de novo, depois desse prazo legal ele volta a ser um cheque normal, pode ser que o credor não tenha fundos.
Cheque cruzado: artigos 44 e 45, tem duas modalidades: o geral e o especial. Geral: a conseqüência é que o pagamento só pode ser mediante compensação, eu cruzei porque só quero que ele seja pago mediante depósito, é uma forma de segurança. O ideal é colocar nominal e cruzar. O cruzamento não impede a circulação, mas a pessoa que receber o cheque se quiser descontar vai ter que identificar. O cruzamento especial é mais utilizado por empresa, no meio