A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 8 de 50

patrimonial.	
   No	
   regime	
   de	
   separação	
  
convencional	
  de	
  bens,	
  a	
  doação	
  entre	
  cônjuges	
  é	
  possível,	
  porque	
  um	
  cônjuge	
  transfere	
  bem	
  
de	
  seu	
  patrimônio	
  para	
  o	
  patrimônio	
  do	
  outro.	
  Na	
  separação	
  obrigatória	
  (art.	
  1.641),	
  a	
  doação	
  
não	
  é	
  válida	
  se	
  feita	
  com	
  o	
  intuito	
  de	
  burlar	
  o	
  regime,	
  diz	
  Sanseverino.	
  
22	
  
Art.	
   544.	
   A	
   doação	
   de	
   ascendentes	
   a	
   descendentes,	
   ou	
   de	
   um	
   cônjuge	
   a	
  
outro,	
  importa	
  adiantamento	
  do	
  que	
  lhes	
  cabe	
  por	
  herança.	
  
	
  
10.4.	
  Doação	
  em	
  forma	
  de	
  subvenção	
  periódica.	
  
	
   Trata-­‐se	
  de	
  uma	
  pensão,	
  diz	
  Carlos	
  Roberto	
  Gonçalves.	
  Pode	
  ser	
  em	
  dinheiro,	
  o	
  que	
  
mais	
  acontece,	
  ou	
  em	
  outros	
  bens,	
  como	
  rancho,	
  bolsa	
  de	
  estudos,	
  etc.	
  Não	
  se	
  trata	
  de	
  várias	
  
doações,	
   mas	
   de	
   uma	
   única	
   com	
   execução	
   continuada	
   (Sanseverino).	
   O	
   contrato	
   deve	
   ser	
  
celebrado	
  por	
  instrumento	
  público	
  ou	
  particular.	
  O	
  prazo	
  de	
  duração	
  pode	
  ficar	
  estipulado	
  no	
  
próprio	
   instrumento,	
  mas	
   se	
  nada	
  constar,	
  o	
   termo	
   final	
   será	
  a	
  morte	
  do	
  doador.	
  Contudo,	
  
ainda,	
  pode	
  a	
   liberalidade	
  ir	
  além	
  da	
  morte	
  do	
  doador,	
   limitada	
  às	
  forças	
  da	
  herança.	
  Neste	
  
caso,	
  a	
  obrigação	
  extingue-­‐se	
  com	
  a	
  morte	
  do	
  donatário.	
  
	
   Esta	
  modalidade	
  submete-­‐se	
  às	
  limitações	
  à	
  liberdade	
  de	
  doar,	
  lembra	
  Sanseverino.	
  
Havendo	
  empobrecimento	
  do	
  doador,	
  de	
  modo	
  a	
  configurar	
  doação	
  universal,	
  será	
  suspensa.	
  
Se	
   beneficiar	
   um	
   descendente,	
   será	
   considerada	
   adiantamento	
   de	
   legítima.	
   Se	
   caracterizar	
  
doação	
   inoficiosa,	
   o	
   excesso	
   será	
   nulo.	
   Se	
   houver	
   ingratidão	
   do	
   donatário,	
   poderá	
   ser	
  
revogada.	
  
Art.	
   545.	
   A	
   doação	
   em	
   forma	
   de	
   subvenção	
   periódica	
   ao	
   beneficiado	
  
extingue-­‐se	
  morrendo	
  o	
  doador,	
  salvo	
  se	
  este	
  outra	
  coisa	
  dispuser,	
  mas	
  não	
  
poderá	
  ultrapassar	
  a	
  vida	
  do	
  donatário.	
  
	
  
10.5.	
  Doação	
  feita	
  em	
  contemplação	
  de	
  casamento	
  (propter	
  nuptias).	
  	
  
Art.	
  546.	
  A	
  doação	
  feita	
  em	
  contemplação	
  de	
  casamento	
  futuro	
  com	
  certa	
  e	
  
determinada	
   pessoa,	
   quer	
   pelos	
   nubentes	
   entre	
   si,	
   quer	
   por	
   terceiro	
   a	
   um	
  
deles,	
   a	
   ambos,	
   ou	
   aos	
   filhos	
   que,	
   de	
   futuro,	
   houverem	
   um	
   do	
   outro,	
   não	
  
pode	
   ser	
   impugnada	
   por	
   falta	
   de	
   aceitação,	
   e	
   só	
   ficará	
   sem	
   efeito	
   se	
   o	
  
casamento	
  não	
  se	
  realizar.	
  
	
  
	
   Esta	
  modalidade	
  possibilita	
  a	
  doação,	
  antes	
  do	
  casamento,	
  por	
  um	
  nubente	
  ao	
  outro,	
  
por	
   terceiro	
   a	
   um	
   dos	
   nubentes,	
   a	
   ambos,	
   ou	
   aos	
   filhos	
   que,	
   futuramente,	
   vierem	
   do	
  
casamento	
  (prole	
  futura).	
  
23	
  
	
   O	
  pressuposto	
  é	
  que	
  se	
  faça	
  a	
  doação	
  antes	
  do	
  casamento.	
  
	
   Nesta	
   modalidade,	
   similar	
   à	
   doação	
   feita	
   ao	
   absolutamente	
   incapaz	
   (art.	
   543),	
  
dispensa-­‐se	
  a	
  aceitação.	
  
	
   Quanto	
  à	
  forma,	
  em	
  determinados	
  casos,	
  requer-­‐se	
  a	
  escritura	
  pública.	
  Assim,	
  feita	
  
pelos	
  nubentes	
  entre	
  si,	
  a	
  doação	
  deve	
  ser	
  objeto	
  de	
  pacto	
  antenupcial,	
  que	
  exige	
  a	
  escritura	
  
pública	
  (art.	
  1.653	
  ss.).	
  Logo,	
  observa	
  Sanseverino	
  	
  a	
  doação	
  de	
  um	
  nubente	
  ao	
  outro,	
  mesmo	
  
que	
  não	
  se	
   trate	
  de	
  bem	
   imóvel	
  de	
  valor	
  superior	
  a	
   trinta	
  salários	
  mínimos,	
  um	
  automóvel,	
  
por	
   exemplo,	
   deve	
   ser	
   feita	
   por	
   escritura	
   pública.	
   Contudo	
   as	
   doações	
   feitas	
   por	
   terceiros	
  
(pais,	
  avós,	
  tios,	
  padrinhos)	
  aos	
  nubentes	
  ou	
  a	
  sua	
  prole	
  futura,	
  dependendo	
  da	
  natureza	
  do	
  
bem	
   doado,	
   podem	
   ser	
   por	
   contrato	
   particular	
   ou	
   até	
   verbal	
   (art.	
   541).	
   Com	
   efeito,	
   nesta	
  
espécie	
  de	
  doação,	
  há	
  que	
  se	
  ter	
  atenção	
  com	
  as	
  pessoas	
  envolvidas	
  no	
  negócio	
  jurídico.	
  
	
   Esta	
   espécie	
   de	
   doação	
   configura	
   modalidade	
   de	
   condição	
   suspensiva,	
   porque,	
  
beneficiando	
  os	
  nubentes,	
  sua	
  eficácia	
  fica	
  condicionada	
  à	
  realização	
  do	
  casamento.	
  Se	
  feita	
  
em	
   favor	
   de	
   prole	
   futura,	
   a	
   propriedade	
   será	
   transmitida	
   quando	
   nascer	
   o	
   primeiro	
   filho,	
  
sendo	
  que,	
  sobrevindo	
  mais	
  de	
  um,	
  haverá	
  um	
  condomínio,	
  não	
  nascendo	
  nenhum,	
  a	
  doação	
  
não	
  terá	
  eficácia.	
  Mas	
  se	
  não	
  houver	
  filhos	
  naturais,	
  e	
  o	
  casal	
  adotar	
  um	
  filho,	
  a	
  doação	
  feita	
  à	
  
prole	
   terá	
   eficácia?	
   A	
   resposta,	
   segundo	
   Sanseverino	
   	
   é	
   positiva,	
   posto	
   que,	
   conforme	
   a	
  
Constituição	
  Federal	
  (art.	
  227,	
  §	
  6º)	
  não	
  há	
  diferença	
  alguma	
  entre	
  a	
  situação	
  jurídica	
  do	
  filho	
  
natural	
  e	
  a	
  do	
  adotivo.	
  
	
   É	
  bom	
  lembrar	
  que	
  na	
  doação	
  feita	
  entre	
  cônjuges	
  ou	
  aos	
  cônjuges	
  não	
  se	
  aplica	
  essa	
  
regra,	
  mas	
  as	
  dos	
  artigos	
  544	
  e	
  551,	
  §	
  único,	
  do	
  Código	
  Civil.	
  
Art.	
   544.	
   A	
   doação	
   de	
   ascendentes	
   a	
   descendentes,	
   ou	
   de	
   um	
   cônjuge	
   a	
  
outro,	
  importa	
  adiantamento	
  do	
  que	
  lhes	
  cabe	
  por	
  herança.	
  
Art.	
   551.	
   Salvo	
   declaração	
   em	
   contrário,	
   a	
   doação	
   em	
   comum	
   a	
  mais	
   de	
  
uma	
  pessoa	
  entende-­‐se	
  distribuída	
  entre	
  elas	
  por	
  igual.	
  
Parágrafo	
   único.	
   Se	
   os	
   donatários,	
   em	
   tal	
   caso,	
   forem	
   marido	
   e	
   mulher,	
  
subsistirá	
  na	
  totalidade	
  a	
  doação	
  para	
  o	
  cônjuge	
  sobrevivo.	
  
	
  
24	
  
	
   Por	
   fim,	
   a	
   doação	
   em	
   contemplação	
   de	
   casamento	
   futuro	
   é	
   irrevogável	
   por	
  
ingratidão,	
  consoante	
  disposição	
  expressa	
  do	
  artigo	
  564,	
  IV,	
  do	
  CC/2002;	
  
	
  
10.6.	
  Doação	
  com	
  cláusula	
  de	
  reversão.	
  
Art.	
   547.	
   O	
   doador	
   pode	
   estipular	
   que	
   os	
   bens	
   doados	
   voltem