A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Av  e AvsDE HISTORIA DO BRASIL

Pré-visualização | Página 2 de 3

conservadora, uma vez que a Igreja católica empenhava-se na reafirmação de sua autoridade. Além disso o próprio sistema era autoritário e possuía dentre suas práticas o castigo. Baseavam-se no método da Ratio Studiorum que consistia em uma sistematização da pedagogia jesuítica cobrindo todas as atividades dos agentes ligados ao ensino. Este método recomendava que o professor nunca se afastasse em matéria filosófica de Aristóteles, e teológica de Santo Tomás de Aquino.
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201202528157)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	Por que devemos estudar sobre a história da educação no Brasil hoje? Pergunta um aluno ao seu professor e este responde exemplificando com uma frase que retrata um fenômeno iniciado no século XX: "A destruição do passado- ou melhor, dos mecanismos sociais que vinculam nossas experiência pessoais à das gerações passadas- é um dos fenômenos mais característicos e lúgubres do final do século XX.(...) Por isso os historiadores, cujo ofício é lembrar o que os outros esquecem, tornam-se mais importantes que nunca no fim desse segundo milênio"
Essa frase de Eric Hobsbawn explica a importância do estudo sobre a história da educação no Brasil pois:
		
	 
	É fundamental que os educadores e toda a sociedade percebam que a situação na qual o trabalho educativo se processa, suas rupturas e permanências, os problemas que os educadores enfrentam são produtos de construções históricas.
	
	Cabe lembrar ao educador que a educação do presente não apresenta relação com o passado, devendo o professor preocupar-se, sobretudo, com fenômenos cotidianos do presente.
	
	É importante apenas para o professor, único agente responsável pelo ensino, perceber que a educação é um fenômeno contínuo e imutável.
	
	É preciso que alunos, professores e a sociedade notem que as determinações do passado não se relacionam com a prática do ensino aprendizado, mas apenas com a compreensão daquilo que aconteceu no passado.
	
	Buscar recuperar os conhecimentos do passado evidencia as principais necessidades econômicas de uma sociedade.
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201202769972)
	Pontos: 0,0  / 0,5
	A Reforma de Benjamin Constant tinha como princípios orientadores:
		
	
	A reoficialização do ensino no Brasil
	 
	A liberdade, laicidade do ensino, como também a gratuidade da escola primária.
	 
	Introduz a cadeira de Moral e Cívica com a intenção de tentar combater os protestos estudantis.
	
	A assistência e aproveitamento de estudos.
	
	A Semana de Arte Moderna.
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201202564754)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	A palavra "História" traduz significados de grandes valores, e está ligada à vivência do homem em sociedade, através dos tempos, vivência esta em que insere sua cultura, crença, identidade e valores, influenciado no seu cotidiano por questões políticas, econômicas e religiosas. História é o estudo do homem e suas atitudes sobre o mundo, baseado nas suas relações pessoais, familiares, em sociedade, entre países e entre o meio ambiente. Quando falamos em  História da Educação é correto afirmar que:
		
	
	A história transcorre de forma linear. Os povos se constituem, vivem, adaptam-se ou deixam de existir. Assim tem sido ao longo da existência da humanidade.
	 
	Os grupos sociais vivem um processo de mudanças contínuo no decorrer de sua história, sendo assim as concepções a educação muda ao considerarmos as relações de tempo e espaço na História.
	
	O progresso ou desenvolvimento sempre leva a sociedade dos homens a atingir um limite final, em um estágio definitivo, um processo permanente no tempo e no espaço, e o futuro sempre se torna presente irremediavelmente.
	
	Existem momentos em que a humanidade como um todo atinge seu último estágio de aperfeiçoamento, o seu nível ideal de evolução na política, na ética, na estética, no desenvolvimento social, econômico e cultural.
	
	O progresso ou desenvolvimento sempre leva a sociedade dos homens a atingir um limite final.
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201202527980)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	(FEC/UFF 2003 - adaptada) "A vida do colégio parecia continuar impávida, como se não estivesse envolvida pelo mesmo ambiente colonial. Todos falando latim, assuntando falas piedosas, recitando poesias e textos clássicos. (...) A realidade, ali, parecia estar suspensa (...) Um mundo perfeito. Uma sociedade perfeita." 
Esta passagem foi retirada do texto: Educação jesuítica no Brasil colonial, de José Maria Paiva, publicado no livro: 500 anos de educação no Brasil. Em relação ao colégio jesuítico, é possível afirmar que:
		
	
	O colégio jesuítico contribuiu para a transformação da sociedade colonial.
	
	Os jesuítas buscavam um mundo perfeito; assim, condenaram a escravidão negra.
	
	O currículo jesuítico priorizava as ciências em detrimento das letras.
	 
	Havia um intenso formalismo na estruturação do colégio jesuítico.
	
	A organização curricular jesuítica priorizava a língua vernácula de cada sociedade.
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201202609557)
	Pontos: 1,5  / 1,5
	Refletindo tendências fascistas é outorgada uma nova Constituição em 1937. A orientação político-educacional para o mundo capitalista fica bem explícita em seu texto, sugerindo a preparação de um maior contingente de mão-de-obra para as novas atividades abertas pelo mercado. Neste sentido, a nova Constituição enfatiza o ensino pré-vocacional e profissional. Por outro lado, propõe que a arte, a ciência e o ensino sejam livres à iniciativa individual e à associação ou pessoas coletivas públicas e particulares, retirando do Estado o dever da educação. Mantém ainda a gratuidade e a obrigatoriedade do ensino primário Também dispõe como obrigatório o ensino de trabalhos manuais em todas as escolas normais, primárias e secundárias. No contexto político o estabelecimento do Estado Novo, segundo a historiadora Otaíza Romanelli, faz com que as discussões sobre as questões da educação, profundamente ricas no período anterior, entrem "numa espécie de hibernação". As conquistas do movimento renovador, influenciando a Constituição de 1934, foram enfraquecidas nessa nova Constituição de 1937. Marca uma distinção entre o trabalho intelectual, para as classes mais favorecidas, e o trabalho manual, enfatizando o ensino profissional para as classes mais desfavorecidas. Em 1942, por iniciativa do Ministro Gustavo Capanema, são reformados alguns ramos do ensino. Estas Reformas receberam o nome de Leis Orgânicas do Ensino, e são compostas por Decretos-lei que criam o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI e valoriza o ensino profissionalizante. Analise o papel das Leis Orgânicas e como elas marcam o imaginário de educação do brasileiro.
		
	
Resposta: O papel das leis organicas eram valorizarr o ensino profissionalizante e marca a historia da educação, pois serve como marco divisor do ensino brasileiro.
	
Gabarito: O ensino ficou composto, neste período, por cinco anos de curso primário, quatro de curso ginasial e três de colegial, podendo ser na modalidade clássico ou científico. O ensino colegial perdeu o seu caráter propedêutico, de preparatório para o ensino superior, e passou a se preocupar mais com a formação geral. Apesar dessa divisão do ensino secundário, entre clássico e científico, a predominância recaiu sobre o científico, reunindo cerca de 90% dos alunos do colegial. Ainda hoje há a defesa de que alunos mais pobres sejam direcionados para ensinos técnicos voltados de imediato ao mercado de trabalho em posições subalternas e os de classe média e alta fiquem com as cadeiras universitárias, tendo mais tempo para não trabalhar e se formar, ocupando as melhores posições no mercado de trabalho.
	
	
	 7a Questão (Ref.: 201202528019)
	Pontos: 0,0  / 1,0
	(UFPE/2006 / adaptada) Dentre as mudanças advindas com a Lei nº 9.394/1996, que estabelece as Diretrizes