Buscar

AlfaCon introducao ao direito penal principio da legalidade anterioridade reserva legal principio da insignificancia conflito aparente de normas aplicacao de lei penal no tempo

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 9 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 9 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 9 páginas

Prévia do material em texto

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
ÍNDICE
Introdução ao Estudo do Direito Penal�������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Legalidade, Anterioridade e Reserva Legal ��������������������������������������������������������������������������������3
Norma Penal em Branco ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Analogia em Direito Penal������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Sujeitos do crime ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Princípio da insignificância �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Tipicidade formal x Tipicidade material �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Requisitos Objetivos �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Natureza Jurídica ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Conflito Aparente de Normas Penais ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Consunção ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Alternatividade��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Especialidade �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Subsidiariedade �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Aplicação da Lei Penal no Tempo ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Irretroatividade de lei penal ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Retroatividade de lei mais benéfica ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Ultratividade de lei ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Abolitio criminis����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Crimes Permanentes ou Continuados ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Lei Excepcional ou Temporária ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������9
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
Introdução ao Estudo do Direito Penal
O direito Penal é um ramo do direito público e é chamado do “direito das condutas ilícitas”� O 
código penal é nossa principal fonte, ou seja, é dele que emana os comandos necessários para que 
ocorra a repressão aos crimes�
O código penal é divido em duas partes:
Parte Geral: Não trata de crimes. Aqui estão previstas as regras de como os crimes irão se portar de 
acordo com a conduta de quem os praticou. Essa parte vai do Art. 1º ao Art. 120º.
Parte Especial: Aqui estão previstos os crimes em espécies e as normas explicativas, bem como outros 
institutos que iremos trabalhar. A parte especial está prevista do Art. 121 ao Art. 359H.
A infração Penal é gênero que comporta duas espécies, ou seja, crime e contravenção penal� Em 
primeiro plano devemos ter em mente que a infração penal é uma divisão “dicotômica”, ou seja, o 
gênero só comporta duas espécies� No ordenamento jurídico brasileiro, crime é sinônimo de delito�
Os crimes estão previstos na parte especial do código penal (Art. 121 ao Art. 359H) e também na 
legislação especial (extravagante)� As contravenções penais por sua vez estão previstas no código das 
contravenções penais�
Interessante notar que não podemos confundir as contravenções penais com os crimes de 
pequeno potencial ofensivo, pois esses últimos são crimes tratados na lei especial 9�099/95� Alguns 
autores classificam as contravenções penais como sendo um “crime anão”� Lembrando que essa 
última nada tem a ver com crime, que é uma espécie diferenciada�
Os crimes e as contravenções penais se diferem em sua essência pela gravidade das condutas des-
critas na lei� Os crimes (delitos) são mais graves devido às suas penas, ou seja, as penas aqui determi-
nadas são de reclusão e detenção e nas contravenções penais as penas são de prisão simples e multa�
 → Um ponto fundamental é termos em mente que todo crime gera um resultado, que pode se com-
portar de duas formas:
•	 Resultado jurídico: Todos os crimes geram resultados jurídicos, por esse motivo os crimes 
podem ser punidos em sua forma tentada�
•	 Resultado naturalístico: Somente os crimes materiais possuem esse tipo de resultado, mas 
isso veremos em outro tópico�
 → Para que um indivíduo tenha a real capacidade de cometer uma infração penal é importante 
entender alguns conceitos básicos:
•	 Deve existir uma conduta humana, ou seja, somente seres humanos possuem a capacida-
de de agredir, seres irracionais (animais) somente atacam� Contudo, caso um animal seja 
utilizado para o fim de atacar por uma pessoa, essa estará cometendo um crime� Exemplo: 
Homem que atiça seu cão contra seu inimigo�
•	 O ser humano deve ter consciência do que esta fazendo, por esse motivo quem comete o 
fato estando em sonambulismo ou hipnose, não poderá responder pelo fato�
•	 A ação ou omissão deve ser voluntária, por esse motivo os casos de coação física (exclui 
o crime) e coação moral irresistível (isenta de pena) não são punidos pelo ordenamento 
jurídico penal�
•	 A conduta deve ser propositada ou descuidada� Esses conceitos veremos no artigo 18 do 
código penal (CP), que trata especificamente do dolo e da culpa�
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
Atenção, aluno!
Todo crime gera um resultado, porém, nem todo crime gera um resultado naturalístico�
ESQUEMA DIDÁTICO
Princípio da Legalidade, Anterioridade e Reserva Legal
 → Assim está previsto no Art. 1º do CP:
Art. 1º – Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal
Somente haverá crimequando existir perfeita correspondência entre a conduta praticada e a previsão 
legal (Reserva Legal), que não pode ser vaga, deve ser específica. Exige-se que a lei esteja em vigor no 
momento da prática da infração penal (Anterioridade). Fundamento Constitucional: Art. 5º, XXXIX.
Princípio: Nullum crimem, nulla poena sine praevia lege.
O artigo 1º traz insculpido em seu bojo três princípios fundamentais, ou seja, o princípio da lega-
lidade, da anterioridade de lei e o princípio da reserva legal�
O princípio da legalidade diz que somente por meio de lei em sentido formal (lei propriamente 
dita) pode prever crimes e cominar penas� Contudo, o conceito do princípio da legalidade é muito 
amplo e comporta de acordo com a constituição federal várias espécies de lei�
O princípio da reserva legal é um desdobramento do princípio da legalidade e diz que somente 
lei em sentido formal estrito pode prever crimes� Quando falamos de lei em sentido estrito quer dizer 
que estamos delimitando para que somente a lei ordinária preveja crimes e comine penas� Dessa 
forma, somente lei ordinária na prática pode legislar sobre matéria penal�
Devemos nos atentar, pois não é possível previsão de crimes através de leis em sentido material, 
como são os casos das medidas provisórias com força de lei (MP) e os atos administrativos, como são 
os casos das portarias, decretos etc�
O princípio da legalidade e reserva legal, também pressupõe que toda infração penal para estar 
completa obrigatoriamente deve estar revestida do preceito primário (a conduta) e do preceito se-
cundário (a pena)� Assim, quando o Artigo 121 prevê em seu caput: “Matar alguém (conduta) pena: 
6 a 20 anos (a pena) esta descrevendo um crime completo sobre todos os prismas do artigo primeiro 
do CP”�
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
As normas penais incriminadoras não são proibitivas e sim descritivas. Por exemplo, o Art. 121 – Matar 
alguém, no Código Penal, ele não proíbe, ou seja, não matar. Ele descreve uma conduta, que, se cometida 
possuirá uma sanção (punição).
Norma Penal em Branco
Uma lei a qual depende de outro dispositivo normativo para que tenha seu total sentido, uma vez 
que seu conteúdo é incompleto� Essas Leis classificam-se como homogênea (sentido lato) ou hetero-
gênea (sentido estrito)�
Lei Penal em Branco
•	 Homogênea:
Caracteriza-se por ser complementada por um dispositivo normativo de mesma natureza� Ex: 
Lei (formal) complementada por outra Lei também (formal)�
•	 Heterogênea:
Nesse caso a lei é complementada por um dispositivo normativo diverso� Ex: Lei (formal) com-
plementada por decreto, portaria ou resoluções�
Um exemplo bastante pertinente é a Lei 11�343/2006 (Lei de Drogas), a qual é Lei em sentido 
formal e é complementada por uma portaria do Ministério da Saúde�
Analogia em Direito Penal
O importante em primeiro plano é saber que a analogia representa aplicar a uma hipótese que 
não foi regulada por uma lei, a uma legislação de um caso parecido�
É de suma importância notar que não existe analogia penal incriminadora – in malam partem, 
ou seja, para prejudicar a pessoa� Utilizamos analogia apenas para beneficiar o acusado, ou seja, in 
bonam partem�
Vamos exemplificar para melhor visualizar a explicação� O art� 128 do CP prevê as hipóteses 
legais de aborto� O inciso II da norma penal dá o caso: mulher é vítima de estupro e fica grávida� A 
lei, nesse caso, admite a manobra abortiva� Mas o legislador impôs requisitos, quais sejam: que haja 
consentimento da gestante e seja realizado por médico�
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
O crime de atentado violento ao pudor (hoje revogado) não era contemplado pela causa permis-
siva do artigo 128, ou seja, se a mulher engravidasse por qualquer ato libidinoso diferente da conjun-
ção carnal, não poderia ela fazer o aborto� Contudo, o direito penal utilizava a causa permissiva de 
aborto no caso de estupro no caso de violento atentado ao pudor para ajudar (beneficiar) a vitima do 
crime�
A Analogia Penal é diferente de Interpretação Analógica, nessa situação, a conduta do agente é 
analisada dentro da própria norma penal, ou seja, é observado a forma como a conduta foi praticada, 
quais os meios utilizados� Sendo assim, a Interpretação Analógica sempre será possível, ainda que 
mais gravosa para o agente�
Sujeitos do crime
Temos duas figuras distintas quando falamos de crime:
•	 Sujeito ativo: Aquele que pratica o crime� Qualquer pessoa que tenha capacidade normal e 
esteja sob as regras do código penal poderá cometer crime, inclusive a pessoa jurídica, que 
pode ser sujeito ativo de crimes contra o meio ambiente�
•	 Sujeito passivo: Qualquer pessoa que a lei determine poderá se enquadrar como vítima de 
um crime� As pessoas jurídicas somente poderão estar aqui presentes se o crime com ela for 
compatível, como é o caso de furto e difamação, mas veremos esses tópicos mais detalhada-
mente a frente�
Jurisprudência Atual:
INFORMATIVO 566 STJ: É possível a responsabilização penal da pessoa jurídica por delitos ambien-
tais independentemente da responsabilização concomitante da pessoa física que agia em seu nome. A 
jurisprudência não mais adota a chamada teoria da “dupla imputação”.
Princípio da insignificância
Tipicidade formal x Tipicidade material
Princípio da insignificância: decorrente da intervenção mínima do Estado, pressupondo que 
nem todas as condutas tipificadas como crime (formalmente) serão materialmente típicas, devendo 
ser analisadas no caso em concreto se houve lesão expressiva a um bem jurídico relevante e se houve 
um comportamento agressivo pelo agente�
“A tipicidade penal não pode ser percebida como o trivial exercício da adequação do fato concreto 
à norma abstrata. Além da correspondência formal, para a configuração da tipicidade, é necessária 
uma análise materialmente valorativa das circunstâncias do caso concreto, no sentido de se verificar 
a ocorrência de alguma lesão grave, contundente e penalmente relevante do bem jurídico tutelado. 
O princípio da insignificância reduz o âmbito de proibição aparente da tipicidade legal e, por conse-
quência, torna atípico o fato na seara penal, apesar de haver lesão a bem juridicamente tutelado pela 
norma penal.” (STF, HC 108946, Rel. Min. Cármen Lúcia, 07/12/2011).
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
Requisitos Objetivos
Mínima ofensividade da conduta do agente;
Ausência de periculosidade social da ação;
Reduzido grau de reprovabilidade do comportamento;
Inexpressividade da lesão jurídica provocada�
Natureza Jurídica
 » Causa supralegal de exclusão da tipicidade�
 » Aplicabilidade: Qualquer delito que seja com ele compatível, sua maior incidência ocorre 
nos crimes patrimoniais (furto)� É inadmissível quando o crime acontecer com violência ou 
grave ameaça à pessoa�
TABELA PRÁTICA
 Crimes contra a Adm. Pública: Regra: Não admite 
 Descaminho
STJ: Até R$10 mil 
STF: Até R$20 mil 
 Crimes Funcionais: STJ: Não admite 
 Crimes ambientais: STJ/STF: Admitem 
 Moeda Falsa,
 Fé Pública: Inaplicável 
 Tráfico dedrogas,
 Posse de droga para uso pessoal: Inaplicável 
 Crimes de perigo abstrato: Inaplicável 
 Crime eleitoral: Inaplicável 
 Rádio Clandestina: Inaplicável 
Conflito Aparente de Normas Penais
 → Consunção;
 → Alternatividade;
 → Especialidade;
 → Subsidiariedade�
Consunção
Esse princípio ocorre quando um crime “meio” é necessário ou fase normal de preparação para 
outro crime� Como, por exemplo, o crime de lesão corporal fica absorvido pelo crime de homicídio, 
ou mesmo, o crime de invasão de domicílio que fica absorvido pelo crime de furto�
 » Crime progressivo: se dá quando o agente para alcançar um resultado/crime mais grave 
passa, necessariamente, por um crime menos grave� Por exemplo, no homicídio, o agente tem 
que passar pela lesão corporal, um mero crime de passagem para matar alguém�
 » Progressão criminosa: o agente substitui o seu dolo, dando causa a resultado mais grave� O 
agente deseja praticar um crime menor e o consuma� Depois, quer praticar um crime maior 
e também o concretiza, atentando contra o mesmo bem jurídico� Por exemplo, agente quer 
apenas lesionar seu desafeto, mas durante a execução resolve mata-lo�
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
 → ATENÇÃO: Crime progressivo, portanto, não se confunde com progressão criminosa: no crime 
progressivo o agente, desde o princípio, já quer o crime mais grave� Na progressão criminosa, 
primeiro o sujeito quer o crime menos grave (e consuma) e depois decide executar outro, mais 
grave� Em ambos o réu responde por um só crime�
Alternatividade
Temos esse princípio quando tivermos os chamados crimes de ação múltipla ou de conteúdo 
variado� Aqui, os tipos penais descrevem várias condutas para um único crime� Temos, como 
exemplo, o Art. 33 da Lei 11.343/2006� Assim, podemos afirmar que, se o agente tiver em depósito e 
vender a droga não responderá ele por dois crimes, mas somente por um único�
Especialidade
A regra, nesse caso, é que a norma especial prevalecerá sobre a norma geral� Dessa forma, a norma 
no tipo penal incriminador é mais completa que a prevista na norma geral� Isso ocorre por exemplo 
no crime de homicídio e infanticídio� O crime de infanticídio possui em sua elementar dados com-
plementares que o tornam mais especial – completo – que a norma geral�
Subsidiariedade
Usa-se esse princípio sempre que a norma principal mais grave não puder ser utilizada� Nesse 
caso, usamos a norma menos grave subsidiária� Conhecido também com um “soldado de reserva”, 
isto é, na ausência ou impossibilidade de aplicação da norma principal mais grave, aplica-se a norma 
subsidiária menos grave�
Pode ser:
•	 Expressa ou explícita;
•	 Tácita ou implícita.
É expressa quando a lei prevê a subsidiariedade explicitamente, anunciando a não aplicação da 
norma menos grave quando presente a mais grave� Exemplo: Art. 307, Falsa identidade, parte final 
do preceito secundário: “Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa, se o fato não constitui 
elemento de crime mais grave”�
É tácita quando um delito de menor gravidade cede diante da presença de um delito de maior 
gravidade, integrando aquele a descrição típica deste� Exemplo: Constrangimento ilegal (Art. 146, 
CP), subsidiário diante do estupro (Art. 213, CP)�
Aplicação da Lei Penal no Tempo
Art. 2º Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em virtude 
dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória.
Parágrafo único: A Lei posterior, que de qualquer forma modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos an-
teriores, ainda que decididos por sentença transitada em julgado.
Trataremos aqui de alguns princípios básicos referentes a lei penal no tempo:
Irretroatividade de lei penal
A lei deve obedecer ao princípio da lei do tempo do crime que rege o código penal, ou seja, quem 
pratica o fato de responder sobre o império da lei do tempo em que cometeu�
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
Retroatividade de lei mais benéfica
A lei que de qualquer forma favorecer o agente deve retroagir e ser aplicada no caso concreto�
Em regra, o Código Penal sempre adota a Lei vigente,“A”, no momento da ação ou omissão do 
agente, sendo assim, se nesta época e cometido um crime, aquele irá responder sobre o fato descrito 
no tipo penal� Contudo, por vezes, o processo se estende no tempo, e o julgamento do agente demora 
a acontecer, nesse lapso temporal, caso surgir uma nova Lei, “B”, que torne mais branda a sanção 
aplicada sobre o agente, esta irá retroagir ao tempo do fato, beneficiando o réu�
Ultratividade de lei
A lei, mesmo que revogada, deve ser aplicada ao caso concreto se for mais benéfica e o agente 
cometeu o fato sob seu império�
A ultra-atividade de lei mais benéfica� Seria o caso em que, no momento da ação vigorava a 
Lei “A”, entretanto, no decorrer do processo, entrou em vigência nova Lei “B, revogando a Lei “A”, 
tornando mais gravosa a conduta anteriormente praticada pelo agente� Sendo assim, no momento do 
julgamento, ocorrerá a ultra-atividade da lei, ou seja, a Lei “A”, mesmo não estando mais em vigor, irá 
ultra-agir ao momento do julgamento para beneficiar o réu, por ser menos gravosa a punição que o 
agente ira receber�
Abolitio criminis
É a abolição do crime� Aqui faz cessar em virtude de nova lei que torna o fato anterior como 
atípico todos os efeitos penais da sentença condenatória, permanecendo apenas a obrigação civil de 
reparar o dano�
AlfaCon Concursos Públicos
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com 
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9
Em relação ao Abolitio Criminis, ocorre o seguinte fato: quando uma conduta que antes era ti-
pificada como crime pelo Código Penal, deixa de existir, ou seja, passa a não ser mais considerada 
crime, dizemos que ocorreu a “abolição do crime”� Diante disso, cessam imediatamente todos os 
efeitos penais que incidiam sobre o agente: tranca e extingue o inquérito policial, caso o acusado 
esteja preso deve ser posto em liberdade�
Entretanto, não extingue os efeitos civis, ou seja, caso o agente tenha sido impelido em ressarcir 
a vítima da sua conduta mediante o pagamento de multa, essa, ainda assim, deverá ser paga�
Crimes Permanentes ou Continuados
Devemos nos atentar para a excepcionalidade da lei, essa é dada pelo próprio Supremo Tribunal 
Federal (STF)� Nos crimes permanentes, ou seja, naqueles em que a consumação se prolonga 
enquanto não cessa a atividade, aplica-se ao fato a lei que estiver em vigência quando cessada a ati-
vidade, mesmo que mais grave (severa) que aquela em vigência quando da prática do primeiro ato 
executório� O crime se perpetua no tempo, enquanto não cessada a permanência�
É o que ocorre, por exemplo, com o crime de sequestro e cárcere privado� Assim, será aplicada lei 
que estiver em vigência quando da soltura da vítima�
Observa-se, então, o momento em que cessa a permanência para daí se determinar qual a norma 
a ser aplicada� É o que estabelece a Sumula 711 do STF�
Súm. 711. A lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a sua vigência 
e anterior a cessação da continuidade ou da permanência.
Lei Excepcional ou Temporária
Assimestá previsto no Art. 3º�
Art. 3º – A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as cir-
cunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência.
Para fins de Direito Penal, temos que a lei temporária ou lei temporária em sentido estrito, 
consiste em norma que traz em seu conteúdo tempo de vigência prefixado� A Lei excepcional ou lei 
temporária em sentido amplo, por sua vez, consiste em norma que tem por objetivo atender neces-
sidades estatais transitórias, tais como guerra ou calamidade, perdurando por todo o período con-
siderado excepcional� Daí dizermos que as leis são ultra-ativas, ou seja, determinam efeitos mesmo 
depois da sua vigência�
•	 Lei Excepcional: utilizada em períodos de anormalidade social� Ex�: Guerra, calamidades 
publicas, enchentes, grandes eventos, etc�
•	 Lei Temporária: período de tempo previamente fixado pelo legislador� Ex�: Lei que confi-
gura o crime de pescar em certa época do ano – piracema – , apos lapso de tempo previa-
mente determinado, a Lei deixa de considerar tal conduta como crime�

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes