A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 14 de 21

n
a
M
arinha,
após
terem
siclo
oficiainuente
supriniiclos
c
o
m
a
pm
’oc’lam
ação
da
R
epública,
fbram
reintroduzidos
por
u
m
der
elo
d
iBgo.
lreviam
até
25
chibatadas
de
c
a
stigos
para
faltas
graves.já
se
Preparava
u
m
m
o
vim
c’nt
o
co
n
u
1-a
a
m
edida,
diIuíilldd)
u
nia
pum
niçào
cio
n
ada
A
A
flIR
T
IJR
.\
P
A
R
.
O
M
U
N
D
O
1
1
4
‘1
D
A
P
0
1
1
rIC
A
i\ilg
lislo
M
alta
lót’oltcida
Ciijticitci
—
—
iiictiiiilic’jioS
ciiiituiiidos
ci
601(10
do
tiarce
R
ahi.
e
m
6
de janeiro
de
1
I_flQ
FO
T
O
G
R
A
FIA
.
R
IO
D
E
JA
N
I
IR((,
1
9
1
0
A
RQUIVo
G
.
E
R
M
A
001F
F
,
01(1
ElE
J
IN
F
IR
O
m
e
n
°
5
que
250
a
c
oites,
lem
brando
as
punicões
de
e
s
ra
v
o
s
c
rim
inosos
n
o
período
im
perial.
precipitou
a
re’.’cIt
a. Sob
a
li doranç
a
dejoao
C
ándido,
2
,4
m
il
m
,u
’inhc’i
ro
s
to
m
aram
quatro
o
nibarcacoes
de
guerra.Em
u
m
m
a
nitési
o
e
sc
rito,
n
o
qual
se
m
dciiiificavam
c
o
m
o
“
m
o
rto
hoircis.
cidadãos
brasileiros
e
republiciiiios
“
.
OS
re
v
oltosos
pediam
o
fim
dos
c
a
stigos
lisicos
n
a
M
arH’dhLi
J
e
a
m
0,tC
W
om
bom
bardear
a
c
apital.
M
ci 6
o
s
dos
iald
L
s
jornais
dc)
Rio
do
janeiro
c
o
n
sideraram
justa
a
Ç
reivindic’0ão
dos
m
a
rinheiros,
m
e
sm
o
quando
021)
a
p
ro
v
a
v
a
m
o
s
m
élo
dos
adotados.
O
presidente
lierm
es
da
Fonseca
e
se
u
opositor
n
a
s
eleições
re
cém
-realizadas,
Rui
B
arbosa,
tam
bém
e
ra
m
favoráveis
a
o
pleito,
o
que
perm
itiu
o
atendim
ento
da
dem
anda
de
proibição
dos
c
a
stigos
fisicos
e
a
aprovilC
ão
de
a
nistia
a
o
s
re
v
oltosos
pelo
co
ngresso.A
M
arinha,porem
,
não
se
c
o
nform
ou
c
o
m
o
re
sultado.
N
a
e
closão
do
levante,
haviam
sido
m
o
rtos
cinco
oficiais
que
se
re
c
u
sa
ra
m
a
deixar
o
s
n
a
vios
e
alguns
m
a
rinheiros
que
não
aderiram
à
re
v
olta.
R
apidam
ente.
u
m
n
o
v
o
decreto
foiposto
e
m
vigor
perm
itindo
afastarda
A
rm
ada
o
s
que
fossem
c
o
n
siderados
“Inconvenientes
à
disciplina”.
U
m
a
segunda
re
v
olta,
se
m
adesão
de
João
C
ãndido,
a
c
abou
por
e
ngendrar
a
decreticcão
do
e
stado
de
sitio,
provocando
violeniissim
c
repressão,
c
o
m
gravissim
as
violações
dos
direitos
civis
dos
m
a
rinheiros
im
plicados.
João
C
ãndido
foi
preso
e
quase
m
o
rto
n
a
prisão
tia
Ilha
das
C
obras,
tendo
sido
e
xpulso
da
M
arinha.C
onform
e
e
nfalizou
a
historiadora
Silvia
C
apanem
a,
a
leitura
ra
cializacla
da
re
v
olta
e
steve
presente
n
a
época
e
predom
inou
n
a
m
e
m
ória
do
a
c
o
n
tecim
ento
produzida
a
pilrur
da
segunda
m
etade
do
se
c
ulo
x
x
,
C
onhecido
c
o
m
o
o
A
lm
im
’ante
N
egro,João
Cc’indido
só
foi
a
nisi:iado
post-tttollc’nljunto
a
o
s
dem
ais
pcirticipantes
do
m
o
vim
ento
por
lei
federal
de
24
cio julho
de
2
0
0
3
.
As
m
obilizações
pehi
efetivação
tios
direitos
civis
re
c
o
nhecidos
pela
C
onstituicão
de
1
8
9
1
.
e
specialm
ente
de
c
u
nho
a
ntirracisl:c
tom
am
u
m
a
dim
ensão
p01
it ica
im
portante
tia
prim
eira
e
xperiéncia
republicana.
N
a
jovem
R
epública,
e
ntro
o
s
gnm
pos
n
egros
u
rbanos
alfabetizados
e, portanto,
eleicores,desdi’
c
edo
se
form
ou
u
m
a
im
prensa
a
n
tirracislil,
que
falava
e
m
n
o
m
e
dos
cham
ados
“hom
ens
de
c
o
r”
,
Em
se
u
livro
hegroos
epolítica.
l’livio
G
om
os
m
e
n
ciona
P
°
1°
m
e
n
o
s
O
ito
til
ulos
cio
JO
i’O
illS
n
egros
ptthlictdos
00111’
a
últim
a
década
cio
século
xix
e
a
década
de
1920.
l)c’nunciando
príticas
de
discrim
inação
ra
cial,
foram
publicados
c’in
cicladc’s
de
diversos
e
stados,
e
spoctalnw
nt
o
São
Paulo,
Rio
G
rande
é
Sim1
e
Pernam
htm
co
.A
cc’iebracã
o
da
m
e
n
w
ria
(la
A
bolição
fLindLlm
onl
O
V
O
,
i1(’Sses
01’fliiis,
a
c
o
n
sirucãc)
da
icieniiciodc’
de
“h
o
iy
ien
s
de
co
r”,
q
c’fdlavun
e
m
11)011’
ciii
“
ro
c
a
n
e
g
ra
”
e
de
su
a
c
o
nt
ribcução
à
so
ciedade
brasileira.
A
A
0(E
IU
R
A
(‘ARA
O
M
U
N
D
O
1
‘
o
/
E
/1
”
b
A
V
ID
A
P
O
lÍT
IC
A
1
1
7
.
_
-1
I’4
.
14
1
*
“
?
“
1
°
1’iIE
Eni
1909,
o
re
c
:o
nhecim
c’nto
da
eleição
cio
pnm
eiro
deputado
n
egro
n
o
o
ngresso
N
acional
republicano
m
i
alvo
de
i
portant
e
cim
w
anha
de
m
o
bilizacão. Segundo
a
historiadora
C
arolina
V
ianna
D
antas,
M
onteiro
Lopes
era
advogado,
abolicionista,
so
cialista
e
tc’ptiblicaito
bistorico.
Participavit
das
ai iviclades
da
Sociedade
1Jiiiito
dos
1 jom
ens
de
C
or
cio
Rio
dejaneiro,
e
ra
m
e
m
bro
ativo
da
Irm
andade
dc’São
B
enedito
e
N
ossa
Senhora
cio
R
osário
e
m
a
n
tinha
relacões
politic’as
e
streitas
c
o
m
O
C
entro
internacional(lper;ii-io.
Eleito
depittado
fedei’al
em
1909.
c
o
rre
ra
m
.
e
tu
retan
to
,
ru
m
o
re
s
n
a
im
pren
sa
de
que
se
u
m
a
ndato
não
se
ria
re
c
o
nhecido
e
m
ftinção
de
su
a
co
r.C
onvo
c
o
u
e
n
tão
u
rn
a
grande
re
u
nião
de
hom
ens
de
c
o
r
n
o
C
entro
internacional
O
perário,
o
nde
foi
c
riada
u
rn
a
c
o
m
issão
perm
anente
c
o
n
tra
a
e
x
clusão
de
M
onteiro
Lopes
e
decidida
u
m
a
ação judicial
e
m
favor
do
deputado
eleito.
A
c
a
m
panha
de
m
obilização
que
se
seguiu,
co
m
reportagem
n
o
s jornais
e
telegram
as
e
n
viados
por
ciiiidades
form
adas
por
n
egros
de
várias
partes
do
B
rasil
a
pohticos
influentes
n
o
processo
de
re
c
o
nhecim
ento
dos
m
a
nda
tos
c
o
m
o
R
ui
B
arbosa
e
Pinheiro
M
achado,
a
c
abou
por
garantir
a
posse
do
deputado.
O
o
rador
da
se
ssão
solene
de
posse
dos
eleitos
declarou
e
m
se
u
discurso
“que
a
e
n
trada
de
M
onteiro
Lopes
para
o
P
arlam
ento
brasileiro
e
ra
u
m
a
afirm
ação
de
que
o
preto.
através
cio
desenvolvim
ento
do
B
rasil,
aparecia
s
e
m
pre
c
o
rn
o
elem
ento
de
força
e
de
civism
o
e
m
todos
o
s
poderes
da
pátria”.
M
onteiro
i.opes
c
elebrou
a
vitória