A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 18 de 21

discursos
c
o
n
tra
o
im
perialism
o
dos
grandes
e
stados
e
a
favor
dos
v
alores
republicanos.
N
ilo
P
eçanha
eJ.j.
Sea
bra,
c
o
m
o
R
ui
B
arbosa
havia
feito
e
m
1910,
d
iscu
rsaram
p
ara
v
e
rd
ad
eiras
m
ultidões
e
m
teatro
s
e
p
raças
públicm
ts
de
diversas
c
apitais,
m
e
sm
o
que
o
c
a
ndidato
situacionistm
i.
c
o
rn
o
dc
hábito,
tenha
sido
declarado
v
e
n
c
edor
das
eleições.
A
tiecessidade
de
u
n
ta
Justica
eleitoral
e
da
adocão
do
v
oto
s
e
c
re
to
,
tem
as
discutidos,
c
o
nto
vim
os,
desde
o
início
da
R
epública,
reto
r
n
a
v
a
m
á
o
rd
em
do
dia.
Vitle
re
s
s
altar
que
a
dlefe5a
do
v
oto
pmtrml
o
s
a
n
alfabetos
e
steve
pratica
m
e
n
te
a
u
s
e
n
te
do
e
sc
opo
das
reivindicações.
Esse
foi
u
ni
viés
elitista
da
o
p
m
tão
pública
das
cidades
e
m
e
sm
o
dos
m
o
vim
entos
de
trabalhadores,
o
q
u
e
c
olocava
lim
ites
im
portantes
às
de
dem
ocrm
it izm
icão,
ainda
q
u
e
tten
u
m
idas
pelas
clem
andm
ts
por
a
m
pliação
da
a lI’abetização.
O
s
altos
de
1920
a
n
u
n
ciaram
as
ti’ansflrm
acões
que
re
s
ultaram
n
a
ruptura
de
1
9
o
c
o
m
a
C
o
n
stitu
ic
ã
o
de
1891
A
lguns
a
c
o
n
tecim
entos
de
1922
t 01111
ra
m
-
se
stm
bol
OS
das
m
udan
c
a
s
do
período,
e
specialtitente
a
fstnclação
do
Partido
C
um
un
tst
a
do
B
rasil
e
a
re
alizacáo
da
Sem
ana
de
Ai’te
M
od
et’na
e
m
São
Pau
lo.
Pode
parecer
es
tra
um ho
(‘1)1
o
c
a
r
n
u
m
m
e
s
1110
iat’agrm
tlo
u
m
pm
ir ido
político
operário
e
u
m
tn
o
vim
ento
de
v
a
nguardas
a
ri
lsticas.
tuas
a
m
bos
tétu
eitt
c
o
tu
u
m
o
e
sforço
de
c
’o
n
st
ruir
su
a
s
identb
dades
c
o
n
to
partido
o
u
tn
o
vim
ent
o
que
teriam
produzido
inflexões
definE
ivas
n
tim
a
dcl
c
m
li
m
iada
t e
ndlêllcia
dos
a
c
o
nt
e
c
’illlentos.
Seus
tn
t
egrant
es
iv
ell
lo
sticesS
o
e
m
c
o
tisi t’uir
para
si
p
ró
p
rio
s
nm
trt’alivas
m
e
m
o
riais, que
e
nderani
a
re
ssalt
ir
501t
absoluta
o
riginalidade,
si lencianclo
011
rotitlan—
cIo
(‘01111)
inacledlilaclo
0
0
tradicional
tudo
que
v
eio
a
n
tes,
C
abe
i’essaltm
it’,
e
n
tretan
to
que
a
m
bos
o
s
a
c
o
n
tecilttentos.
apesar
de
e
x
tren
tanlente
5ig
n
iflcativ
o
s.
e
s
tiv
eram
de
fato
perfettatuetite
integrados
n
a
s
logicas
políticas
dos
debates
c
o
rre
n
tes
e
m
se
u
te
m
p
o
e
m
into
bem
a
rticulados
ao
“que
v
eio
in
te
s”
D
iversas
pesquisas
t l11
p
o
stO
o’uti
evtdettcim
i
que
.ts
reflexões
sobre
a
identidade
n
a
cional
c
o
n
sideradas
e
specíficas
dos
m
odernistas
iam
m
liii
o
além
do
grupo
paulista
e
e
stiveram
etn
várias
iniciativas
a
rtisticas
e jntelect
um
sdas
ctécada
a
n
teriores.
N
a
própria
década
de
1921),
OS
tex
to
s
da
im
pretisa
n
egra
o
u
dos
grupos
ctilturais
n
egros,
c
o
m
o
a
c
o
m
panhia
de
teatro
T
udo
Preto
do
R
io
de
laneiro.
ct’iada
pos’ D
e
C
hoc’olat,
c
o
n
struíram
u
ni
c
o
m
p
lex
o
cliscui’so
de
v
alorização
da
m
e
sticagetil.
n
o
qual
o
n
egro
não
e
ra
subsum
ido
n
o
passadIo
n
e
m
e
m
branquecia.
N
ão
foi
só
a
re
n
o
v
a
cáo
dos
m
o
vim
entos
a
rtisticos
e
ruditos
o
u
p
o
p
u
lares
que
m
a
rc
o
u
a
m
odernização
das
gratides
cidades
e
m
c
re
s
cintento
ainda
m
ais
a
c
elerado
tios
a
n
o
s
1920.A
m
o
vim
entação
operária
tinhm
t
sido
intensa
e
e
xplosiva
etitre
t9
1
7
e
1919,
c
o
m
direito
a
u
m
a
greve
geral
e
m
São
Paulo
e
u
m
a
itisrtrreicão
atiarquista
n
o
Rio
de
laneiro,
e
m
1918.
A
R
evoluçào
R
ussa
rapidam
ente
repercutiu
n
o
s
m
tieio
operm
írios
o
rganiza
dos
brasileiros
dando
o
rigem
a
partidos
c
o
m
u
nistas,
inicialniente
c
o
m
a
presença
tam
bém
de
a
n
a
rquistas.
O
s
e
specialistas
datam
1922
C
O
titO
O
a
n
o
da
ftm
ndação
n
o
Rio
de janeiro
de
u
ni
pai’tido
c
o
m
u
nista
ligado
à
utcss,
que
se
propunha
se
r
incorporado
à
iit
Internacional.
O
partido já
n
a
sc
e
u
n
a
clandestinidade
tendo
de
e
nfrentarjuntam
ente
com
a
n
a
rquistas
e
Te
sindicalistas
re
v
oluctonarios
o
repressivo
governo
de
A
rthur
B
ernardes
(1922—
1926).
‘Talvez
n
e
sse
c
o
n
tex
to
cm
tiba
registrar
u
rn
a
significativa
n
o
vidade
que
a
n
tecipa
e
sc
olhas
poltticas
posteriores:
a
c
o
njuncão,
n
o
govei’
n
o
R
em
ordes.
dle
to
n
a
polittca
mclia
m
c
n
te
t’ep
ressiv
a
pala
O)
O
io
v
O
len
tO
O
perário
c
o
m
a
r
efo
rm
a
da
C
oim
stituiç-m
io
q
u
e
perm
itiu,
pela
prim
eira
v
e
z
,
a
aprovação
de
leis
de
protecão
mio
trabalho.
O
n
o
v
o
Partido
C
oiiittnisia
te
ria
im
portáncia
n
o
l’etorno
dos
g
ru
p
o
s
t’ev
oluciotim
irios
cio
m
o
v
im
en
to
O
perário
à
eleitoral,
c
o
m
a
lórm
naçào
do
l3lod’o
O
pet’m
írio
.C
lii
1927,
aliando-se
a
o
s
ch
am
ad
o
s
p
o
lítico
s
trab
alh
istas.
A
pm
trtir
de
1922,
a
e
m
e
rg
én
cia
das
insurt’eiçües
m
ilita
r
’s
ien
en
tistas
C
onsistiu
talvez
n
a
pritm
i’lpm
l1
n
o
v
idade
cIo
pdl’iodlo
p
°
’
s
e
e
ntendem
o
c
olapso
da
o
rd
em
c
o
n
stitu
cio
n
al
de
1891.
A
final,
o
s
n
o
v
o
s
t C
lientes
form
am
’iam
a
llderaiicm
i
m
tm
’m
ada
do
m
o
v
im
en
to
i’ívil’m
ilitar
dc’
i9:3o.
M
as,
co
m
o)
vim
os,
o
s
m
ilitares
n
tln
ca
e
stivel’ana
longe
dmtpolítica
durante
a
Pri liteira
R
epública.
A
p
rin
ctp
al
d
iferen
ça
o
c
o
rricim
u
e
m
1922
fei
o
q
u
estio
n
am
en
to
da
v
itó
ria
eletto
ral
de
A
rth
u
r
B
et’uarcles
p
elos
c
a
n
d
id
ato
s
derroim
m
clos,
pi’ssiol1m
1odo
e
A
A
V
E
R
T
IO
R
A
rA
RA
o
,IU
N
D
O
A
V
IV
A
F
O
L
IT
IC
A
1[
‘14,
125
1.1’
1
A
A
B
IR
lU
R
A
P
A
R
A
1)
M
IJN
I)()
1
1
2
6
m
obilizando
a
opinião
pública
ai
uives
da
c
a
m
panha
da
R
eação
R
epublicji
e
açulando
u
rn
a
possível
a
c
a
o
m
ilitar
que
levasse
B
ernardes
à